Edição 213

Encontro mais do que imediato

01 de Julho de 2014

PONTO DE ENCONTRO

Onde os Leitores da UFO se Manifestam

Fiquei impressionada com a edição UFO 212, especialmente com o texto de Marco A. Petit, Alienígenas no Sistema Solar. O autor não deixou dúvidas quanto ao fato de que outras espécies cósmicas já passaram pelos diversos orbes de nosso sistema estelar e deixaram neles a sua marca. É incrível como estes fatos continuam ocultos.
Júlia Maria Cesário,

Porto Alegre (RS)

Luis Vieira de Matos

crédito: Luis Vieira de Matos
Os leitores gostaram dos relatos de casos africanos do entrevistado Luis Vieira de Matos
Os leitores gostaram dos relatos de casos africanos do entrevistado Luis Vieira de Matos

Muito interessante a entrevista com o ufólogo angolano Luis Vieira de Matos na seção Diálogo Aberto da edição UFO 212, A África Tem Casos Ufológicos Impressionantes e Únicos no Mundo. Sabemos pouco da casuística ufológica do Continente Africano e foi uma satisfação tomar conhecimento de tão curiosas experiências relatadas por Matos. Espero que a Revista UFO entreviste também ufólogos asiáticos e da Oceania.
Marli Barreto Cunha,
por e-mail

Naturalmente, devido à pouca existência de ufólogos da África, temos acesso apenas a raros casos ufológicos que lá ocorrem. Diferente do que acontece na América do Sul, por exemplo, onde há muitos estudiosos atentos à casuística. Por isso, acho importante o que o pesquisador Luis Vieira de Matos descreveu em sua entrevista à UFO 212, A África Tem Casos Ufológicos Impressionantes e Únicos no Mundo. Parabéns a ele e ao entrevistador Inajar Antonio Kurowski.
Jonas Cardoso Silva,
por e-mail

Gostei muito da entrevista A África Tem Casos Ufológicos Impressionantes e Únicos no Mundo, de UFO 212, tendo como entrevistado o ufólogo Luis Vieira de Matos e entrevistador o conselheiro especial da publicação Inajar Antonio Kurowski. Chamou minha atenção, em especial, o caso dos ETs robôs relatado no texto. Imagino que deve ser intensa a incidência ufológica dos países do continente.
José Arimatéia Brito,
Feira de Santana (BA)

Aliens por aqui

O coeditor da Revista UFO Marco Antonio Petit mostra mais uma vez a qualidade de seu trabalho no texto Alienígenas no Sistema Solar, de UFO 212, que lhe rendeu mais uma bela capa da publicação, assinada pelo artista Rafael Amorim. É impressionante constatar que, durante as missões para explorar o Sistema Solar, sondas norte-americanas e russas registraram imagens de estruturas artificiais feitas por alguma civilização desconhecida em vários de nossos planetas. Por que ainda nos negam estas informações?
Maria Luiza Barreto,
Passo Fundo (RS)

Marco Petit foi categórico em seu texto Alienígenas no Sistema Solar, de UFO 212, ao se referir às estruturas artificiais encontradas em diversos orbes do Sistema Solar. Mas chamou-me a atenção o fato de que milhares de fotografias com tais vestígios alienígenas estejam disponibilizadas nos sites das agências espaciais. Repito o questionamento de Petit: seria esse fato uma tentativa de se começar a preparar a humanidade para uma revelação sobre a realidade extraterrestre?
Gilberto Mariano,
por e-mail

Fiquei surpresa com o texto do coeditor da Revista UFO Marco Antonio Petit em UFO 212, Alienígenas no Sistema Solar. Como podem tantas coisas estarrecedoras serem mostradas — e provadas — pelo autor e as agências espaciais nada falarem a respeito. Parabéns a Petit e à UFO por sua coragem de expor essas informações que nos são sonegadas.
Eudi Costa Martins,
por e-mail

UFOs na Bélgica

crédito: EDITORIA DE ARTE sobre foto igor Hauss
Caças supersônicos perseguiram UFOs em manobras arriscadas sobre os céus da Bélgica, mas não conseguiram alcançá-los ou identificá-los
Caças supersônicos perseguiram UFOs em manobras arriscadas sobre os céus da Bélgica, mas não conseguiram alcançá-los ou identificá-los

