Edição 214

Uma infinidade de mundos alienígenas

01 de Agosto de 2014

PONTO DE ENCONTRO

Onde os Leitores da UFO se Manifestam

Muito bonita e realista a capa da edição UFO 213, que estampa a matéria principal, Visitantes de Dormitórios: Invasores Silenciosos, dos ufólogos argentinos Liliana Flotta e Eduardo Grosso. Ao ver a revista nas bancas, não pude deixar de associar a imagem a certos “sonhos” frequentes que eu tenho tido, e que acredito serem visitas noturnas de ETs
Mariana Godoy,

Nova Friburgo (RJ)

Coronel Julio Chamorro

Gostei muito da entrevista que o editor A. J. Gevaerd fez com o coronel Julio César Chamorro Flores [Foto ao lado], ex-comandante da Força Aérea Peruana (FAP) e também fundador da Oficina de Investigación de Fenómenos Anómalos Aeroespaciales (OIFAA), na seção Diálogo Aberto de UFO 213 [A Ancestral Ligação dos Povos Andinos com Visitantes Extraterrestres]. O entrevistado abordou assuntos que me interessam muito. Por um lado, a questão que envolve o relacionamento de comunidades escondidas nos Andes com visitantes extraterrestres, e, por outro, a estratégia do governo peruano de investigar oficialmente
discos voadores em seu país.
Leonel Caruso Gomes,
Rio de Janeiro (RJ)

Em sua entrevista A Ancestral Ligação dos Povos Andinos com Visitantes Extraterrestres, de UFO 213, o coronel Julio Chamorro mostra que mesmo um país menor e menos desenvolvido do que o nosso conta com autoridades esclarecidas e democráticas, que optaram por estabelecer uma entidade oficial de pesquisas ufológicas, a Oficina de Investigación de Fenómenos Anómalos Aeroespaciales (OIFAA), hoje um departamento da Força Aérea Peruana (FAP), como mostra, em matéria mais adiante na própria edição, o igualmente coronel Julio José Luis Vucetich Abanto [Texto A Aeronáutica Peruana Reativa seu Organismo de Pesquisa Ufológica]. Que o Brasil possa seguir o exemplo.
Johanna Albuquerque Lins,
por e-mail

crédito: ARQUIVO UFO

As entrevistas da Revista UFO estão cada vez melhores e gostei muito das últimas apresentadas, que têm como entrevistados autoridades militares da América do Sul. Em particular, apreciei muito o diálogo com o coronel Julio Chamorro em UFO 213, A Ancestral Ligação dos Povos Andinos com Visitantes Extraterrestres. É bastante interessante a colocação que ele faz de que a mente do homem andino raciocina de maneira diferente da do homem ocidental, cuja cultura é homocentrista, ou centralizada nele mesmo. Para Chamorro, os povos andinos têm uma abordagem integralista da vida e para eles o homem é parte da natureza. Perfeito!
Simon Alberto Cardoso,
São Paulo (SP)

O coronel Julio Chamorro mostrou muito bem a incrível diversidade da casuística ufológica peruana, que está entre as mais ativas do mundo. O que me surpreendeu em sua entrevista à edição UFO 213, A Ancestral Ligação dos Povos Andinos com Visitantes Extraterrestres, no entanto, foi saber que o surgimento do órgão oficial de pesquisas ufológicas peruano, a Oficina de Investigación de Fenómenos Anómalos Aeroespaciales (OIFAA), se deu por determinação do ex-presidente Alberto Fujimori, após um avistamento que teve. Fico imaginando se a presidente Dilma Rousseff teria a mesma coragem se tivesse tido uma observação de um disco voador...
Jonas R. A. Silva,
por e-mail


Visitas de dormitórios

Extraordinária a primeira parte do texto Visitantes de Dormitórios: Invasores Silenciosos, dos ufólogos argentinos Liliana Flotta e Eduardo Grosso, em UFO 213. Nota-se que os autores fizeram o que poucos fazem hoje — uma profunda, dedicada e produtiva investigação de campo com abduzidos em seu país. Há muito tempo que não via um trabalho de pesquisa tão bom e envolvente, destes que mostra que a Ufologia pode e deve ser tratada com método científico. Não vejo a hora de conhecer a segunda parte da matéria.
Mário Arbusto Rech,
por e-mail

O artigo dos argentinos Liliana Flotta e Eduardo Grosso, Visitantes de Dormitórios: Invasores Silenciosos, em UFO 213, explica muita coisa. Não somente eu, mas várias pessoas que conheço têm o que parecem ser apenas sonhos estranhos com seres visitando nossos quartos, mexendo em nossos corpos e espreitando o ambiente em que vivemos, especialmente na calada da noite. Hoje posso entender que talvez não sejam somente sonhos, mas fatos reais como os descritos pelos autores, ou seja, visitas de dormitório.
Célio Campineiro Faria,
por e-mail

No texto Visitantes de Dormitórios: Invasores Silenciosos, de Liliana Flotta e Eduardo Grosso, em UFO 213, somos levados a crer que a era das abduções alienígenas ditas “convencionais” pode ter chegado ao fim e que a moda agora são as visitas de dormitório. Isso seria óbvio, visto que nossos visitantes têm a capacidade até mesmo de atravessar paredes para entrarem onde bem entendem, e despenderiam muito menos esforço fazendo seus “trabalhos” com seus escolhidos em seus próprios quartos do que levá-los para naves.
Maria Helena Pinheiro Cordeiro,
Votorantim (SP)

Estão de parabéns os ufólogos argentinos Liliana Flotta e Eduardo Grosso por seu texto Visitantes de Dormitórios: Invasores Silenciosos, em UFO 213, e também a Revista UFO por tê-lo publicado. Liliana e Eduardo me tiraram uma dúvida enorme a respeito de experiências que tenho tido desde criança, das quais me lembro ora vagamente, ora intensamente, relacionadas à vinda ao meu quarto de estranhos seres. Na infância eu os via como “amiguinhos”, na adolescência tinha medo deles e após casar-me passei a entender tais visitas como uma intrusão. Hoje, graças a este excepcional trabalho de pesquisa, já sei do que se tratam.
Maureen Bachmann,
Contagem (MG)

Dwight Eisenhower

Bastante interessante o artigo Teria Eisenhower se Encontrado com Aliens em Fevereiro de 1954?, de autoria do convidado especial Michael E. Salla, publicado em UFO 213. Esta história de que o presidente norte-americano teria sumido durante certa noite e sido levado para um hangar secreto, onde teria se encontrado com ETs, é recorrente na Ufologia, mas nunca havia lido um texto convincente a respeito, como este de Salla.
Michael Renan Konder,
Blumenau (SC)

Achei excêntrico o texto Teria Eisenhower se Encontrado com Aliens em Fevereiro de 1954?, de Michael E. Salla, em UFO 213. Pareceu-me mais uma história que une a presença alienígena na Terra às inúmeras teorias de conspiração que rondam a internet e, em particular, a Ufologia praticada na rede. Não vi fundamentos muito claros nas alegações de Salla.
Irineu Medina Buarque,
por e-mail

Objeto estranho ao amanhecer em Natal

Encaminho à Revista UFO para análises a foto que fiz em 14 de junho deste ano. Não sei do que se trata e só percebi o artefato, que se apresenta em várias imagens, depois de vê-las — ele não parecia estar no local no momento em que fiz as fotos. Eu estava na ocasião na cobertura do Hotel Golden Tulip International, em Natal (RN), e era entre 05h40 e 06h00.

Josevita Tapety,

por e-mail

crédito: Josevita Tapety

Se o presidente dos Estados Unidos Dwight Eisenhower realmente se encontrou secretamente com seres extraterrestres em uma base aérea norte-americana, em 1954, como afirma o ufólogo e ativista Michael E. Salla em UFO 213, então é de se supor que outros presidentes que o sucederam também tiveram o mesmo tipo de relacionamento com tais espécies alienígenas ou, no mínimo, sabiam do que se passou com seu colega. Como, então, é possível que um segredo tão perturbador tenha permanecido oculto por tanto tempo?
Sueli G. A. Campos,
Novo Hamburgo (RS)

Aeronáutica peruana

Quanto mais eu leio sobre a Ufologia Peruana, mais eu me surpreendo. Tendo parentes naquele país, acompanho com regularidade as informações de novos avistamentos ufológicos, que lá são constantes — inclusive em metrópoles como Lima. Agora, a matéria A Aeronáutica Peruana Reativa seu Organismo de Pesquisa Ufológica, do editor A. J. Gevaerd, em UFO 213, vem mostrar o quanto o governo daquele país leva a coisa a sério. Ao lado de Chile, Uruguai, Argentina e Equador, o Peru dá um exemplo a ser seguido por outros países do mundo, em especial pelo vizinho Brasil.
José Antonio C. Franco,
por e-mail

A rica casuística ufológica do Peru está muito bem representada na edição UFO 213, tanto na seção Diálogo Aberto, com o coronel Julio Chamorro, como no texto A Aeronáutica Peruana Reativa seu Organismo de Pesquisa Ufológica, com uma entrevista ao também coronel Julio Vucetich Abanto.
Rodrigo Lopes Campos,
Ceilândia (DF)

A entrevista que o editor A. J. Gevaerd fez com o coronel Julio José Luis Vucetich Abanto, atual diretor do Departamento de Investigación de Fenómenos Anómalos Aeroespaciales (DIFAA) — que antes era apenas um escritório —, é esclarecedora, como nos apresenta o texto A Aeronáutica Peruana Reativa seu Organismo de Pesquisa Ufológica, de UFO 213. Mas me surpreendeu o fato de o entrevistado ter falado em liberdade de conhecimento em um momento do diálogo e, em outro, afirmar que “é preciso ver que também há informações que temos que ter cuidado ao divulgar, pois podem causar pânico ou alguma comoção nas pessoas, e esta não é uma reação desejável”.
Cláudio Ferrentini,
Limeira (SP)

Assis Antônio Ávila

Agradeço à Revista UFO por publicar o texto A Abdução do Operário Gaúcho Assis Antônio Ávila em Pelotas, do consultor José Carlos Nussbaum Júnior, em UFO 213. Aquele foi um caso extraordinário ocorrido em nosso país, muito bem investigado por nossos pioneiros — entre os quais o professor Luiz do Rosário Real e o médico Walter Karl Bühler —, mas que caiu no esquecimento. São poucas as obras da literatura ufológica nacional que tratam do importante episódio. Por isso, UFO e Nussbaum Júnior estão de parabéns!
Hélio Abranches,
por e-mail

Luis Vieira de Matos

Sensacional a entrevista com o ufólogo Luis Vieira de Matos na seção Diálogo Aberto de UFO 212, A África tem Casos Ufológicos Impressionantes e Únicos no Mundo. Só faltou ele nos dar duas informações sobre as usinas nucleares pré-históricas que mencionou no texto: qual a sua localização e se existe alguma informação mais detalhada sobre o assunto em livros, revistas ou algum site? Quero aproveitar e parabenizar toda a Equipe UFO pelo ótimo trabalho que vocês vêm fazendo nesses anos todos, que acompanho desde o começo de sua trajetória.
Wanderley da Ressurreição Bento,
Guarulhos (SP)

Grupo Rama

Refiro-me à entrevista concedida pelo ufólogo e advogado peruano Anthony Choy ao editor A. J. Gevaerd, publicada na edição UFO 210, A Verdade Sobre a Pesquisa Ufológica Oficial no Peru e no Continente. Meu comentário prende-se à citação, por Choy, das atividades do chamado Grupo Rama e de seu ex-coordenador no Brasil, Carlos Paz Wells ou Charlie, como é conhecido, cuja trajetória acompanhei. Gostaria de informar que, após alguns meses de investigação das ações do Rama em nosso país, verifiquei detalhes dissonantes entre o que afirmavam seus integrantes sobre suas famosas experiências de contatismo, estimulados por Paz Wells, e o que de fato ocorria. Pude observar que ele era pessoa de muita inteligência, como seu irmão Sixto Paz Wells, também citado por Choy. Ambos compartilhavam grande poder de convencimento, comando e influência sobre os adeptos do Rama, mantendo-os iludidos com ensinamentos esotéricos colhidos especialmente da Ordem Rosacruz, alegando tratarem-se de lições trazidas por seres extraterrestres de alta evolução espiritual, com os quais diziam manter contato. Por fim, quero parabenizar a Equipe UFO pela escolha do entrevistado e pelo esclarecimento deste assunto, entre outros citados na matéria.
Ronaldo Kauffmann,
consultor jurídico da Revista UFO,
São Paulo (SP)

Experiências dos leitores

Tenho 16 anos e moro em São Paulo. Gostaria de relatar uma coisa que aconteceu comigo uns meses atrás. Eu já havia avistado vários UFOs da varanda de minha casa e até aí tudo bem, mas houve um dia em que algo diferente ocorreu. Eu acordei de manhã para ir à escola e fui pegar uma roupa para me vestir na lavanderia, por volta das 05h30, quando vi um objeto voador não identificado sobrevoando o bairro. No dia seguinte, acordei sentado com uma luz vinda da janela da cozinha e apontada na minha direção — meu quarto fica de frente à cozinha. Quando vi a luz pensei que fossem ladrões dentro de casa, mas não eram. Aquela luz apontava para mim, mas não iluminava nada que estava em volta. Minha cachorra latiu para ela, acordando minha mãe. O episódio todo durou alguns minutos e a luz foi embora. Naquele dia não fui à escola, por causa do ocorrido.
Elias Vinícius,
São Paulo (SP)

