DESTAQUE

Chega ao fim a missão Rosetta

Por
30 de Setembro de 2016
Imagem tomada pela Rosetta durante sua descida final, a 16 km de distância do local do pouso
Créditos: ESA

Toda jornada tem um final e aproximadamente às 07h19 desta sexta-feira, 30 de setembro de 2016, foi encerrada a missão Rosetta-Philae, da Agência Espacial Europeia (ESA). Esse foi o horário da última transmissão da nave Rosetta, que havia acabado de pousar no cometa 67P, encerrando uma das mais extraordinárias missões de exploração espacial de todos os tempos. O astro está aproximadamente a 718 milhões de quilômetros da Terra, dirigindo-se para seu afélio, ponto de máximo distanciamento ao Sol, além de Júpiter. Abastecida com energia solar, a nave não poderia ser mantida em segurança em órbita do cometa, daí a opção ter sido encerrar os trabalhos nesse último e emocionante ato.

Missões anteriores já haviam explorado cometas, como as naves soviéticas Vega e a Giotto da ESA, que em 1986 investigaram o cometa Halley. A Stardust da NASA trouxe de volta para a Terra em 2006 amostras da cabeleira do cometa Wild 2. Mas a Rosetta superou amplamente todas essas, sendo a primeira a orbitar um cometa, enviar um módulo de pouso, o Philae, a sua superfície, e a primeira a acompanhar um desses astros durante sua passagem próxima ao Sol, o periélio. Dessa maneira, a sonda documentou toda a evolução no comportamento do cometa conforme muda sua distância para a estrela, e como esses astros são restos da formação do Sistema Solar, dos anos de estudo que virão pela frente sobre a enorme quantidade de informações enviadas poderão surgir pistas importantes sobre o surgimento e evolução de nosso quintal cósmico.

A Rosetta foi lançada em março de 2004 em uma jornada de dez anos, percorrendo 6,5 bilhões de km até o histórico encontro com o 67P em agosto de 2014. Três meses depois Philae realizou seu igualmente histórico pouso, que infelizmente não correu como esperado. Mas mesmo assim o módulo enviou uma grande quantidade de informações sobre a superfície do cometa, e foi finalmente encontrado em setembro último em uma depressão. Por sinal, o 67P/Churyumov-Gerasimenko foi observado pela primeira vez em 1969, tem 4 km de extensão e completa uma órbita ao redor do Sol a cada 6,5 anos, percorrendo um trajeto entre as órbitas de Terra e Júpiter. Conforme a Rosetta descia para seu local de repouso final, a região chamada de Ma´at, seus instrumentos captavam os últimos dados sobre a densidade e composição dos gases do astro, temperaturas na superfície e campo gravitacional, que eram enviados imediatamente à Terra.

REVOLUCIONANDO NOSSO ENTENDIMENTO SOBRE OS COMETAS E A ORIGEM DA VIDA

crédito: ESA
Foto obtida pela Rosetta a 5,8 km de distância da superfície do cometa
Foto obtida pela Rosetta a 5,8 km de distância da superfície do cometa

Rosetta e Philae revolucionaram nosso conhecimento sobre cometas e entre as descobertas está a presença de água diferente do que a que existe na Terra, talvez comprovando que o impacto desses corpos nas primeiras eras do Sistema Solar não tenha trazido muito da água que hoje existe em nosso planeta. Philae comprovou a existência de moléculas orgânicas na superfície, mas ainda está sendo debatido se estas poderiam, uma vez que esses impactos as trouxessem à Terra, evoluir a fim de dar origem às primeiras formas de vida. Entretanto, estudos mais recentes da cabeleira comprovaram a presença do aminoácido glicina, encontrado em proteínas, e de fósforo, componente essencial do DNA. Este achado reforçou a ideia de que os ingredientes básicos para a formação da vida vieram para a Terra a bordo de cometas.

crédito: ESA
A ESA publicou uma série de cartoons para incentivar as crianças a acompanhar a missão
A ESA publicou uma série de cartoons para incentivar as crianças a acompanhar a missão

O monitoramento próximo da Rosetta mostrou a evolução do cometa conforme se aproxima do Sol, com gelo sublimando e jatos de poeira surgindo em sua superfície. A missão foi batizada em honra à Pedra de Rosetta, essencial para entender línguas antigas, e sem dúvida obteve informações preciosas para enterder como se deu a formação do Sistema Solar e da vida na Terra. Para celebrar a histórica e espetacular missão, a ESA patrocinou a realização do filme Ambition de 2014, estrelado por Aisling Franciosi e Aidan Gillen, da série Game of Thrones. Agora, comemorando o emocionante final da missão, foi lançado Ambition - Epilogue. Além disso, a agência espacial ainda patrocinou uma série de desenhos animados, que de forma divertida e emocionante contam a história e o impressionante legado da missão Rosetta Philae, cujos resultados serão analisados ainda por muitos anos.

crédito: ESA
Última foto transmitida pela Rosetta, a somente 20 metros de distância da superfície
Última foto transmitida pela Rosetta, a somente 20 metros de distância da superfície

Visite o site da missão Rosetta-Philae

Blog da missão

Confira o filme Ambition inspirado na missão Rosetta

Assista a um documentário sobre a missão

Confira Ambition - Epilogue

Desenho animado O Grande Final de Rosetta

Desenho animado Missão Completa

Nave Rosetta tem histórico encontro com um cometa

Sonda europeia realiza histórico pouso em cometa

Módulo Philae retoma contato com nave Rosetta

Simulação das condições em cometas encontra moléculas essenciais à vida

Cientistas teriam encontrado condições favoráveis à vida em cometa

Nave Rosetta acompanha cometa na maior aproximação com o Sol

Rosetta encontra módulo Philae na superfície de cometa

Saiba mais:

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

crédito: Revista UFO
Buscando Vida Fora da Terra
Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Já está no ar a Edição 217 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2014

A descoberta de novos mundos

UPDATED CACHE