Finalmente a Revista UFO tratou deste que é um dos mais importantes casos da Ufologia Mundial: a revoada de naves triangulares na Europa, em especial na Bélgica, como pode ser visto na edição 212. Achei, aliás, muito apropriada a denominação de Noite Oficial dos UFOs no Bélgica, a exemplo da nossa noite oficial. O autor Bernard Thouanel soube relatar com precisão a sequência de ações dos caças a jato e do serviço de controle de trafego aéreo daquele país, que participaram da “caçada” dos UFOs que o sobrevoaram.
Alberto Fernando do Carmo,
Taguatinga (DF)

Incrível o que foi relatado no texto Noite Oficial dos UFOs na Bélgica, de Bernard Thouanel, em UFO 212. Simplesmente, o espaço aéreo belga foi palco de eventos incríveis e inexplicados. Descobriu-se pelo texto que, por um período de poucas semanas, centenas de testemunhas de elevada credibilidade denunciaram ter visto fortes luzes brancas em forma de triângulo com uma luz vermelha ao centro. Pena que lá os militares não tenham feito como os nossos, em 1986, que celebrizaram com sua atitude a Noite Oficial dos UFOs no Brasil.
Carol Marilene Rocha,
por e-mail

O convidado especial Bernard Thouanel está de parabéns por seu texto Noite Oficial dos UFOs no Bélgica, publicado em UFO 212. Eu não tinha conhecimento de que algo de tal magnitude se deu naquele país envolvendo UFOs triangulares. Mas gostaria de saber se a conferência oficial convocada pelo coronel Wilfried De Brouwer, chefe de operações da Força Aérea Belga (FAB), resultou em algo que possa esclarecer a origem daqueles artefatos?
Ivo Luis Schmitt,
Blumenau (SC)

UFOs no litoral do Paraná

Está de parabéns o consultor da Revista UFO Jackson Camargo por seu artigo Discos Voadores e ETs no Litoral do Paraná, de UFO 212. Sou morador de Antonina, a cidade que está no centro dos fatos relatados pelo autor, e confirmo a elevada incidência ufológica que temos aqui e nas serras e mares ao redor.
Antonio C. Baresch,
Antonina (PR)

Que interessante ver esta mistura de lendas, folclore e Ufologia na Serra do Mar paranaense, notadamente na cidade de Antonina. Os impressionantes casos relatados por Jackson Camargo em seu artigo Discos Voadores e ETs no Litoral do Paraná, de UFO 212, mostram que de fato aquela região é uma das que têm elevada incidência ufológica no país. Acho muito importante que se realizem investigações de campo como as que Camargo fez, cada dia mais raras em todo o país. Nossos ufólogos hoje não vão mais à luta nos campos e fazendas, em busca de novos casos ufológicos, fazendo apenas o que chamam de “pesquisa” na frente de seus computadores.
Hugo Sérgio Caminha,
Curitiba (PR)

Jackson Camargo, em seu artigo Discos Voadores e ETs no Litoral do Paraná, de UFO 212, nos diz que haveria uma pirâmide em um local ermo na área do município de Antonina, escondida pela densa vegetação da Serra do Mar. Ela estaria oculta nos pés da Serra da Farinha Seca, que é apenas uma entre as várias cadeias de montanhas que compõem a região. Pergunto: o que falta para os ufólogos paranaenses fazerem uma expedição ao local e desvendarem logo este mistério? Não parece ser uma missão impossível...
Saulo Gomes Tedeschi,
Americana (SP)

Mistérios de Malta

Muito interessante o texto de Paulo Cosmelli Seres Extraterrestres, Templários e Maçonaria na Ilha de Malta, de UFO 212. Sou maçom e estudioso da Ordem dos Cavaleiros Templários, que em alguns lugares precedeu a Maçonaria e, em outros, ainda existe como um segmento à parte dela. Mas não tinha conhecimento da existência do Hipogeu na ilha de Malta e agradeço ao autor pela profunda pesquisa.
Narciso Albuquerque Mauro,
Sorocaba (SP)

