A. J. Gevaerd
Entrevista
A. J. Gevaerd

Poucos ufólogos em todo o mundo conseguiram, até hoje, igualar seus feitos. Em termos de literatura, não há maior bestseller em todo o planeta. O respeito que goza dentro dos círculos mais fechados também não é nada desprezível. Com pensamento afinado e inflexivelmente compromissado com a seriedade, este homem é Juan José Benítez, que acaba de vir ao Brasil para lançamento do quinto livro da série Operação Cavalo de Tróia, publicado no país pela Editora Mercuryo.

Benítez é uma pessoa de pouca fala: restringe-se a responder o que lhe é perguntado, sendo muito cuidadoso em suas colocações. Mas entende do assunto como ninguém e não se exime de mostrar exatamente qual é sua opinião sobre cada questão que lhe é apresentada. Crítico até da hierarquia da Igreja Católica e ameaçado por oficiais de seu país, não se dobra diante dos obstáculos. Em sua curta temporada no Brasil, falou a toda imprensa nacional: “O Fenômeno UFO é o assunto número 1 no planeta Terra. Os militares das superpotências e a igreja bem o sabem!” Alguém duvida?

UM PAPA ATEU – Em entrevista ao programa Jô Soares Onze e Meia, no qual o apresentador mais uma vez mostrou sua aversão ao tema e seu despreparo para lidar com o assunto, Benítez foi taxativo: “O Papa não crê em Deus”. Para a Revista UFO, a quem concedeu esta longa e detalhada entrevista, Benítez teve tempo de complementar sua resposta e ainda garantiu que todos os poderes estabelecidos do mundo negam os UFOs por temerem uma ruptura nos padrões estabelecidos pela sociedade planetária. Sua rápida visita ao Brasil não poderia ser mais produtiva. Com agenda cheia, o autor espanhol que vive com a esposa e filhos no sul do país, próximo ao Estreito de Gibraltar, deixou aqui a impressão de ser, hoje, uma das maiores cabeças pensantes na Ufologia Internacional.

Como você vê a situação da Ufologia hoje, com tantas aparições de discos voadores, tantas ondas ufológicas, tantos casos? Enfim, como vê essa escalada alarmante de ocorrências? Acredito que devemos contemplar o panorama geral desde 40 ou 50 anos atrás, em todo o mundo. Essas ondas são rotineiras em todo o planeta e acredito que sejam iguais às ocorridas nas décadas de 70, 60 e 50. Para mim, não tem maior importância uma onda a mais. Nós não podemos compreendê-las. Pelo menos eu não as compreendo. O que ocorre é que estão acontecendo na década de 90, quando tais ondas têm um significado distinto quanto à repercussão. Os meios de comunicação estão mais equipados para fazer com que a informação chegue mais rápido e atinja um maior número de pessoas. Portanto, na minha opinião, podem ser feitas mais perguntas e pressionar ainda mais os governos ou os militares. E suponho que os investigadores sejam melhores hoje do que antes.

Você acha que estamos sendo visitados pelas mesmas civilizações que têm vindo à Terra durante todos esses anos, ou acha que temos novos visitantes, novas civilizações aqui chegando, baseado no comportamento dos extraterrestres hoje, face às abduções e tudo o mais? Quando se examinam os testemunhos das pessoas que dizem ter visto os humanóides hoje, os tripulantes dos discos voadores, eles são exatamente iguais no aspecto físico aos que tinham sido reportados em anos anteriores. Os objetos e as naves também são muito parecidos ou iguais aos que já conhecemos. Acho que sim, podem ser os mesmos ou muito parecidos aos que já estão nos visitando desde muito tempo. E creio que com a mesma intencionalidade. A confiança do gênero humano de que não estamos sós é muito importante. Não creio que haja nenhum caso ufológico que se possa atribuir à casualidade. Penso que há no Fenômeno UFO um planejamento minucioso por parte deles, dos ETs. Nenhuma ocorrência é casual.

crédito: Arquivo UFO
\"\"

Tive uma experiência ufológica em minha infância. Mas não me é possível reconstruir os fatos da época que vivi entre seis e sete anos de idade. Todo o tempo anterior de que me recordo é muito nebuloso. Sentia que algo havia ocorrido, que havia sofrido algo. Porém, eu o tinha em branco. Depois de uma série de regressões hipnóticas, em que pude reconstruir meu passado, descobri um encontro com um UFO ocorrido num pequeno povoado nas montanhas do norte da Espanha. Foi lindo

O que pensa a respeito das abduções que ocorrem hoje em todo o mundo? Para mim, esse é um dos capítulos mais difíceis de se compreender. A princípio porque o Fenômeno UFO, em geral, é bastante respeitoso com o ser humano. Mas nas abduções, sem dúvida, não há respeito para com o ser humano. Pegam as testemunhas, deixam-nas sem saída e exercem controle sobre elas que vai contra a liberdade humana. Por isso afirmo que é o capítulo que menos compreendo. Seguramente, é parte de um processo do qual todos os investigadores sérios têm participação. Não há ufólogo que, em sua infância ou juventude, em algum momento de sua vida, não tenha tido algum tipo de experiência de abdução ou contato com extraterrestres.

Você pessoalmente já teve alguma experiência de contato com discos voadores ou com seres extraterrestres? Uma abdução ou coisa assim? Ocorreu-me um fato na infância, quando tinha uns seis anos. Mas não me é possível reconstruir os fatos da época que vivi entre seis e sete anos de idade. Todo o tempo anterior de que me recordo é muito nebuloso. Sentia que algo havia ocorrido, que havia sofrido algo. Porém, eu o tinha em branco. Depois de uma série de regressões hipnóticas, em que pude reconstruir meu passado, descobri um encontro com um UFO ocorrido num pequeno povoado nas montanhas do norte da Espanha. Foi muito lindo.

É sabido que você teve uma experiência muito dramática no Peru, na praia de Chilca, a uns 70 quilômetros ao sul de Lima. Estivemos lá com muitas pessoas, investigando casos. Algumas até dizem que tiveram experiências com discos voadores. O que existe lá? O que aconteceu? O que foi essa experiência? No ano de 1974, trabalhava num jornal espanhol e me ocupava com o tema da investigação ufológica, quando apareceu uma notícia na imprensa dizendo que o Instituto Peruano de Relaciones Interplanetárias (IPRI) [Editor: fundado por um dos pioneiros da Ufologia Peruana, Carlos Paz Garcia] estava em contato com UFOs. E meu jornal me enviou ao Peru para investigar. Eu já era ufólogo, já investigava o assunto desde 1972. Então fui ao Peru e conversei com várias pessoas do grupo, mas elas me contaram umas histórias difíceis de serem comprovadas… Uma das coisas que relatavam é que teriam tido contato visual com UFOs voluntariamente. Assim, pedi-lhes um encontro com os tripulantes das naves. Perguntei-lhes se poderia acompanhá-los como jornalista. Disseram-me que sim e, em 7 de setembro daquele ano, fui com vá-rias pessoas para Chilca.

Você acreditava que as histórias fossem verdade? Acreditava que conseguissem mesmo ter contatos com UFOs quando bem entendessem? Eu não acreditava em nada, absolutamente nada. Mas fui lá mesmo assim, verificar. Fiquei por mais de duas horas no deserto, mas sentindo-me completamente ridículo porque não conseguia acreditar que aquilo pudesse ser verdade. Entrevistei algumas pessoas, falei com outras e, às 21h30, com céu completamente escuro, algo pareceu acontecer. O grupo havia se dividido em dois porque fazia muito frio. Eu estava com quatro pessoas num determinado local da praia, a uns cem metros do outro grupo, quando escutei vozes e gritos vindos de lá. Neste instante, observamos no céu, por debaixo de umas nuvens, uma luz muito forte e à baixa altura, entre 200 e 300 m do chão. Esse é um fenômeno meteorológico muito típico nessa época do ano nos arredores de Lima [Editor: referindo-se às nuvens]. Vi um objeto luminoso branco e em silêncio por debaixo das nuvens, quase quieto. Eu queria sondá-lo mais detidamente porque não o esperava. Pensei que estavam me enganando, mas ali não havia estrada, nem povoados, nem nada. Aí, apareceu uma luz menor que ficou girando ao redor da maior num movimento aleatório. Observamos este fenômeno por uns sete minutos mais ou menos, quando ambas as luzes entraram nas nuvens e desapareceram.

Seus livros Operação Cavalo de Tróia são todos depois dessa experiência em Chilca e de outras mais. Muitas pessoas aqui do Brasil e de outras partes do mundo acham que você teve inspiração nesses fatos para escrevê-los. O que diz a respeito? Inspiração eu tive, mas não sei de quem… Veja, a ocorrência em Chilca deu-se em 7 de setembro de 1974 e só escrevi o primeiro livro da série Cavalo de Tróia em 1984. Ou seja, dez anos depois. De qualquer forma, a inspiração continua.

Você é uma pessoa muito informada sobre os discos voadores, conhece gente de todo o mundo e está em contato com muitos ufólogos. O que pensa dos tais contatados, das pessoas que garantem ser escolhidas por extraterrestres, por alguma razão, embora nada provem a respeito? Muitos chegam a afirmar que têm contato com extraterrestres que vêm de vários planetas, mas nunca têm evidência alguma para provar o que dizem… Bem, conheço muitos ufólogos pelo mundo afora, conheço bastantes grupos de contatados e investigadores, mas não faço parte de nenhum. Em princípio, não acredito nos tais contatados porque não têm a menor evidência para apoiar seus relatos. Há alguns contatados, muito poucos, que têm algumas evidências, mas não são muitas. Nesses casos, tenho uma dúvida racional a respeito. A maioria dos que falam ser contatados, creio eu, tem problemas psicológicos. Talvez avistem algo, em algum momento, em alguma ocasião. Entendo que não conhecemos os verdadeiros contatados.

Você pode dar o nome de alguma pessoa que considera realmente contatada, entre essas pessoas que assim se auto intitulam, em qualquer país do mundo? Não, não tenho nenhum nome para dar! Eu acredito que os verdadeiros contatados, os que são mesmo autênticos contatados, são os investigadores do Fenômeno UFO. As pessoas que são verdadeiramente contatadas, na maioria das vezes, sequer são conscientes dessa situação. Além disso, nunca falam sobre suas experiências, não fazem propaganda…

O que você pensa que vai acontecer agora com os discos voadores, com as ondas? Acha que elas seriam uma preparação para que os ETs venham à Terra? Você acha que isso vai acontecer algum dia? Há uma preparação que está sendo feita há muitos anos. De outras maneiras, de outras formas, com outro nível mental. Mas penso que isso vai continuar por muito tempo. Não creio que vá se produzir um contato público com ETs já, amanhã ou dentro de um ano. A Humanidade necessita de uma conscientização, uma preparação muito importante. Na Europa, por exemplo, as últimas estatísticas falam que uns 60% de pessoas acreditam em UFOs e mais ou menos 40% não. Para que se estabeleça um contato público, deveria se ter um número entre 90 e 100% de pessoas completamente seguras e convictas da existência dos UFOs. Seguramente, cada vez mais ondas ufológicas serão produzidas – e cada vez mais importantes. Os meios de comunicação estarão muito atentos a isso. Os investigadores buscarão ter cada vez melhores equipes, melhor preparação para seu trabalho. Porém, eu não verei o contato oficial e público.

A imprensa mundial tem mudado sua posição em relação ao tema, na sua opinião? Sim. Creio que há uma mudança importante e substancial no enfoque, no tratamento dado ao Fenômeno UFO. Já não há mais tanto engano, não há ironia, não há mais as brincadeiras de 20 anos atrás. A imprensa hoje está seriamente interessada em publicar as informações.

crédito: Arquivo UFO
\"\"

Não conheço nenhuma pessoa que considere realmente contatada, entre as que assim se auto intitulam. Creio que os verdadeiros contatados, os que são mesmo autênticos contatados, são os investigadores do fenômeno UFO. As pessoas que são verdadeiramente contatadas, na maioria das vezes, sequer são conscientes dessa situação. Além disso, nunca falam sobre suas experiências, não fazem propaganda…

Alguns pesquisadores de renome mundial, como Stanton Friedman, John Mack, John Carpenter etc, crêem que cerca de um por cento da população mundial já foi, algum dia, mesmo que não saiba, contatada ou abduzida por ETs, e muitas dessas pessoas têm implantes. Esse número é de 50 a 60 milhões de pessoas. O que você acha dessa afirmação? Não creio. Primeiramente, entendo que pode haver um número muito significativo de contatados inconscientes, mas não é tão grande assim! Pode haver milhares de pessoas que teriam sido utilizadas pelos ETs – ou que ainda são utilizadas – para o que quer que seja, mas não tantas... Segundo, não acredito em implantes. Os implantes são de tecnologia humana, pois os extraterrestres não necessitam colocar implantes no cérebro de suas vítimas, ou em seus corpos.

Mas e esses implantes que são extraídos de pessoas, que são analisados em laboratórios e até comprovados? Não acredito nisso. A verdadeira investigação sobre implantes ainda está por ser feita. São mostrados implantes aqui e ali, são desenhados e fotografados, mas não foram ainda investigados por estudiosos verdadeiramente científicos. Somente foram investigadas duas, três, quatro pessoas com possíveis implantes. Creio que a tecnologia dos ETs é tão elevada que não é necessário colocar um aparelho nas pessoas. O controle pode ser feito antes mesmo do nascimento, à distância ou próximo. Não é necessário que se tenha que colocar um aparato, um dispositivo, nos abduzidos. Isto é muito estarrecedor.

Falando sobre a tecnologia dos discos voadores, você acredita que algumas das civilizações que nos visitam possam ser viajantes do futuro ou de outras dimensões, de mundos paralelos? Sim. Do futuro não creio tanto, mas acredito que possam vir de outras dimensões, de universos paralelos desconhecidos para nós. Mas a maioria das naves que nos visitam, seguramente, procedem de mundos ou de planetas desta galáxia, ou de outras galáxias, neste mesmo universo. Acredito que haja outras civilizações que não são como nós, que não pertencem a mundos ou planetas físicos. Há lugares tão diferentes e desconhecidos que nós nem podemos imaginar. O Fenômeno UFO provavelmente é um dos grandes enigmas do mundo, tal como a morte. A verdade é, com certeza, mais fantástica do que podemos imaginar…

Você tem uma posição muito cuidadosa quanto às afirmações sensacionalistas que circulam hoje no meio ufológico. Há estudiosos nos Estados Unidos, por exemplo, que garantem que UFOs já aterrissaram em bases aéreas norte-americanas e que as autoridades já tiveram contato com seus tripulantes. O que pensa a esse respeito? Não creio que seja verdade. Não acredito que o governo norte-americano já tenha contatado discos voadores. O governo dos Estados Unidos e seus serviços de inteligência estão perseguindo e tentando caçar os UFOs há muitos anos, isso sim é verdade. Porém, não creio, em absoluto, que tenha havido um contato secreto entre militares ianques e extraterrestres. Isso é uma invenção, uma fantasia de jornalistas, investigadores e escritores. Mas creio que os EUA têm destroços de naves acidentadas. Há muitas quedas já conhecidas. Conheço um caso muito importante, ocorrido na Colômbia na década de 70, que não foi publicado – estou terminando de investigá-lo. É muito parecido com a queda de Roswell. Na Holanda há outro caso importante. Na União Soviética e África do Sul também. Mas as autoridades não têm contato com os discos voadores.

Sobre os UFOs que se acidentaram em todo o mundo, você pensa que alguns deles teriam tido tripulantes vivos resgatados pelos governos? Na sua opinião, como esses tripulantes seriam tratados pelas autoridades? Conhece o Caso Varginha, por exemplo? Esses seres resgatados em naves acidentadas são sempre pequenos e foram tratados como cobaias de laboratório. Sobre o Caso Varginha, tudo que sei li na Revista UFO. Há muita informação sobre o caso na Espanha e Europa toda. Mas só li o que os outros investigaram. Sobre ele, penso o seguinte: considero que, quando um ufólogo é bom – e isso é raro – e esse investigador diz que aconteceu algo de verdade, então aconteceu! Por natureza, desconfio dos militares porque mentem, e desconfio dos serviços de inteligência porque mentem muito mais…

Conhece as reputações dos ufólogos envolvidos na pesquisa do Caso Varginha? Sim, um pouco. Ubirajara Franco Rodrigues e Vitório Pacaccini são muito sérios, íntegros. São pessoas de reputação ilibada. Por isso eu digo que mais importante que o caso em si é quem o investiga. E neste caso, há toda a garantia.

Bom, vamos falar de outras coisas... Jesus Cristo foi um extraterrestre? Creio que, quanto à sua origem, ele é um grande extraterrestre. É o único extraterrestre de que temos certeza histórica. Enquanto à sua origem, ao seu espírito. Creio que sua missão na Terra era a de ter sido um mensageiro de luxo. Ele veio aqui somente para deixar uma mensagem – mas não essa mensagem que a Igreja Católica nos conta! Ele não veio para nos salvar, nos redimir, nada disso… Ele veio por algo mais importante, creio eu. Veio para dizer que há um Pai, que é o mesmo Pai que temos nós, terrestres.

