DESTAQUE

Astronauta capta rara luminescência laranja em volta da Terra

Por
13 de Novembro de 2018
Em 7 de outubro de 2018, um astronauta na Estação Espacial Internacional fez esta fotografia enquanto orbitava a uma grande altitude sobre a Austrália
Créditos: NASA

No passado dia 7 de outubro, um astronauta a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) captou uma incrível fotografia enquanto orbitava a uma grande altitude acima da Austrália. Este misterioso espetáculo de luzes laranjas podia muito bem representar um planeta alienígena. Mas não, esta fotografia retrata a Terra, envolta numa incrível luz alaranjada. 

Tal como explicou a NASA, o tom laranja que envolveu o nosso planeta é um fenômeno conhecido como airglow – uma luminescência hipnotizante causada por reações químicas que chegam até ao topo da atmosfera terrestre. Por norma, este brilho quase fantasmagórico ocorre quando a radiação ultravioleta da luz solar energiza moléculas de nitrogênio, oxigênio, sódio e ozônio na atmosfera. Por sua vez, estas moléculas carregadas com energia colidem entre si, perdendo consequentemente brilho que resulta num brilho fraco – mas visivelmente espetacular.

Segundo a agência espacial norte-americana, e tendo em conta que este brilho é milhões de vezes mais fraco do que a luz solar, a melhor forma para ver o airglow é durante a noite. Neste caso em particular, a imagem foi capturada a 400 quilômetros acima do território da Austrália. O brilho que envolve a Terra, também conhecido como quimilunescência, é comparável às reações químicas mais brilhantes que ocorrem em solo terrestre, incluindo alguns brinquedos como bastões e espadas luminosas, indica a NASA, a título de exemplo.

À medida que subimos cada vez mais acima da superfície da Terra, a atmosfera fica gradualmente mais fina e exposta ao impacto total da luz ultravioleta do Sol. Durante o dia, a atmosfera superior da Terra é bombardeada pela radiação solar. Moléculas na região absorvem parte da luz solar, o que lhes dá energia extra. Durante a noite, as moléculas liberam esse excesso de energia como uma luz fraca, conhecida como airglow.

Airglow pode ser facilmente confundido com aurora ou aurora boreal. Embora ambos os tipos de luzes sejam impulsionados principalmente pela atividade do Sol, eles têm seu próprio modo especial de se formar. Auroras são luzes brilhantes tipicamente confinadas às latitudes norte e sul que são afetadas pela força do vento solar. Airglow, por outro lado, é uma luz muito mais fraca, mas acontece em todo o mundo.

Quando moléculas na atmosfera da Terra liberam energia na forma de luz, elas produzem várias cores diferentes, incluindo a laranja. Airglow ainda é um fenômeno mal compreendido. Os satélites de baixa órbita da Terra, como o Explorador de Conexão Ionosférica da NASA (ICON) - programado para ser lançado em novembro para estudar esta zona dinâmica - podem fornecer aos pesquisadores novas informações sobre a variabilidade do airglow e ajudá-los a entender os processos físicos no trabalho onde a atmosfera da Terra interage com o espaço próximo do planeta.

"O Airglow revela alguns dos trabalhos do curso superior de nossa atmosfera", diz o comunicado da NASA. Porém, ele é bem mais do que apenas um incrível jogo de luz. A luminescência noturna revela fenômenos importantes sobre o alcance da atmosfera da Terra, podendo ajudar os cientistas a compreender melhor o comportamento das partículas que “moram” perto da interface entre a Terra e o Espaço, incluindo as ligações entre o clima terrestre e espacial.

Importa ainda salientar que este fenômeno nem sempre ocorre em tons de laranja. Em 2016, o fotógrafo Miguel Claro capturou um airglow bem mais colorido na montanha do Pico, no arquipélago dos Açores – uma espécie de arco-íris, recorda a Space.com.

Visualizar esta foto no Instagram.
Behold: The beauty of our home planet! ???? The orange hue surrounding Earth, known as airglow, diffuse bands of light that stretch 50 to 400 miles into our atmosphere. Airglow reveals some workings of the upper reaches of our atmosphere. It can help scientists learn about the movement of particles near the interface of Earth and space, including the connections between space weather and Earth weather. Satellites offer one way to study this dynamic zone. Our Ionospheric Connection Explorer satellite that launches early in the morning of Nov. 7 will help scientists understand the physical processes at work where Earth’s atmosphere interacts with near-Earth space. Credit: NASA #nasa #earth #science #earth #home #spacestation #space #astronaut #icon #airglowUma publicação compartilhada por NASA (@nasa) em

Fonte:  Livescience, NASA

Já está no ar a Edição 262 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2018

As abduções que ocorrem em família