DESTAQUE

Áudio de assistente de Einstein alega que ele teria visto os alienígenas de Roswell e sua nave

Por
04 de Outubro de 2021
A história já é antiga, mas agora há áudios de sua assistente confirmando.
Créditos: UFO Explorations

Em uma confissão gravada em 1993, nunca antes tornada pública, a assistente de Albert Einstein fez a impressionante admissão de que ela e o professor tinham voado no verão de 1947 para Roswell, no estado do Novo México, sob a direção do governo, e examinaram os destroços e corpos resultantes da queda de um veículo extraterrestre.

Sua história de Roswell foi originalmente contada pelo falecido ufólogo, Leonard Stringfield, em trechos de seu relatório de status publicado em particular no início dos anos 90 – série de monografias da UFO Crash Retrievals. Ele deu à assistente de Einstein, Shirley Wright, o pseudônimo de “Edith Simpson” para proteger seu nome e a privacidade de sua família. Mas Stringfield mencionou em seu livro o nome da pesquisadora na Flórida que se encontrou com a doutora Shirley para entrevistá-la, uma mulher chamada Sheila Franklin. Sheila era ativa na organização Mutual UFO Network (MUFON) do estado. Stringfield e Sheila colaboraram para documentar o que ela tinha a dizer.

Sheila e Shirley tinham um amigo comum. Foi por meio dessa conexão que Sheila soube que a assistente mencionara que ela e Einstein tinham feito a viagem até Roswell. O amigo combinou um encontro de Sheila e Shirley. Sheila gravou seu testemunho quando as duas combinaram de se encontrar em Miami, Flórida, em novembro de 1993. Esperava-se que a Sheila Franklin que Stringfield mencionou como entrevistadora da assistente de Einstein ainda estivesse viva. E se ela estivesse, esperançosamente ela poderia ser localizada. Depois de utilizar vários diretórios online e depois de muitas ligações, Sheila foi localizada e contatada. Inicialmente um tanto cética em relação ao telefonema, uma vez que a intenção do contato com ela foi compreendida, ela se tornou mais acessível.

Ela explicou que não apenas tinha anotações de sua entrevista com a assistente de Einstein, mas que realmente havia gravado e ainda tinha as fitas. Ainda mais, ela estava disposta a tentar encontrar as fitas das entrevistas, agora com quase 30 anos, e enviá-las para o mundo ouvir. Felizmente, após grande esforço, Sheila encontrou e enviou por e-mail o arquivo de uma dessas entrevistas. Infelizmente, a segunda fita de Shirley não foi localizada, apesar das melhores tentativas de Sheila. A assistente de Einstein explicou a Sheila que, em 1947, ela foi escolhida entre vários alunos talentosos para trabalhar para o professor durante o verão daquele ano. Ela passou por extensas verificações de segurança e referência porque seu trabalho a colocaria em uma posição delicada. Einstein gostou profissionalmente de Shirley e a levou a todos os lugares.

Ela se lembra de Einstein como sendo caloroso, simpático e amigável com todos os seus alunos. Mas foi em julho daquele ano que ocorreu um acontecimento que permaneceu vividamente gravado em sua memória para o resto da vida. Ela o acompanhou para participar de uma “conferência de crise” que aconteceria em uma base aérea do exército no Sudoeste, com militares e outros cientistas presentes. Eles voaram de Princeton para Chicago em um voo regular, de onde pegaram outro voo para um pequeno aeroporto civil. Estava chovendo quando eles pousaram e um coronel em um sobretudo os conduziu por cerca de 80Km a 120Km através do deserto até a base. Eles foram levados para um hangar fortemente vigiado. Foi lá que Shirley e Einstein perceberam que estavam lidando com algo sobrenatural. Ela descreveu a nave armazenada no hangar: “Era em forma de disco, uma espécie de côncavo. Seu tamanho chegava a um quarto do piso do hangar.” A nave parecia de alguma forma danificada de um lado. Ela disse que infelizmente não foi capaz de se aproximar o suficiente para ver os detalhes, pois a nave estava cercada por guardas, fotógrafos e especialistas que a estudavam.


