ENTREVISTA

Nibiru virá, mas ainda há esperança para a humanidade

Por Jonatas Oliveira | Edição 149 | Janeiro de 2009

Professor universitário e cientista internacional em Geobiologia pelo International Biographic Centre de Cambridge, Inglaterra, Salvatore De Salvo é nome de referência na Ufologia Brasileira. Nasceu na Itália e, após se formar em engenharia na Academia Aeronáutica daquele país, em Nápoles, mudou-se para o Brasil, em 1953. Aqui, em 1955, ingressou na Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), de São Paulo, onde se formou engenheiro químico. O professor De Salvo lecionou por 36 anos em diversas faculdades brasileiras, onde fez carreira de sucesso e construiu imponente reputação. Já próximo de se aposentar, escreveu Sinfonia da Energética I e II [Editorial Schimidt, 1992], e, em seguida, A Energia Cósmica e Você [Editorial Schimidt, 1994], O Romance da Vida [Editorial Schimidt, 1995], O Enigma de Mu [Biblioteca 24x7, 2007], A Alquimia da Saúde [Biblioteca 24x7, 2008] e Novos Segredos da Boa Saúde [No prelo], além de várias obras de cunho didático.

Para entendermos seu interesse pela Ufologia, precisamos voltar no tempo, até julho de 1943. Naquela época, no fim da Segunda Grande Guerra, houve a invasão da Sicília pelas Forças Aliadas. A então residência do professor De Salvo, uma antiga casa senhorial de seu bisavô, era enorme e abrigava dois grandes armazéns, onde eram guardados vários tipos de vinhos que a firma de seu avô comercializava. Devido ao tamanho do domicílio, era usado pelos aviões militares como ponto de referência para navegação. E por representar um objetivo militar muito exposto, além de ser próximo do porto da cidade, seria, provavelmente, alvejado, como de fato foi, o que forçou sua família a se acomodar na residência de um médico amigo, nas encostas do vulcão Etna. “Eram tempos difíceis”, conta. “Ficávamos muito apreensivos cada vez que o porto era atacado, o que acontecia diariamente, das 11h00 às 13h00”.

Os UFOs existem, mas continuamos ignorantes a respeito de sua tecnologia e , principalmente, a respeito da física que utilizam, permitindo-lhes realizar viagens interestelares e, provavelmente, no tempo. Aguardo uma melhor definição do assunto para, então, emitir opiniões, sem ter corrigi-las amanhã

Ele também descreve que, certo dia, descendo a rua em direção à praia, percebeu que um avião P-40 estava vindo para onde se encontrava. “Eu tinha 14 anos e usava calças curtas. Por isso, pensei que seria impossível que aquele piloto me alvejasse. Mas, na dúvida, encolhi-me atrás das pedras de uma mureta. O avião desceu e abriu fogo com suas metralhadoras. A rajada atingiu a mureta, mas sem conseqüência para mim”. O avião passou a poucos metros do professor De Salvo. Na mesma hora, jurou para si mesmo que seria piloto e, se estivesse numa guerra, faria como os pilotos aliados, que desciam e metralhavam qualquer coisa que se movesse, gatos, cachorros e até gente. “Assim nasceu minha paixão pela aviação que, em 1950, me levou a enfrentar o concurso da Academia Aeronáutica Italiana, ingressando em 16º lugar entre cerca de 800 candidatos”, lembra.

Prudente ceticismo

Como ufólogo, o professor De Salvo desenvolveu principalmente palestras, publicações e artigos. Não escreveu livros sobre o assunto até agora por considerar a Ufologia uma ciência fluída, porque, após 60 anos, o assunto continua em estudo. Hoje, ele acredita que já existe uma resposta para o Fenômeno UFO e ela é positiva. “Os UFOs existem, sem dúvidas, mas continuamos ignorantes a respeito de sua tecnologia e, principalmente, a respeito da física que utilizam, permitindo-lhes realizar viagens interestelares e, provavelmente, no tempo”, diz com certo ar de ceticismo, próprio a um cientista. Ele prefere aguardar uma melhor definição do assunto para, então, emitir suas opiniões, sem o temor de ter que corrigi-las amanhã. Esta prudência faz do professor De Salvo um homem que merece ser ouvido.

De seus trabalhos mais significativos, realizados em 50 anos de estudos em várias áreas, podemos destacar o das transmutações biológicas à baixa energia, descobertas por Louis Kervran, na França, na década de 50. Kervran fez várias experiências para confirmar o que considerava a maior descoberta do século passado, no campo da química, conseguindo fazer crescer 16 cm de fêmur retirado da perna quebrada de um rapaz de 23 anos. O professor De Salvo usou os mesmos conceitos para realizar um tratamento em sua própria mãe, acometida da Doença de Paget, irreversível e progressiva, segundo a medicina ortodoxa. A senhora tinha vida estimada em três meses, sendo necessária dopá-la com morfina para não falecer devido às insuportáveis dores. “Depois do tratamento, ela teve uma sobrevida de 10 anos, seis meses e um dia, e faleceu com 95 anos, sem dores e sem sofrimento”.

Sinfonia da energética

Salvatore De Salvo também atuou no campo da radiônica [Ciência que estuda a interação entre as pessoas e seus ambientes e os processos energéticos envolvidos, reconhecendo que a matéria, a energia e a mente estão interligados], que estudou durante anos. Ele construiu dois equipamentos sugeridos por cientistas franceses, a Bomba C-30 e a Máquina das Raias Múltiplas, para confirmar o que era encontrado sobre o assunto na literatura. Com tais aparelhos, foram efetivadas várias tentativas de tratamento de pacientes a distância, apenas com a presença de itens da pessoa a ser tratada, tais como um fragmento de unha, um fio cabelo, uma gota de sangue etc. “Os resultados foram absolutamente entusiasmantes e estão em meus livros Sinfonia da Energética I, A Energia Cósmica e Você e Novos Segredos da Boa Saúde”.

