DESTAQUE

Agência de Inteligência dos Estados Unidos investigou casos de UFOs no Brasil entre 2009 e 2010

Por
14 de Janeiro de 2021
O senador Harry Reid seria o responsável por encomendar todo o projeto de pesquisa do Programa de Aplicações em Sistemas de Armas Aeroespaciais Avançadas.
Créditos: facebook.com/SenatorReid/

A Agência de Inteligência de Defesa (DIA), ligada ao Departamento de Defesa dos EUA, investigou casos de UFOs no Brasil entre os anos de 2009 e 2010 através de contrato com a Bigelow Aerospace Advanced Space Studies (BAASS). A informação foi revelada por um ex-empregado da BAASS ao site The Debrief.

Por Rony Vernet, engenheiro e consultor da Revista UFO

 

Em 2008, a pedido do senador Harry Reid, de Nevada, então o líder da maioria, a Agência de Inteligência de Defesa dos Estados Unidos (DIA) financiou o Programa de Aplicações em Sistemas de Armas Aeroespaciais Avançadas (AAWSAP). De acordo com a licitação, o objetivo era explorar “aplicações de tecnologia de ponta para serem empregadas em futuros sistemas de armas aeroespaciais”. No mesmo ano, a DIA investiu 22 milhões de dólares em um contrato com a Bigelow Aerospace Advanced Space Studies (BAASS), pertencente ao bilionário de Las Vegas Robert Bigelow, a fim de tornar o AAWSAP uma realidade. Entretanto, novas informações revelam que parte desse dinheiro foi direcionado para estudar fenômenos anômalos, incluindo UFOs.

Depois de fechar o contrato, a BAASS foi encarregada de estudar e redigir relatórios sobre ciências exóticas que poderiam gerar descobertas inovadoras, as quais permitiriam um “salto tecnológico”. A BAASS, ao lado de uma equipe de cientistas, produziu 38 relatórios analisando essas ciências exóticas e as suas potenciais aplicações. Cópias de relatórios de segurança internos da BAASS indicam que antes do programa AAWSAP ser encerrado em 2010, a empresa montou uma equipe interna de investigadores não apenas para escrever esses relatórios, mas também para viajar e investigar avistamentos de monstros, o paranormal e outros fenômenos bizarros relacionados a UFOs no estado de Utah.

Dentre outras tarefas, a BAASS enviou seus investigadores a Utah para investigar avistamentos de fenômenos estranhos no infame Rancho Skinwalker e na grande Bacia Uinta que o cerca. O Rancho Skinwalker é atualmente propriedade do magnata do mercado imobiliário Brandon Fugal, mas na época da compra, em 2016, o rancho de 200 hectares era do próprio Robert Bigelow. “Está claro para mim que o senhor Bigelow não estava procurando homenzinhos verdes. Ele estava procurando maneiras de avançar significativamente nas aspirações de sua empresa aeroespacial, descobrindo um meio de propulsão inovador”, disse Ryan Skinner, o qual administra um site dedicado ao rancho, em entrevista concedida ao The Debrief. “Minha impressão é que ele acreditava que a chave para desbloquear essa vantagem corporativa era investir em uma equipe de cientistas para estudar a propulsão exótica demonstrada pelos Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAPs) comumente testemunhados no Rancho Skinwalker”.


Bryant “Dragon” Arnold, chefe de segurança do Rancho Skinwalker, em frente ao portão que leva ao misterioso local.
Fonte: Mj Banias

Documentos examinados pelo The Debrief mostram que os investigadores do BAASS entrevistaram várias testemunhas na Bacia de Uinta, em Utah, que alegaram terem visto uma criatura parecida com um cachorro que supostamente tinha duas pernas, mais de 1.80 m de altura e que exalava odor de enxofre. Em outro documento, essas mesmas testemunhas relataram avistamentos de “pessoas pequenas” que se assemelhavam a duendes, com cerca de um metro de altura e braços que iam até o chão. Um terceiro relatório discute uma figura humana fantasmagórica de pé em uma montanha com vista para o Rancho Skinwalker. Um membro da agora extinta equipe BAASS que pediu para manter seus comentários anônimos disse ao Debrief que os investigadores nunca se convenceram de que monstros e alienígenas estavam correndo por Utah. “Se era estranho, a equipe ia lá investigar. Era nosso trabalho, mas, para ser honesto, muitas dessas histórias eram malucas e provavelmente bobagem”, disse a fonte ao The Debrief por telefone. “Provavelmente apenas coiotes.” O ex-funcionário explicou que seu trabalho era coletar o máximo de informações possíveis que pudessem fornecer uma melhor compreensão de como esses supostos fenômenos exóticos funcionavam e como isso poderia levar a novas tecnologias. Eles acrescentaram que a equipe foi encarregada de investigar todas as alegações bizarras, não importasse o quão ridículas fossem.

De acordo com um artigo do site Popular Mechanics, um relatório de progresso interno da BAASS mostrava que a empresa estava buscando acesso aos arquivos do governo dos Estados Unidos sobre UAPs e arquivos ainda confidenciais da antiga investigação de UFOs da Força Aérea, o Projeto Blue Book, algo esperado, dado o foco do contrato AAWSAP em tecnologias aeroespaciais inovadoras. Entretanto, o relatório de progresso também declarou explicitamente que o BAASS estava tentando estabelecer comunicação com uma entidade não humana que eles acreditavam estar ocupando o Rancho Skinwalker, algo aparentemente muito mais distante dos termos de financiamento do programa.

