DESTAQUE

A investigação do Pentágono sobre os relatórios de UFOs da Marinha dos Estados Unidos

Por
21 de Maio de 2020
USS Nimitz e o UFO Tic tac
Créditos: History Channel

Desde que o jornal The New York Times publicou sua matéria sobre o programa de estudos de UFOs do Departamento de Defesa, pesquisadores têm se empenhado para manter o assunto e o interesse do publico vivos, e aos poucos novas informações vêm sendo liberadas. Devagar, e a conta-gotas, parece que estamos vendo uma abertura em relação aos UFOs.

 O pesquisador sueco Roger Glassel, do site Blue Blurry Lines, vem investigando os detalhes da investigação sobre UFOs do Pentágono desde que a história foi divulgada em 2017.

Em 16 de setembro de 2019, ele consultou o porta-voz da Marinha Joseph Gradisher, pedindo um posicionamento sobre os fenômenos aéreos não identificados (UAPS), como eles agora chamam os UFOs.

Mais tarde, Susan Gough foi formalmente designada porta-voz do Pentágono e ponto de contato para consultas da UAP. Ele ficou conhecida por suas muitas idas e vindas sobre o assunto, mas desde a liberação oficial dos vídeos pelo Pentágono, a situação mudou.

Segundo Glassel, eles declararam estar investigando incursões e avistamentos de fenômenos aéreos não identificados (UAP) e disseram que ‘relatos de fenômenos aéreos não identificados por aviadores militares são investigados pelo departamento militar do aviador que fez o relatório’"

 

A Marinha se posiciona


Destroyers da Maria dos Estados Unidos Crédito: US Navy

 A Marinha elaborou o assunto explicando que as informações obtidas nesses relatórios serão catalogadas e analisadas com o objetivo de identificar qualquer risco para nossos aviadores e que esse processo poderá envolver várias organizações da Comunidade do Departamento de Defesa e Inteligência. “Isso indica que há realmente um esforço centralizado”, diz Glassel. 

Declarações da Marinha também indicaram que as investigações são feitas em relação ao esforço do sistema de aeronaves não tripuladas (UAS), dizendo que o termo UAP é definido para "qualquer fenômeno aéreo que não possa ser identificado imediatamente" e que incursões e avistamentos, a partir de 2014 "podem ser referidos como UAS ou UAP, dependendo das circunstâncias que envolvem o incidente específico em questão"

A Marinha esclareceu que "quando o UAS não é imediatamente identificável, nos referimos a ele como UAP".  Mas, segundo Luis Elizondo, o ex-diretor do programa de estudo de UFOs do Pentágono (AATIP), há também o termo Veículos Aéreos Anômalos (AAV) sendo usado ??em relação às investigações da UAP.

A nomenclatura aqui importa, e muito, pois pode-se esconder todo um programa por trás de um nome diferente. Em relação à AATIP, a Marinha explicou que o programa envolvia escritórios de todo o Departamento de Defesa, mas que esses detalhes permanecem classificados. 

A partir dessas informações, Glassel enviou um questionário com perguntas específicas sobre a Marinha ao Pentágono, pedindo que fossem respondidas pelo Pentágono e pela Marinha. Em 18 de maio, Susan Gough lhe enviou uma resposta detalhada.

  

A posição do Pentágono

 
O Pentágono, sede da Defesa dos Estados Unidos. Crédito: Pentágono

Por ser importante para muitos pesquisadores, reproduzimos abaixo de forma integral o questionário de Glassel e as respostas de Susan Gough.

No esforço da Marinha para investigar avistamentos de fenômenos aéreos não identificados (UAP), existe um escritório, programa ou conselho centralizado que analisa esses avistamentos?
Com o conhecimento do Subsecretário de Defesa da Inteligência (USD (I)), há uma equipe interagencial encarregada de coletar dados e conduzir investigações sobre incursões no intervalo. Como a preponderância de avistamentos recentes / relatados é de aviadores navais, a Marinha está liderando grande parte do esforço. Todos os relatórios de incursões no intervalo são enviados a essa equipe para inclusão no esforço geral, maximizando assim os dados disponíveis para análise.

 A Marinha está usando o termo Veículos Aéreos Anômalos, AAV, em relação à investigação de incursões na UAP?
Quando um objeto observado NÃO é imediatamente identificável, a Marinha e a Defesa se referem a ele como fenômeno aéreo não identificado (UAP). O termo genérico UAP é usado nas comunicações para evitar a avaliação prévia dos resultados de qualquer investigação. Se conseguirmos identificar o objeto, usaremos o termo apropriado. Por exemplo, um quadricóptero seria chamado de veículo aéreo não tripulado (UAV) ou sistema aéreo não tripulado (UAS). A Marinha dos Estados Unidos não usa o termo "veículos aéreos anômalos".

 Em caso afirmativo, qual é a definição de AAV usada pela Marinha e pelo Departamento de Defesa (DOD) dos Estados Unidos?
 Nem a Marinha nem o DOD usam o termo "veículos aéreos anômalos". No DOD, o acrônimo AAV significa “veículos de assalto anfíbio”. Os contratados que prepararam os 38 relatórios técnicos da AATIP ocasionalmente usavam o termo "veículos aéreos anômalos", mas não é um termo do Departamento de Defesa.

Quantos contatos e avistamentos de UAP ainda estão classificados como não identificados pela Marinha?
Como a investigação de avistamentos de fenômenos aéreos não identificados está em andamento, não discutiremos nenhum aspecto de relatórios de observações de avistamento individuais, incluindo a frequência de avistamentos.


Luis Elizondo, ex-diretor do AATIP. Crédito: History Channel

O esforço da Marinha para investigar incursões de UAP faz parte do esforço geral do contra- sistema aéreo de aeronaves não tripuladas (C-UAS)?
 A Marinha dos Estados Unidos e o Departamento de Defesa levam esses relatórios muito a sério e investigam cada um deles. Qualquer incursão sobre nossas aeronaves por qualquer aeronave, identificada ou não, é problemática por uma questão de segurança. A segurança de nossas tripulações é fundamental. Aeronaves não autorizadas e não identificadas representam um risco à segurança de voo. Além disso, é vital mantermos a segurança em nossas operações. Nossos pilotos treinam enquanto lutam. Qualquer invasão que possa comprometer a segurança de nossas operações, táticas ou procedimentos, é motivo de grande preocupação.

 Como o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) envolveu a Marinha e em quais dos 38 relatórios da Inteligência de Defesa (DIA) produzidos pela AATIP a Marinha esteve envolvida?
Os contratados que produziram os 38 relatórios técnicos da AATIP consultaram muitos especialistas do Departamento de Defesa, incluindo a Marinha. Como isso envolve questões de Inteligência, não devemos comentar detalhes específicos.

 Sem entrar em detalhes classificados, qual foi o papel da Marinha na AATIP?
Os contratados que produziram os 38 relatórios técnicos da AATIP consultaram muitos especialistas do Departamento de Defesa, incluindo a Marinha. Como isso envolve questões de Inteligência, não devemos comentar detalhes específicos.

A Marinha está investigando proativamente os UAPs ou as investigações estão sendo realizadas somente após uma observação relatada?
A Marinha dos Estados Unidos e o Departamento de Defesa levam esses relatórios muito a sério e investigam cada um deles. Relatórios documentados de avistamentos por militares formam a base do processo de investigação. A investigação de avistamentos de UAPs pela força-tarefa de várias agências está em andamento.

Glassel levantou outras questões após receber essas respostas e as enviou ao Pentágono, mas o que nos parece é que lentamente há a admissão de que os encontros com veículos aéreos desconhecidos não são algo anômalo e que há um esforço das agências na instigação.

A grande resposta, aquela que elucidaria todas as dúvidas, é o que esses estudos concluíram, se é que concluíram alguma coisa.

Fonte: Blue Blurry Lines

Já está no ar a Edição 267 da Revista UFO. Aproveite!

Abril de 2019

Um metal extraterrestre