DESTAQUE

Alarme falso: Marinha Americana não pretende publicizar documentos UFO

Por
13 de Maio de 2019
Arquivo UFO
Créditos: Getty imagens

A Marinha dos EUA elaborou recentemente um procedimento para investigar e catalogar relatórios de UFOs vindos de seus pilotos. Mas o serviço não espera tornar as informações públicas, citando relatórios privilegiados e classificados que normalmente são incluídos nesses arquivos. 

Joe Gradisher, porta-voz do gabinete do vice-chefe de operações navais da Information Warfare, disse, em um comunicado, que a Marinha espera manter as informações coletadas por várias razões.

“As organizações de segurança da aviação militar sempre retêm a comunicação de perigos à aviação como informação privilegiada, a fim de preservar a priorização e discussão livre e honesta da segurança entre as tripulações”, disse Gradisher. "Além disso, qualquer relatório gerado como resultado dessas investigações, por necessidade, incluirá informações classificadas sobre operações militares."

Ele acrescentou: "Portanto, nenhuma divulgação de informações ao público em geral é esperada".

A recente decisão da Marinha de redigir diretrizes formais para pilotos documentarem encontros com fenômenos aéreos inexplicáveis vem após a revelação, no final de 2017, de que o Pentágono tinha um escritório secreto de "UFOs" que gastou US$ 22 milhões ao longo de cinco anos para coletar e analisar "ameaças anômalas aeroespaciais". O financiamento para o cargo, conhecido como o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais, ou AATIP, terminou oficialmente em 2012, embora as operações tenham continuado.

Entre outras coisas, o programa resultou na liberação de imagens das câmeras do cockpit de aviões militares, que pareciam documentar naves de formato oval que se assemelham a Tic-Tacs voadores.

 

 

Vídeo mostra um encontro entre caças americanos e UFOs. 

 

Relatos de avistamentos curiosos de aviões militares não são novos. Durante a Segunda Guerra Mundial, pilotos militares aliados testemunharam objetos inexplicáveis e bolas de fogo que apelidaram de "foo fighters" - um termo que mais tarde inspirou o nome da banda de mesmo nome. Uma série de investigações oficiais do governo analisou tais fenômenos no período pós-guerra.

Agora, a Marinha concordou com um processo mais formalizado para catalogar e investigar relatórios de pilotos, uma decisão bem-vinda por ex-autoridades americanas que querem que os militares levem o assunto a sério e removam o estigma nas forças armadas de relatar tais incidentes.

Embora a Marinha tenha indicado que não tem planos no futuro iminente de divulgar os dados, poderão ser divulgadas porções não confidenciais da informação ou amplas visões gerais das descobertas, segundo Luis Elizondo, o oficial da inteligência que comandou a AATIP antes de deixar o Pentágono.

“Se permanecer estritamente dentro dos canais classificados, a pessoa certa pode não obter a informação. A pessoa certa não significa necessariamente um líder militar. Pode ser um legislador. Pode ser uma série de indivíduos diferentes”, disse Elizondo. 

Por exemplo, no futuro, a Marinha teoricamente poderia divulgar estatísticas abrangentes sobre o número de avistamentos e os resultados das investigações de acompanhamento sem divulgar qualquer informação classificada. Mesmo que a informação não seja disponibilizada ao público, ela pode ser reportada ao Congresso.  

 

 

Em 9 de novembro de 2018, vários pilotos relataram ter visto um UFO na costa da Irlanda. 

Frustrado porque uma potencial ameaça à segurança não estava recebendo a atenção e o financiamento que ele achava que merecia, Elizondo deixou o Pentágono em 2017 e se juntou a uma start-up (To the Stars Academy) que promove pesquisas sobre UFOs para fins científicos e de entretenimento. A organização está colaborando em uma série de seis partes do History Channel, que será lançada este mês e que irá explorar o trabalho de Elizondo sobre o assunto.

Elizondo elogiou a Marinha por mudar sua política e assumir uma postura pública e creditou os legisladores no Capitólio a começar a levar o assunto a sério. Ele disse que espera que o esforço leve a mais coleta e compartilhamento de informações no Pentágono e, finalmente, uma melhor compreensão do "enigma" relatado pelos pilotos militares.

Não há explicação acordada para alguns dos avistamentos relatados à AATIP.

Seth Shostak, astrônomo sênior do Instituto de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) em Mountain View, Califórnia, disse que, independentemente da explicação, é positivo que os militares colecionem mais informações, porque isso poderia levar a uma descoberta relevante sobre equipamentos tecnológicos ou atividade por um adversário em potencial.

"Claro, é uma coisa boa", disse Shostak. "Conseguem mais informação. Custa um pouco de dinheiro, mas não muito dinheiro. Nos dias de hoje, há uma preocupação - os chineses estão fazendo reconhecimento, os russos estão fazendo reconhecimento em atividade militar, não é?"

Shostak alertou que os avistamentos de UFOs que os pilotos militares vêm reportando há décadas, poderiam ter uma explicação mais terrena do que a atividade de uma civilização extraterrestre. "Se eles estão aqui, se eles estão navegando pelos céus, você tem que dizer - eles são realmente ótimos visitantes", disse Shostak. “Eles nunca matam ninguém. . . eles nem atrasam os voos de Reagan.” 

Fonte: The Washington Post

 

Conheça o  Curso A Nova Humanidade

www.anovahumanidade.com.br

Inscrições presenciais e a distância

 

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre

UPDATED CACHE