Há mais de 40 anos, o professor De Salvo estuda e trabalha com geobiologia, disciplina que lhe rendeu o título de Cientista Internacional do Ano 2001, conferido pelo International Biographic Centre inglês. Embora seu trabalho seja muito reconhecido no Reino Unido, aqui, no Brasil, poucas pessoas conhecem suas atividades. Ele se define como “um cientista em busca de algo que valha a pena, porque pode, de alguma forma, ajudar as pessoas a ter uma vida mais plena e tranqüila e não somente uma existência”. Por isso, o professor De Salvo construiu e experimentou várias máquinas que podem auxiliar médicos e terapeutas no tratamento de seus pacientes. Tais tecnologias sempre foram cedidas aos profissionais de saúde que o conhecem, sem qualquer remuneração. “Não sendo médico, não cabe a mim qualquer ganho, que pertence exclusivamente aos médicos”.

Logo após a Segunda Grande Guerra o senhor se tornou aviador. Acredito que tenha sido muito difícil atingir tal condição naquela época. Como foi que isso o levou a ter contato com o Fenômeno UFO? Sim, pertenci ao Curso Íbis II e tive a felicidade de voltar à Itália para presenciar o juramento do Curso Íbis V, em Nápoles, e rever meu comandante, o general Stelio Nardini, que chegou a ser chefe do Estado-Maior da Aviação Italiana durante vários anos, além de alguns de meus colegas ainda sobreviventes, com os quais tive a alegria de viver os mais duros anos na Academia – mas também os mais maravilhosos, porque eu aprendi a voar lá. Não foi fácil, mas, naquela época, aprendi também a gostar de mim, porque percebi que, quando se deseja algo com muita insistência e força de vontade, consegue-se praticamente tudo. Literalmente tudo! Mas, o destino reservado a mim era outro. Tive de abandonar uma belíssima carreira militar para trazer ao Brasil, minha mãe e meus irmãos, e nos reunimos com meu pai e dois irmãos, que aqui já se encontravam. Após uma noite de choro e uma grave crise, acabei assinando minha demissão. À espera do desligamento, mesmo sem ter autorização, permanecia na biblioteca o dia todo, quieto e sozinho. Um dia, um coronel entrou lá e quase me flagrou. Sem me dar conta do que me aconteceria se fosse apanhado ali, fui às estantes cheias de livros e documentos e escolhi um volume, ao acaso. Era um pequeno livro, escrito em duas colunas, inglês e italiano, sobre o Fenômeno UFO. Dei uma rápida olhada e li a última frase: “Portanto, o assunto não pode ser dado ao conhecimento público, para evitar pânico mundial”. Repus o livro em seu lugar e voltei ao meu cantinho. Foi aí que tudo teve início, em 1953.

crédito: UFO PHOTO ARCHIVES
\"Para
Para o entrevistado, ainda há um longo caminho a percorrer, até que saibamos qual física os extraterrestres usam em suas viagens espaciais



E como foi saciar sua sede por Ufologia naquele ano? Esta ciência ainda era muito jovem na época, pois o “nascimento” da Era Moderna dos Discos Voadores tinha sido há pouco, em 1947.
Bem, em 1953 ninguém falava em UFOs, mas eu já estava devidamente contaminado com o vírus da Ufologia, do qual nunca foi possível me curar. Assim começou meu interesse por esta disciplina, que estudo há 55 anos e que continua me fascinando. Já pertenci a várias organizações ufológicas, nacionais e internacionais. Já participei de diversos eventos, inclusive o II Congresso Internacional de Ufologia, em Brasília, organizado pelo general Alfredo Moacyr de Mendonça Uchôa, em 1983. Sou assinante da Revista UFO desde sua criação e um dos maiores admiradores de seu editor, A. J. Gevaerd, pela sua imensa coragem de iniciar e continuar esta obra, através da qual tantos recebem informações tão preciosas. E, pelo empenho, admiro muito também o Rafael Cury, o Marco Petit, o Claudeir Covo [Co-editores da UFO] e tantos outros, que, junto de Gevaerd, lutam para obter a tão desejada abertura dos arquivos governamentais, uma vez que a persistência no acobertamento ufológico já se tornou anacronicamente absurda e completamente inútil. Como esconder o Sol com a peneira? E sem a peneira? Diz-se que errar é humano, mas persistir no erro é completa burrice – com minhas humildes desculpas aos burros, que, afinal, não se consideram humanos...

O senhor é um homem de ciência que tem tráfego igualmente amplo tanto na comunidade acadêmica quanto nos meios ufológicos. Ainda encontra preconceito entre seus colegas por ser ufólogo e fazer pesquisas e conferências nesta área? Em 35 anos de trabalho em várias faculdades de engenharia, muitas vezes tive que enfrentar as gozações de colegas que, desconhecendo totalmente o Fenômeno UFO, achavam-se no direito de denegrir e às vezes até desprezar os que, como eu, dedicavam tempo e estudo ao assunto. Em certa ocasião, na presença de dezenas de professores, um dos diretores de uma faculdade, que estava dirigindo os trabalhos, mais uma vez, do alto de sua posição, lançou para mim um livro de Carl Sagan, dizendo: “Toma, professor! Veja o que diz este cientista sobre seus discos voadores”. O que ele não disse, nem poderia, é que Carl Sagan tinha adotado uma postura anti-ufológica por sustentar idéias de Einstein sobre a velocidade da luz, que impediriam as viagens interplanetárias e interestelares.