Acompanho a Revista UFO já faz tempo e li a entrevista com a doutora Gilda Moura na edição 158, intitulada As Abduções e o Despertar da Consciência, que me chamou a atenção. Tenho algumas lembranças de uma possível abdução que teria sofrido e que me deixou sequelas físicas quando criança, como a perda total da audição do ouvido esquerdo. Já na vida adulta tive sonhos recorrentes com dois seres, até me encontrar com um deles, do sexo masculino, que já identifiquei como uma entidade que vem transmitindo mensagens pelo mundo afora. Porém, não me lembro de ele ter passado qualquer mensagem para mim, apenas recordo que ficou muito bravo por eu ter insistido, por meio de sonhos repetidos, chegar a um determinado local — toda a nossa comunicação foi telepática.
Simone Garcia,
Salvador (BA)

Em maio de 2012 avistei um UFO triangular da janela de minha casa. O objeto espargiu centenas de discos luminosos menores, sendo que três deles entraram em minha casa. Dois dos artefatos ficam 24 horas por dia instalados entre minha TV e meu computador, e outro fica dentro de meu quarto. Fiz vários testes para ter certeza de que avistá-los não era problema visual — cheguei perto de um e vi que realmente ele não se afastou de mim. Deu para perceber uma pequena radiação prateada emanando de tal objeto. Os aparelhos têm cor semelhante à clara de ovo e já os vi no chão, processando alguma análise após eu passar detergente ali. Os artefatos vibraram rapidamente, em um frenesi, como se estivessem coletando o material do chão. Eu também os vi sobre o fogão e no box do banheiro, quando tomava banho.
Elaine Krauss Serrano,
Poços de Caldas (MG)

A mãe de um amigo, que na sua infância morava em Pernambuco, relatou-me algo que lhe ocorreu quando era criança. Ela estava com seus irmãos e a filha da vizinha próximos de casa, em uma área rural, quando se depararam com o que ela chama de “homenzinho”. Parecia um anão, mas não aparentava ter órgão sexual, disse-me. O ser parou à frente da jovem, a cerca de 1,5 m de distância, e seus irmãos correram desesperados na direção de uma mangueira. A hoje senhora disse que ficou paralisada em frente àquele ser por cerca de 40 minutos. Apesar do choque, ela acreditou que se tratasse do chamado “Papa Figo”, um ser do folclore local com aquelas características. A senhora nunca sequer havia ouvido falar em ETs ou algo do tipo. Hoje mãe de dois filhos, ela descreveu outro fato com UFOs. Residindo no Parque São Rafael, em São Paulo, seu filho mais novo, Davi, passou mal de madrugada por conta de algo que havia ingerido e ela então chamou o outro filho, mais velho, Valmir, meu amigo, para ajudá-la, quando ambos saíram para o quintal. Foi aí que se depararam com uma luz vermelha intensa, de dentro da qual surgiram mais três luzes pequenas da mesma cor, que desceram e traçaram uma rota em linha reta até o solo, todas na mesma direção. A senhora, sem saber por que, caminhou na direção das luzes.
Andrews Garcia Sanches,
por e-mail

Fato inusitado em Florianópolis

Gostaria de relatar um fato curioso que aconteceu nas dunas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis. Eu e meus amigos conhecíamos um mendigo que morava naquela área e que falava muito em UFOs e ETs. Já li muito sobre o assunto, mas confesso que fiquei impressionado com os detalhes que aquele senhor nos deu sobre os tripulantes dos discos voadores — e por ser uma pessoa totalmente sem acesso a este tipo de informação é que dei crédito ao que ele contava. No meio de toda aquela troca de informações com o tal senhor, que morava abandonado nas dunas, ele dizia que no final de 2012 seria levado por uma nave. Concomitantemente a isso, um amigo me mostrou imagens de um suposto UFO gravadas por seu professor de faculdade — que até então não acreditava no assunto — enquanto fazia uma trilha durante a noite naquelas mesmas dunas. Ele não sabia da história do mendigo, mas em suas imagens aparece um suposto UFO descendo na região justamente onde aquele senhor morava. A gravação foi feita bem na época estabelecida por ele como sendo de sua partida, e o fato é que, desde então, nunca mais vimos o mendigo nas dunas. Um detalhe curioso nas coisas que conversei com aquele senhor antes de sumir foi ele ter dito que seria levado para o fundo do oceano e que os tripulantes dos discos voadores usavam roupas brancas grudadas ao corpo.
Pedro Saul Soares,
Florianópolis (SC)

