DESTAQUE

Astrônomos descobrem um objeto incomum orbitando a Terra

Por
08 de Fevereiro de 2019
Ilustração
Créditos: Getty imagens

Os astrônomos estão intrigados com um objeto espacial misterioso orbitando a Terra. Os destroços, vistos a apenas 600 quilômetros acima da superfície da Terra, devem ser conhecidos como "objetos saco de lixo vazio".  

Acredita-se que este objeto espacial não é mais que o desperdício de algum lançamento, no entanto, os cientistas não sabem especificamente o que poderia tê-lo gerado. Poderia ser nada mais é do que um pedaço de material leve, como uma folha de alumínio deixada para trás pelo lançamento de um foguete. No entanto, apesar de seu peso, estima-se que o objeto tenha vários metros de comprimento. 

O objeto de luz orbita com um padrão imprevisível, como se fosse um "saco de lixo vazio" impulsionado por rajadas de vento. É por isso que esse tipo de objeto recebe o nome de ETBO (abreviaturas em inglês para Empty Trash bag object).

O avistamento incomum ocorreu em 25 de janeiro, quando o telescópio ATLAS, em Haleakala, no Havaí, registrou-o em órbita. Mais tarde, os astrônomos dos Observatórios do Northolt Branch, em Londres, analisaram e identificaram como um ETBO, assim como escolheram um nome: A10bMLz.

Ficou registrado na página do Twitter da Northolt Branch o seguinte relatório: "A10bMLz é um satélite da Terra, observado pela primeira vez por ATLAS-HKO, em Haleakala, em 25 de janeiro. Tem uma órbita retrógrada e incomum em torno do nosso planeta (i = 121 °), a uma distância média de 262.000 km (0,68 distâncias lunares). A órbita é altamente elíptica, com um perigeu (ponto mais próximo) de apenas 600 km acima da superfície da Terra e um apogeu 1,4 vezes mais distante que a Lua. No momento da observação, A10bMLz estava em 293.000 km".

Esses "sacos de lixo" foram avistados pelos astrônomos muitas vezes antes, mas A10bMLz os surpreendeu por causa da grande distância que ele orbita. Dada a leveza do objeto, é possível que seja empurrado ao redor da Terra pela pressão vinda da radiação solar. Ele carrega sua "órbita caótica em escalas de tempo que vão de dias a semanas", tornando impossível prever em qual direção ela se moverá no futuro.

No entanto, os Observatórios da Northolt Branch acreditam que o objeto acabará queimando na atmosfera da Terra em semanas ou meses.

Fonte: Daily Mail 

Já está no ar a Edição 265 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2019

O enigma das sondas

UPDATED CACHE