DESTAQUE

Astrônomos revelam a primeira imagem direta de Beta Pictoris c usando o novo instrumento Gravity

Por
12 de Outubro de 2020
Beta Pictoris C
Créditos: Futurity

Conforme desenvolvemos novas tecnologias, desvendamos os mistérios do universo e conseguimos “ver” aquilo que antes era apenas um resultado lateral. Semana passada vimos nosso primeiro exoplaneta.

 Uma equipe de astrônomos do Instituto Max Planck de Astronomia e Física Extraterrestre conseguiu identificar a existência de um exoplaneta por observação direta pela primeira vez em combinação com o método de medição de velocidade radial.

A descoberta foi descrita em um estudo publicado na revista Astronomy & Astrophysics na sexta-feira, dia 02 de outubro.

Geralmente, a revelação de exoplanetas é feita de forma indireta, contemplando-se os efeitos causados por eles nas estrelas que orbitam, sem que sejam vistos nas observações. Mas com o planeta Beta Pictoris c, localizado a 63 anos-luz de distância da Terra, a história foi diferente.

Combinando os poderosos registros dos quatro telescópios do projeto Very Large Telescope (VLT), instalado no Chile, com o novo instrumento Gravity, pesquisadores conseguiram observar diretamente o brilho fraco do corpo celeste, bem próximo da sua estrela-mãe, chamada Beta Pictoris. E, mais do que isso, foi possível até tirar uma foto do novo exoplaneta.

 
O sistema Beta Pictoris conta com os planetas B e C. Crédito: Phys.org

"É incrível o nível de detalhe e a sensibilidade que podemos alcançar com Gravity", comentou Frank Eisenhauer, cientista-chefe do Instituto Max Planck, referindo-se ao equipamento do VLT utilizado para a descoberta que promete trazer avanços para a astronomia.

"Estamos apenas começando a explorar novos e impressionantes mundos, desde o buraco negro supermassivo no centro de nossa galáxia até planetas fora do Sistema Solar", acrescentou o cientista.

Conforme os cálculos dos astrônomos, Beta Pictoris c tem massa nove vezes maior do que Júpiter e gasta em torno de 3,3 anos para completar uma órbita ao redor da sua estrela, cuja massa tem quase o dobro da massa do Sol.

Perto dali fica outro exoplaneta, Beta Pictoris b, que tem brilho seis vezes maior. No entanto, a massa do planeta b ainda deve demorar um bom tempo para ser calculada, pois ele gasta o equivalente a 28 anos terrestres para completar uma órbita.

 

Fontes: Tecmundo e Phys.org

Assista abaixo um rapido video sobre o sistema Beta Pistoris:

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono