DESTAQUE

A Terra no espelho: descoberto possível planeta igual ao nosso

Por
05 de Junho de 2020
Sistema estelar distante
Créditos: DevianARt

Entre os mais de 4.000 exoplanetas conhecidos, o KOI-456.04 é especial: ele tem menos do que o dobro do tamanho da Terra, orbita uma estrela parecida com o Sol. E o faz com a uma distância que poderia permitir temperaturas superficiais planetárias favoráveis à vida. 

Em seu novo artigo de pesquisa, a equipe de cientistas da Max Plank Society (MPS), do Observatório Sonneberg, da Universidade de Göttingen, da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz e da NASA agora relata a descoberta de um candidato a planeta com menos do dobro do tamanho da Terra e com iluminação moderada de uma estrela parecida com o Sol. 

A uma distância de pouco mais de 3.000 anos-luz do Sistema Solar, a estrela Kepler-160 estava localizada no campo de visão da missão principal do telescópio Kepler e foi observada continuamente de 2009 a 2013.

Seu raio de 1,1 raio solar, sua temperatura superficial de 5.200 ºC, 300 ° a menos que o Sol, e sua luminosidade estelar muito parecida com a da nossa própria estrela, fazem dela um retrato astrofísico de nosso Sol.

Sabe-se, já há cerca de seis anos, que o Kepler-160 é uma estrela hospedeira de dois exoplanetas, chamados Kepler-160b e Kepler-160c. Ambos substancialmente maiores do que a Terra e em órbitas relativamente próximas à estrela. 

Suas temperaturas superficiais certamente os tornariam mais quentes que um forno e nada hospitaleiros para a vida como a conhecemos. Mas pequenas variações no período orbital do planeta Kepler-160c deram aos cientistas a assinatura de um terceiro planeta que ainda não havia sido confirmado.

 

Condições parecidas


O Sistema Solar Crédito: Towards Data Science

Um novo algoritmo de busca foi crucial para a descoberta do novo candidato a planeta em trânsito, KOI-456.04. "Nossa análise sugere que o Kepler-160 é orbitado não por dois, mas por um total de quatro planetas", diz o novo estudo.

"O KOI-456.01 é relativamente grande comparado a muitos outros planetas que são considerados potencialmente habitáveis. Mas é a combinação desse tamanho menor que o dobro do planeta Terra e sua estrela hospedeira do tipo solar que o torna tão especial e familiar". Esclarecem os cientistas.

Como consequência, as condições de superfície no KOI-456.04 podem ser semelhantes às conhecidas na Terra, desde que sua atmosfera não seja muito grande e não seja do tipo Terra. 

A quantidade de luz recebida de sua estrela hospedeira é de cerca de 93% da luz solar recebida na Terra. Se o KOI-456.04 tiver uma atmosfera quase inerte com um efeito estufa semelhante ao da Terra, sua temperatura superficial será de cinco graus Celsius em média, cerca de 10 ° abaixo da temperatura global média da Terra.

 

Irmão ou só impressão?


Planeta parecido com a Terra Crédito: Pinterest

Atualmente, não se pode descartar completamente que o KOI-456.04 seja, de fato, um acaso estatístico ou um erro sistemático de medição, em vez de um planeta genuíno. A equipe estima que as chances da natureza planetária do objeto KOI-456.04 sejam de cerca de 85% a favor do planeta. 

A obtenção de um status planetário formal requer 99%. Embora alguns dos telescópios terrestres mais poderosos da Terra possam validar esse candidato com observações de um de seus próximos trânsitos, também há uma boa chance de que a missão espacial PLATO da ESA seja capaz de uma confirmação. 

O lançamento do PLATO está previsto para 2026, e um dos seus principais objetivos científicos é a descoberta de planetas do tamanho da Terra em torno de estrelas parecidas com o Sol. Atualmente, o MPS está construindo o Data Center PLATO e profundamente envolvido na missão.

 

Anãs vermelhas


Anã Vermelha ilumina planeta gigante. Crédito: National Geographic

Telescópios espaciais como CoRoT, Kepler e TESS permitiram aos cientistas a descoberta de cerca de 4.000 planetas extra-solares últimos 14 anos. A maioria eles é do tamanho do planeta gigante de gás Netuno, cerca de quatro vezes o tamanho da Terra, e estão em órbitas relativamente próximas ao redor de suas respectivas estrelas hospedeiras. 

Mas os cientistas também descobriram alguns exoplanetas tão pequenos quanto a Terra, que poderiam ser rochosos. E um punhado desses planetas menores também estão à distância certa da estrela hospedeira para potencialmente ter temperaturas superficiais moderadas para a presença de água superficial líquida - o ingrediente essencial para a vida na Terra. 

"O quadro completo da habitabilidade, no entanto, envolve uma análise das qualidades da estrela também", explica o cientista da MPS e principal autor do novo estudo doutor René Heller. 

Estrelas anãs vermelhas são conhecidas por suas vidas extremamente longas e a duração da vida em um exoplaneta em órbita em torno de uma estrela velha poderia ter tido o dobro do tempo que a vida na Terra para se formar e evoluir. 

Muitas anãs vermelhas também são notórias por emitir explosões de alta energia e por fritar seus planetas, que mais tarde se tornariam habitáveis, com luminosidades estelares aprimoradas desde que essas estrelas sejam jovens. 

Além disso, seu desmaio exige que qualquer planeta habitável esteja tão próximo da estrela que a gravidade estelar comece a deformar substancialmente o planeta. 

O aquecimento das marés resultante no planeta pode provocar um vulcanismo global fatal. Tudo combinado, a habitabilidade dos planetas em torno de uma anã vermelha é muito debatido na comunidade científica.

 

A Ufologia e o cosmos


Crédito: Revista UFO

O estudo da Ufologia e o conhecimento do cosmos caminham juntos. Precisam caminhar, se queremos entender as diferenças de ambientes e condições que moldam os diferentes mundos que existem no universo.

Essas condições, que são as mais diferentes possíveis, modelam a forma e o desenvolvimento a vida, dando a ela um leque tão imenso de concepções que nós não temos sequer como avaliar.

Viemos uma época em que muitos fazem análises rasas de situações complexas, inventando histórias para vender conceitos errados e arregimentar seguidores, likes e, claro, ter lucro. A Ufologia não pode se misturar com essas pessoas.

 

Fonte: phys.org  

Já está no ar a Edição 276 da Revista UFO. Aproveite!

Janeiro de 2020

A Ufologia e seus demônios