CAPA

A descoberta de novos mundos

Revista UFO | Edição 217 | 01 de Novembro de 2014

SHARE

MUNDO UFOLÓGICO

Fatos da Ufologia Brasileira e Mundial

Salvador Nogueira lança seu novo livro, Extraterrestres

Sob o selo Superinteressante, da Editora Abril, o colunista do jornal Folha de S. Paulo, Salvador Nogueira, também autor do blog Mensageiro Sideral, lançou em julho o livro Extraterrestres. Trata-se de um compêndio sobre a busca da humanidade por conhecimentos sobre o universo, seu lugar no mesmo e sobre a vida extraterrestre. O livro analisa detidamente, mas em linguagem simples e acessível, as descobertas da ciência nos últimos séculos, apresentando uma lista dos exoplanetas mais parecidos com a Terra e capazes de abrigar vida, além de um histórico sobre a busca de planetas extrassolares e as tentativas de explicar a origem da vida.

crédito: FOLHA DE S. PAULO
Nogueira oferece explicações simples para fatos que parecem complicados
Nogueira oferece explicações simples para fatos que parecem complicados

No capítulo 9 da obra, O Fenômeno OVNI, Nogueira apresenta de forma sucinta a história da Ufologia desde os Casos Kenneth Arnold e Roswell, ambos em 1947, passando pelos diversos projetos de investigação governamental do assunto, até chegar ao Brasil. Menciona o Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados (Sioani), a Operação Prato, a Noite Oficial dos UFOs e o Caso Varginha, além das recentes liberações de documentos antes classificados do Governo Brasileiro.

Sem tomar partido pró ou contra o estudo ufológico, deixa claro que cientistas, como o astrobiólogo David Grinspoon e o físico Michio Kaku, defendem que a porcentagem de casos ufológicos inexplicados, entre 5 a 10% do total, podem se tratar de visitas alienígenas. Extraterrestres apresenta grande quantidade de excelentes informações e é altamente recomendável para quem se interessa pelas descobertas científicas sobre o universo e sua aplicação ao estudo ufológico [Veja seção Imprensa Ufológica desta edição].

Arthur Clarke fala sobre contato com alienígenas

O canal SyFy, antigo Sci-Fi Channel, em sua política de retomar produções de ficção científica, anunciou a produção de uma minissérie de seis horas de duração baseada no livro O Fim da Infância, de Arthur C. Clarke. Lançada em 1953, a obra descreve uma invasão da Terra por alienígenas benevolentes. Apelidados de Senhores Supremos, eles fazem da civilização terrestre uma utopia, eliminando doenças, guerras e outros problemas, porém ao custo de a humanidade renunciar às viagens espaciais e sua identidade cultural.

Nas primeiras décadas após sua chegada os alienígenas jamais se mostram, e quando finalmente se revelam aos humanos, sua aparência é uma das grandes surpresas do livro, podendo inclusive provocar polêmica se a minissérie for uma adaptação fiel. Clarke, anos depois, já não era favorável a algumas das ideias que colocou na obra, como paranormalidade e misticismo. Porém, O Fim da Infância, relançado recentemente pela Editora Aleph em edição que traz o conto original, Anjo da Guarda, permanece como um clássico da FC com sua profunda discussão sobre o destino final da humanidade. Entre os nomes confirmados na adaptação do SyFy estão o do produtor Akiva Goldsman, de Fringe, e o diretor Nick Hurran, da celebrada série Sherlock, da BBC.

Betelgeuse irá virar supernova

Betelgeuse é uma estrela supergigante vermelha da Constelação de Órion, situada, sob nosso ponto de vista, no lado esquerdo superior do grupo. Seu diâmetro é de 1,2 bilhão de quilômetros, ou seja, se colocada no lugar do Sol — que é 200 vezes menor —, se estenderia além da órbita de Júpiter. Com estimados 8,5 milhões de anos de idade, é muito mais jovem do que nossa estrela, e como todo astro massivo do tipo queima seu combustível nuclear muito mais depressa, é 125.000 vezes mais brilhante que o Sol. O destino de toda estrela desse tipo é uma colossal explosão chamada de supernova, um dos fenômenos mais intensos do universo.

