DESTAQUE

Associação de engenheiros aeroespaciais e aeronáuticos se junta ao inquérito científico dos UFOs

Por
20 de Agosto de 2021
A preocupação deste inquérito foi a segurança dos passageiros e tripulação.
Créditos: GettyImages

O Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA), buscando a segurança de passageiros e tripulação, se uniu às investigações acerca do Fenômeno UFO para melhor compreender e lidar com os avistamentos em pleno voo. As primeiras discussões ocorreram durante a convenção anual da AIAA no início de agosto.

Desde que o Departamento de Defesa (DoD) divulgou as descobertas preliminares da Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados em junho deste ano, grupos voltados para a ciência como a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) e o Projeto Galileo da Universidade de Harvard, liderado por professores, juntaram-se ao esforço para explicar encontros com objetos aéreos não identificados cada vez mais relatados por pilotos militares e civis. Agora, a maior associação mundial de engenheiros aeronáuticos e aeroespaciais, o Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA), ostentando uma adesão ativa de cerca de 30.000 especialistas da indústria aeroespacial, juntou-se ao mesmo esforço para estudar fenômenos aéreos não identificados.

Ao contrário do DoD, que está estudando esses eventos para fins de identificação de ameaças (algo que os militares dos Estados Unidos têm feito intermitentemente desde 1947) ou a NASA e Galileo, que estão investigando a questão por razões científicas, o painel de 06 de agosto que ocorreu durante a convenção anual da AIAA tinha uma preocupação muito mais prosaica em mente: a segurança da tripulação e dos passageiros. “Precisamos da ajuda de todos nisso e apenas o faremos de maneira transparente”, disse o ex-piloto da Marinha dos Estados Unidos, Ryan Graves, um dos seis palestrantes que falaram na sessão de segurança e testemunha em primeira mão do Fenômeno UFO. “Porque, no final do dia, como eu disse, muito pragmaticamente, estamos voando em torno de objetos a centenas de quilômetros por hora com famílias a bordo. É apenas uma questão de tempo, francamente, antes de haver uma colisão. Estou surpreso que ainda não tenha acontecido.”

Ao lado de Graves, os cinco outros palestrantes da sessão incluíram o doutor Ravi Kopparapu, um cientista do Goddard Space Flight Center da NASA, o doutor Kevin Knuth, um professor associado de física na State University of New York (SUNY) em Albany, Peter Reali, um eletricista engenheiro e diretor da Coalizão Científica de Estudos de UAP (SCU), Ted Roe, o Diretor de Pesquisa do Centro Nacional de Relatórios de Aviação sobre Fenômenos Anômalos (NARCAP) e Philippe Ailleris, um veterano Controlador de Projetos da Agência Espacial Europeia (ESA). Ed Stanton, presidente do Comitê de Integração de Gerenciamento de Tráfego Aéreo da AIAA, moderou o que viria a ser uma sessão de quase cinco horas, destacando a necessidade de seu comitê e toda a associação de levarem a sério esta situação de segurança emergente. “Conduta profissional será esperada nesta sessão”, declarou Stanton na abertura do dia. “Comentários ou perguntas fora disso não serão tolerados nem permitidos.”

Dadas as reações positivas do painel, foi uma mensagem bem-vinda do presidente do comitê de uma organização tão séria e de mentalidade científica como a AIAA, e que deu o tom para o discurso sério e muitas vezes fascinante que se seguiria. O doutor Kopparapu foi o primeiro a falar, dando início a uma discussão geral sobre a história do fenômeno de uma perspectiva científica, ao mesmo tempo em que observou que “(...) esta é minha primeira vez em uma conferência aeronáutica.” Como Stanton, Kopparapu manteve sua mensagem no ponto com princípios matemáticos potencialmente verificáveis, afirmando periodicamente que não estava interessado em explicações que dependiam de “física exótica.” Kopparapu foi seguido pelo doutor Knuth, cuja palestra cobriu o potencial da física do mundo real por trás das características de voo incomuns descritas por observadores de UFOs que remontam à década de 40. A palestra de Knuth refletiu muitos dos pontos levantados em seu artigo de 2019 sobre o mesmo assunto, incluindo uma longa análise de casos passados e presentes. Como Kopparapu, o professor de física concentrou grande parte de sua discussão nos esforços feitos por cientistas nas décadas de 50 e 60, que tentavam explicar o que os aviadores militares e civis daquela época estavam relatando.


