DESTAQUE

Afinal, UFOs são amigos ou não?

Por
21 de Maio de 2019
Ilustração
Créditos: UFO

Leia na íntegra a tradução do artigo de Christopher Mellon:

"Os pilotos de caças F-18 da Marinha vêm relatando avistamentos de UFOs ao longo da costa leste dos Estados Unidos (EUA) desde 2015. Alguns não muito longe da capital do país. Encontros foram relatados por aeronaves militares e civis em outros lugares nos EUA e no exterior, incluindo vídeos feitos por passageiros de companhias aéreas.

O que esses UFOs são e quem os pilota – sejam amigos, inimigos ou forças desconhecidas – permanece um mistério. No entanto, um exame cuidadoso dos dados leva inevitavelmente a uma conclusão que perturba os EUA: um adversário em potencial do país parece ter dominado tecnologias que ainda não compreendemos para alcançar capacidades que ainda não podemos igualar.

Por isso, há uma urgência para que o Congresso descubra respostas e compartilhe pelo menos algumas de suas conclusões com o público. O governo dos EUA deu um passo mais perto de confirmar a realidade dos UFOs quando a Marinha reconheceu, no final de abril desse ano, que “tem havido vários relatos de aeronaves não identificadas entrando em várias faixas controladas pelos militares e espaços aéreos designados nos últimos anos. Mas, primeiro, os membros do Congresso e o público precisam se familiarizar com os fatos.

Infelizmente, é impossível avaliar o nível geral da atividade ufológica, já que o pessoal militar raramente relata seus encontros por temer danos às suas carreiras. Mesmo quando os relatórios são arquivados, as informações geralmente são ignoradas porque ninguém é dono do problema UFO e os vários comandos e agências envolvidos não compartilharam informações sobre eles.

Resta saber se o novo processo de denúncia sobre UFOs da Marinha será imitado em todo o nosso aparato de segurança massivo, quase feudal, no qual os barões, às vezes, passam mais tempo protegendo o território burocrático de rivais do que protegendo o território dos adversários. Assim, qualquer solução genuína para a questão UFO deve abordar a questão da coordenação e colaboração interinstitucional.

A boa notícia é que os Estados Unidos já possui vastas redes de sensores, que vão desde as profundezas dos oceanos até a dura desolação do espaço, capazes de coletar as informações necessárias. Tudo o que o Congresso precisa fazer, nesse momento, é exigir que o secretário de Defesa e o diretor de Inteligência Nacional revejam a questão dos UFOs e entreguem um relatório fornecendo uma avaliação abrangente.

Esse relatório deve incluir não apenas uma estimativa da situação, mas uma descrição da estrutura e dos processos necessários para garantir a coleta e a análise eficazes no futuro.

A administração Trump deve ser livre para fornecer o relatório em qualquer nível de classificação que considere apropriado. Uma entidade com a qual estou envolvido – a To The Stars Academy (TTSA), uma organização de especialistas em inteligência e segurança nacional dos EUA que analisam o Fenômeno UFO – colocou a linguagem legislativa nacional em seu site para facilitar essa discussão. Embora alguns custos modestos de mão de obra possam ocorrer, a proposta da TTSA não exige novos recursos do Departamento de Defesa. Também evita o espetáculo das audiências públicas e o risco inerente de injetar partidarismo no processo.

 

Por que o Congresso deveria agir?

Primeiro porque é o trabalho do Congresso levantar, organizar e financiar as forças armadas. Dificilmente pode fazê-lo sem estar plenamente ciente das ameaças que enfrenta. De fato, é por isso que se tem uma lei exigindo notificação por escrito ao Congresso de falhas sérias de inteligência. A maioria dos americanos concordaria, sem dúvida, que nossa incapacidade de identificar dezenas de aeronaves misteriosas violando, repetidamente, o espaço aéreo militar restrito dos EUA nos últimos anos é um fracasso chocante.

Mas não há necessidade de discutir a conformidade com as leis de supervisão de inteligência. As recentes admissões da Marinha em relação a invasões de UFOs fornecem motivos mais do que suficientes para exigir um relatório por escrito ao Congresso. Talvez aprendamos que o presidente russo, Vladimir Putin, não se gabou quando afirmou, há mais de uma década, que os sistemas técnicos mais novos da Rússia serão capazes de destruir alvos a uma distância intercontinental com velocidade hipersônica e manobrabilidade extrema. Parece improvável que a Rússia – ou a China – tenha chegado tão mais longe do que os  EUA, mas não há razão para deixar isso ao acaso.

E enquanto o anúncio da Marinha parece eliminar a perspectiva de que esses veículos sejam aeronaves militares secretas dos EUA, talvez possamos descobrir que Elon Musk tem alguns novos brinquedos incríveis. Não são só a presença de aeronaves que os pilotos militares estão achando estranho – sem pintura, rebites, asas, antena, luzes de segurança, transponders ou escapamentos – mas, às vezes, são tão rápidas e manobráveis que desafiam nossa compreensão da física.

Por exemplo, alguns desses veículos parecem suportar forças de aceleração muito maiores do que os limites máximos de projeto de qualquer aeronave feita pelo homem. Não é de admirar que algumas testemunhas militares – muitas vezes pilotos que são cientistas ou engenheiros – se inclinem na direção da hipótese de que esses objetos não sejam deste mundo. 

Como todos os bons cientistas, esses pilotos reconhecem que nossas teorias precisam se ajustar a novos fatos e informações, por mais assustadoras que sejam, e não o contrário. Se nossas melhores mentes fossem usadas para estudar a tecnologia que nos confronta, tanto quanto os japoneses fizeram na década de 1850, quando confrontados pela frota do Almirante Perry, então avanços tecnológicos sem precedentes poderiam ocorrer em pouco tempo.

Por exemplo, o fato de que estas embarcações não parecem produzir escapamento, ainda que percorram grandes distâncias a velocidades imensas, poderia fornecer soluções técnicas para nossa crise energética. Alguns dos melhores aviadores e pessoal de defesa aérea da América estão tentando chamar nossa atenção. Eles não estão em pânico – mas eles estão certos em se preocupar. Parece claro que os fatos exigem mais ações. À luz dos fatos, uma mera exigência de relatório parece ser uma resposta muito modesta a novas informações de segurança nacional potencialmente perturbadoras.

Se os UFOs acabarem sendo novos brinquedos de Elon Musk, todos daremos um suspiro de alívio. Se eles são russos, ficaremos felizes por ter agido agora, em vez de chutar a lata na estrada. Se descobrirmos que a versão mais avançada de outra sonda Voyager chegou à Terra, essa medida humilde transformará para sempre nossa compreensão do universo e do lugar do homem dentro dele.

Por qualquer medida, o esforço necessário para preparar um relatório para o Congresso parece ser uma barganha."

(Por Christopher Mellon)

Christopher Mellon serviu 20 anos ao governo federal americano e foi subsecretário de Defesa adjunto da inteligência de 1999 a 2002, e de operações de segurança e informação de 1998 a 1999. De 2002 a 2004, foi diretor de equipe minoritária do Comitê de Inteligência do Senado sob a chacela do senador John Rockefeller IV (DW.Va.). Ele é assessor de assuntos de segurança nacional da To The Stars Academy of Science and Arts e consultor da série de não-ficção da HISTORY, ‘Unidentified: Inside America’s UFO Investigation, que estreia em 31 de maio.

O artigo original e em inglês pode ser lido aqui.

Fonte: Thehill.com 

Veja o posicionamento de Christopher Mellon quanto às novas diretrizes da Marinha:

 

Conheça o  Curso

Portais Dimensionais: Os Universos Paralelos e os Seres Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Inscrições abertas para o curso presencial e a distância

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs

UPDATED CACHE