DESTAQUE

Cientista diz haver evidências de vida em Marte desde os anos 70

Por
15 de Outubro de 2019
Carl Sagan e uma maquete da Viking no Vale da Morte, na Califórnia. Sagan ajudou a selecionar os locais de pouso e planejar as missões Viking
Créditos: NASA

Na Revista Scientific American foi divulgado um artigo de Gilbert V. Levin, PhD., que participou do experimento de detecção de vida chamado Labeled Releasse (LR) na missão Viking da NASA para Marte, em 1976. O autor da publicação é engenheiro, inventor e foi o principal pesquisador do experimento LR.

Levin diz que os resultados iniciais enviados de Marte foram positivos. Duas sondas pousaram 6 mil quilômetros distantes uma da outra e enviaram quatro respostas com base em cinco variáveis. Os dados indicaram a detecção de respiração microbiana. As curvas de dados provenientes de Marte eram semelhantes àquelas produzidas por testes da LR em solos da Terra.

Entretanto, quando o Experimento de Análise Molecular da Viking não detectou matéria orgânica, a NASA concluiu que o LR havia encontrado uma substância que apenas imitava a vida. Nos próximos 43 anos a NASA enviou missões a Marte para apenas identificar se lá havia habitat adequado à vida sem, no entanto, carregar instrumento de detecção de vida.

O administrador da NASA, Jim Bridenstine falou, em fevereiro deste ano, que poderia ser encontrada vida microbiana em Marte. A detecção de vida naquele planeta ganhou importância com a intenção, dos Estados Unidos, de enviar astronautas para lá, uma vez que a presença de vida pode ameaçar aqueles que forem enviados a Marte, e os que estão aqui, quando eles voltarem.


A vista do Viking. Crédito: NASA

Leia o artigo de Levin traduzido e na íntegra:

Nós, humanos, agora podemos espiar de volta a origem virtual do nosso universo. Aprendemos muito sobre as leis da natureza que controlam seus corpos celestes aparentemente infinitos, sua evolução, movimentos e destino possível. No entanto, igualmente notável, não temos informações suficientes de que exista outra vida além da nossa, ou se estamos sozinhos nessa imensidão mesmo. Fizemos apenas uma exploração para resolver esse mistério primordial. 

Tive a sorte de ter participado dessa aventura histórica do experimento de detecção de vida da Labeled Release (LR) na espetacular missão Viking da NASA em Marte em 1976.

Em 30 de julho de 1976, a LR retornou seus resultados iniciais de Marte. Surpreendentemente, eles foram positivos. À medida que o experimento progredia, um total de quatro resultados positivos, apoiados por cinco controles variados, vindos da sonda Viking, pousaram a cerca de 6.000 quilômetros de distância. As curvas de dados sinalizaram a detecção de respiração microbiana no Planeta Vermelho. As curvas de Marte eram semelhantes às produzidas pelos testes LR de solos na Terra. Parecia que tínhamos respondido a pergunta final.

Quando o Experimento de Análise Molecular da Viking falhou em detectar matéria orgânica, a essência da vida, no entanto, a NASA concluiu que o LR havia encontrado uma substância que imitava a vida, mas não a vida. Inexplicavelmente, nos 43 anos desde o Viking, nenhum dos astronautas subsequentes da NASA em Marte carregava um instrumento de detecção de vida para acompanhar esses resultados emocionantes. Em vez disso, a agência lançou uma série de missões a Marte para determinar se havia um habitat adequado para a vida e, se assim for, eventualmente trazer amostras para a Terra para exame biológico.

A NASA mantém a busca por vida alienígena entre suas maiores prioridades. Em 13 de fevereiro de 2019, o administrador da NASA, Jim Bridenstine, disse que poderíamos encontrar vida microbiana em Marte. Nossa nação agora se comprometeu a enviar astronautas para Marte. Qualquer vida lá poderá ameaçá-los e a nós quando eles voltarem. Assim, a questão da vida em Marte está agora na frente e no centro.

A vida em Marte parecia um tiro no escuro. Por outro lado, seria quase um milagre que Marte fosse estéril. O cientista da NASA Chris McKay disse uma vez que Marte e a Terra estão "trocando cuspe" há bilhões de anos, o que significa que, quando um planeta é atingido por cometas ou grandes meteoritos, alguns fragmentos disparam para o espaço. Uma pequena fração desse material acaba pousando no outro planeta, talvez infectando-o com caronas microbiológicas. O fato de algumas espécies microbianas da Terra sobreviverem ao ambiente marciano foi demonstrado em muitos laboratórios. Há até relatos de sobrevivência de microrganismos expostos ao espaço nu fora da Estação Espacial Internacional (ISS).

A reserva da NASA contra uma busca direta por microrganismos ignora a simplicidade da tarefa realizada por Louis Pasteur em 1864. Ele permitiu que os micróbios contaminassem um caldo de infusão de feno, após o qual apareceram bolhas do gás expirado. Antes de conter microorganismos vivos, nenhuma bolha apareceu. (Pasteur havia determinado anteriormente que o aquecimento, ou pasteurização, de uma substância assim mataria os micróbios.) Esse teste elegantemente simples, atualizado para substituir os nutrientes microbianos modernos pelos produtos de infusão de feno da Pasteur, é usado diariamente pelas autoridades de saúde de todo o mundo. para examinar a água potável. Bilhões de pessoas são protegidas contra patógenos microbianos.

