DESTAQUE

Anomalia detectada sob a maior cratera da Lua

Por
11 de Junho de 2019
O material encontrado fica abaixo da superfície da bacia do polo Sul-Aitken, no lado afastado da Lua
Créditos: NASA/LROC/Arizona State University

A bacia do polo Sul-Aitken, no lado afastado da Lua é, provavelmente, o local onde houve uma colisão gigantesca cerca de 500 milhões de anos após a formação da Lua, há mais de 4 bilhões de anos. Essa deve ser a maior e mais antiga cratera de impacto ainda preservada em qualquer corpo do Sistema Solar, por sinal. Agora, geólogos estão ainda mais ansiosos para explorar a bacia em questão, a fim de colher pistas sobre a formação e a composição do nosso satélite natural.

 

Esse gráfico de cores falsas mostra a topografia do lado oculto da Lua. As cores mais quentes indicam alta topografia e as cores mais azuis indicam baixa topografia.  A bacia do Polo Sul-Aitken (SPA) é mostrada pelos tons de azul. O círculo tracejado mostra a localização da anomalia de massa sob a bacia. Crédito: NASA / Goddard Space Flight Center / Universidade do Arizona

 

Essa bacia, por sinal, é a região lunar onde fica a cratera Von Kármán, onde a Chang'e 4 e o rover Yutu-2, da China, pousaram no início de 2019 — e seguem estudando o hemisfério lunar que jamais pode ser visto daqui da Terra.

Uma misteriosa massa de material não identificado foi descoberta sob a bacia do polo sul-Aitken da Lua - e pode conter metal de um asteroide, ou algo semelhante, que caiu na Lua e formou a cratera, de acordo com um estudo da Baylor University.

Imagine pegar uma pilha de metal cinco vezes maior que a Ilha Grande do Havaí e enterrá-la no subsolo. É aproximadamente a quantidade de massa inesperada que detectamos ”, disse o autor principal, Peter B. James, Ph.D., professor assistente de geofísica planetária no Baylor's College of Arts & Sciences.

A cratera em si é ovalada, com 2 mil quilômetros de largura - aproximadamente a distância entre Waco, Texas e Washington, D.C. - e vários quilômetros de profundidade. Apesar de seu tamanho, não pode ser vista da Terra porque está no lado oculto da Lua.

O estudo - "Estrutura Profunda da Bacia do Pólo Sul-Aitken Lunar" - é publicado na revista Geophysical Research Letters.

Para medir as mudanças sutis na força da gravidade ao redor da Lua, os pesquisadores analisaram dados de naves espaciais usadas para a missão de Recuperação de Gravidade e Laboratório Interior (GRAIL) da Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA).

Quando combinamos isso com dados de topografia lunar da Lunar Reconnaissance Orbiter, descobrimos inesperadamente a grande quantidade de massa centenas de quilômetros abaixo da bacia do Polo Sul-Aitken”, disse James. "Uma das explicações dessa massa extra é que o metal do asteroide que formou essa cratera ainda está embutido no manto da Lua."

A massa densa - “seja lá o que for, de onde veio” - está pesando o piso da bacia para baixo em mais de meio quilômetro, ele disse. Simulações computacionais de grandes impactos de asteroides sugerem que, sob as condições certas, um núcleo de ferro-níquel de um asteroide pode ser dispersado no manto superior (a camada entre a crosta e o núcleo da Lua) durante um impacto.

"Nós fizemos a matemática e mostramos que um núcleo suficientemente disperso do asteroide que causou o impacto poderia permanecer suspenso no manto da Lua até os dias atuais, em vez de afundar no núcleo da Lua", disse James.

Outra possibilidade é que a grande massa possa ser uma concentração de óxidos densos associados ao último estágio da solidificação do oceano magma lunar. James reforça que a bacia do Polo Sul-Aitken - que se acredita ter sido criada há cerca de 4 bilhões de anos - é a maior cratera preservada do sistema solar. Embora impactos maiores possam ter ocorrido em todo o sistema solar, inclusive na Terra, a maioria dos vestígios desses sistemas foi perdida.

James chamou a bacia de “um dos melhores laboratórios naturais para estudar eventos catastróficos de impacto, um processo antigo que moldou todos os planetas e luas rochosos que vemos hoje”.

* Esta pesquisa foi apoiada pela equipe de ciências da NASA Gravity Recovery e Interior Laboratory (GRAIL). Copesquisadores foram David E. Smith, Ph.D., investigador principal do altímetro a laser Lunar Orbiter a bordo do Lunar Reconnaissance Orbiter; Paul K. Byrne, Ph.D., Universidade Estadual da Carolina do Norte; Jordan D. Kendall, Ph.D., Centro de Vôo Espacial Goddard; H. Jay Melosh, Ph.D., Universidade de Purdue; e Maria T. Zuber, Ph.D., investigadora principal do GRAIL.

Fonte: Baylor University

 

Veja Mais:

Pilotos da Marinha americana relatam seus encontros com UFOs

De acordo com cientistas, água teria origem extraterrestre

Primeiro agroglifo da temporada no Reino Unido apresenta sinais de fraude

Plano da NASA revelado: 37 aeronaves e um pouso lunar

Pentágono admite a investigação de UFOs

O que Bob Lazar tem em comum com o comportamento atual do Pentágono?

  

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs

UPDATED CACHE