DESTAQUE

Astrônomo captura em vídeo os satélites da SpaceX recentemente lançados

Por
26 de Maio de 2019
Ilustração
Créditos: Getty imagens

Na quinta-feira (23), a SpaceX fez o lançamento de satélites de internet para compor a constelação Starlink – uma série de satélites interconectados desenvolvidos com o objetivo de fornecer internet de alta velocidade para clientes ao redor do mundo. Um astrônomo na Holanda capturou imagens dos satélites orbitando a Terra.

  

  

Esta foi a carga útil mais pesada que a SpaceX já levou, com um total de 18,5 toneladas, segundo o CEO Elon Musk. Cada satélite Starlink pesa aproximadamente 227 kg. Além disso, este foi o terceiro lançamento e pouso do mesmo propulsor de primeiro estágio; a empresa é especializada em foguetes reutilizáveis. Os satélites foram lançados na órbita terrestre baixa (LEO, em inglês) na quinta-feira, por volta das 23:32.

O astrônomo Marco Langbroek publicou em seu blog que calculou onde os satélites iriam orbitar e apontou sua câmera para capturar o momento.

 

 

 

No vídeo é possível ver um satélite atrás do outro voando pelo céu. Parecem até UFOs. Segundo o astrônomo, foi utilizada uma câmera de vigilância WATEC 902H com sensibilidade à baixa iluminação, equipada com uma lente Canon FD 1.8/50 mm. O material exibe pelo menos 56 objetos.

Os satélites foram colocados a uma altitude de 400 quilômetros pelo foguete Falcon 9 que foi lançado do Cabo Canaveral, na Flórida. Assim que estiver completa, a constelação de satélites Starlink vai transmitir sinais para que clientes tenham acesso à internet de alta velocidade. A empresa espacial privada precisará conduzir pelo menos uma dúzia ou mais de lançamentos antes que isso se torne realidade.

Apenas um dia após o lançamento, a internet publicava a vista espetacular da NW Europe, quando um "trem" de satélites brilhantes, todos se movendo juntos em uma linha, se moviam pelo céu. Choveu relatos de UFOs como resultado, e a imprensa também os flagrou. 

"Não havia elementos orbitais para os objetos disponíveis ainda no Space-Track, mas com base na informação orbital (inclinação de 53 graus, inicialmente 440 km de altitude orbital) eu calculei uma órbita de busca e fiquei pronto com minha câmera", relatou o astrônomo em seu blog. 

"Minha órbita de pesquisa acabou por não ser tão ruim: muito perto da trilha no céu, e com os objetos passando cerca de 3 minutos antes das previsões. E que visão espetacular era! Começou com dois objetos fracos e piscantes se movendo para o campo de visão. Então, algumas dezenas de segundos depois, meu queixo caiu quando o 'trem' entrou no campo de visão. Eu não pude deixar de gritar!", relatou Langbroek.

Os satélites têm um sistema de navegação chamado “Startracker” para que eles se localizem no espaço e desviem dos detritos em órbita. No entanto, eles não podem se comunicar uns com os outros por enquanto: em vez disso, eles recebem e enviam dados para uma central de controle na Terra.

 

A SpaceX prepara uma versão aprimorada dos satélites que poderão interagir entre si. Ela quer lançar 12 mil unidades até 2024, criando uma rede de internet rápida para áreas de baixa conectividade.

Fontes: The Verge, TecCrunch
 

Veja Mais:

Pilotos da Marinha americana relatam seus encontros com UFOs

De acordo com cientistas, água teria origem extraterrestre

Primeiro agroglifo da temporada no Reino Unido apresenta sinais de fraude

Plano da NASA revelado: 37 aeronaves e um pouso lunar

Pentágono admite a investigação de UFOs

O que Bob Lazar tem em comum com o comportamento atual do Pentágono?

  

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs