DESTAQUE

A caminho de Mercúrio, nave da ESA faz novas e impactantes imagens da Terra

Por
14 de Abril de 2020
Nave BepiColombo concepção artística
Créditos: ESA

Quando grande parte da humanidade está recolhida enfrentando  uma perigosa pandemia, imagens de nosso planeta ganham significado especial  e nos trazem uma sensação de esperança e irmandade. Somos todos cidadãos da Terra antes de tudo.

 

Na última sexta-feira, dia 10, a nave BepiColombo, lançada rumo ao planeta Mercúrio em outubro de 2018, fez um sobrevoo sobre a Terra, a uma distância de 12.700 km.

Isso aconteceu porque para chegar a seu destino e entrar na órbita mercuriana, BepiColombo deve primeiro fazer sobrevoos a outros planetas, como por exemplo Terra e Vênus.

A nave, um projeto conjunto da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Espacial Japonesa (JAXA), nos presenteou com uma visão diferente de nosso mundo.

 

Significado diferente

 
BepiColombo se aproxima da Lua Crédito: ESA

Enquanto o centro de controle da missão conduzia a manobra com pessoal reduzido por causa da pandemia, a BepiColombo fotografou nosso planeta brilhando na escuridão.

A aproximação foi feita para aproveitar a gravidade da Terra com o objetivo de ajustar a trajetória da nave espacial rumo ao seu destino final. A estratégia faz com que a nave economize combustível, mas isso não torna as coisas mais fáceis para a equipe de controle.

Durante 34 minutos, logo após a aproximação, a BepiColombo passou pela sombra de nosso planeta, ficando sem a energia da luz solar pela primeira vez.

As imagens mostrando a Terra viva, girando, empresta às novas fotos feitas pela BepiColombo um significado diferente das muitas outras já registradas.

 

Força, resiliência e esperança

 
Planeta Terra. Fonte: NASA

Para Günther Hasinger, diretor de ciências da ESA, "essas selfies do espaço são humilhantes, mostrando nosso planeta, o lar comum que compartilhamos, em um dos períodos mais perturbadores e incertos que muitos de nós já passamos".

Hasinger, que acompanhou a manobra remotamente, em sua casa, na Espanha, devido à quarentena, declarou: Somos cientistas que controlam naves espaciais para explorar o Sistema Solar e observar o Universo em busca de nossas origens cósmicas, mas antes disso somos seres humanos, cuidando uns dos outros e lidando juntos com uma emergência planetária.  Quando olho para essas imagens, lembro-me da força e resiliência da humanidade, dos desafios que podemos superar quando nos unimos, e desejo que eles tragam o mesmo sentimento de esperança para o nosso futuro”.

 

A caminho de Mercúrio


Planeta Mercúrio. Crédito: ESA

Enquanto a BepiColombo cruzava o céu noturno de nosso planeta, a maioria dos instrumentos científicos do Mercury Planetary Orbiter (MPO), um dos componentes científicos que compõem a missão, foram ativados.

Isso porque a missão é composta, na verdade, por duas espaçonaves distintas, que deverão se separar quando se estabelecerem na órbita mercuriana.

Durante o sobrevoo, a nave registrou outros dados, tais como imagens da Lua e medições do campo magnético da Terra. Os cientistas usarão esses dados para calibrar os instrumentos na nave que, a partir de 2026, investigará Mercúrio, o menor e mais interno planeta do Sistema Solar, para buscar pistas sobre sua formação e evolução.

Fonte: Canaltech

Veja abaixo as imagens feitas pela BepiColombo:

Já está no ar a Edição 277 da Revista UFO. Aproveite!

Fevereiro de 2020

UFOs no espaço até a Lua