Edição 219

Claro, eles voltaram!

01 de Janeiro de 2015

PONTO DE ENCONTRO

Onde os Leitores da UFO se Manifestam

Jorge Vercillo

Não tinha ideia de que Jorge Vercillo, artista consagrado da MPB, fosse também ufólogo e tivesse tão boas impressões sobre a presença alienígena na Terra. Considero suas opiniões sobre o Fenômeno UFO muito interessantes e também bastante oportunas, pois ele as emite com um sexto sentido particular a todos os artistas, mais sensíveis.
Henrique Tadeu Baptista,
por e-mail

crédito: José Travassos
A entrevista com Jorge Vercillo foi muito elogiada pelos leitores da Revista UFO
A entrevista com Jorge Vercillo foi muito elogiada pelos leitores da Revista UFO

Já tinha ouvido Jorge Vercillo falar de Ufologia antes, mas nunca em profundidade. É bom saber que ele é mais um dos famosos da MPB que se colocam ao lado da verdade sobre a realidade ufológica. Mais pessoas como ele, formadores de opinião, precisam vir a público expor suas posições e deixar claro também quase já avistaram discos voadores.
César Augusto Trotta,
São Paulo (SP)

O cantor Jorge Vercillo é um dos maiores expoentes do mundo musical brasileiro. Sensível, humilde e com um excepcional repertório, tem sido também um farol na escuridão quando consideramos vários outros assuntos. Sua disposição em falar abertamente de Ufologia deve ser aproveitada pelos ufólogos brasileiros para alavancar a área.
Carlo Goularte,
Itaipava (RJ)

Escolhidos por ETs

Está nas abduções alienígenas o aspecto mais contundente de toda a manifestação ufológica no planeta. Muito mais até mesmo do que os fantásticos casos militares de perseguição a discos voadores nos céus, são os sequestros por ETs — quando se tem a interação direta de seres humanos com seres provenientes de outros pontos do universo — que podem nos dar as respostas que buscamos.
Rosângela Freitas Soure,
por e-mail

Sou uma abduzida e sei disso desde que era adolescente, quando percebi que estava sendo regularmente levada para bordo de naves por pequenos seres que entendia como “amiguinhos”. Hoje sei que são grays que realizam as abduções alienígenas, como operários biológicos a serviço de uma causa. Dentro das naves sempre há os seres do tipo nórdico a comandá-los.
Maria de Fátima,
Florianópolis (SC)

Tão importante quanto pesquisar as abduções alienígenas minuciosa e cientificamente é ter os “experienciadores” vindo a público para revelar suas vivências. Eu sei que isso é algo muito difícil de se fazer, evidentemente, pois cada um reage à sua maneira à situação de estar frente a frente com seres extraterrestres dentro de uma nave — e ainda passando por experiências médicas que podem ser assustadoras ou dolorosas. Quem consegue passar por isso e revelar o que ocorreu tem muita coragem.
Alberto Roberto Cunha,
Santos (SP)


Nunca passei por uma experiência de abdução alienígena, mas tenho lido muita coisa a respeito e inclusive conversado com amigos que alegam ter passado por tais situações. É curioso que entre eles existam até mesmos os que, ainda que apresentem todos os sintomas de terem sido abduzidos, inclusive marcas no corpo por onde foram inseridos implantes, não aceitam tal realidade e a combatem veementemente. Não querem se ver na condição de abduzidos e temem serem levados novamente — o que, sabemos, não se pode evitar. Ou seja, a abdução também é motivo de muita dor a quem a vive.
Cássia de Medeiros Ruas,
Canoas (RS)

Tipologia extraterrestre

Adquiri assim que saiu o novo livro do coeditor da Revista UFO Thiago L. Ticchetti, Guia da Tipologia Extraterrestre, e confesso que gostei imensamente de sua nova obra. Já tinha lido dele, também pela coleção Biblioteca UFO, Quedas de UFOs, já esgotado de tão boa. Tenho elogios a fazer a Ticchetti, especialmente pela profundidade de sua pesquisa sobre os diversos tipos de humanoides que existem, que ele relata tão bem em sua nova obra.
Rafael Morais,
por e-mail

O novo livro do coeditor da Revista UFO Thiago L. Ticchetti, Guia da Tipologia Extraterrestre, é uma poderosa ferramenta que agora temos para conhecer melhor nossos visitantes extraterrestres. Quero parabenizar o autor pelo trabalho.
Johanna Dobert,
São Caetano do Sul (SP)

crédito: BIBLIOTECA UFO

Acabo de adquirir o Guia da Tipologia Extraterrestre, última edição da coleção Biblioteca UFO. Tenho praticamente todos os exemplares lançados desde a década passada. Sou fervoroso estudioso do Fenômeno UFO e considero que as obras tão cuidadosamente publicadas pela Revista UFO são um importante subsídio à investigação segura e ao estudo bem amparado da ação na Terra destas outras espetaculares inteligências cósmicas.
Rodnei Silva,
Uberaba (MG)

Parabenizo a Equipe UFO por ter sempre uma novidade a apresentar aos seus leitores. Sejam livros, DVDs ou até mesmo as revistas mensais que sempre têm excelente conteúdo. Sua ação no mercado editorial brasileiro ajuda a criar um conhecimento bem embasado sobre os discos voadores e seus tripulantes. Não estamos no escuro.
Denise A. G. Coroa,
Por e-mail

Leitores opinam


O tema das abduções alienígenas é o que eu considero mais importante dentro de toda a imensa casuística ufológica. E a Revista UFO tem tido a sensibilidade de tratar do assunto de maneira reiterada, sempre apresentando boas ocorrências pesquisadas com muito cuidado por competentes ufólogos. Considero isso de muita credibilidade.