Sagan era fechado no que achava ser certo e não admitia outras opiniões, como as que defendiam a existência dos discos voadores? Isso. Sagan não admitia qualquer outra física além da que ele conhecia e não era tão correto como um verdadeiro cientista deveria ser, pois quando os fatos não se ajustavam às suas idéias ou aos seus conhecimentos, simplesmente os ignorava. Isto significa que não era um verdadeiro homem da ciência e caiu muito em minha consideração, porque puxava uma baleia para seu lado e não simplesmente a proverbial sardinha. Considero que não é assim que se faz ciência. Sagan foi, sem dúvida, um brilhante astrônomo, mas tinha uma espantosa ignorância e uma absoluta presunção quanto à presença alienígena na Terra. Uma pena, pois uma mente brilhante como a sua muito poderia contribuir para a humanidade. Voltando à sua pergunta, enfim, durante anos foi algo fácil para meus colegas professores desprezarem a Ufologia e os ufólogos, e tudo o que eu podia lhes dizer era que tinham idéias ultrapassadas por estarem desinformados. Aliás, desinformado é um termo suave frente à verdadeira definição que merecem: ignorantes, obtusos, petrificados e presunçosos. Os que continuam neste caminho o fazem apenas por não darem o braço a torcer, pois se até vários governos já admitiram que os discos voadores existem, como é possível que professores universitários, que deveriam ser instruídos, continuem a negar esta realidade?!

Carl Sagan não admitia qualquer outra física além da que ele conhecia e não era tão correto como um verdadeiro cientista deveria ser, pois quando os fatos não se ajustavam às suas idéias ou aos seus conhecimentos, simplismente os ignorava. Isto significa que não era um verdadeiro homem da ciência e caiu muito em minha consideração

O senhor já teve algum avistamento de UFO ou contato com seus tripulantes? Minha história é muito pobre, tive apenas um avistamento, em Riposto, na Sicília. Era uma noite de verão sem Lua e absolutamente sem nuvens. Estávamos assistindo a um filme ao ar livre, a tela estava dirigida para o sul e o público de frente, para o norte, na direção de Taormina. De repente, brilhou uma enorme fonte de luz, tão forte que impedia a visão do filme. Muitos protestaram contra o “idiota” que teria ligado um holofote tão ofuscante, mas não era isso. A luz ficou imóvel por quase 15 minutos e, numa velocidade de relâmpago, moveu-se para a esquerda, em direção ao vulcão Etna, desaparecendo atrás dele. Calculei que deveria estar pelo menos a 100 km de nós. Portanto, a velocidade do movimento devia ser monstruosa, algo como uns 20.000 km/h – atingida partindo da imobilidade absoluta, em menos de um segundo. A área do Etna e de Taormina é muito rica em fenomenologia ufológica, como consegui constatar nos anos seguintes. Mas, é singular que os UFOs parecem se “esconder” de mim. Cheguei à conclusão de que, ou têm medo de mim, ou estão me esnobando solenemente. Não sei por que e estou mais propenso à segunda hipótese. Tanto minha esposa como minha filha, além de meus sogros, viram dois UFOs levantando vôo de uma baixada em Jundiaí (SP), numa noite. Dois irmãos meus também foram sobrevoados à baixa altura por uma nave na Praia de São Sebastião, outro local com alto índice de observações. Mas eu tive apenas um avistamento.

Na edição UFO 148, o senhor publicou um longo artigo sobre Nibiru. Por que as pessoas estão se preocupando tanto com ele? O que aconteceu para que, de repente, este astro se tornasse o centro das atenções dos ufólogos e demais interessados pelo assunto? Também chamado de Planeta X, o Nibiru dos antigos sumérios e caldeus é um planeta que pertence ao Sistema Solar, de órbita extremamente alongada e recorrente, com período de 3.660 anos. Como tal, mais uma vez está voltando para “invadir” a eclíptica do nosso sistema, como já aconteceu várias vezes no passado. Cada passagem deste intruso astral deixa marcas muito profundas na Terra e contribui para o extermínio de grande parte da humanidade e de nossa flora e fauna. Meu interesse por ele começou quando tive a oportunidade de ler A Vida no Planeta Marte [Reeditado pela Editora Conhecimento, 1999], de Hercílio Maes, logo depois de minha chegada ao Brasil, em maio de 1953. Durante mais de 50 anos não se falou no tal astro, até que apareceram as obras de Zecharia Sitchin, absolutamente indispensáveis para todos os que queiram saber algo mais sobre a verdadeira história da humanidade.

crédito: ANA LUISA CID
\"Objetos
Objetos voadores não identificados são comumente vistos próximos de vulcões, como no caso da observação do entrevistado, na área do Etna


Professor, a argumentação cética é de que tudo que se fala de Nibiru é apenas fantasia. É correto que temos registros maias e sumérios para atestar a existência do astro, mas neles não está explícito que causará estragos de proporções tão grandes quanto os descritos em seu artigo na Revista UFO. De onde o senhor tira tanta certeza?
Os registros maias e sumérios falam da existência do astro e, em alguns deles, está até bem explícito o nível de destruição que sua presença causa. Outras provas disto encontramos na Bíblia Sagrada e na Bíblia Kolbrin, no Livro dos Mortos dos egípcios, nas obras védicas e, sobretudo, nos recentes achados arqueológicos que nos demonstram o que, apenas 200 anos atrás, não sabíamos, como as mudanças dos pólos e todo um corolário de calamidades e catástrofes. Sim, a Terra já sofreu muito com Nibiru e voltará a sofrer, se não houver algum milagre. Minha certeza sobre isso, que me anima a escrever a respeito, deriva de meus estudos, bastante extensos e profundos, aliados a meus conhecimentos científicos e à minha sincera vontade de não esconder da humanidade a gravidade do apavorante quadro que estamos prestes a encontrar.

No Apocalipse bíblico temos referência a uma estrela que cai na Terra e causa uma grande destruição. Poderíamos associar esta estrela a Nibiru? De fato, Apocalipse faz referência a um grande astro que caiu do céu, que recebeu o nome de Absinto. Veja o que há em Apocalipse 8:10: “E o terceiro anjo tocou a trombeta. E caiu do céu uma grande estrela, a arder como um facho. E caiu sobre a terça parte dos rios e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela é Absinto. E a terça parte das águas converteu-se em Absinto. Muitos homens morreram por causa daquelas águas, pois se tornaram amargosas”. A descrição de São João é magistral e se adapta muito estritamente ao que já aconteceu no passado e ao que a ciência permite prever que acontecerá nesta nova incursão de Nibiru no Sistema Solar. Parece-me, entretanto, que São João foi um tanto otimista, porque fala que apenas um terço da humanidade sofrerá extermínio. No caso atual, Nibiru poderá destruir nove décimos, o que é mais do que um terço. Segundo cálculos dos cientistas, sobrará, quando muito, um décimo dos atuais 6,3 bilhões de seres humanos, cerca de 600 milhões de homens e mulheres. E estes terão a seu cargo a tremenda tarefa de reconstruir a civilização. Vale à pena trabalhar duramente para tentar sobreviver ao embate entre Nibiru e o Sol? Como sobreviver sem eletricidade e água potável, numa atmosfera venenosa e poluída, sem comunicações, rádio, TV, geladeira, e toda a parafernália que fomos inventando em nome da chamada vida moderna, sem contar com a falta de médicos, hospitais e tudo o que, dizem, torna nossa vida tão confortável?

crédito: LUCA OLEASTRI
\"Para
Para De Salvo, a vinda de Nibiru é um fato, mas a humanidade terá uma segunda chance


Ao longo da história tivemos eventos catastróficos que dizimaram boa parte da humanidade, como a peste negra. A calamidade que Nibiru traria seria um fim definitivo para a raça humana?
Bem, vejamos. A tradição maia fixa o fim dos tempos em dezembro de 2012. Mas, simultaneamente, fala de renascimento. Por várias vezes, Nibiru tentou destruir a humanidade, mas nunca conseguiu. Somos teimosos, cabeçudos, persistentes e resistentes. Gostamos muito desta jóia azul do universo e já tivemos que enfrentar o desafio de várias voltas do Exterminador, como ele também é chamado. Mas, mesmo com dificuldades, recomeçamos praticamente do zero para reconstruir tudo. Observando atentamente a história da humanidade, é fácil constatar que, nos momentos críticos, sempre tivemos a felicidade de intervenções divinas, que se realizaram de várias formas, ou pela chegada de seres de altíssimo nível – avatares como Budha, Cristo e outros – ou pela sugestão de descobertas básicas às mentes de nossos cientistas, como o fogo, a roda etc. E, aos poucos, a humanidade deu um salto em sua evolução.

Pressupondo que esteja certo quanto às previsões catastróficas para 2012 e 2013, o senhor crê que alguma civilização extraterrestre esteja monitorando Nibiru e possa intervir na Terra, caso soframos mesmo as conseqüências de sua passagem? E para que, nos salvar? Sim, creio que inteligências alienígenas estejam monitorando Nibiru, mas, embora dotadas de conhecimentos incríveis, se comparados aos nossos, não deverá ser nada fácil para elas modificar sua trajetória para que não nos destrua, devido ao enorme tamanho deste planeta, maior que Júpiter. Por outro lado, como já observei, nunca na história da humanidade foi visto tanto progresso em tão pouco tempo. Isto deve ter alguma razão que, no momento, me escapa. Mas está muito claro para mim que nossos “amigos estelares” se encontram bastante preocupados com tudo o que poderiam fazer, caso não consigam desviar Nibiru. Por exemplo, preparar a humanidade para que os sobreviventes da catástrofe possam ter condições de reconstruir este lindo planeta, em outras bases existenciais. Parece que o que está acontecendo só demonstra o pensamento, absolutamente racional e lógico, destes extraterrestres que, por algum motivo ainda desconhecido, parecem gostar tanto de nós e de nossa jóia azul. Por isso, continuo profundamente otimista.

Então este seria, digamos, um final cíclico que abriria uma oportunidade para uma nova mentalidade e, talvez, uma nova humanidade? Estamos muito mais ameaçados hoje do que nunca. Mas, em nenhuma época de nossa história o progresso tem sido tão gigantesco e promissor como agora. Nos últimos 20 anos, o que foi conseguido supera os 5.000 anos anteriores, e a velocidade e importância das novas descobertas permitem vislumbrar, dentro de um prazo de 30 a 50 anos, talvez menos, uma duração da vida humana em cerca de 500 anos. A Divina Providência já nos forneceu tudo de que precisamos para que isto se realize, mas, de nossa parte, teremos de fazer a lição de casa. Ora, para fazer omelete, é preciso quebrar os ovos. E a Divina Providência envia Nibiru para nós, para que se possa proceder à necessária faxina, a purificação da raça humana, edificando um mundo novo. Enfim, um novo renascimento, com uma nova sociedade e uma nova mentalidade.

As catástrofes naturais que temos enfrentado, como o tsunami asiático e, mais recentemente, o terremoto da China, poderiam ser o princípio deste período trágico para a raça humana? Sim, e para se enxergar isso não precisamos de nenhum Nibiru, porque, em cada ser humano se esconde a semente da besta que foi encontrada pelos Annunnaki [Seres provenientes de Nibiru] e modificada geneticamente, adquirindo o livre arbítrio. É possível que pensamentos perversos nos levem à autodestruição, apenas pela escolha soberana, soberba e irracional de alguns exemplares do gênero humano. Assim como a Divina Providência nos acena com uma época dourada, um novo paraíso, também oferece tudo que é necessário para o aniquilamento final. Já temos armas nucleares suficientes para nos exterminarmos mais de 300 vezes. Nossa capacidade de gerar pandemias, que poderiam nos riscar do mapa, é terrível. Construímos armas gigantescas e insanas, como o Projeto Haarp, nos Estados Unidos, ou o Woodpecker dos russos [Veja edição UFO 126]. Junte tudo isso a um sistema de medicina ultrapassado e ignorante, baseado no lucro agora e já, sem qualquer consideração para a vida, já que o dinheiro vale mais. Mas, o dinheiro não gera vidas, vidas é que o produzem.

São Jõao, em Apocalipse 8:10, foi otimista porque fala que apenas um terço da humanidade sofrerá extermínio. Nibiru poderá destruir nove décimos, o que é mais do que um terço. Segundo cálculos dos cientistas, sobrará, quando muito, um décimo dos atuais 6,3 bilhões de seres humanos, cerca de 600 milhões de homens e mulheres

E tem também o aquecimento global, que devagar vai extinguindo a vida na Terra. O aquecimento global, ao contrário do que se pensa, não está sendo gerado apenas pelo efeito estufa, e sim por projeto conjunto dos norte-americanos e russos para o aquecimento do Oceano Ártico, para permitir o degelo da calota polar e o aumento da temperatura média da Sibéria. Isso permitiria que a Rússia pudesse produzir trigo, num processo que se chama engenharia planetária. Mas, se ela não for utilizada com inteligência, critério e prudência, pode levar ao nosso desaparecimento, bastando para isto que os atuais 21% de oxigênio no ar se reduzam a 20%. O desastre seria total e sem volta, com a extinção de toda a vida no planeta, vegetal e animal. O equilíbrio da composição atmosférica é muito delicado e nós estamos influindo pesadamente para alterá-lo. Parece que, mais uma vez, o homem está sendo colocado frente a frente com a realidade por ele mesmo criada. Conseguiremos enfrentá-la? Nibiru aí está para quebrar os ovos. Mas saberemos preparar a omelete, gostosa e nutritiva, ou a converteremos numa gororoba envenenada e mortal? Pessoalmente, acho que, de alguma maneira, continuamos importantes para os desígnios divinos. Mas por que todo este interesse em nos fazer avançar para um patamar mais elevado, mesmo à custa de uma brutal redução no número de indivíduos?

Na sua opinião, o Projeto Seti já teria encontrado algum sinal de civilizações alienígenas e estaria escondendo isso da humanidade? No Projeto Seti, desde 1967, os radioastrônomos estudaram e catalogaram cuidadosamente sinais interestelares de rádio, chamados pulsars, pensando que eram provenientes de estrelas de origem natural. O doutor Paul LaViolette, que pesquisa os pulsars há 27 anos, acha que até agora a natureza destes sinais têm sido grosseiramente incompreendida. Ele descobriu um número único de pulsars com distribuição não randômica [Não aleatória] no céu e em localizações importantes da galáxia, que têm um significado particular em relação às comunicações com ETs. Ele também verificou que existem alinhamentos geométricos incomuns entre os pulsars, além de um intrigante pulso periódico. Segundo LaViolette, “os pulsars não são o que pensamos que são, estrelas neutras rotativas. Eles são estrelas anãs brancas ajustadas por uma sociedade galáctica de ‘astroengenheiros’, especificamente para nos transmitir informações”. Palavras dele. Porém, os pulsars são estranhos e quanto mais os astrônomos se aprofundam, se tornam mais e mais difíceis para os entendermos.

crédito: cornell news
\"LaViolette
LaViolette [E], estudioso dos pulsars, que o Projeto Seti não conseguiu compreender, e Sagan, que ignorava os fatos que não concebia

No livro Genesis Revisitado, de Zecharia Sitchin, ele afirma possuir dados enviados por cientistas europeus dando conta de que o telescópio IRAS descobriu um sistema estelar em formação ao redor da estrela Vega. Isso nunca fora revelado abertamente. Mas se é verdade, o IRAS e outros telescópios orbitais poderiam detectar Nibiru, mas aparentemente não o fazem. Por quê? Devido à presença de poeira em volta de Nibiru, qualquer observação do astro só será possível quando ele se tornar muito brilhante. Até o momento, ainda temos poucas oportunidades de observá-lo com telescópios orbitais, especialmente se não se moverem no plano da eclíptica. O IRAS foi lançado em 1983 como um projeto conjunto dos Estados Unidos, Inglaterra e Holanda, e com a missão de mapear o céu com um telescópio infravermelho interno, colocado em órbita da Terra. Foi operado ao longo de 10 meses, antes que um alegado “defeito” forçasse sua destruição. Neste período, conseguiu achar mais de 350 mil diferentes fontes de radiações infravermelhas e mapeou, por duas vezes, 96% do céu. O problema que gerou a necessidade de destruí-lo foi o sistema de resfriamento defeituoso.

Mas é verdade que o telescópio apresentou mesmo este defeito, ou isso foi uma manobra de despistamento de algo? De acordo com John Maynard, antigo funcionário da Agência Central de Inteligência (CIA), a explicação oficial não foi a verdadeira razão da interrupção no funcionamento do telescópio. Maynard revelou que os astrônomos norte-americanos tinham detectado uma maciça expansão térmica nas proximidades do Sistema Solar, bem abaixo da eclíptica, durante um mapeamento do céu. Para permitir obter informações mais perfeitas a seu respeito, os controladores em terra declararam o defeito do resfriamento, evidentemente forjado, para não terem mais que compartilhar dados com os demais sócios do projeto. Então, usaram o que restou dos jatos de navegação no satélite IRAS para realizar observações privadas deste novo objeto, antes que fosse extinto definitivamente.

