DESTAQUE

Cientista financiado pela NASA afirma que novo propulsor pode se aproximar da velocidade da luz

Por
08 de Setembro de 2020
Viagem Espacial
Créditos: Divulgação

Um dispositivo feito com cristais que vibram por meio de uma aplicação de corrente elétrica parece uma ideia saída da ficção científica. Mas é nela que a NASA está apostando parte de seu orçamento. Saiba mais.

O professor emérito de física da Universidade Estadual da Califórnia de Fullerton Jim Woodward, de 80 anos, tem uma ideia de outro mundo para permitir que espaçonaves viajem para sistemas estelares vizinhos: pequenos cristais que vibram dezenas de milhares de vezes por segundo quando uma corrente elétrica lhes é aplicada.

Sua invenção, apelidada de impulso de assistência gravitacional de efeito Mach (MEGA), tem a promessa extraordinária de ser um sistema de propulsão que depende de nada além de uma fonte de eletricidade. Nenhuma combustão seria necessária, como relatou Woodward para o portal Wired. 

A ideia é acelerar lentamente, mas por um longo período de tempo. De acordo com o cientista, uma espaçonave com propulsão MEGA poderia eventualmente atingir velocidades próximas à velocidade da luz, com a ajuda de um reator nuclear a bordo para fornecer décadas de energia elétrica.

 

Com a ajuda de Einstein


O acionamento assistido por gravidade de efeito Mach da Woodward é montado no final
de uma balança de torção em uma câmara de vácuo. 
O dispositivo tem apenas alguns centímetros de comprimento. Crédito: Wired

O impulso MEGA se baseia no princípio de Mach, batizado pelo próprio Albert Einstein, que afirma que a inércia está relacionada a efeitos gravitacionais distantes. 

À medida que a energia de um objeto muda, a própria questão do espaço e do tempo também muda em torno dele, uma interpretação controversa do famoso princípio de equivalência massa-energia de Einstein, E = mc².

Em outras palavras, de acordo com o Wired, se parte de um objeto - no caso da unidade MEGA, partes de minúsculos discos piezoelétricos - mudasse simultaneamente seu estado de massa e energia, ele poderia teoricamente começar a acelerar.

O trabalho de Woodward em sua unidade MEGA está em andamento há mais de 30 anos. Ele  recebeu financiamento por meio do programa Innovative Advanced Concepts da NASA, em 2017.

Com o dinheiro da doação, Woodward e seus colaboradores projetaram uma espaçonave conceitual sem rosca chamada SSI Lambda, uma nave de aparência incomum que abriga uma série de cerca de 15.000 unidades MEGA ampliadas.

 

“É por isso que fazemos ciência”


O físico Jim Woodward Crédito: Wired

Mais recentemente, o último drive MEGA de Woodward produziu muito mais impulso do que todos os seus protótipos anteriores.

“Fiquei chocado com o enorme aumento da força medida”, declarou Hal Fearn, colaborador próximo e físico da California State University. No entanto, outros pesquisadores ainda são céticos em relação ao novo dispositivo.

“Eu diria que existe uma chance entre 1 em 10 e 1 em 10.000.000 de que seja real, e provavelmente no extremo superior desse espectro”, disse Mike McDonald, engenheiro aeroespacial do Laboratório de Pesquisa Naval em Maryland.

“Mas imagine aquela chance, isso seria incrível”, acrescentou. “É por isso que fazemos trabalhos de alto risco e alta recompensa. É por isso que fazemos ciência”.

Woodward e Fearn estão agora planejando enviar uma demonstração do dispositivo em órbita para testar como ele se sai no espaço.

 

Fonte: Futurism  

Para ler o artigo completo publicado pelo Portal Wired,  por favor, clique aqui

Já está no ar a Edição 278 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2020

Miscigenação com aliens