DESTAQUE

A Ufologia se despede de Stanton Friedman, o físico dos UFOs

Por
14 de Maio de 2019
Stanton Friendman em primeiro plano, seguido de A. J. Gevaerd, Donald Schmitt e Nick Pope.
Créditos: UFO

Stanton Terry Friedman era um físico nuclear americano e ufólogo profissional que residia no Canadá. Nascido em 29 de julho de 1934, faz parte da história da Ufologia Mundial como um de seus mais conhecidos e celebrados pesquisadores. Durante sua longa carreira, realizou conferências em todos os cinquenta estados norte-americanos, além de ter se apresentado em 16 países, incluindo o Brasil.

Correspondente internacional da Revista UFO no Canadá, suas participações em eventos no Brasil foram sempre concorridíssimas, ocasiões nas quais foi aplaudido de pé. Entre os inúmeros casos em que se envolveu, o de maior destaque, pelo qual se tornou conhecido mundialmente, se deu com sua investigação do Caso Roswell. Stan, como é carinhosamente chamado pelos amigos, redescobriu o caso ao entrevistar, em 1979, seu principal protagonista, Jesse Marcel. Depois disso, não parou mais.

Trabalhou em projetos de pesquisa e desenvolvimento para várias grandes empresas. Friedman se formou na Linden, da High School e da Universidade de Chicago, ganhando um Bachelor of Science em 1955 e um Master of Science licenciatura em física nuclear em 1956. 

   

Stanton Friedman

  

Carreira em física nuclear

Friedman foi contratado por 14 anos como físico nuclear para empresas como General Electric (1956-1959), Aerojet General Nucleonics (1959-1963), General Motors (1963-1966), Westinghouse (1966-1968), TRW Systems (1969-1970), e McDonnell Douglas, onde trabalhou em programas avançados, classificados em aeronaves nucleares, foguetes de fissão e fusão, e usinas nucleares compactas para aplicações espaciais. Desde os anos 80, ele fez um trabalho de consultoria relacionado à indústria de detecção de radônio. As afiliações profissionais de Friedman incluem a American Nuclear Society, a American Physical Society, o Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica e AFTRA . 

  

Investigações e defesa do Fenômeno UFO

Em 1970, Friedman deixou o emprego em tempo integral como físico para investigar cientificamente o Fenômeno UFO. Desde então, ele deu palestras em mais de 600 faculdades e em mais de 100 grupos profissionais em 50 estados, 10 províncias e 19 países fora dos EUA. Além disso, ele trabalhou como consultor no tópico. Ele publicou mais de 80 artigos relacionados a UFOs e apareceu em muitos programas de rádio e televisão. Ele também prestou depoimento por escrito às audiências do Congresso e apareceu duas vezes nas Nações Unidas.

Friedman tem consistentemente favorecido o uso do termo " disco voador " em seu trabalho, dizendo que "discos voadores são, por definição, objetos voadores não identificados, mas pouquíssimos objetos voadores não identificados são discos voadores. Estou interessado neste último, não no primeiro".  Friedman costumava se referir a si mesmo como "O Físico dos UFOs", por causa de seus diplomas em física nuclear e trabalho em projetos nucleares. 

     

Stanton Friedman palestrou no II UFOZ da Revista UFO, em 2013.

  

Posições

Friedman foi o primeiro civil a documentar o local do incidente de Roswell  e apoia a hipótese de que foi um colapso genuíno de uma espaçonave extraterrestre.  Em 1968, Friedman disse a um comitê da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos que a evidência sugere que a Terra está sendo visitada por veículos extraterrestres controlados de forma inteligente. Friedman também afirmou acreditar que os avistamentos de UFOs eram consistentes com a propulsão magneto-hidrodinâmica.

Em 1996, depois de pesquisar e checar os documentos do Majestic 12, Friedman disse que não havia motivos substanciais para descartar sua autenticidade. Em 2004, George Noory, do programa de rádio Coast to Coast, colocou em debate Friedman e Seth Shostak , astrônomo sênior do Instituto SETI. Como Friedman, Shostak também acredita na existência de vida inteligente além dos humanos; no entanto, ao contrário de Friedman, ele não acredita que essa vida esteja agora na Terra ou esteja relacionada a avistamentos de UFOs. Friedman levantou a hipótese de que os UFOs podem se originar de estrelas semelhantes ao Sol relativamente próximas.

