DESTAQUE

Astrônomos de Las Vegas podem ter descoberto o primeiro planeta orbitando três estrelas

Por
06 de Outubro de 2021
O GW Orionis já vem sendo observado por ser um sistema trinário, com discos de poeira em diferentes eixos.
Créditos: ESO

Em um sistema estelar distante - a meros 1.300 anos-luz de distância da Terra - pesquisadores e colegas da Universidade de Nevada, Las Vegas (UNLV), podem ter identificado o primeiro planeta conhecido a orbitar três estrelas.

O anúncio da descoberta veio da UNLV, feita por astrônomos da universidade usando o telescópio Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). ALMA é um interferômetro astronômico de 66 radiotelescópios no deserto de Atacama, no norte do Chile. O sistema estelar que eles observaram está a 1.300 anos-luz de distância da Terra.

Ao contrário do nosso sistema solar, que consiste em uma estrela solitária, acredita-se que metade de todos os sistemas estelares, como GW Orionis, onde os astrônomos observaram o novo fenômeno, consistam em duas ou mais estrelas que estão gravitacionalmente ligadas entre si. Mas nenhum planeta orbitando três estrelas - uma órbita circun-tripla - foi descoberto. Talvez até agora.

Os astrônomos do projeto dizem que observaram três anéis de poeira ao redor das três estrelas, mas também notaram uma lacuna que os levou a dizer que um planeta gigante gasoso, semelhante a Júpiter, poderia ter se formado ali. A equipe de pesquisa investigou diferentes origens, incluindo a possibilidade de que a lacuna tenha sido criada pelo torque gravitacional das três estrelas.


Esta imagem composta mostra a estrutura em anel do disco, com o anel mais interno separado do resto do disco. Isso permitiu aos astrônomos ver pela primeira vez a sombra do anel interno no resto do disco, o que possibilitou a visualização de seus eixos discrepantes.
Fonte: ALMA

Mas depois de construir um modelo abrangente de GW Orionis, eles descobriram que a explicação mais provável e fascinante para o espaço no disco é a presença de um ou mais planetas massivos. Gigantes gasosos, de acordo com Jeremy Smallwood, autor principal e um recente Ph.D. graduado em astronomia pela UNLV, são geralmente os primeiros planetas a se formarem dentro de um sistema estelar. Em seguida, vêm planetas rochosos, como a Terra e Marte.

O planeta em si não pode ser visto, mas a descoberta - destacada em um estudo de setembro nos Avisos Mensais da Royal Astronomical Society - sugere que este é o primeiro planeta circunscrito já descoberto. Outras observações do telescópio ALMA são esperadas nos próximos meses, o que pode fornecer evidências diretas do fenômeno. “É realmente empolgante porque torna a teoria da formação de planetas realmente robusta”, disse Smallwood. “Isso pode significar que a formação de planetas é muito mais ativa do que pensávamos, o que é muito legal.”

Fonte

UFO Recomenda

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos