DESTAQUE

A New Horizons passará hoje por objeto mais distante já explorado no espaço

Por
01 de Janeiro de 2019
Concepção artística mostra sonda New Horizons chegando ao longínquo objeto 2014 mu69, no cinturão de Kuiper
Créditos: NASA/JHUAPL/SWRI/Alex Parker)

O Ano Novo já é feliz para a astronomia! Depois de uma viagem de 13 anos, a sonda americana New Horizons finalmente chegará ao Cinturão de Kuiper, um anel em formato de donut com objetos gelados que é uma das regiões mais misteriosas e intrigantes do espaço próximo ao nosso Sol.

Por muitas décadas, pesquisadores sonharam em conseguir ver de perto o local, que é composto de restos da formação de planetas do Sistema Solar há bilhões de anos. Esses fragmentos são espécies de fósseis do nascimento do Sistema Solar.

Mas a distância sempre foi um empecilho para explorar o Cinturão de Kuiper, pois ele fica a quatro bilhões de milhas da Terra. Para se ter uma ideia, o Sol fica tão longe que parece ser apenas uma pequena estrela.

A partir de 1º de janeiro, porém, após 13 anos de espera, os cientistas finalmente poderão conhecer o cinturão mais de perto. Durante 24 horas, a sonda vai passar pelo objeto 2014 MU69 e usar câmeras, detectores e scanners para analisar o local em detalhe. No fim da missão, o objeto, que não passa de um pontinho em telescópios, vai finalmente se transformar em um mundo rico em detalhes astronômicos e geológicos.

A partir do 12h45 (horário de Brasília), a agência espacial norte-americana exibirá a chegada da New Horizons ao vivo. É possível acompanhar no canal da NASA.

O mundo distante


O processo tornará o MU69 o objeto mais distante explorado por humanos. O local é tão importante que os cientistas estão chamando-o de Ultima Thule, em homenagem à região que antigos geógrafos acreditavam ser a mais distante no mundo habitável (tanto a Groenlândia quanto a Islândia eram candidatas para serem o local da Ultima Thule na Terra). Ele foi descoberto em 2014 por astrônomos que usaram o telescópio Hubble em busca de um alvo no cinturão para uma nova missão da New Horizons.

Após analisar a Ultima Thule, a sonda vai enviar os dados de volta à Terra, algo que deve levar até 20 meses — a distância diminui a velocidade de transmissão. A expectativa é de saber tudo sobre o local até setembro de 2020. Quando isso acontecer, a sonda já vai estar bem longe da região, indo em direção à constelação de Sagitário.

(Artista ilustra encontro entre a New Horizons e o 2014 MU69. Crédito: NASA/Carlos Hernandez)

Sobre a sonda

A New Horizons foi lançada no Cabo Canaveral em janeiro de 2006 e, por oito anos, se distanciou do sol para explorar o planeta anão Plutão e suas cinco luas. Em julho de 2015, completou a missão, que trouxe muitas surpresas.

A principal delas é que, ao contrário do esperado, Plutão e suas luas não são regiões congeladas e mortas. Na realidade, há muitos sinais de atividade geológica, inclusive de que o gelo se movimentou na superfície de Plutão recentemente. Também descobriram que ele tem uma atmosfera fina e azul, rica em nitrogênio.

A nova missão da New Horizons tem mais um fato curioso: ela vai explorar um objeto que foi descoberto depois de seu lançamento. A expectativa — e a curiosidade — para saber o que há por lá estão altas.

Fonte:  Galileu, NASA

Veja mais:

A série de Carona com os ÓVNIs traz o tema Controle Extraterrestre

Alinhamento planetário marcará a primeira madrugada de 2019

Buracos negros podem ser janelas para o futuro, dizem cientistas

Revista UFO anuncia seu primeiro grande evento em 2019

Cratera de gelo em Marte é uma das maravilhas do seu inverno

Por que astronauta da NASA diz ser estupidez humanos em Marte?

Já está no ar a Edição 263 da Revista UFO. Aproveite!

Dezembro de 2018

Milagre de Fátima: novas descobertas

UPDATED CACHE