DESTAQUE

Caso Roswell: seriam os alienígenas do incidente viajantes do tempo?

Por
17 de Março de 2021
A teoria de que os UFOs possam ser viajantes do tempo não é novidade.
Créditos: Fergregory/Thinkstock

E se o caso Roswell puder ser explicado de uma maneira muito diferente e totalmente alternativa ao que se estipula hoje? E se a estranha nave e sua tripulação não fossem habitantes de outra galáxia? E se, incrivelmente, seu ponto de origem fosse um futuro longínquo de uma natureza nitidamente humana?

Por Nick Redfern

Embora tal cenário possa parecer extremo e incrível para muitos - mesmo para aqueles que são da opinião de que algo verdadeiramente anômalo ocorreu no Condado de Lincoln, tantos anos atrás - tais teorias foram expressas e endossadas também. Um dos que revelaram seus pensamentos sobre esse cenário em particular foi o tenente-coronel Philip Corso, coautor com William Birnes do muito debatido livro de 1997, The Day after Roswell.

A sensacional história, e corretamente questionada e criticada, contava sobre o suposto conhecimento pessoal de Corso sobre o caso Roswell enquanto servia com os militares e sobre a maneira como ele supostamente ajudou a promover os Estados Unidos - tanto científica quanto militarmente - alimentando secretamente certas tecnologias fantásticas que foram encontradas na nave recuperada em Roswell para indústrias privadas e empreiteiras de defesa baseadas nos Estados Unidos.

Apesar de muitos defenderem Corso como um sólido proponente da ideia de que extraterrestres se espatifaram na Terra no Novo México em 1947, na realidade, ele estava disposto a considerar algo muito diferente. Os corpos incomuns encontrados nos destroços da nave, afirmou ele, eram de seres geneticamente projetados para resistir aos rigores do voo espacial, mas não eram os criadores reais do UFO em si. Até o momento de sua morte em 1998, Corso especulou sobre a possibilidade distinta de que o governo dos Estados Unidos ainda não tivesse uma ideia real de quem construiu a nave ou de quem modificou geneticamente os corpos encontrados a bordo ou nas proximidades dos destroços.


O tenente-coronel Philip Corso foi uma das figuras mais polêmicas envolvidas no caso Roswell.
Fonte: Getty Images

Corso deu muita consideração à ideia de que o UFO de Roswell fosse uma forma de máquina do tempo, possivelmente até mesmo uma projetada e construída por habitantes de uma Terra de um futuro distante, ao invés de seres de um sistema solar distante. O relato de Corso em relação a Roswell foi defendido verbalmente e denunciado em voz alta. Outros parecem inseguros sobre o que fazer com tudo isso. Mas, infelizmente para aqueles que tentam entender a situação, a ufologia sempre foi assim quando se trata de assuntos de natureza altamente volátil. Nunca obtemos uma resposta definitiva. Sempre acaba, para usar um trocadilho terrível, mas apropriado, em uma área “cinzenta”.

Se não houver nada demais na história de Corso, então que seja. Mas, se houver uma pequena pepita de verdade na história, então aqui está algo que devemos meditar: talvez, ao estudar os materiais de Roswell, tenha-se aprendido algo profundamente perturbador e terrível sobre nosso futuro, algo que não ousariam compartilhar conosco, a população em geral. Jamais. Será esta, talvez, a razão pela qual o caso Roswell ainda está envolto em um segredo avassalador, mais de 60 anos depois de ter ocorrido?

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 283 da Revista UFO. Aproveite!

Março de 2021

Índios são atacados por UFOs no Acre