Juarez Campos Matinho,

por e-mail


Li uma carta na seção Ponto de Encontro de uma recente edição da UFO em que a pessoa reclamava de os artigos e, particularmente, a entrevista que saem em todos os números serem muito grandes e cansativos de ler. Eu quero dizer que acho justamente o contrário, ou seja, penso que o fato de tais textos serem longos e detalhados é o que faz da Revista UFO uma publicação ímpar. Ela nos deixa saber de tudo sobre Ufologia, nos seus mínimos detalhes.
Carlos Honorato,
Maringá (PR)

Nunca acreditei em discos voadores ou seres extraterrestres em minha vida, até março passado, quando tive uma experiência de avistamento em uma rodovia do Pará. A partir daí, passei a ler tudo o que sai sobre o assunto para me manter informado. Como engenheiro e professor universitário, sinto necessidade de conhecer o máximo sobre o assunto, e tenho a lhes dizer que, pesquisando o mercado editorial e a internet — fontes óbvias de informações sobre os UFOs —, o que se encontra com mais credibilidade é o que a Equipe UFO produz, suas revistas, livros e DVDs. Igualmente, seu site é ótimo, tem farto conteúdo, é inteiramente grátis e praticamente tudo que se pode querer sobre os discos voadores e seus tripulantes está nele. Parabéns.
Gilson Machado Bettes,
Belém (PR)

Marcelo Gleiser

Na edição passada, alguns leitores se manifestaram sobre o cientista Marcelo Gleiser e quero fazer o mesmo. Digo que acho lamentável que ele se meta em assuntos que não conhece, como a Ufologia, especialmente os agroglifos e as abduções alienígenas. Todas as vezes que o vi falar destes assuntos, foi uma lástima.
José Roberto Assumpção,
Por e-mail

Se tem algo que me causa indignação é alguém destratar a pesquisa séria e científica que se faz dos discos voadores, especialmente a desenvolvida pela Revista UFO. E se tem alguém que faz isso muito bem, com a maior desfaçatez, é o astrônomo Marcelo Gleiser, que se sente no direito de agredir não apenas os ufólogos brasileiros que realizam este maravilhoso trabalho de investigação, mas também as testemunhas do Fenômeno UFO. É uma vergonha.
Rogério Buarque,
São Luís (MA)

Estranho artefato fotografado ao pôr do Sol

Fotografei, incrédulo, um objeto que tudo indica ser mesmo um disco voador. Ele estava a uma distância de cerca de 6 km de minha localização, em Itaipuaçu (RJ). Eu estava com minha filha, meu irmão e cunhada. Envio várias fotos originais, sem qualquer retoque, para que me digam se é mesmo uma nave.
Emiliano Fonseca,

por e-mail

crédito: Fotos Emiliano Fonseca


Leitores relatam


Pensei muito antes de enviar essa mensagem, talvez pela dúvida que existe dentro de mim. Tenho tido com alguma frequência sonhos com seres que não são da Terra e em um deles eu estava com minha filha em uma sala quando, por uma porta aberta por minha mãe (já falecida), entraram duas “pessoas”. Uma era alta e com o tom de pele como a de um indiano e a outra não consegui ver. Esse ser que eu vi pegou um aparelho redondo, colocou em meu peito e imediatamente todo medo e sentimentos ruins desapareceram — eu me vi em um lugar com uma claridade diferente, onde tudo era leve e calmo. Aí eu pude visualizar o outro ser, que era uma “mulher” de olhos claros, cabelos castanhos também claros e acinzentados e pele clara. O que mais me impressionou era o amor inteiro e amplo que se sente por todos que lá estão, mesmo que você não os conheça. Esse amor não existe aqui na Terra e eu não tenho como explicá-lo. A “mulher” me tranquilizou sobre problemas que eu estava passando e me falou sobre uma pessoa, que eu não sei quem é, mas que estaria na Itália, que faz parte de minha história. Quando morei em Cabo Frio, também vi uma nave, e minha filha, quando tinha 8 anos, viu uma bola de luz dentro de nossa casa. Sonhei que fui abduzida e vi outro ser agora recentemente, dentro da residência — ele estava envolto em uma névoa. Tive outros sonhos com naves e seres. Será que tudo isso é fruto de minha imaginação? Só sei que vivenciei tudo de forma muito real.
Geysa Kramer,
por e-mail

Vejo discos voadores seguidamente em minha fazenda, no interior de Goiás. E às vezes eles são pequenos, giram em seu próprio eixo e até entram nas casas dos funcionários. Penso ser uma das tais sondas ufológicas, como li na Revista UFO, mas elas não causam mal. Mesmo assim estamos todos assustados e precisamos de ajuda.
Evandro Morais,
por e-mail

Estranho artefato fotografado ao pôr do Sol
Fotografei, incrédulo, um objeto que tudo indica ser mesmo um disco voador. Ele estava a uma distância de cerca de 6 km de minha localização, em Itaipuaçu (RJ). Eu estava com minha filha, meu irmão e cunhada. Envio várias fotos originais, sem qualquer retoque, para que me digam se é mesmo uma nave.

Emiliano Fonseca,

por e-mail