Eu nunca tinha visto nada que comprovasse a existência de discos voadores ou coisa parecida, até que em 05 de abril deste ano, às 16h20, algo me fez mudar de ideia. Era sábado e estava com amigos jogando futebol de areia, quando olhei para cima e havia um objeto parado no céu, que estava muito limpo. O que mais me chamou a atenção é que me pareceu que fui avisado no exato momento que aquilo estava ali. Algo do tipo: “Olhe, estamos por aqui”. Não tenho o hábito de olhar para o céu quando estou jogando, mas do nada veio a vontade de fazê-lo e vi aquilo. No início o artefato estava parado, brilhando com o reflexo do Sol. Logo depois começou a fazer um zigue-zague rápido, depois mudando de posição e sumindo de repente.
Amarildo Lopes,
Ribeirão Preto (SP)

Curioso objeto sobre rodovia paulista

crédito: Fernando Abrão

Eu fiz esta fotografia em 31 de maio passado, por volta das 06h50, enquanto trafegava pela Rodovia Presidente Dutra, na altura de Jacareí e me dirigindo para São José dos Campos, cidades do interior de São Paulo. A foto é parte de uma sequência obtida com um aparelho iPhone 4. O que eu queria era fotografar um belo amanhecer, já que o Sol estava bonito, porém distante. Somente percebi algo de anormal depois, quando olhei as fotos em minha casa. Não faço ideia do que possa ser.

Fernando Abrão,

por e-mail

Perguntas dos leitores

Parabéns a todos da Equipe UFO pela seriedade com que abordam este assunto. O que me leva a escrever é uma indagação que me preocupa. De tudo o que se tem conhecimento da Ufologia, podemos presumir que estamos sendo preparados do ponto de vista social, político e principalmente religioso para termos um contato mais direto com nossos visitantes extraterrestres. Mas, na hipótese de isso acontecer um dia, não há o risco de termos um verdadeiro colapso religioso com um novo entendimento de Deus?
Carlos Augusto Ferreira Padilha,
por e-mail

Moro em Brasília, sou estudante, tenho 20 anos e sou extremamente apaixonado pela Ufologia. Gostaria muito de ser ufólogo um dia, mas não sei por onde começar, se existe algum curso específico e que providências tomar neste sentido. Tenho muita vontade de fazer parte de um grupo de pesquisas e ser investigador de campo em Ufologia.
Caio César Rocha,
Brasília (DF)

Os leitores opinam

Os céticos não admitem a existência do Fenômeno UFO e chegam até mesmo a ridicularizar os que nele ousam acreditar, alegando que tudo não passa de crendice popular e que faltam elementos de convicção que possam corroborar este enigma. Ainda assim, em todos os segmentos encontramos gente importante que aceita que a questão ufológica é mais do que relevante e exige a devida atenção, mesmo que soe algo fantástico e que beire à irrealidade. O ideal, no entanto, seria analisarmos com isenção toda e qualquer informação que diga respeito à vida extraterrestre, de forma que o assunto mereça atenção e receba o cuidado que anule uma tentativa de negação revestida de preconceito. Afinal, em um universo infinito que comporta bilhões de sistemas estelares, é bem possível que existam formas de vida em diversos outros lugares, o que justificaria a sua imensidão. E se realmente existem seres alienígenas nos visitando, é lógico supor que sejam detentores de uma tecnologia que os permitam atravessarem milhões de quilômetros entre as estrelas, até chegarem à Terra.
Roberto J. Fraga Moreira,
por e-mail

Rara foto de Mãe do Ouro obtida em São Paulo

crédito: Mauro Custódio

Em 24 de maio deste ano, por volta das 19h30, meu cunhado Mauro Custódio estava voltando do seu sítio, próximo à usina de álcool e açúcar Dedine, na zona rural de São João da Boa Vista (SP), quando avistou uma esfera de cor amarelo dourada sobrevoando um canavial. Ele, apesar de residir há vários anos no local, disse que nunca viu nada igual e fez uma foto com seu celular, de marca Motorola. Custódio preferiu sair logo das proximidades do local do avistamento e incluiu em sua narrativa que o céu estava nublado. Pesquisando nas redondezas, ele descobriu que alguns moradores mais antigos também já viram objetos semelhantes àquela esfera, denominando-a de “Mãe do Ouro”. Como ele sabe que eu gosto do assunto e pesquiso Ufologia há vários anos, enviou-me a foto para análise, e a remeto à Revista UFO.
Pedro Gabriel Scarabelo,

por e-mail