Três imagens estáticas de vídeos de supostos UFOs lançados pela Marinha dos Estados Unidos em 2018.
Fonte: DoD

Além disso, como Kopparapu, Knuth observou quantos desses dados foram registrados antes que houvesse um estigma associado, ao mesmo tempo em que descreveu as etapas que podem ser tomadas no futuro para ajudar a eliminar o estigma. Após uma apresentação fascinante de Graves, que mais uma vez relatou suas próprias experiências com UFOs, bem como aquelas transmitidas a ele por seus companheiros aviadores (incluindo alguns pilotos não identificados da Força Aérea dos Estados Unidos), Reali, da SCU, concentrou seu tempo no incidente do USS Nimitz, de 2004. Mais comumente conhecido como o incidente “Tic Tac”, a recontagem de Reali incluiu uma série de cálculos feitos por seu grupo na SCU sobre as descrições desafiadoras da física dos movimentos da nave supostamente capturados no radar, bem como uma discussão sobre os efeitos no ambiente circundante que tão extremos movimentos deveriam ter causado. Como os apresentadores anteriores, a palestra de Reali se concentrou fortemente em ciência e dados, pedindo um aumento em ambos no futuro.

O diretor do NARCAP, Roe, fez uma análise muito mais ampla do fenômeno, incluindo o destaque da coleção de relatos de testemunhas de sua organização, que datam de 1916. Roe também fez um relato angustiante de um orbe de luz que ele testemunhou pessoalmente de perto ao visitar um local onde lhe foi dito que outros tinham visto coisas semelhantes. Outro momento particularmente interessante veio quando o diretor do NARCAP discutiu os relatórios ocasionais de interferência eletromagnética (EM) supostamente causada por UFOs. Especificamente, ele observou que, em todos os 57 casos arquivados em sua organização, onde efeitos EM foram conectados a um avistamento de UFO, os objetos foram todos descritos da mesma forma: como bolas de luz. Quando solicitado pelo Debrief para reafirmar essa estatística, Roe disse: “Todos os 57 casos em que os pilotos registraram falhas simultâneas de sistemas elétricos a bordo descreveram os UFOs como bolas de luz.” Quando pressionado pelo Debrief para esclarecer este ponto aparentemente significativo, Roe repetiu a afirmação. “Não temos dados de que estamos detectando interferência elétrica de qualquer outro tipo de UFO.”

Em resposta à pergunta de outro participante, Roe abordou relatórios históricos de acidentes potencialmente causados por UFOs, incluindo possíveis colisões com “discos voadores.” Ele concluiu que muitos desses relatórios existem, mas nenhum tem dados suficientes ou confirmação independente para serem aceitos como fato real. O Diretor de Projetos da ESA, Philip Ailleris, apresentou por último, propondo que os pesquisadores investiguem os bancos de dados de imagens de satélite existentes para pesquisar UFOs, evitando assim quaisquer custos de equipamento associados a outros esforços propostos. “Há um grande aumento de satélites de observação lançados em órbita anualmente”, disse Ailleris. “E, obviamente, isso resulta em um grande aumento de dados coletados.” Quando questionado pelo Debrief se ele também apoiava os esforços para reprogramar satélites para procurar por UFOs, ele indicou que havia dados de alta qualidade mais do que suficientes em bancos de dados fotográficos para conduzir uma pesquisa completa, evitando os custos e complicações associados a reprogramar um satélite. “Temos que aproveitar o que está disponível”, disse Ailleris ao Debrief. “Temos que recuperar as informações dos bancos de dados existentes.”

Ao ser indagado sobre a ideia de tentar lançar um satélite de busca de UFOs dedicado em vez de usar aqueles já em órbita, Ailleris reiterou a simplicidade de sua abordagem. “Não defendo a construção de um sistema de detecção dedicado e separado.” Em sua conclusão, o Gerente de Projetos da ESA listou vários arquivos de satélite, incluindo alguns mantidos por seu atual empregador, que ele diz ter vastos bancos de dados de imagens de alta resolução da atmosfera da Terra que estão prontas para estudo. Ao longo de sua apresentação breve, porém cuidadosa, Ailleris fez questão de observar que seu trabalho nesta área não está relacionado ao seu trabalho na ESA, mas é puramente de interesse pessoal. E sem surpresa, assim como toda a sessão lenta, mas fascinante, Graves pareceu resumir os objetivos do painel da melhor forma. “Todos nós gostaríamos de ver uma realidade em que esse seja um problema no qual todos estão trabalhando”, disse ele próximo ao encerramento da sessão. “E que, quando uma conclusão é tirada, é feita de forma revisada por pares para análise científica. Não apenas nos Estados Unidos, mas em todo o mundo.”

Fonte

Já está no ar a Edição 285 da Revista UFO. Aproveite!

Junho de 2021

Quando eles são hostis aos humanos