DESTAQUE

Astrônomos observam um enxame de buracos negros se movendo em nossa galáxia

Por
09 de Julho de 2021
Curioso aglomerado possui uma população absurda de buracos negros, que não para de crescer.
Créditos: N. Bartmann

Cem buracos negros em um único aglomerado de estrelas. Um grupo internacional de astrofísicos, liderado por especialistas da Universidade de Barcelona, descobriu uma enorme população de buracos negros que pareciam “espreitar” no aglomerado globular de estrelas Palomar 5, na Via Láctea. Em um futuro distante, este aglomerado consistirá completamente de buracos negros.

Astrofísicos observaram o aglomerado de estrelas Palomar e descobriram uma enorme população de buracos negros, com mais de 100 deles localizados em seu centro. Os cientistas esperavam encontrar menos de um terço do número que localizaram, o que significa que cerca de 20% de toda a massa do aglomerado consiste em buracos negros. Ainda mais, cada um desses buracos negros tem pelo menos 20 vezes a massa do nosso Sol.

O aglomerado globular Palomar 5 foi descoberto em 1950 pelo astrônomo Walter Baade. Ele está localizado na constelação da Serpente, a cerca de 80 mil anos-luz de distância e é um dos cerca de 150 aglomerados globulares orbitando a Via Láctea. Acredita-se que Palomar 5 tenha mais de 10 bilhões de anos. Isso significa que, como a maioria dos outros aglomerados globulares, foi formado nos primeiros estágios da formação da galáxia.

Além disso, ele é cerca de 10 vezes menos massivo e cinco vezes mais longo do que um aglomerado globular típico. Este é um dos aglomerados mais rarefeitos, que se encontra nos últimos estágios de sua dissolução no espaço. Os autores do trabalho também descrevem os resultados da modelagem das órbitas e da evolução de cada estrela do aglomerado, desde o estágio inicial de sua formação até sua dissolução final. Usando um computador, os pesquisadores mudaram suas características iniciais até que encontraram uma correspondência com as últimas observações.


Uma visão de todo o céu da Via Láctea. A região no meio, ao alto, é onde o Palomar 5 está localizado e onde os pesquisadores descobriram mais de 100 buracos negros.
Fonte: Mark Gieles et al./Gaia eDR3/DESI DECaLS/University of Barcelona.

Como resultado, descobriu-se que Palomar 5 foi originalmente formado com relativamente poucos buracos negros. No entanto, o comportamento agressivo das estrelas em fuga levou ao fato de que o número de buracos negros aumentou gradualmente. Eles dinamicamente “inflaram” o aglomerado com seu campo gravitacional, o que levou a um aumento no número de estrelas escapando e à formação de um fluxo de maré a partir delas. Correntes de maré são correntes de estrelas que foram ejetadas de aglomerados de estrelas ou galáxias anãs em colapso. Nos últimos anos, cerca de 30 desses “jatos” foram descobertos no halo da Via Láctea.

Este fenômeno permanece inexplicado, com a hipótese principal sugerindo que eles são aglomerados de estrelas em colapso. O problema com essa teoria é que ela só pode ser confirmada se os astrônomos encontrarem e estudarem um jato associado a um sistema estelar. Palomar é o único exemplo conhecido, o que obrigou os cientistas a estudá-lo em profundidade. Em seu trabalho, os pesquisadores também escrevem que, pouco antes da dissolução completa, em algum momento em um bilhão de anos, esse aglomerado consistirá unicamente de buracos negros.

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos