DESTAQUE

Cientistas criam um novo tipo de vida, ainda sem definição

Por
15 de Janeiro de 2020
Os recém criados xenobots podem revolucionar tudo o que definimos como ser vivo.
Créditos: Douglas Blackstom

Muitos ufólogos e até mesmo abduzidos levantam a hipótese de que os alienígenas conhecidos como greys [Cinzas] não sejam realmente criaturas vivas, mas algum tipo de robôs biológicos altamente sofisticados, construídos com o propósito de viajar pelo espaço e explorar novos mundos. Como esse tipo de tecnologia é algo que estava muito longe das possibilidades terrestres, ela era mais uma a cair no campo da ficção científica.

Bem, isso agora mudou. Uma equipe de cientistas modificou células vivas extraídas de embriões de sapos e as reuniu em formas de vida inteiramente novas. Esses xenobots – como estão sendo chamado pela equipe que os criou – de um milímetro de largura podem se mover em direção a um alvo, talvez transportar um medicamento que precisa ser levado para um local específico dentro o organismo de um paciente. Além disso, eles conseguem se curar após serem cortados.

                                  

"Essas são novas máquinas vivas", diz Joshua Bongard, cientista da computação e especialista em robótica da Universidade de Vermont, que co-liderou a nova pesquisa. "Eles não são um robô tradicional nem uma espécie conhecida de animal. É uma nova classe de artefato: um organismo vivo e programável". As novas criaturas foram projetadas em um supercomputador na Universidade de Vermont e depois montadas e testadas por biólogos da Universidade Tufts.

"Podemos imaginar muitas aplicações úteis para esses robôs vivos que outras máquinas não podem fazer", diz o co-líder Michael Levin, que dirige o Centro de Biologia Regenerativa e Desenvolvimento da Universidade Tufts. "Eles podem pesquisar compostos nocivos ??ou contaminação radioativa, coletar micro plásticos nos oceanos e até viajar nas artérias de um paciente para raspar placas de gordura", complementou ele.

Joshua Bongard, uma dos líderes da pesquisa

Os minúsculos robôs tinham cerca de uma semana a 10 dias de poder de vida, cortesia de células musculares cardíacas vivas, capazes de se expandir e contrair por conta própria. E eles eram pequenos bichos muito trabalhadores. Em testes descritos em um artigo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências hoje, alguns foram capazes de empurrar pequenos pacotes para um local central em pratos de água, enquanto outros carregavam um objeto.

Os robôs biológicos têm uma vantagem sobre seus irmãos muito maiores de metal ou plástico: eles não deixam vestígios para trás. “Esses xenobots são totalmente biodegradáveis. Quando terminam o trabalho, após sete dias, são apenas células mortas da pele” disse Bongard no comunicado

"Hoje eles são muito pequenos, mas, em última análise, o plano é fazê-los crescer", disse ao jornal The Guardian o coautor Michael Levin, diretor do Allen Discovery Center da Universidade Tufts. “Eles poderiam ser construídos com outras células, incluindo vasos sanguíneos ou células nervosas, para obter capacidades cognitivas - mas isso não acontecerá tão cedo”.

Talvez, quando acontecer, eles se pareçam exatamente com os greys.

Fontes: Futurism, Universidade de Vermont

Assista ao video explicativo sobre a nova descoberta. Legndas Tunguska

                                                                                  

                                                             

Já está no ar a Edição 269 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2019

Como são eles?