Quer dizer que Jesus não é uma pessoa “muito mais especial” que nós. É apenas “mais especial” do que nós porque vem de uma civilização mais avançada? Sim. Porque ele também é um filho de Deus, como todos nós. Nós todos somos filhos desse Deus, mas ele é um dos grandes filhos Dele. E a mensagem que Jesus trouxe é muito simples: existe esse Pai, não é vingativo, não é justiceiro, não é raivoso. Não é nada disso que a Igreja Católica prega…

crédito: Arquivo UFO
\"\"

Eu acredito que o papa não crê em deus porque não o demonstra. Qualquer pessoa que crê em deus age diferente dele. Não combate o mal com o mal. João Paulo II, ao contrário, contesta o mal com o mal. E não somente ele, mas a cúpula da igreja católica – e de todas as igrejas em geral. João Paulo II condena os bispos, os sacerdotes e religiosos que estão com os pobres, nas favelas, nos guetos, praticando a teologia da liberação, que é uma manifestação humana de aproximação dos pobres

Crê em reencarnação? Não, tenho minhas dúvidas. A teoria da reencarnação é um sistema muito grosseiro, muito humano. Creio que se morre somente uma vez. Não é necessário morrer muitas vezes, não é econômico. Não é próprio de Deus que isso aconteça. Quando alguém morre, segue vivendo, porém em outra situação, em outro estado do plano físico, com outro corpo distinto que já não se move mais. Ao morrer, não é necessário voltar a nenhum planeta, a nenhuma outra época histórica para viver. Penso que isso seria próprio de um deus muito pequeno.

Na entrevista que concedeu ao programa Jô Soares Onze e Meia [Editor: na noite de 9 de setembro passado], você disse que o Papa não crê em Deus, mas não teve tempo para explicar sua resposta. Poderia explicá-la para os leitores de UFO? Eu acredito que o Papa não crê em Deus porque não o demonstra. Porque qualquer pessoa que, de verdade, crê em Deus, no Pai, age diferente dele. Qualquer pessoa que crê em Deus, o faz de forma carinhosa, não age assim. Não combate o mal com o mal. João Paulo II, ao contrário, contesta o mal com o mal. E não somente ele, mas a cúpula da Igreja Católica – e de todas as igrejas em geral. João Paulo II condena os bispos, os sacerdotes e religiosos que estão com os pobres, nas favelas, nos guetos, praticando a Teologia da Liberação! Como pode fazer isso, já que a Teologia da Liberação, embora possa estar equivocada, é uma manifestação humana de aproximação dos pobres? Isso nunca deveria ser condenado por quem, de verdade, diz crer em Deus. Entendo que Jesus de Nazaré não fundou a Igreja Católica. Ela foi fundada mesmo por Pedro e, sobretudo, por um grande gênio do marketing, que foi Paulo.

Você crê em Deus? O que você pensa Dele? Claro, creio em Deus. Ele é meu Pai.

Você acha que a Igreja Católica, entre outras, está envolvida em ocultar certas verdades à Humanidade e, sobretudo, ocultar a verdade dos discos voadores? Eu creio que as igrejas, em geral, não agem como se pretendessem ocultar a verdade sobre essas coisas. Acho, isso sim, que não conhecem tais verdades, o que é bem pior... Quanto aos UFOs, a Igreja Católica tem informações muito importantes há muito tempo, mas não interessa a ela falar claramente sobre isto porque criaria uma situação muito comprometedora…

Qual é essa situação tão comprometedora a que você se refere? Se há uma civilização mais avançada que a nossa – e para que venha até aqui tem que ser muito mais avançada –, esta pode estar muito adiantada também nos conceitos de Deus. Os tripulantes dos UFOs que vêm dessa civilização poderiam chegar à Terra e dizer que crêem em Deus, mas que não precisam de igrejas para isso. Sua busca pelo divino pode ser distinta da nossa, mais esclarecida, e isso definitivamente não interessa à igreja terrestre alguma… Se uma coisa dessas fosse revelada, arruinaria toda a estrutura da Igreja Católica, por exemplo. Destruiria a multinacional que é o Vaticano. Nessa mesma linha de raciocínio, e se viessem extraterrestres à Terra e nos dissessem que eles não têm armas, que não têm belicosidade, que superaram isso há muito tempo? O que aconteceria com os traficantes de armas, com os Exércitos?

Você acredita na existência de governos ocultos na Terra, comandando as coisas? Sim. Creio que há um governo oculto, uma força oculta, um poder oculto que controla tudo. Dizem que já está até planejando as guerras que ocorrerão dentro de dez anos. As guerras já estão todas planejadas, não acontecem por acaso…

Quem participa desse governo oculto? Quem são os mandatários? É um poder centralizado? Seguramente, não está centralizado como se quer crer. Seguramente, também, é composto por pessoas – ou grupos de pessoas – que manejam muita informação. Esse poder oculto tem muito dinheiro e muitas informações. Inclusive sobre discos voadores, pois eles são o problema número um no mundo. No entanto, ao contrário do que se pensa, os UFOs não são um problema urgente – são um problema grave, mas não urgente! Urgente é a miséria, a falta de trabalho, a situação da economia, da educação. Por isso, os discos voadores não são um problema urgente, mesmo porque a Humanidade não está preparada.

Por tudo o que você fala sobre a situação da igreja, das forças armadas, dos governos, você acredita que haja uma conspiração mundial para que se oculte a verdade sobre os discos voadores? Sim. Vejo agora muito claramente como funcionaram os mecanismos de liberação de informações ufológicas realizada pela Força Aérea Espanhola, no ano de 1992. Através da forma como os militares permitiram acesso aos seus arquivos – acesso este que está se encerrando neste ano –, vemos a má vontade dos mesmos em passar informações sérias à população. Os mecanismos mostram como se mente, como se manipula, como se intoxica a opinião pública espanhola e somente pode haver uma reforma. Sabemos que o governo norte-americano, ou algum tipo de força, intervém nos serviços de inteligência dos demais países, na OTAN etc, para manipular a opinião pública quanto aos UFOs. Essa força faz com que os governos, a exemplo do espanhol, mintam e enganem descaradamente a população mundial. O mais triste é que há três ou quatro investigadores espanhóis que não são investigadores coisa alguma… Estão trabalhando na sombra, em segredo, ajudando esse trabalho vergonhoso de intoxicação da opinião pública.

Existe, em sua opinião, alguma conexão entre a origem do homem e o Fenômeno UFO? Sim. É uma hipótese de trabalho. Creio que o homem tem origem natural e evolutiva. Porém, controlada, estritamente controlada. Surgiu no momento em que se produzia um salto da não inteligência à inteligência. Provavelmente, a intervenção foi muito mais importante para o que viria a ser, hoje, a civilização terrestre.

Quem, no planeta Terra de hoje, sabe mais sobre os discos voadores? Os serviços de inteligência dos países avançados. Provavelmente, os norte-americanos são os que mais sabem sobre o Fenômeno UFO. As igrejas também sabem muito – sobretudo a católica, mas as protestantes também têm documentação, têm informantes. Porém, não tanto quanto os militares.

Há uma informação circulando na Ufologia mundial, hoje, de que a Igreja Mórmon, com sede nos EUA, tem um arquivo monumental sobre todas as coisas da Humanidade e principalmente sobre os discos voadores. É uma acusação que não tem autor, mas se diz também que até o governo norte-americano recorre aos mórmons quando necessita de informação sobre UFOs nos países mais remotos do globo, já que eles estão em toda parte. O que você sabe sobre isso? Acredito que elementos oriundos de diversos poderes estejam infiltrados nos grupos ufológicos, como por exemplo do serviço de inteligência norte-americana, a CIA, o FBI etc. Elementos da Igreja Mórmon também estão infiltrados nesses grupos, em todo o mundo. Porém, creio que as informações mais importantes que o governo dos EUA reúne procedem dos próprios governos que estão próximos a ele, politicamente simpáticos a ele. Na comunidade militar, como se sabe, há um colonialismo: militares de todo o mundo respeitam os EUA. Por exemplo, quando há um caso ufológico importante em algum lugar da Europa, a embaixada norte-americana é a primeira que pergunta aos militares do referido país o que aconteceu. Na América do Sul ocorre exatamente o mesmo.

Durante a Guerra Fria, norte-americanos não queriam conversa com soviéticos e vice-versa. Agora, ex-agentes da CIA e de outras agências do serviço secreto estão dizendo que isso era propaganda de ambas as partes. Garantem que o governo norte-americano tinha canais de informação diretos com o governo soviético, nos anos 60 e 70. Dizem que russos e norte-americanos sempre trocaram informações sobre UFOs, secretamente. O que acha? Isso é verdade. O Fenômeno UFO é o único tema do mundo sobre o qual todos os governos estão de acordo e trocam informações entre si. Foi assim sempre. E não é somente o governo norte-americano que pede informação aos demais. Há militares de governos em vários lugares do mundo que pedem informação aos norte-americanos, quando há um caso importante de UFOs em seus territórios. Isso eu vi ocorrer pessoalmente, com casos de UFOs em meu país.

Você pensa que algum governo, qualquer que seja, vai admitir algum dia a existência dos discos voadores e suas visitas ao nosso planeta? Quando isso aconteceria? Eu não acredito que isso vá ocorrer, a menos que haja uma “autorização”, um programa ou um planejamento meticuloso para tal, por parte dos grandes governos. Nenhum país, nenhum grupo de militares, ninguém poderá dizer, algum dia, que os UFOs existem, que são uma realidade. Isso só aconteceria se houvesse uma autorização dos grandes governos. Se algum militar fala abertamente sobre o tema, essa pessoa é desprestigiada, separada de sua comunidade, ridicularizada e tratada como louca.

Em 1976, quando o governo francês decidiu falar abertamente sobre os discos voadores e o presidente Alain Giscard d’Estaing foi à televisão admitir que os UFOs existiam, esperava-se que o governo norte-americano (e de outros países) fizesse o mesmo, mas nada aconteceu. Hoje, a pesquisa oficial sobre os discos voadores na França está encerrada ou praticamente acabada. Por quê? Por causa de uma ordem que veio de cima, originada de um compromisso em nível completamente confidencial e secreto entre as grandes potências. Quando elas decidem intoxicar a opinião pública, fazem-no sem hesitar. No caso da Espanha, agora estamos sendo intoxicados pelo governo. Em outros países a situação é exatamente igual. Por exemplo, o famoso filme da autópsia do ET de Roswell é uma intoxicação muito bem preparada, em que alguém ganhou muito dinheiro por ter feito um bom serviço de falsificação, provavelmente nos Estados Unidos. Mas houve pontos positivos que advieram da exibição do filme nas TVs de todo o mundo.

crédito: Arquivo UFO
\"\"

Creio que os ufólogos brasileiros se distinguem dos de outros países – como por exemplo dos estados unidos e Europa – porque não são pessoas que pensam em dinheiro. São pesquisadores muito íntegros, saudáveis. Gente em quem se pode confiar. Há investigadores na Europa que sequer sabemos se trabalham para a ufologia ou para os serviços de inteligência. Felizmente, hoje há novas gerações de investigadores, alguns bem jovens, que são muito puros. Aqui no Brasil há uma raça de investigadores confiáveis

Quais? Um deles foi mostrar à opinião pública o quanto se pressiona o governo dos EUA para liberação de informações sobre o incidente de Roswell. O filme mostrou mais uma vez a forte pressão para que o governo dos Estados Unidos abra seus arquivos. Filmes sobre Roswell existem, seguramente. Porém nunca serão retirados dos arquivos do Pentágono. É impossível que isso ocorra, pois o assunto é absolutamente top secret... Para se ter uma idéia de como é essa coisa de top secret, eu conheci uns oficiais de uma base norte-americana que me relataram que estavam registrando UFOs em junho do ano passado. Quando lhes perguntei como isso era possível e o que estava acontecendo para que houvesse tantos registros, disseram-me que dentro de dois meses iria haver muito mais casos de UFOs. Não resisti e perguntei-lhes como sabiam disso. Eles me disseram que estavam num grau de confidencialidade [Editor: no tratamento do Fenômeno UFO] que os permitia conhecer os fatos com antecedência. Mais nada! É essa confidencialidade que impede que Roswell seja revelado à opinião pública. É simplesmente impossível que um major qualquer da USAF tenha se arrependido e decidido pegar o filme das autópsias para fazer... É tudo mentira! O Fenômeno UFO também é tratado com muito segredo no Brasil.

Você tem feito muitas afirmações polêmicas em suas entrevistas. Algumas vezes você disse até que os astronautas da Apollo 11, quando estavam próximos ou aterrissando na Lua, filmaram construções inteligentes em ruína na superfície de nosso satélite. De onde você tira essas informações? Estou investigando esse caso há muito tempo e somente posso dizer que minha fonte de informação é de primeira categoria, de gente de lá de dentro da NASA. Já sabemos que os astronautas da Apollo 11 viram uma estrutura, uma espécie de edifício em ruínas, como um grande hangar com portas e janelas, porém sem teto. Nesse instante, as pulsações cardíacas dos astronautas alcançaram 180, quando estavam filmando aquilo. Eles estavam no solo da Lua quando viram e filmaram essas ruínas. Estavam investigando a superfície da Lua, recolhendo pedras, rochas e areia quando tomaram esse susto.

Você acredita que os astronautas norte-americanos tiveram contato com extraterrestres no espaço? Sim, eles os viram, mas não creio que tenha havido comunicação entre eles e os ETs. Creio também que existiram várias missões à Lua mesmo depois que a NASA declarou publicamente que não mandaria mais naves para lá. Acredito até que a Lua foi bombardeada pelos norte-americanos para destruírem as construções que lá existiam. Veja: não interessa a eles que a Humanidade conheça o que se passa na Lua.