A doutora Shirley Wright confirmou sua visita e a de Einstein a uma base secreta para analisar um UFO e seus tripulantes.
Fonte: GettyImages

Ela disse que “(...) o corpo da nave era o que eu chamaria hoje de um material bastante reflexivo, mas quando você se aproxima dele, ele é bastante opaco.” Ela acrescentou: “Eles estavam muito curiosos sobre quais eram os materiais.” Sheila perguntou a ela o que mais interessava a Einstein. Ela respondeu: “Propulsão e mais sobre o universo.” Ela acrescentou: “Ele não ficou nem um pouco perturbado ao ver as evidências. Não anotei seus comentários iniciais, mas ele disse algo no sentido de que não ficou surpreso que eles viessem à Terra e que isso lhe deu esperança de que pudéssemos aprender mais sobre o universo. O contato, disse ele, deve ser um benefício para ambos os mundos.” Sheila se perguntou qual teria sido a reação pessoal de Shirley à exibição. Ela respondeu: “Minha reação foi de admiração, metade curiosidade e talvez metade medo.” Mas a assistente e o professor viram algo mais do que apenas uma nave. Também dentro do hangar da base aérea estavam criaturas extraterrestres. Ela disse a respeito delas: “Alguns dos especialistas puderam olhar mais de perto, incluindo meu chefe. Para mim, todos os cinco se pareciam uns com os outros.”

“Eles tinham cerca de 1.5m de altura, sem cabelos, com cabeças grandes e enormes olhos escuros, e sua pele era cinza com um leve tom esverdeado, mas a maior parte seus corpos não estavam expostos, estando vestidos com trajes justos. Mas ouvi dizer que não tinham umbigo nem genitália.” Mais tarde, em sua estada, houve outra etapa em sua viagem. Ela e Einstein foram escoltados por jipes a cerca de 80Km através do deserto até um prédio isolado e solitário com guardas na porta. Conduzidos ao prédio, eles foram recebidos por um oficial em uma área onde pessoal uniformizado e médicos estavam reunidos em torno de uma maca na qual uma criatura lutava contra a dor. "Fazia sons incomuns, mas nunca falava.” A própria Shirley foi mantida à distância, mas o descreveu como um bípede acinzentado, talvez um pouco mais humano do que os outros que ela tinha visto antes. Seu torso estava grotescamente expandido. “Deve ter sido um caso novo, mas nada me disseram e logo todos nós fomos expulsos do local.” Ela disse a Sheila que mais tarde ela soube que a criatura tinha sobrevivido. Shirley disse que Einstein “(...) tinha a autorização certa, fez um relatório, mas eu não vi. Disseram-me apenas para manter minha boca fechada.”

Embora ela não tenha sido obrigada a assinar nenhum papel, ela se lembrou de sua promessa de não dizer nada. Sheila lembra que ela mencionou que a viagem a Roswell seria negada, que não haveria documentação escrita da visita e que qualquer evidência de que ela tivesse sido feita seria excluída. Ela tinha a inquietante preocupação de que, em certos momentos após o evento, ela pudesse ter “guias” mantidos sobre ela de alguma forma, incluindo oficiais questionando as pessoas ao seu redor sobre ela. Ao ouvir sua voz e comportamento, a história de Shirley impressiona como algo que realmente aconteceu. Quando ela responde às perguntas pontuais de Sheila, ela responde de uma maneira consistente com a verdade. Certamente Wright não tinha nada a ganhar – e nada ganhou – contando sua história. Ela não buscou dinheiro. E ela não buscou a fama, com sua história sendo contada integralmente apenas aqui e agora, após sua morte. Mesmo ela tendo avisado que nenhum rastro de sua viagem a Roswell seria encontrado, foram feitas tentativas. Os Arquivos Albert Einstein, da Universidade Hebraica de Jerusalém, e o Projeto Einstein Papers, da Caltech, foram contatados para ver se havia alguma indicação do paradeiro de Einstein durante o período de 07 a 20 de julho de 1947 (período após a queda). Um calendário ou programação por acaso refletiriam suas atividades e locais? Embora as chances de tal documentação fossem muito baixas, ela precisava ser averiguada. As respostas, às vezes com grande demora, foram variadas.

Os Arquivos Albert Einstein ofereceram uma carta de um associado datada de 21 de julho de 1947 (que não pode ser reproduzida sem permissão) que faz referência à sua oferta para que Einstein o acompanhasse em uma viagem de barco. A resposta foi que Einstein lamenta não ter podido ir devido ao início dos sintomas de uma úlcera. O autor da carta disse que saber dessa notícia foi “surpreendente.” O fato de Einstein ter sofrido uma úlcera (talvez exacerbada pelo estresse) depois de ver os artefatos de Roswell pode ser significativo. O Projeto Einstein Papers, na Caltech, por meio de seu Editor Assistente, a princípio deu a entender que os anos a partir da década de 40 ainda tinham que ser “digitalizados.” Depois disso, foi explicado que seu Editor Sênior disse que Einstein não havia deixado Princeton em julho daquele ano. Não foi explicado como ele sabia o que Einstein estava fazendo 75 anos atrás, em alguns dias de um determinado mês no verão, quando ele estava livre da agenda do ano acadêmico.

O testemunho da doutora Shirley Wright pode ser ouvido aqui e aqui.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos