DESTAQUE

Casal ouve “rosnados” em uma floresta, avistando um UFO logo após

Por
27 de Janeiro de 2022
O que teria produzido o tal “rosnado”? Seria a luz misteriosa ou um de seus ocupantes?
Créditos: Shutterstock

Durante uma noite estranhamente calma no verão dos Estados Unidos em 2021, em uma floresta do noroeste do Pacífico, um casal ouviu um som de “rosnado” à distância. Então, de repente, um UFO brilhantemente apareceu sobre o lago, pairando e depois desaparecendo. O relato só foi divulgado agora, depois de não terem mais presenciado o evento nas visitas seguintes.

“Minha família é dona de uma cabana rústica em uma área pouco desenvolvida à beira do lago Ozette, no noroeste do Pacífico, nos Estados Unidos. Quando digo rústico, quero dizer sem eletricidade, água encanada, banheiro, serviço de celular etc. São cerca de 40 minutos de carro por uma estrada de terra até encontrar a civilização. A cabana é pequena e fica ao lado do lago. Temos uma fogueira e uma estrutura de gazebo em uma clareira no final de uma longa entrada”, relata uma das testemunhas, que não quis se identificar. Toda a propriedade e área circundante é selvagem com um punhado de outras cabanas semelhantes nas proximidades.

“Somos donos do lugar há mais de 20 anos, e é um bom lugar. Como boas vibrações, um lugar feliz que parece seguro e divertido. Meu namorado e eu gostamos de ir nos fins de semana no verão e nadar, andar de caiaque, beber, o que for. Nesta visita em particular, ficamos para a noite de domingo e parecia que a maioria, se não todos, os vizinhos haviam saído à noite, voltando para trabalhar no dia seguinte. Estávamos no gazebo e deve ter sido por volta das 23h00”, continua.

Ela relata que o namorado estava jogando algum jogo em seu telefone, e ela estava lendo um livro à luz de lanterna. “Tínhamos música tocando em um alto-falante portátil, mas a bateria havia descarregado e nos contentávamos em ficar em silêncio. Estávamos agradavelmente cansados de um grande dia no lago e relaxados. Não havia um sussurro de brisa. E foi muito, muito tranquilo.” Ela diz que, em algum momento, olhou por cima de seu livro, um pouco nervosa. Estava esmagadoramente quieto, quase sufocante. Sem folhas farfalhando ao vento, sem insetos zumbindo, sem sapos coaxando. “Eu me senti desconfortável, como se algo não estivesse certo. Continuei me distraindo com a história que estava lendo, e meus ouvidos estavam se esforçando, tentando ouvir alguma coisa. Tenho certeza de que comentei o silêncio com meu namorado, que concordou que estava especialmente quieto. Parecia que a natureza estava prendendo a respiração, esperando por algo.”

Depois de alguns minutos, eles começaram a ouvir algo à distância. Estava na floresta, bem longe. “Sinceramente não faço ideia do que era. Achei que talvez fosse um pássaro com um canto baixo e rouco. Como um corvo com dor de garganta. Mas também havia uma profundidade nisso, que me peguei imaginando um enorme alce ou um urso ou Deus sabe o quê.” Esse ruído áspero começou a se repetir em intervalos bastante regulares, sempre no mesmo tom. O rapaz olhou para cima, confirmando que também estava ouvindo. “‘Que raio é aquilo?’, perguntei, me sentindo cada vez mais assustada.”


O lago Ozette foi palco de um avistamento surpreendente.
Fonte: Outdoor Project

Ela continua, dizendo que o problema é que estava muito longe e não parecia estar se aproximando. Nesse ponto, ela desistiu do livro e seu namorado desligou o telefone, e ficaram em silêncio, apenas ouvindo. “Podíamos ouvir o ruído baixo e áspero, e nada mais. O ar parecia denso, quase sufocante. Estava quase escuro como breu sem a lanterna e a luz do telefone, e o formigamento no meu pescoço se transformou em um calafrio total. Senti como se algo estivesse me observando da escuridão das árvores, e meus olhos percorreram a penumbra inutilmente.” O “rosnado” baixo e rouco continuou. “Vamos para dentro”, sussurrou a mulher. Ambos se levantaram para correr para a cabana quando houve um flash diretamente na frente deles, sobre o lago, “(...) o que só posso descrever como uma barra de luz iluminada tão forte que paramos.”

Essa barra vertical de luz pairou por um momento, suspensa sobre o lago, e depois desapareceu, deixando a imagem queimada em suas retinas. “Nós dois estávamos exclamando: ‘Você viu isso?’, e conversando um com o outro e constatamos que vimos exatamente a mesma coisa ao mesmo tempo e não tínhamos ideia de como explicar o que era. Um momento depois, percebi que a sensação sufocante havia desaparecido, o silêncio havia diminuído e a noite e a floresta pareciam ‘normais’ novamente. O rosnado áspero ao longe tinha parado e não retornou.”

“Fomos para a cama depois disso, e conversamos sobre isso desde então e não temos uma explicação racional para o que foi. Nós brincamos nos referindo a isso como nosso ‘encontro com um UFO’, mas não falamos mais sobre isso com os amigos porque ninguém acredita em nós. Estive na cabana muitas vezes e nunca senti aquele medo, aquela sensação de estar sendo observada, aquele pavor arrepiante. E nunca mais ouvi aquele som.” O relato surpreendente ocorreu ano passado, mas apenas divulgado agora, chegando nas mãos de Lon Strickler, do site Phantoms & Monsters. Teria o tal “rosnado” sido som do UFO? Ou algo mais?

Fonte

Já está no ar a Edição 286 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2021

Os segredos ufológicos do Pentágono