Uma evidência que ele cita frequentemente a respeito dessa hipótese é o mapa estelar de 1964, tirado pela alegada abduzida, Betty Hill, durante uma sessão de hipnose, que ela disse ter sido mostrada a ela durante seu sequestro. A astrônoma Marjorie Fish construiu um mapa tridimensional de estrelas parecidas com o Sol e reivindicou uma boa combinação do ponto de vista de Zeta Reticuli a cerca de 39 anos-luz de distância. O ajuste dos mapas estelares de Hill e Fish foi bastante debatido na edição de dezembro de 1974 da Astronomy Magazine, com Friedman e outros defendendo a validade estatística da partida.

 

SETI

Friedman afirmou fortes opiniões contra a pesquisa SETI. Friedman contesta a premissa implícita do SETI de que não houve visitação extraterrestre do planeta, porque é sua afirmação de que o SETI está buscando apenas sinais, não inteligência extraterrestre ou seres. Ele sustenta que as reivindicações públicas generalizadas dos envolvidos com o SETI tendem a impedir pesquisas sérias, incluindo pesquisas feitas por jornalistas, de UFOs.

Friedman criticou Carl Sagan, um defensor do SETI, por ignorar evidências empíricas, como "mais de 600 unknowns" do Relatório Especial do Project BlueBook. Friedman argumentou que esses dados empíricos contradizem diretamente a alegação de Sagan em Outros mundos de que "os casos confiáveis são desinteressantes e os casos interessantes não são confiáveis". Especificamente, Friedman refere-se a uma tabela no Relatório Especial do Project Blue Book sobre o que ele diz "mostra que quanto melhor a qualidade do avistamento, maior a probabilidade de ser um desconhecido e menos provável que sejam listados como contendo informação insuficiente".

  

 

 

Opinião pública e científica

Friedman disse em suas palestras: "Sei que a maioria das pessoas não está familiarizada com os vários estudos científicos em larga escala... Porque eu pergunto, depois de mostrar um slide e perguntar sobre cada um deles: 'Quantos aqui leram este? Normalmente, é apenas um ou dois por cento'". Ele contava que, em uma palestra que deu aos jornalistas canadenses em Saint John, New Brunswick, fez com que as atitudes dos jornalistas mudassem porque "Os participantes não tinham ideia de que havia muita informação sólida, em oposição ao absurdo dos tabloides que eles pensavam ser o principal fonte de dados UFO". 

Stanton Friedman combateu incansavelmente os negadores sistemáticos, participando de debates e deixando claro que não estava interessado em UFOs, mas, sim, nas naves extraterrestres. Afirmava que um Watergate Cósmico estava acontecendo e que muitos interesses escusos estavam por trás do acobertamento de informações praticado por vários governos. 

O pesquisador afirma que muitos fatores auxiliavam em muito os negadores sistemáticos, como ignorância quanto a informações ufológicas, medo do ridículo, ego e a incapacidade do conhecimento científico atual em entender o comportamento e a tecnologia dos UFOs. Stanton Friedman, assim, fez a história da Ufologia Mundial, sendo um exemplo de dedicação e seriedade na pesquisa. Sua presença, no Brasil, por várias vezes, foi uma demonstração de carinho e respeito para com a Ufologia de nosso país, e ele será sempre uma inspiração para todos os que se dedicam à pesquisa ufológica em todo o mundo.

Stanton nos deixou em 13 de maio de 2019, na cidade de Toronto, província de Ontario, no Canadá. 

Site pessoal de Stanton Friedman

 

Saiba Mais:

Stanton Friedman afirma que o desacobertamento está próximo

Documentos militares são apresentados em evento no Canadá

Nova polêmica envolvendo os documentos Majestic 12

Stanton Friedman em debate com o cético Philip Klass

Slides de Roswell: caso encerrado

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre

UPDATED CACHE