 E Utah não foi o único destino que chamou a atenção do BAASS. Embora o ex-membro da equipe não tenha fornecido detalhes específicos, eles afirmaram que a empresa também enviou uma equipe para Monte Shasta, no norte da Califórnia. O Monte Shasta tem uma longa história na tradição paranormal e ufológica como sendo um suposto local de eventos ufológicos e uma gama diversificada de outras atividades estranhas, incluindo supostos portais interdimensionais. A equipe BAASS buscou dados de UAP de uma variedade de fontes. Os pesquisadores Keith Basterfield e Marc Cecotti confirmaram com um ex-analista de dados da BAASS que a empresa coletou dados de relatórios de UFOs do governo francês via GEIPAN, uma unidade da agência espacial nacional francesa que coleta e compartilha tais informações. O pesquisador canadense de UFOs Chris Rutkowski disse ao The Debrief que ele também foi contatado pela BAASS em 2009, e que eles solicitaram informações sobre casos de UFOs previamente enviados a ele pelo governo canadense. O ex-funcionário da BAASS que falou com o Debrief sob condição de anonimato disse que vários investigadores viajaram para o Brasil “... por volta de 2009 e talvez no início de 2010”, onde estavam “... investigando um evento ufológico recente e coletando evidências.” Outros pesquisadores também puderam verificar de forma independente que uma equipe BAASS esteve no Brasil em 2009, solicitando relatórios e supostas evidências materiais de eventos ufológicos.

Os documentos examinados pelo The Debrief também incluíam contratos e e-mails internos detalhando a relação tumultuada entre a BAASS e a Mutual UFO Network (MUFON). A BAASS forneceu financiamento para a MUFON, a maior organização sem fins lucrativos de pesquisa de UFOs do mundo, em 2009. O negócio incluiu a venda de todos os relatórios e informações de testemunhas, evidências coletadas e todo o banco de dados da organização. James Carrion, que supervisionou a negociação como diretor internacional da MUFON na época, disse ao The Debrief que todas as “... evidências físicas que precisavam ser analisadas foram para a BAASS”. Tendo deixado a organização anos atrás, ele presume que o material ainda esteja com a Bigelow Aerospace e não sabe se algo foi devolvido a seus proprietários originais.


O Monte Shasta, muito conhecido por alpinistas e aventureiros, parece ser um local de intensa atividade paranormal e ufológica.
Fonte: Pixabay

Um segundo ex-funcionário da BAASS que falou com o Debrief, também de forma anônima, afirmou que vários funcionários e analistas da empresa foram obrigados a ter autorizações de segurança secretas emitidas pelo governo e que estes estavam em processo de aumentar suas credenciais para ultrassecreto antes de ter seu contrato de emprego rescindido no final de 2010, provavelmente devido à decisão da DIA de não renovar o financiamento para o projeto AAWSAP. Quando o DIA cancelou o programa AAWSAP em 2010, Bigelow Aerospace demitiu toda a equipe investigativa. “Acordei um dia e não tinha emprego”, disse a ex-fonte do BAASS ao The Debrief. Eles receberam um telefonema e foram informados de que a equipe de investigação havia sido dissolvida. Eles, junto com muitos outros associados ao projeto, foram dispensados.

Em 2011, o Departamento de Defesa aparentemente pegou todas as informações do programa AAWSAP e inseriu no portfólio de contrainteligência mantido pelo funcionário do Pentágono e oficial de inteligência de defesa Luis Elizondo e nomeou-o de Programa de Identificação de Ameaças Aeroespaciais Avançadas (AATIP). Elizondo disse ao The Debrief que a tarefa da AATIP era se concentrar em encontros com fenômenos aéreos desconhecidos relatados por militares. Não houve nenhuma tentativa de explorar os eventos paranormais mais bizarros que ocuparam o tempo dos investigadores da BAASS durante os anos da AAWSAP.

Não está claro porque o DIA descartou o financiamento do BAASS. No entanto, as justificativas do Projeto AAWSAP nunca listaram UFOs e lobisomens. É razoável suspeitar que a investigação de relatos de duendes em Utah ou a tentativa de comunicação com entidades interdimensionais possa ter desempenhado um papel na decisão do DIA de não mais financiar o projeto. Também não se sabe exatamente como o dinheiro dos impostos foi usado no programa, embora a fonte anônima do BAASS tenha relatado que muito do financiamento para a pesquisa de UFOs da Bigelow foi pago por sua riqueza pessoal e não com fundos do governo. Elizondo ainda disse que, embora ele não estivesse de forma alguma envolvido com o BAASS e não se sentisse qualificado para comentar, “... Bigelow era conhecido por usar seu próprio dinheiro para partes desse empreendimento”.

Fonte

Já está no ar a Edição 279 da Revista UFO. Aproveite!

Setembro de 2020

Segredos ufológicos nos corredores do Pentágono