Se ainda existirmos...

crédito: ASTROPIXELS

Alguns sites já começaram a explorar esse fenômeno, mas o fato indiscutível é que, com uma distância de 650 anos-luz entre nós e Betelgeuse [Ao lado], não corremos o menor perigo. Além disso, a própria comunidade astronômica não tem um consenso sobre quando a supergigante irá explodir — especula-se que esse processo leve mais 100.000 anos, produzindo um espetáculo nos céus, se existirem ainda humanos para apreciar o fenômeno. Então, o processo de fusão nuclear em Betelgeuse terá produzido silício e sua fusão forma o ferro. Este é impossível de passar novamente pelo processo e a fusão nuclear então não conseguirá conter o colapso gravitacional, criando a supernova. Os elementos produzidos serão espalhados pelo espaço, talvez para a criação de uma nova geração de estrelas e sistemas estelares.

Brasil inova no espaço

crédito: DEFESANET

Em 01 de setembro partiu do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, o 13º exemplar do foguete de sondagem VS-30 [Ao lado]. A carga útil da missão, batizada como Operação Raposa, foi o segundo estágio movido pelo motor-foguete L5, o primeiro a consumir combustível líquido produzido no Brasil. Alimentado por etanol e tendo como oxidante o oxigênio líquido, esse é um passo importantíssimo na construção de um veículo lançador nacional. Motores de combustível líquido são mais potentes e seguros do que os de combustível sólido e por isso são os preferidos para aplicações civis, como lançamentos de satélites e sondas espaciais. Após a catástrofe ocorrida em 2003, quando 21 técnicos e engenheiros morreram na explosão do VLS-1, o Programa Espacial Brasileiro tem se recuperado lentamente. Infelizmente as verbas para o projeto dependem da boa vontade dos políticos.

Definido pouso em cometa

crédito: ASTRONOMY NOW
Cientista da Agência Espacial Europeia (ESA) examina foto do cometa 67P Churyumov Gerasimenko, alvo da nave Rosetta
Cientista da Agência Espacial Europeia (ESA) examina foto do cometa 67P Churyumov Gerasimenko, alvo da nave Rosetta

A Agência Espacial Europeia (ESA) divulgou em 15 de setembro o local de pouso do módulo aterrissador Philae, que será lançado da nave Rosetta para o contato com o cometa 67P Churyumov Gerasimenko, em 11 de novembro. Batizado como Ponto J, o local possui algumas rochas e elevações e em suas proximidades existe uma região que deve se tornar ativa quando o cometa se aproximar do Sol. Dias antes do anúncio, a ESA divulgou um impressionante autorretrato da Rosetta com o cometa ao fundo, a uma distância de 50 km. O reconhecimento inicial feito pela Rosetta comprovou que o 67P possui poucas áreas cobertas por gelo. Além de rochas, seu núcleo parece ser recoberto por material orgânico. Os planos envolvem acompanhar o cometa pelo menos até agosto de 2015, quando ocorrerá sua maior aproximação com o Sol. Espera-se obter respostas para os mistérios da formação do Sistema Solar e do papel dos cometas na origem da vida na Terra.

Nuvens de água em corpo celeste

O objeto conhecido como Wise J085510.83-071442.5 situa-se a cerca de 7,2 anos-luz do Sistema Solar e tem entre 3 e 10 vezes a massa de Júpiter. Foi descoberto por Kevin Luhman, da Universidade Estadual da Pensilvânia, utilizando o satélite Wise da Agência Espacial Norte-Americana (NASA). Com temperaturas entre 48 e 13 graus centígrados negativos, foi chamado por Luhman de anã marrom, porém a maioria dos astrônomos considera que tais corpos tenham ao menos 13 massas de Júpiter. Acredita-se que seja um planeta gigante gasoso sem estrela.



Grande Ofertas Exclusivas da Revista UFO