Esse teste padrão, em essência, foi o teste LR em Marte, modificado pela adição de vários nutrientes que se pensava ampliar as perspectivas de sucesso com organismos estranhos e pela marcação dos nutrientes com carbono radioativo. Esses aprimoramentos tornaram o LR sensível às populações microbianas muito baixas postuladas para Marte, caso existissem, e reduziu o tempo para a detecção de microrganismos terrestres para cerca de uma hora. Mas em Marte, cada experimento LR continuou por sete dias. Um controle de calor, semelhante ao de Pasteur, foi adicionado para determinar se alguma resposta obtida era biológica ou química.

O Viking LR procurou detectar e monitorar o metabolismo em andamento, um indicador muito simples e à prova de falhas dos microrganismos vivos. Milhares de execuções foram feitas, antes e depois do Viking, com solos terrestres e culturas microbianas, tanto em laboratório quanto em ambientes naturais extremos. Nenhum resultado falso positivo ou falso negativo foi obtido. Isso suporta fortemente a confiabilidade dos dados do LR Mars, mesmo que sua interpretação seja debatida.

Em seu recente livro To Mars with Love , minha co-experimentadora LR Patricia Ann Straat fornece muitos dos detalhes científicos da Viking LR no nível leigo. Artigos científicos publicados sobre a LR estão disponíveis no site .

Além das evidências diretas da vida em Marte obtidas pelo LR da Viking, evidências que apoiam ou são consistentes com a vida microbiana existente em Marte foram obtidas pela Viking, missões subsequentes a Marte e descobertas na Terra:

  • Água de superfície suficiente para sustentar microorganismos foi encontrada em Marte por Viking, Pathfinder, Phoenix e Curiosity;
  • A ativação ultravioleta (UV) do material da superfície marciana não causou, como proposto inicialmente, a reação LR: uma amostra colhida sob uma rocha de proteção UV era tão ativa quanto a LR como amostras de superfície;
  • Organicos complexos, foram relatados em Marte pelos cientistas da Curiosity, possivelmente incluindo o querogênio, que poderia ser de origem biológica;
  • Phoenix e Curiosity encontraram evidências de que o antigo ambiente marciano pode ter sido habitável.
  • O excesso de carbono-13 sobre carbono-12 na atmosfera marciana é indicativo de atividade biológica, que prefere ingerir o último;
  • A atmosfera marciana está em desequilíbrio: seu CO 2deveria ter sido convertido em CO pela luz UV do sol; assim, o CO 2 está sendo regenerado, possivelmente por microrganismos como na Terra;
  • Os microrganismos terrestres sobreviveram no espaço exterior fora da ISS;
  • Fragmentos contendo micróbios viáveis ??provavelmente chegaram a Marte da Terra;
  • O metano foi medido na atmosfera marciana; metanógenos microbianos podem ser a fonte;
  • O rápido desaparecimento do metano da atmosfera marciana exige um sumidouro, possivelmente fornecido por metanotróficos que possam coexistir com metanogênios na superfície marciana;
  • Luzes em movimento semelhantes a fantasmas, que se assemelham a fogos-de-artifício na Terra, formadas por ignição espontânea de metano, foram gravadas em vídeo na superfície marciana;
  • O formaldeído e a amônia, cada um possivelmente indicativo de biologia, são reivindicados como estando na atmosfera marciana;
  • Uma análise de complexidade independente do sinal LR positivo identificou-o como biológico;
  • As análises espectrais de seis canais pelo sistema de imagens da Viking descobriram que o líquen terrestre e as manchas verdes nas rochas de Marte têm a mesma cor, saturação, matiz e intensidade;
  • Uma característica de verme estava em uma imagem tirada pelo Curiosity;
  • Grandes estruturas semelhantes a estromatólitos terrestres (formadas por microorganismos) foram encontradas pelo Curiosity; uma análise estatística de suas características complexas mostrou menos de uma probabilidade de 0,04% de que a similaridade foi causada apenas pelo acaso;
  • Nenhum fator adverso à vida foi encontrado em Marte.

Em resumo, temos: resultados positivos de um teste microbiológico amplamente utilizado; respostas de apoio de controles fortes e variados; duplicação dos resultados de RL em cada um dos dois locais da Viking; replicação do experimento nos dois locais; e o fracasso, ao longo de 43 anos, de qualquer experimento ou teoria em fornecer uma explicação não biológica definitiva dos resultados da Viking LR.

Entenda o momento ufológico

Reconhecimento de UFOS

O perigo da tecnologia é a causa de manter contato secreto com aliens

Alerta para iminente revelação UFO

Um evento vai debater as novas revelações 

Nick Pope, Stephen Bassett e A. J. Gevaerd estão à frente do maior evento sobre Ufologia que já se planejou no país, que ocorrerá em novembro em Recife (dia 16), Porto Alegre (19), São Paulo (21) e Curitiba (23). Trata-se do UFO Summit Brazil 2019, que pretende reunir mais de 3 mil pessoas em todas estas cidades para apresentar as novas e recorrentes revelações americanas e outras, inclusive brasileiras, confirmando a existência de discos voadores em ação na Terra.

UFO Summit Brazil 2019 
Conferencistas: A. J. Gevaerd, Nick Pope e Stephen Bassett
Ingressos: www.ufosummit.com.br

www.ufosummit.com.br

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 273 da Revista UFO. Aproveite!

Outubro de 2019

Portais Dimensionais