Afirmar que os astronautas viram ruínas na Lua não é concordar com contatados históricos, como Adamski, por exemplo, que na década de 50 afirmou que esteve na Lua, viu lagos e construções lá? Provavelmente, Adamski teve algum tipo de contato, mas inventou muitas coisas depois. Algo com certeza aconteceu. Mas não acredito que ele foi à Lua. Enfim, não sei. Só sei que rezei um pai-nosso no túmulo de Adamski, no cemitério de Arlington, em Washington... Acho que fui a única pessoa que rezou um pai-nosso em seu túmulo.

Um autor norte-americano muito polêmico, Milton William Cooper, disse que Kennedy foi assassinado pelo motorista de seu carro durante a passeata em Dallas, porque estava para fazer um pronunciamento à nação em que ia garantir que os discos voadores existem e que o governo norte-americano sabe disso. O que você acha disso? Não creio que o assassino seja o motorista. Várias pessoas mataram Kennedy. Mas acredito que ele sabia da verdade sobre os discos voadores. Só não sei se ele estava mesmo disposto a falar sobre isso. Se estivesse disposto a falar, “alguém” não iria consentir. Uma coisa é a intenção do político, outra é o que pensam os militares. É muito importante essa diferença. Há políticos que dizem que vão falar a verdade sobre os UFOs quando estiverem no poder – como Jimmy Carter, por exemplo. Porém, os militares não os deixam dizer nada, quando assumem seus mandatos.

Você, com seu trabalho, livros, entrevistas, conferências etc, por todo mundo, tem recebido alguma ameaça de algum órgão de segurança, de qualquer governo, para que se cale? Quem sabe do governo espanhol?… Uma vez recebi uma certa pressão, uma advertência que veio de um general espanhol. Disse-me, em tom ameaçador, para abandonar a pesquisa ufológica, para não investigar mais nada. Quando perguntei por que, ele me disse que não poderia responder. Então lhe disse que, assim sendo, continuaria investigando o assunto.

Você já esteve no Brasil outras vezes e conhece ufólogos em muitos países, não? Como vê a Ufologia Brasileira, os ufólogos e os trabalhos que são desenvolvidos aqui, especialmente depois do Caso Varginha? Eu creio que os investigadores brasileiros se distinguem dos de outros países – como por exemplo dos Estados Unidos e Europa – porque não são pessoas que pensam muito em dinheiro, não são comerciantes. São, todavia, pesquisadores e investigadores muito íntegros, sãos e saudáveis. Gente em quem se pode confiar. Há investigadores na Europa que não são de verdade, porque sequer sabemos se trabalham para a Ufologia ou para os serviços de inteligência. Ou mesmo se querem somente ganhar dinheiro. É terrível! Felizmente, hoje há novas gerações de investigadores, alguns bem jovens, que são muito puros. Aqui no Brasil há uma raça de investigadores em quem se pode confiar.

* Participou da entrevista Rafael Cury, da Associação Nacional dos Ufólogos do Brasil

A fantástica máquina do tempo de Benítez

A série Operação Cavalo de Tróia, inteiramente lançada no Brasil pela Editora Mercuryo, conta a saga de um militar e cientista da Força Aérea Norte-Americana que viaja ao passado através de uma engenhoca semelhante a um túnel do tempo. Nos tempos bíblicos, há dois mil anos, redescobre a verdadeira história de Jesus Cristo. Os livros têm o poder mágico de prender a atenção e o fôlego do leitor, enquanto o remete ao passado, como que acompanhando o aventureiro do tempo. É uma leitura absolutamente imperdível.

Ufólogos acompanham J. J. Benítez durante sua visita a São Paulo

Enquanto esteve no Brasil, Benítez não foi apenas assediado pela imprensa. Os ufólogos brasileiros também compareceram em peso aos eventos planejados, a convite da Editora Mercuryo. Cerca de 300 pessoas compareceram ao evento, no Parthenon QI Intelligent Flat, em São Paulo, para ouvirem J. J. Benítez e os ufólogos brasileiros apresentarem um panorama da situação atual da Ufologia mundial.

Durante entrevista, Benítez garantiu que volta ao Brasil em 1997

Benítez aceitou o convite feito por Rafael Cury e A. J. Gevaerd para vir ao Brasil novamente em maio de 1997 para apresentar conferência durante o 1° Fórum Mundial de Ufologia. O conclave está sendo organizado por Cury, com apoio da Revista UFO, e será realizado de 1 a 4 de maio em Curitiba (PR), congregando ufólogos, cientistas e militares de mais de 20 países. As inscrições para o histórico evento estarão abertas a partir do próximo mês de dezembro.