Depois do IRAS, o Japão lançou outro telescópio orbital. Sim, em fevereiro de 2006, o Japão lançou o Astro-F, mais poderoso que o IRAS e que também é conhecido como Akari. O objetivo era estudar discos protoplanetários [Dos quais se originam planetas] até 1.000 anos-luz da Terra. Ele é 10 vezes mais sensível às radiações infravermelhas do que o IRAS era em 1983, e poderá fornecer mais detalhes do disco protoplanetário que circunda Nibiru. Ele possui, também, a capacidade de registrar objetos na faixa do ultra-infravermelho e pode “ver” não somente os discos protoplanetários como até as próprias estrelas. Isto lhe permite encontrar pequenas estrelas frias que são invisíveis na faixa da luz visível.

E quais outros equipamentos já foram utilizados? No final de 2006, uma frota de aviões cargueiros C-130 transportou as partes pré-montadas do Telescópio do Pólo Sul (SPT), para a Estação Amundsen-Scott, e mesmo nas árduas condições polares o aparelho ficou operacional já em fevereiro de 2007. Embora operar perto do pólo apresente extremas dificuldades e altos custos, este telescópio representa o instrumento perfeito, está no lugar perfeito e no momento perfeito para vigiar algo como Nibiru.

crédito: JPL
\"O
O observatório astronômico orbital IRAS manteve o Nibiru e outros astros na mira


Existem equipamentos previstos para serem lançados, que poderiam ser usados para registrar Nibiru?
O Observatório Espacial Herschel estava previsto para ser lançado em 2008. Este aparelho servirá para estudar a química molecular do universo, através da luz da porção submilimétrica infravermelha do espectro. Sua missão será descobrir algo acerca das mais antigas e longínquas galáxias, bem como as mais novas estrelas próximas de nós. Ele conseguirá “enxergar” através das nuvens de poeira interestelares e conseguirá dados sobre a atmosfera e a superfície de cometas, satélites e planetas. Ao ficar operacional, fornecerá dados significativos sobre Nibiru e os pequenos objetos que o precedem e o seguem. Além dele, tem também o telescópio orbital Wise, um perfeito caçador de estrelas escuras anãs. Deverá ser lançado em 2009 e cobrirá todo o céu, com a diferença de ser 1.000 vezes mais sensível que o IRAS. Portanto, poderá registrar até estrelas anãs pequenas demais para serem detectadas por outros instrumentos.

O senhor falou das observações com o SPT, mas quais foram os resultados delas? O SPT se encontra em franca operação e continua monitorando o movimento de Nibiru. Centenas de fotos confirmam a descoberta deste astro e sua trajetória, particularmente em seu caminho ao atravessar a eclíptica. Sabemos que ele, seguindo a trajetória atual, já bem determinada, não se chocará com a Terra, passando entre Marte e Júpiter. Sua ação será devida principalmente à imensa energia gravitacional mobilizada por ele, cuja massa supera a de Júpiter. Porém, o SPT revelou algo que não tinha sido detectado antes: Nibiru está chegando, mas não está sozinho. Será acompanhado por quatro satélites, que estão sendo cuidadosamente monitorados pelo SPT e outros telescópios, uma vez que podem representar um perigo real de choque mortal com a Terra. Determinações mais minuciosas, a serem realizadas nos próximos meses, poderão nos esclarecer mais sobre isto. Só podemos ficar esperando e rezando que “alguém” nos livre desta calamidade. O problema é: existe esse alguém? E mais: conseguirá alterar a trajetória de Nibiru? Bastaria uma leve mudança em sua trajetória e a catástrofe final poderia ser evitada.

Recentemente, o senhor lançou o livro O Enigma de Mu. Fale um pouco sobre o livro e sobre este continente desconhecido. O livro O Enigma de Mu, recentemente lançado pela Editora Biblioteca 24x7 [www.biblioteca24x7.com.br], constitui o resultado de nove anos de estudos e pesquisas. Por ser um assunto fascinante, ao iniciar este trabalho fui envolvido, como que magicamente, na atmosfera de um passado extremamente remoto, que se refere aos primórdios de nossa raça. Como não se fascinar por um assunto assim? Impossível! Mas a tarefa não era e não foi fácil, pois me obrigou a estudos, consultas, compilações de centenas de fontes de várias procedências e idiomas, tentando juntar todas as informações existentes de forma coerente e interessante. O quadro que aparece, então, é algo estranho, mas continua extremamente interessante, porque mostra uma civilização bem mais avançada do que a nossa hoje, mas numa época em que os “deuses” provenientes de Nibiru, os Annunnaki, chegaram à Terra para retirar materiais estratégicos para eles e acabaram modificando geneticamente um tipo de primata selvagem que já existia aqui. Houve cruzamento entre esta raça celeste e uma raça terrestre, gerando a atual humanidade, permanentemente mantida entre uma tendência natural para as estrelas e outra dirigida para a Terra.

O Telescópio do Pólo Sul monitora o movimento de Nibiru. Centenas de fotos confirmam sua trajetória, particularmente em seu caminho ao atravessar a eclíptica. Sabemos que ele, seguindo a trajetória atual, já bem determinada, não se chocará com a Terra, passando entre Marte e Júpiter

Isso quer dizer que seríamos seres, digamos, híbridos? Sim. Nós somos ao mesmo tempo seres terrestres e celestes. E esta representa a verdadeira e grande tragédia da humanidade. Mas, naquela época, houve acontecimentos cósmicos desastrosos e cataclísmicos. Nibiru apareceu, entrou no Sistema Solar e conseguiu modificar a posição dos pólos. O Pólo Norte caía na Bolívia e o Pólo Sul, em Bornéu. A Terra girava quase a 90º da direção de rotação atual. Este brusco deslocamento originou o movimento de enormes massas de água dos mares e oceanos, que continuaram a se mover na direção anterior. E isso originou o dilúvio, com todas suas seqüelas de desastres e o quase total desaparecimento dos seres humanos, animais, vegetais etc. O quadro é apavorante. Mas, mais apavorante ainda, é que tudo isso está para se repetir outra vez, pois Nibiru já se encontra às portas do Sistema Solar.

E o senhor faz esta abordagem no livro? No livro, o mais surpreendente é a constatação de que, no Continente de Mu, os conhecimentos tecnológicos superavam em muito os atuais, apesar de nossa inegável mania de nos considerarmos imbatíveis. Aqueles homens e mulheres antigos, tragados em inimagináveis cataclismos, revelam que eram os verdadeiros imbatíveis, como se pode facilmente deduzir pelos recentes achados arqueológicos. Temos que considerar que, apenas 200 anos atrás, quase nada se sabia sobre a Atlântida, e menos ainda sobre Mu. Mas a ciência tem avançado a passos absolutamente inacreditáveis e, nos últimos 20 anos, temos obtido avanços fantásticos. E o que é mais interessante é que estes avanços confirmam as tradições de muitos povos e duas das principais obras, a Bíblia Sagrada e a Bíblia Kolbrin, bem como o Livro dos Mortos dos egípcios e as obras védicas dos hindus. Acredito que meu livro conseguirá capturar a imaginação dos leitores, pois tudo que aí está foi registrado e permanece para sempre na memória akáshica [Conceito segundo o qual todo o conhecimento dos seres humanos se encontra armazenado em um único lugar], uma parte da qual continua viva em cada ser humano.

crédito: universidade de chicago
\"O
O Telescópio do Pólo Sul (SPT), instalado na Estação Amundsen-Scott e operacional desde fevereiro de 2007, é o instrumento perfeito, está no lugar perfeito e no momento perfeito para vigiar Nibiru

O senhor já disse que as potências mundiais têm armas com as quais nem sonhamos e, por isso, ocorria o desarmamento das ogivas atômicas por parte de ETs. O senhor falou ainda de uma máquina em que se colocou a foto de um submarino e, depois de acionada, o submarino partiu-se em dois. Fala-nos um pouco mais destas armas. Elas seriam o resultado do desenvolvimento de novas tecnologias, de engenharia reversa de naves alienígenas capturadas ou de acordos com ETs? Estas armas foram expostas em meu livro Sinfonia da Energética [Editorial Schimidt, 1992], onde existe um capítulo sobre radiônica, a ciência do amanhã, hoje. Foi pela radiônica que os soviéticos afundaram o submarino norte-americano Thresher, para amenizar a derrota de Krushov no episódio de envio de foguetes nucleares russos a Cuba, frente à decidida oposição de Kennedy. Muitas das armas radiônicas são top secret. Estas armas e a tecnologia que apresentam já foram amplamente utilizadas pelos russos no Afeganistão e pelos norte-americanos nas duas guerras do Iraque.

Tais tecnologias são realmente originadas de acordos que as potências mundiais estabeleceram com aliens, como alegam alguns ufólogos? Há apenas indícios de que esta teoria seja válida, mas o maior salto feito pela nossa ciência está na nanotecnologia, que foi claramente transmitida por cientistas alienígenas aos nossos. A nanotecnologia, que muitos nem conhecem, vai nos possibilitar, dentro de duas ou três décadas, produzir órgãos novos, substituindo os velhos no corpo humano, literalmente fabricando as “peças sobressalentes”. E, assim, nos permitirão estender a vida média até cerca de 500 anos. E não quero abordar a importância dos ORMES [Orbitally Rearranged Monoatomic Elements ou Elementos Monoatômicos Orbitalmente Rearranjados], descobertos recentemente, mas conhecidos desde a mais remota Antigüidade, e ao que os Judeus chamavam Manah, porque iríamos sair muito dos limites dessa entrevista.

E além das tecnologias reveladas, existem outras? Sim, há mais tecnologias, mas a maior parte delas continua escondida do público. Em nossas universidades nem sequer são ventilados tais assuntos, e apenas alguns professores começam agora a se informar sobre eles. Infelizmente, a comunidade acadêmica, que deveria estar pelo menos 10 anos à frente dos acontecimentos, sob pena de formar profissionais obsoletos, está cronicamente 50 anos atrasada, embora tenhamos cientistas de altíssimo valor e que nada têm a perder aos das escolas norte-americanas e européias – estes estão firmes nas mãos de um férreo sistema econômico-financeiro e industrial-militar, que limita severamente a liberdade individual de criação. É uma pena verificar que gente altamente brilhante está sendo sumariamente “sucateada” para nos manter sujeitos ao domínio tecnológico de outros povos. E, no campo da medicina, o panorama é ainda mais decepcionante. Melhor nem tocar no assunto...

