DESTAQUE

Cientistas apontam onde devemos encontrar sinais de vida em Marte

Por
02 de Junho de 2018
Leitos de antigos lagos são os melhores locais para procurar vida em Marte, diz estudo
Créditos: NASA

Há cerca de 4 bilhões de anos ou menos, Marte era bem diferente do deserto vermelho de hoje. Possuía lagos, rios e água corrente, e provavelmente formas simples de vida. A busca por evidências da existência de marcianos, no passado ou mesmo no presente, tem sido uma constante nas missões enviadas ao Planeta Vermelho. Agora um trabalho recentemente publicado no Journal of Geophysical Research: Planets aponta que rochas sedimentárias ricas em ferro, existentes em leitos de antigos lagos marcianos, são a melhor aposta para encontrar vestígios fossilizados da vida marciana. Como o rover Curiosity da NASA descobriu, Marte possui todos os elementos para a existência de vida semelhante à nossa, e "seguir a água" tem sido o mote da exploração marciana da agência norte-americana.

Micróbios que existiram nos locais inundados de Marte teriam se aproveitado de leitos de lagos com sedimentos, lama e argila ricas em ferro e sílica. Estes últimos teriam auxiliado no processo de fossilização desses organismos, assim quando a água desapareceu na superfície de Marte e os sedimentos se tornaram rochas, qualquer traço e evidência dessas formas de vida poderia ter sido preservada nelas. A pesquisa será sem dúvida fundamental para a escolha de locais de pouso para as próximas missões, como os rovers Mars 2020 da NASA e o Exomars Rover da Agência Espacial Europeia (ESA). As duas missões deverão colher amostras e depositá-las na superfície, para que futuras expedições as recolham e as enviem à Terra para análises detalhadas.

A equipe internacional de pesquisadores, comandada por Sean McMahon da Universidade de Edimburgo, simulou condições marcianas a fim de verificar que tipo de solo seria mais provável de conservar vestígios de seres vivos por bilhões de anos. Rochas sedimentares ricas em ferro se mostraram as mais promissoras nesse sentido, e as experiências foram feitas em laboratório, pois rochas da Terra da mesma idade não estão bem preservadas. O motivo é que nosso planeta possui placas tectônicas, que Marte não tem. As informações obtidas por missões marcianas anteriores permitiram determinar que, entre 3 e 4 bilhões de anos atrás Marte tinha água líquida abundante na superfície, e uma atmosfera densa teria permitido o surgimento e evolução da vida. McMahon complementa: "Há muitos locais com rochas e minerais interessantes em Marte, onde gostaríamos de buscar fósseis. Mas como não poderemos mandar rovers para todos, tentamos priorizar os lugares mais promissores baseando-nos na melhor informação disponível".

Leia o artigo

Experiência comprova que micróbios terrestres podem viver em Marte

Elon Musk detalha planos para levar pessoas a Marte em 2024

NASA responde a alegações de que está acobertando descoberta de vida em Marte

Rover da NASA pode ter encontrado assinaturas da vida em Marte

Marte teve diversidade de ambientes que podem ter abrigado vida

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

crédito: Revista UFO
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial
Pacote NASA: 50 Anos de Exploração Espacial

Veja em 50 Anos de Exploração Espacial os momentos mais emocionantes da trajetória da NASA, desde o primeiro homem em órbita até as missões do ônibus espacial. Reveja o incrível voo de John Glenn na missão Friendship 7, o sucesso da Apollo 11 e os primeiros passos de Neil Armstrong na Lua, as viagens seguintes ao satélite e as operações conjuntas com a nave soviética Soyuz. Conheça a verdadeira razão de não voltarmos mais à Lua e descubra que o destino agora é Marte, Vênus, Júpiter e mundos além do Sistema Solar, e quais são os planos da NASA para alcançá-los.

Já está no ar a Edição 237 da Revista UFO. Aproveite!

Agosto de 2016

Visões diferentes para a mesma questão