DESTAQUE

A NASA está procurando vida no lugar certo?

Por
21 de Maio de 2019
Vale de Argila em Marte
Créditos: NASA / JPL-Caltech

Em 2020, as missões da NASA e da Rússia pela Agência Espacial Europeia (ESA) procurarão evidências de vidas passadas em Marte. Mas enquanto a rocha vulcânica e ígnea predomina no Planeta Vermelho, virtualmente todo o registro fóssil da Terra vem de rochas sedimentares.

Abordando o problema em Frontiers in Earth Science, cientistas suecos começaram a compilar evidências de micróbios fossilizados em ambientes de rochas ígneas pouco exploradas na Terra, para ajudar a orientar onde procurar um registro fóssil marciano – e o que procurar.

O principal autor do estudo, Dr. Magnus Ivarsson, disse: "Propomos um atlas de microfósseis vulcânicos para ajudar a selecionar locais-alvo para missões que buscam evidências de vida extraterrestre, como a missão Mars 2020 da NASA e ExoMarsO atlas também pode nos ajudar a reconhecer como os microfósseis da Mars podem se parecer, identificando bioassinaturas associadas a diferentes tipos de micróbios fossilizados.

 

Biosfera Profunda da Terra

Ivarsson e colegas estudam a vida enterrada há muito tempo em rocha profunda: restos fossilizados de micróbios misteriosos, que viveram até um quilômetro abaixo dos mais profundos oceanos por até 3,5 bilhões de anos. Ivarsson revelou: "Acredita-se que a maioria dos micro-organismos na Terra existe na biosfera profunda do oceano e na crosta continental. No entanto, estamos apenas começando a explorar – através de projetos de perfuração profunda – essa biosfera oculta".

  

Reconstrução tridimensional feita por tomografia de raios X baseada em síncrotron (srxtm) da mesma imagem acima. Micélio fúngico com estruturas microstromatolíticas e restos de estruturas semelhantes a células procarióticas entre as hifas fúngicas. Crédito: Dr. Magnus Ivarsson

  

Em um mundo aquático que nunca vê a luz do Sol, bactérias, fungos e outros micróbios se adaptaram para se alimentar da rocha ígnea que os cerca – ou mesmo uns aos outros. Eles se espalham através de microfraturas e cavidades, formando comunidades complexas e estendidas. Após a morte, as comunidades microbianas tornam-se fossilizadas nas paredes de seu lar rochoso. Esses microfósseis podem fornecer uma história de vida microbiana na rocha vulcânica.

 

Um atlas de microfósseis vulcânicos

Crucialmente, a crosta oceânica da Terra é geoquimicamente muito semelhante às rochas vulcânicas que dominam a paisagem marciana. Ivarsson explica: "Nosso objetivo é ser capaz de usar o registro de microfósseis da crosta oceânica como um sistema modelo para guiar a exploração marciana. Nossa revisão do conhecimento existente é um primeiro passo importante, mas uma compreensão mais abrangente da vida profunda é necessária para mostrar onde e o que procurar".

Para conseguir isso, diz Ivarsson, precisamos coletar mais dados sobre a aparência e a localização dos microfósseis – mas também sobre sua composição química: "Esses fósseis geralmente preservam imensos detalhes morfológicos. Por exemplo, podemos distinguir classes amplas de fungos através do aparecimento de esporos, corpos frutíferos, micélios e outros estados de crescimento – ou de bactérias, através da presença de formações similares à couve-flor, gerações de biofilmes preservados, como folhas laminadas e outras estruturas comunitárias características. Mas a análise de lipídios e isótopos de carbono em microfósseis tornará possível discriminar grupos mais precisos com base em seu metabolismo. No total, esta informação ajudará a identificar quais tipos de micro-organismos são mais provavelmente preservados em Marte, e quais condições geoquímicas favorecem mais a fossilização."

    

Imagem ESEM de um micélio fúngico fóssil com microestromatólito semilar à ‘couve-flor’, formado por bactérias oxidantes de ferro. De Koko Seamount, Oceano Pacífico. 43 anos de idade. Crédito: Dr. Magnus Ivarsson

 

Um registro fóssil em Marte

O atlas de microfósseis, portanto, também ajudaria a determinar quais amostras devem ser direcionadas para o retorno à Terra, dada à carga útil limitada das missões de Marte. 

Ivarsson concluiu: "Ambas as missões Mars 2020 da NASA e ExoMars são capazes de detectar estruturas fossilizadas maiores de rochas vulcânicas, como micélios fúngicos mineralizados do tamanho de mm, ou microstromatólitos maiores em vesículas abertas. As câmeras de 8 micrômetros/pixel da ExoMars têm uma maior chance de identificar pequenas características e hifas individuais in situ em Marte. No entanto, a missão da NASA tem a possibilidade de coletar amostras para investigação posterior na Terra e suas câmeras de 15 micrômetros/px podem ser suficientes para selecionar amostras com alta probabilidade de conter bioassinaturas. Estas estratégias complementares aumentam a chance geral de se detectar evidências de vidas passadas em Marte, se existirem".

 

Contraponto

Em 2017, um grupo de cientistas propôs que os jipe-sondas investigassem áreas do Planeta Vermelho descritas como “regiões especiais”. No site da NASA, essas áreas são definidas como “a vida terrestre pode ter o potencial de proliferar se for introduzida”. O Centro de Astrobiologia em Madri acredita que estas áreas podem acolher formas de vida extraterrestre agora mesmo, e assim conduziu um estudo mapeando uma exploração em potencial para encorajar uma nova missão.

Porém, é preciso superar as diretrizes de proteção planetária que restringem a exploração a essas zonas, devido ao risco de contaminação. O líder do grupo – Alberto G Fairen – disse: "As políticas de proteção planetária são uma das principais razões pelas quais não estamos procurando vida em Marte nos últimos 40 anos. Relaxar as políticas permitirá retomar uma exploração biológica séria do planeta. A proteção é necessária, mas não a superproteção atual. As políticas atuais colocam regiões especiais bem fora do alcance de qualquer exploração biológica. Defendemos o relaxamento das políticas e o acesso às regiões especiais para robôs com nível de limpeza similar ao do Curiosity".

Em seu estudo – intitulado Searching for Life on Mars Before It Is Too Late (Procurar por Vida em Marte Antes que Seja Tarde Demais) – o grupo exorta que as leis devem ser relaxadas o mais rápido possível. Fairen acrescentou: "O que destacamos aqui é um problema de tempo: se tivéssemos ainda 50 ou 70 anos sem presença humana prevista em Marte à nossa frente, poderíamos simpatizar com abordagens mais conservadoras para a busca da vida marciana existente. Mas missões tripuladas já estão planejadas e orçadas para menos de 20 anos a partir de hoje".

ExoMars também está proibido de se aproximar de regiões especiais, com o resultado de que ele está livre para procurar vida em todos os lugares em Marte, exceto nos lugares em que suspeitamos que a vida possa existir. O relatório também sugere que a tecnologia robótica é feita “pronta para voo” na busca de evidências de vida.

Fonte: PHys.org e Daily Star

  

Conheça o  Curso

Portais Dimensionais: Os Universos Paralelos e os Seres Extraterrestres

www.portaisdimensionais.com.br

Inscrições abertas para o curso presencial e a distância

Já está no ar a Edição 268 da Revista UFO. Aproveite!

Maio de 2019

Jung e os UFOs