NOTÍCIA

A possibilidade de encontrar vida extraterrestre pode estar mais próxima

Por Mel Polidori | 09 de Março de 2019

A impressão artística da vida em um planeta em órbita ao redor de um sistema estelar binário, visível como dois sóis no céu.
Créditos: Mark Garlick

A possibilidade de encontrar vida extraterrestre pode estar mais próxima

As chances de encontrarmos vida alienígena em breve podem estar aumentando, já que pesquisadores britânicos estabeleceram que as chamadas zonas habitáveis entre estrelas binárias apresentam condições que não são nem muito frias nem muito quentes, fator essencial para o desenvolvimento de moléculas complexas e de água no estado líquido, segundo a Royal Astronomical Society.

Richard Parker, da Universidade de Sheffield, e Bethany Wootton, estudante de graduação na Universidade de York, criaram um modelo das interações entre estrelas em pequenos aglomerados, calculando dessa forma como estes vínculos afetam os sistemas binários. 

Um gráfico da NASA mostrando um planeta do tamanho da Terra , dentro e fora da zona habitável em torno de uma estrela. 

Eles concluíram que, em muitos desses pares de estrelas, suas zonas habitáveis (onde existem planetas) se sobrepõem quando uma estrela é "empurrada" por outra, gerando áreas maiores para o possível desenvolvimento da vida.

Além disso, estabeleceram que em uma aglomeração há aproximadamente 350 estrelas binárias, das quais 20 poderiam se aproximar. "Nosso modelo sugere que há mais sistemas binários nos quais os planetas se localizam em zonas habitáveis, o que faz aumentar as perspectivas de existência de vida", declarou Wootton.

Um diagrama de duas estrelas em um sistema binário. Crédito: Richard Parker / Bethany Wootton / Universidade de Sheffield

No diagrama acima, de duas estrelas em um sistema binário, temos o antes e depois de um encontro com uma terceira estrela que passa. As estrelas são os pontos amarelo/laranja e as zonas habitáveis são mostradas em azul. A zona habitável 'estreita' é a estimativa mais pessimista para onde a água pode existir como um líquido, e a zona habitável ciano é a estimativa mais otimista. O diagrama mostra uma estrela em órbita, seguindo o caminho preto, em torno do outro, e o tamanho e forma da órbita muda após o encontro. Neste encontro, as duas estrelas aproximaram-se e ambas sentem o calor extra umas das outras. Isso tem o efeito de aumentar o tamanho das zonas habitáveis, especialmente em torno da estrela de massa inferior, e às vezes as zonas habitáveis se sobrepõem. A linha pontilhada cinza mostra a distância máxima que um planeta pode ter da estrela e ainda permanece em uma órbita estável. 

"A busca pela vida em outras partes do Universo é uma das perguntas fundamentais da ciência moderna, por isso necessitamos de todas as evidências que possamos encontrar para ajudar a responder a essa pergunta", afirmou Wootton, adicionando que "estes mundos amados pelos escritores de ficção científica, onde dois sóis brilham no céu sobre seres extraterrestres, parecem muito mais prováveis agora".

Fonte: RAS

Veja mais:

Bob Lazar diz como funcionava o disco voador da Área 51

Pesquisadores procuram por emissões a laser de megaestrutura alienígena

A Lei Física é uma Inteligência Alienígena?

Primeiro relato oficial de UFOs em aeroporto do Peru

Estudos indicam a existência de nono planeta no Sistema Solar

Titã, lua de Saturno, pode abrigar vida alienígena, diz cientista da NASA

UFOs filmados na Estação Espacial Internacional: mais uma fraude revelada

Pesquisadora australiana garante que abduções visam à criação de híbridos

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 265 da revista

Comentários

Livros
recomendados

DVDs
recomendados

Edições
recomendadas