Edição 199

Reescrevendo a história do planeta

01 de Abril de 2013

MUNDO UFOLÓGICO

Fatos da Ufologia Brasileira e Mundial

Meteoro cai na Rússia e recorda o perigo vindo do espaço

Em 15 de fevereiro, cerca de 16 horas antes da passagem do asteroide 2012 DA14 a 27 mil quilômetros da Terra, sem aviso prévio, um objeto celeste de 17 m de extensão e peso calculado em 7 mil toneladas explodiu sobre a cidade de Chelyabinsk, causando expectativa em todo o mundo. Mais de 1.200 pessoas se feriram, a maioria por estilhaços de vidro, e vários edifícios foram danificados. Os cientistas afirmam que foi o evento mais potente do tipo desde a explosão em Tunguska, em 1908, possivelmente também causada por um meteoro, embora haja quem sustente que tenha sido a queda de um UFO.


Os dois fenômenos ocorrendo no mesmo dia provocaram uma avalanche de equívocos e mistificações, irresponsavelmente espalhadas por toda a internet. Astrônomos e a NASA comprovaram além de qualquer dúvida que o 2012 DA14 seguia uma trajetória do sul para o norte, sendo que o meteoro russo seguia do leste para oeste. Por cima, a Terra percorreu no intervalo entre os dois eventos mais de um milhão de quilômetros. A explosão na Rússia, ocorrida entre 10 e 15 km de altitude, teve uma potência de 300 quilotons e foi registrada por 17 das 60 estações que monitoram globalmente a proibição de testes nucleares.

crédito: Pravda
A passagem do meteoro sobre Chelyabinsk, na Rússia, onde causou feridos e destruição
A passagem do meteoro sobre Chelyabinsk, na Rússia, onde causou feridos e destruição

Os mistificadores questionaram como ninguém previu esse evento, porém esqueceram convenientemente que o objeto veio pelo lado diurno da Terra, tornando impossível ser captado por telescópios. O fenômeno alertou a humanidade para a ameaça cósmica — tanto que a ONU e o Congresso dos Estados Unidos devem realizar audiências para discutir como proteger o planeta em futuros casos semelhantes.

Um cometa rumo a Marte

Descoberto pelo caçador de cometas Robert McNaught em 03 de janeiro de 2013, através do grupo Siding Spring Survey, que busca objetos próximos da Terra, o cometa C-2013-A1 tem uma trajetória parabólica e iniciou seu trajeto desde a Nuvem de Oort há um milhão de anos. Com velocidade calculada de 56 km por segundo, pode ter um encontro muito próximo com Marte em 19 de outubro de 2014. Cálculos indicam que o astro pode passar a 50 mil quilômetros da superfície do planeta. Contudo, órbitas cometárias são instáveis, pois conforme se aproximam do Sol, de seu núcleo — composto por rocha, poeira e gelo — surgem jatos de material que podem alterar a direção. Os astrônomos ainda não sabem se isso distanciará o cometa de Marte, ou, pelo contrário, se podem levá-lo a colidir com o Planeta Vermelho. O núcleo do C-2013-A1 tem dimensão estimada entre 8 a 48 km. Mesmo com o menor tamanho, um impacto com Marte teria uma potência 25 milhões de vezes maior do que a mais potente arma nuclear já detonada. O risco para nossas sondas no planeta é maior para os orbitadores, pois mesmo a passagem próxima pode atingi-los com partículas da calda do cometa.

Science Channel explora a chegada de alienígenas

O Science Channel estreou em 05 de março uma minissérie em duas partes que descreve uma invasão da Terra por raça alienígena. O programa explora cada aspecto de como seria tal evento, que começa com estranhas cápsulas que caem por todo o mundo, o componente biológico que poderia conquistar o planeta e a reação dos humanos. Hakeem Oluseyi, astrofísico do Instituto de Tecnologia da Flórida, é entrevistado na série e não acredita em invasão, e sim na descoberta — inclusive em outros mundos do Sistema Solar — de microrganismos extraterrestres. Ele afirma: “Estamos encontrando informações que sempre soubemos existirem. Com a vida alienígena é a mesma coisa, sabemos que está lá, mas ainda não a encontramos”. A produção inicia um mês dedicado aos alienígenas no canal. Outra série em duas partes, Aliens: The Definitive Guide, apresentará o trabalho dos cientistas que buscam vida extraterrestre.

Discovery estreia nova série tratando de Ufologia

Em 03 de março estreou nos Estados Unidos Alien Mysteries, nova série do Discovery Channel que revisita casos clássicos da Ufologia Mundial. Utilizando a mais avançada computação gráfica, os documentários recriam eventos conforme descritos por diversas testemunhas, além de discutir as mudanças provocadas em suas vidas. Entre os episódios clássicos abordados estão o Caso Rendlesham, de dezembro de 1980, e o Caso Kecksburg, de novembro de 1965. Alien Mysteries ainda não tem previsão de estreia no Brasil e não se sabe se algum caso nacional estará entre os que abordará.

Curiosity enfrenta problemas técnicos no solo de Marte

crédito: JPL

Em 27 de fevereiro, o rover Curiosity da NASA interrompeu suas atividades científicas de busca por provas da habitabilidade do planeta, devido a uma falha no computador de bordo. O robô não enviou dados para o controle da missão, como programado, e os técnicos da agência acionaram o computador de backup. Especialistas acreditam que uma partícula de alta energia emitida pelo Sol pode ter danificado um pequeno setor da memória do processador. Em 02 de março o Curiosity saiu do modo de segurança, com o computador B funcionando normalmente. Os técnicos pretendem manter o processador A como novo backup. Contudo, em 06 de março novamente o Curiosity foi desligado, após a notícia de uma ejeção solar de média potência. A tempestade estelar foi acompanhada de uma grande ejeção de massa coronal na direção da Marte. A NASA descreveu a medida como precaução e voltou a despertar o rover no dia 07.

Possível vida encontrada em lago subglacial na Antártida

O Lago Vostok, 3.700 m abaixo do gelo da Antártida, tem sido pesquisado pelos russos há dez anos, e em 2012 foram obtidas as primeiras amostras de suas águas, isoladas do resto do planeta há 14 milhões de anos. Cientistas afirmam terem encontrado DNA de uma bactéria desconhecida. “Se essa bactéria fosse achada em Marte, com certeza diríamos que há vida ali. Mas este é DNA da Terra”, disse Sergei Bulat, do Instituto de Física Nuclear de São Petersburgo. A descoberta será confirmada quando forem analisadas amostras mais puras da água, o que deve ocorrer ainda este ano. Há décadas cientistas de várias nacionalidades têm esperança de encontrar no continente gelado as respostas que faltam para alguns aspectos da evolução humana — não raramente, elas podem estar ligadas a temas extraterrestres.

crédito: NOVOSTI
Uma das poucas áreas visíveis do Lago Vostok, onde se encontrou uma forma de vida singular e desconhecida
Uma das poucas áreas visíveis do Lago Vostok, onde se encontrou uma forma de vida singular e desconhecida