DESTAQUE

A 'segunda lua' que você não conhecia

Por
03 de Dezembro de 2019
Ilustração
Créditos: Discover

Em 1997, cientistas descobriram que o corpo batizado de 3753 Cruithne é um satélite quase orbital da Terra. Isso significa que ele não gira em torno do planeta, mas que percorre o Sistema Solar em um movimento chamado "órbita ferradura"Para entender como esse tipo de órbita funciona, pode-se imaginar que estamos olhando para o Sistema Solar e de nosso ponto de vista, a Terra parece estacionária. Um corpo em órbita de ferradura se move em direção à Terra, quando se aproxima, gira e se afasta. Depois, se aproxima do outro lado da Terra, até que se vira e se afasta novamente. 

O que é único no Cruithne é como ele balança e oscila ao longo de sua trajetória. Se formos observar seu movimento no Sistema Solar, ele faz um anel confuso em torno da órbita da Terra, balançando tão amplamente que chega à vizinhança de Vênus e Marte.

Cruithne orbita o Sol cerca de uma vez por ano, mas leva quase 800 anos para completar esse caminho confuso em torno da Terra. Sua composição ainda é um mistério, mas o que se sabe é que ele possui apenas 5 km de diâmetro.

Órbita de 3753 Cruithne

Mesmo com seu tamanho diminuto, se o satélite natural atingisse a Terra, seria um evento em nível de extinção, semelhante ao que se acredita ter ocorrido no final do Período Cretáceo. Felizmente, ele não vai nos atingir tão cedo – sua órbita está inclinada para fora do plano do Sistema Solar, e os astrofísicos mostraram que, embora possa chegar muito perto, é extremamente improvável que nos atinja. O momento em que se prevê que ele chegue mais perto da Terra é daqui a mais ou menos 2.750 anos.

Fonte: Discovermagazine.com

Já está no ar a Edição 274 da Revista UFO. Aproveite!

Novembro de 2019

Anunnakis nas Américas