DESTAQUE

Astrônomos descobrem a fonte de carbono no universo, a base da vida como a conhecemos

Por
24 de Setembro de 2020
Anãs Brancas em conglomerado estelar
Créditos: NASA

Toda a vida do nosso planeta é baseada em carbono. Agora, os astrônomos descobriram de onde ele veio e assim como chegou na Terra e ajudou a construir a vida, ele pode ter feito o mesmo em outros mundos.

 A cada segundo, uma estrela morre no universo. Mas esses seres estelares não desaparecem apenas completamente, as estrelas sempre deixam algo para trás.

Algumas estrelas explodem em uma supernova, transformando-se em um buraco negro ou estrela de nêutrons, enquanto a maioria das estrelas se torna anãs brancas, um núcleo da estrela que costumava ser. 

No entanto, um novo estudo revela que essas anãs brancas contribuem mais para a vida no cosmos do que se acreditava anteriormente.

Quando estrelas como o nosso próprio Sol, uma estrela anã amarela, ficam sem combustível, elas se transformam em uma anã branca. Na verdade, 90% de todas as estrelas do universo terminam como estrelas anãs brancas.

 

Anãs brancas


Estrelas fotografadas por telescópio espacial Crédito: NASA

As anãs brancas são restos estelares quentes e densos com temperaturas altíssimas. Com o tempo, contando em bilhões de anos, essas estrelas esfriam e eventualmente escurecem à medida que se desprendem de seu material externo. 

No entanto, pouco antes de entrarem em colapso, seus restos mortais são transportados pelo espaço por ventos que se originam de seus corpos. Essas cinzas estelares contêm elementos químicos como carbono.

O carbono é o quarto produto químico mais abundante no universo e é um elemento-chave na formação da vida, pois é o bloco de construção básico para a maioria das células.

Todo o carbono do universo se originou de estrelas, portanto, a frase de que somos feitos de estrelas não é apenas poética, mas também precisa. 

Os cientistas por trás do novo estudo usaram observações de anãs brancas em aglomerados de estrelas na Via Láctea, pelo Observatório WM Keck no Havaí em 2018.

Eles mediram a relação de massa inicial-final das estrelas, que é a relação entre as massas das estrelas quando se formaram e suas massas como anãs brancas.

 

Poeira de estrelas não só aqui


Crédito: Revista UFO

“Nosso estudo interpreta essa torção na relação de massa inicial-final como a assinatura da síntese de carbono feita por estrelas de baixa massa na Via Láctea”, explicou Paola Marigo, pesquisadora da Universidade de Pádua, na Itália, e autora principal do estudo.

“Agora sabemos que o carbono veio de estrelas com uma massa de nascimento não inferior a cerca de 1,5 massas solares”, disse Marigo.

O novo estudo sugere que o carbono estava essencialmente preso na matéria-prima que formou o Sistema Solar há 4,6 bilhões de anos.

O universo é enorme e as chances de a vida estar espalhada por ele também é. Anãs brancas semearam todo o cosmos com carbono e se aqui ele encontrou condições adequadas para dar início à vida, o mesmo pode ter acontecido em outros sistemas.

 

Fonte Inverse  

Assista, abaixo, um vídeo sobre Anãs Brancas:

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono