NOTÍCIA

Perguntas e respostas com uma cientista que investiga a vida extraterrestre nos Andes

Por Mel Polidori | 08 de Agosto de 2018

Nathalie Cabrol em ação, coletando amostras de micróbios nos Andes.
Créditos: Clarín

Perguntas e respostas com uma cientista que investiga a vida extraterrestre nos Andes

Nathalie Cabrol é uma francesa que trabalha para a NASA e procura nas montanhas chilenas as chaves para um enigma universal. Nathalie fala inglês com sotaque francês. Tem 54 anos, nasceu nos arredores de Paris e por mais de duas décadas vive nos Estados Unidos, onde chegou com uma bolsa da NASA. Hoje ela dirige o Centro Carl Sagan para o estudo da Vida no Universo e, é a primeira mulher na história da instituição a ocupar essa posição. O SETI, fundado em 1984 pelo astrônomo e astrofísico americano Carl Sagan, tem seus escritórios em Mountain View, a uma hora de carro de São Francisco. Ali, em uma atmosfera de concentração onde uma mosca não voa, cerca de 130 cientistas trabalham. Eles investigam cercados por modelos de telescópios, fotos do sistema solar e de galáxias e estrelas tão bonitas quanto distantes.

Há pouco mais de um ano, Nathalie estava nos Andes chilenos. Seus olhos se iluminam quando ele conta como o vulcão Acamarachi subiu, quase 6.000 metros de altura. Ela foi ao o cume, vestida de seu traje de mergulho e submergiu na lagoa que se forma na cratera. A falta de oxigênio foi superada e extraiu algumas amostras do canal, a 4 ° C. Com esses elementos, Nathalie veio à superfície feliz. São dados que serão processados ??para entender como a vida em Marte poderia ter sido há milhões de anos.

Como isso acabou por relacionar os Andes à vida em Marte?

“Nos anos 90, a ideia de que havia lagoas em Marte no passado. Agora são lagoas secas. Isso me fez pensar em como explorar essas terras, sem ter que ir a Marte. Fui selecionada para o Rover Exploration, que enviou sondas para o planeta vermelho e do qual ainda sou membro. Com um grupo de cientistas, investigamos se Marte era habitável. Se houvesse vida lá e como nós a reconheceríamos hoje. Um Natal eu fui à França para visitar  meu pai - que sabia que eu gosto de documentários -  e colocou na TV um vídeo do explorador Nicolas Hulot (agora ministro de Transição Ecológica e Solidária na França). Me mostrou Hulot no meio da travessia do deserto de Atacama, subindo o vulcão Licancabur, nos Andes, fronteira da Bolívia e do Chile. O Licancabur contém, em sua cratera, um dos maiores lagos do mundo: 5. 913m acima do nível do mar. Olhei para o meu marido e disse: É aqui que temos que ir! A paisagem é completamente deserta e com lagoas, como deveria ter sido em Marte, antes que o tempo as fizesse desaparecer. Voltei para os Estados Unidos e escrevi o projeto de quatro páginas para a NASA: vá estudar esses vulcões, entenda o ambiente e descubra qual foi o efeito da radiação sobre eles, foi o que me disseram.

Que relação existe entre a vida passada em Marte e a busca de vida inteligente extraterrestre?

É só que eu estou usando dois chapéus ao mesmo tempo (risos). Por um lado, pretendo explicar como microrganismos ou micróbios sobreviveram a quatro milhões de anos em Marte. E, por outro, procuramos vida inteligente extraterrestre. E, mais importante: procuramos a relação entre essas duas áreas. Eu uso muitas disciplinas para responder a uma única pergunta: há vida inteligente além da Terra?

Você considera a vida inteligente de micróbios?

Qualquer espécie que tenha sobrevivido a quatro milhões de anos precisa ter alguma inteligência. Definimos "inteligência" pela maneira como reagimos, como nos organizamos, vivemos ou agimos. Sabemos que macacos, gorilas, chimpanzés, golfinhos, baleias e polvos são inteligentes por causa da estrutura que eles usam para se comunicar uns com os outros. No SETI investigamos como usar essa estrutura ou linguagem para tentar se comunicar com espécies extraterrestres. Tudo depende de como definimos inteligência, então. Inteligência é a consciência do meio ambiente. Quando se torna outra coisa, por exemplo, ter mais espaço para sobreviver, a inteligência aparece. A inteligência é adquirida com a evolução.

Quanto mais o tempo passa, maiores são as chances de encontrar vida inteligente?

Sim e não. Por um lado, para haver vida complexa, quero dizer animais, é necessário que o tempo passe. Porque o tempo é evolução. Mas o tempo também traz eventos associados ao acaso, como choque de asteróides, convulsões climáticas, erupções ou catástrofes. A vida simples (microorganismos e bactérias) é anterior e muito mais comum.  Isto é, mais abundante no Universo. Eu aposto com vocês, micróbios, estão em todo lugar. O problema é que os micróbios não constroem telescópios nem constroem missões espaciais.

Então, será difícil encontrar vida inteligente complexa no Universo?

Isso levará mais tempo. E isso torna possível que haja mais eventos aleatórios. Além disso, devemos ver se eles, as espécies inteligentes, também estão nos procurando. Se eles são capazes de construir telescópios ou viajar no espaço. E, provavelmente, eles não vão pensar ou se ver fisicamente como nós.

É para dizer que há uma alta probabilidade de que há vida fora?

Carbono, hidrogênio e oxigênio são os blocos de construção da vida. E eles são muito, muito abundantes no Universo. Bilhões de anos atrás, esses elementos se combinaram na Terra e deram origem à vida. Ninguém sabe como foi, mas aconteceu. Então, a Terra desenvolveu microrganismos muito pequenos, vida muito simples que estiveram presentes durante 75% da história do planeta. E de repente, por alguma razão que ainda precisa ser entendida, a vida complexa explode. Por exemplo, dinossauros. Mas isso aconteceu muito tarde, apenas nos últimos 500 milhões de anos da história da Terra.

Como seriam esses outros seres inteligentes no Universo?

Para responder a essa pergunta, devemos nos perguntar por que nos vemos assim. A natureza sempre responde ao seu ambiente, ao seu ambiente. Nosso esqueleto responde à gravidade. A palavra chave é coevolução: vida e meio ambiente. A vida evolui para um modo mais complexo. É mais casual que a vida simples. Mas isso compensa. Ou seja, somos poucos, mas temos cérebro e capacidade para tentar entender outras espécies. Nossa capacidade de encontrar outras espécies também depende de quanto tempo essas outras espécies existem. E se eles estão procurando por nós, ou não.

Será que eles não queriam nos encontrar?

Civilizações podem ser visíveis ou desaparecer. Basicamente por dois motivos. A primeira é que eles se destroem. Eles destroem o meio ambiente. E o outro: eles se tornam muito, muito inteligentes. Eles aprendem a viver em harmonia com o meio ambiente. Eles se tornam invisíveis ao espectro de ondas eletromagnéticas com as quais os procuramos. Além disso, na astronomia, distância significa tempo. Uma estrela que vemos hoje, talvez tenha sumido há milhões de anos. Provavelmente, no Universo, vamos ser algumas civilizações. Mas teríamos que nos procurar no mesmo intervalo de tempo para nos encontrarmos. E também pensar que, no outro planeta, eles realmente querem falar conosco. Se eu fosse eles, não o faria. Como planeta, estamos em uma crise da adolescência.

Precisamos amadurecer como um planeta?

Espécies são o nosso futuro e nós ainda não assumimos que temos responsabilidades. Temos aparelhos inteligentes ou tecnologia, mas não entendemos que devemos usá-los com responsabilidade. Entenda que somos parte da biosfera. Nosso planeta não está em risco por que o planeta se adaptará. Aqueles de nós que estão em risco são aqueles que tornaram o ambiente perigoso. Se não pudermos protegê-lo, o ambiente continuará  e nós iremos com ele. Nossa população pode ser três vezes maior do que a que a Terra pode aceitar para nos sustentar. Nós começamos a esgotar as fontes do planeta. E a tecnologia não pode compensar.

Você acredita em Deus? Qual é a origem do universo?

Eu não sou religiosa, mas sou espiritual. Religião é dogma. E a ciência, por outro lado, deve ser questionada. Como cientista, estou interessada em religião porque é outra hipótese. Você pode estudar a teoria religiosa com métodos científicos.

De onde vem a sua espiritualidade?

Assim como toda a minha vida eu queria ser uma astrônoma, minha espiritualidade sempre esteve comigo. Eu não posso separar isso.

Sendo uma cientista e uma pessoa espiritual, eles são opostos?

Para nada. Espiritualidade é como percebemos o mundo. Estar vivo é ser uma pessoa espiritual.

Você tem medo de alguma coisa?

Não, eu sou uma exploradora.

Nathalie Cabrol em ação. A astrobióloga coleta amostras das lagoas dos Andes.

(Fonte: Magda Tagtachian, Clarín/ARG)

Fonte: Clarin, tradução por Ana Carbone

Site do Instituto SETI

Veja mais sobre Nathalie Cabrol no SETI

Descoberto exoplaneta próximo que pode ser o melhor candidato a abrigar vida extraterrestre

Estranhos sinais de rádio captados em estrela a 11 anos-luz

Estrela quase tão antiga quanto o Universo é encontrada por brasileiros

Descoberto outro sistema solar com oito planetas

Livro: Dossiê Cometa

DVD: Buscando Vida Fora da Terra

Enquanto cientistas de diversas áreas buscam respostas para a origem e o futuro da humanidade terrestre, a exobiologia vasculha vastas regiões do universo à procura de outras formas de vida. Com exuberantes imagens obtidas pela NASA e usando avançados recursos de computação gráfica, este documentário mostra como seriam as espécies que encontraremos no espaço e deixa claro que esta é apenas uma questão de tempo.

Compartilhe essa notícia:

Saiba mais sobre este assunto na edição 259 da revista

Comentários