Ainda no livro Sinfonia da Energética, o senhor relata uma experiência segundo a qual seria possível desmanchar nuvens, e disse que em uma de suas repetições surgiu um UFO numa nuvem desmanchada. Pode nos falar mais sobre isso? No capítulo A Aura Humana de meu livro Sinfonia da Energética, relatei uma experiência realizada pelo cientista Wilhelm Reich, que, nas décadas de 30 e 40 do século passado, aperfeiçoou um aparelho chamado Acumulador Orgônico. Reich observou que um tubo catódico longamente carregado conseguia conduzir energia elétrica a um potencial notavelmente mais baixo que o normal de uma descarga. E o acumulador podia aumentar a taxa de decaimento [Degeneração] de um radioisótopo. Reich idealizou, projetou e construiu um aparelho movido à energia orgônica, que ele chamou de Detonador de Nuvens [Cloudbuster], que permitia dissolver as nuvens temporalescas, evitando chuvas de granizo e protegendo as colheitas. O aparelho foi testado várias vezes com êxito, inclusive na presença de altos graduados da Força Aérea Norte-Americana (USAF). Naquela ocasião, houve um estranho incidente: no interior de uma nuvem se escondia um UFO.

crédito: rives saint claire
\"As
As antenas do Projeto Haarp, no Canadá, capazes de interferir na vida do planeta a distância


E o que foi constatado nesta experiência?
Os que assistiam à experiência viram que a nuvem efetivamente se dissolvia e que o UFO ia se tornando cada vez mais visível. Observaram, com espanto, que o aparelho estava em sérias dificuldades, como se algo estivesse atuando sobre seus sistemas de propulsão e controle. O UFO só conseguiu se afastar em segurança depois que Reich desligou o aparelho. Mas, estranhamente, ele foi aprisionado, vindo a morrer na cadeia. Sabia demais, tal como Tesla? O aparelho tinha um conjunto de tubos abertos nas duas extremidades, que permitiam concentrar energia orgônica e dirigi-la para onde era desejado.

O senhor acredita que a Terra é observada por extraterrestres, como defendem alguns estudiosos, que chegam ao ponto de afirmar que nossa espécie é o resultado de uma experiência genética que civilizações avançadas fizeram aqui, implantando o ser humano no planeta? Estou perfeitamente de acordo com a teoria de que nossa espécie é o resultado de um cruzamento genético realizado por civilizações muito avançadas, aqui na Terra. Basta ler as obras de Zecharia Sitchin e meu livro O Enigma de Mu para se constatar isto.

O senhor teria alguma restrição quanto a esta teoria, ou a aceita naturalmente? Não, eu não tenho nenhuma dificuldade em aceitar tal hipótese, que me parece a mais racional e confirmada pelas tradições de todos os povos, no lento escoar dos milênios, extintos ou não.

Mas isso não contraria frontalmente a teoria da evolução formulada por Darwin, que é presentemente aceita em todos os meios acadêmicos mundiais, ainda que com alguns furos aqui e ali? Embora a teoria de Darwin seja aceita, ela não é mais a mais aceita, pois surgiram várias objeções de peso no sentido de relegá-la como apenas mais uma teoria. Nem tudo na Terra apenas evoluiu. Muitos animais e algumas espécies vegetais apareceram aqui e ali simplesmente do nada. E por que nunca foi encontrado o tal elo perdido, que confirmaria o ser humano como uma simples evolução do macaco? Como surgiu a banana? São centenas de exemplos que eu poderia dar aqui, para explicar a diferença entre as coisas. Considero mais racional e aceitável a teoria da implantação, na Terra, de seres novos trazidos de longe, por civilizações de enorme capacidade tecnológica, como os eternizados nas Pedras de Ica, no Peru.

Então, o chamado Darwinismo seria apenas mais uma tentativa de explicar a origem da vida? A teoria de Darwin é mais uma teoria. Mas, modernamente, pensa-se que a seleção natural é um método para a evolução, mas não o único, nem geral e nem o mais importante. A obra de Darwin trata da evolução das espécies, mas não da evolução da vida. Com isso, consegue-se evitar definir o que se entende por vida, que é bastante difícil e complexo, pois não se sabe se sua existência assume um caráter científico ou simplesmente filosófico. Entre as objeções à teoria da seleção natural está que ela tenta explicar o desaparecimento das modificações genéticas imperfeitas pela falta ou pela menor adaptação dos indivíduos ao meio, mas nada apresenta sobre a origem das modificações, nem por meio de quais processos elas se realizam. E, segundo a teoria, o processo de evolução não reside nas mudanças na informação genética e, sim, no desaparecimento das mudanças menos favoráveis. Isto também significa que, onde não há seleção natural, também não há evolução. Tudo isso deve ser reexaminado à luz de uma nova consciência.

O senhor crê que existam raças extraterrestres com intenções pouco nobres ou até malévolas nos visitando? Com que objetivo e que mal elas podem nos causar? É possível que existam raças alienígenas cujos objetivos não sejam entusiasmantes para nós. Suas intenções poderiam ser inúmeras, desde o interesse de explorar nossas riquezas minerais e principalmente energéticas, até a necessidade de criar híbridos com a finalidade de melhorar sua raça ou modificar seus seres físicos, incorporando algo essencialmente humano, como as emoções, por exemplo. Quanto ao mal que poderiam nos causar, caso tivessem interesse em provocar nosso sofrimento, o leque é infinito, desde nenhum até a nossa completa destruição, pois sua tecnologia é enormemente superior à nossa.

O senhor acha que estamos caminhando, com ou sem Nibiru, para um contato oficial e definitivo com outras espécies? Isso será benéfico para a humanidade ou passaremos por muitas transformações?
Acho, sim, que estamos à beira de um fabuloso encontro, oficial e definitivo com outras espécies. Rezo para que isto me encontre vivo, pois teria a mais profunda alegria de resgatar todo o ridículo a que fui exposto nos meios acadêmicos, durante tantos anos. O contato com outras espécies evidentemente trará profundas modificações, mas, sobre isso, só podemos sonhar.

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO.

O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

LOGIN

Compartilhe essa entrevista:

Comentários

UPDATED CACHE