Em seu texto Seres Extraterrestres, Templários e Maçonaria na Ilha de Malta, Paulo Cosmelli nos informa que misteriosas construções no local sugerem que cavaleiros templários conhecedores dos segredos ufológicos tinham um interesse específico na ilha, e que estes tinham ligação com seres extraterrestres, segundo a Teoria dos Antigos Astronautas. Tem-se revelado, assim, mais um importante elo desta teia que explica a ação de outras espécies cósmicas em nosso passado.
Ilda Campestrini,
Três Lagoas (MS)

Para quem está na área, não é segredo algum que a Maçonaria detém informações sobre a ancestralidade da presença alienígena na Terra. Só é lamentável que tais dados fiquem restritos aos seus integrantes — e nem mesmo a todos, mas apenas aos mais graduados. É como se a ordem fizesse sua própria política de acobertamento ufológico, tal como fazem muitos governos.
Túlio A. C. Costa,
por e-mail

Experiências dos leitores

Aproximadamente em 1989 presenciei, juntamente com mais cinco pessoas, um ser passando a apenas uns 50 m de distância de mim e que com certeza não era humano. Ele era alto, com algo em torno de 2,2 m, magro e de cor escura. Mas o mais impressionante eram as suas pernas: elas abriam até a altura do seu tórax, o que o deixava sem tronco. Na mesma hora todos nós nos entreolhamos espantados com o que tínhamos acabado de ver. Um fato muito curioso foi que, quase 10 anos depois, encontrei um retrato falado desenhado em uma edição da UFO mostrando um ser exatamente igual ao que eu havia visto. Conversando com um amigo, ele também me disse que conhece uma pessoa de Minas Gerais que viu algo muito parecido com o que descrevi.
Marcelo Vieira,
Fortaleza (CE)

Decidi enviar este relato depois de ver uma participação do editor A. J. Gevaerd em um programa de TV. Éramos um grupo de aproximadamente seis adolescentes, todas por volta dos 15 anos, e estávamos à toa em uma calçada próxima às nossas casas conversando quando algo aconteceu. Isso foi há aproximadamente 20 anos. De repente, vimos algo triangular passar sobre nós. Tinha luzes coloridas e fazia curvas em ângulo reto. Em cerca de três minutos aquilo desapareceu de vista e logo depois vimos um helicóptero, coisa muito rara em Florianópolis naquela época. Isso aconteceu na Rua Djalma Moelmann, no centro da cidade.
Rodrigo Panchiniak Fernandes,
Florianópolis (SC)

Tenho 36 anos, sou casado, sem filhos e sem religião, e sempre acreditei na possibilidade de vida fora do nosso planeta. Gosto de observar os astros e sinto um encantamento pela grandeza do universo. Tenho três experiências de avistamentos de UFOs, das quais relatarei uma. Esta ocorrência se deu em 1999 no município de Capivari, no interior de São Paulo. Naquela época eu era proprietário de uma escola de ensino médio e curso pré-vestibular. Eu estava no estabelecimento, por volta das 20h00, quando recebi a ligação da esposa de um funcionário avisando que existia uma luz muito forte no céu. Chamei seu marido e fomos checar. Quando chegamos à rua, nos deparamos com uma situação inusitada, pois a cidade inteira também parecia estar na rua olhando para o céu. Entramos no carro e fomos para um lugar mais escuro e deserto, de onde vimos que aquela luz era branca e cerca de 20 vezes maior e mais intensa do que qualquer outra estrela. O fenômeno tinha movimentos mínimos e o observamos por uma ou duas horas. Quando decidimos ir de carro até mais perto da luz, a perdemos do nosso campo de visão. Fiquei muito entusiasmado naquele dia.
Leonardo Dutra,
por e-mail

Em 24 de abril passado eu estava com um amigo na Península Itapagipana, em Salvador, por volta das 18h50, quando avistamos um objeto muito distante brilhando meio azul, meio avermelhado, mas deslocando-se a uma velocidade muito alta em relação à distância que se encontrava para ser um avião. Também achei curiosa a manobra que fez. Aquilo foi em alta velocidade na direção sul e depois reduziu, fazendo uma curva acentuada para a esquerda e desaparecendo. Depois de um tempo, outro artefato apareceu, desta vez com uma tonalidade meio branco-amarelada e na direção sudeste. Ele surgiu voando rápido e depois sumiu, reaparecendo um pouco mais à frente e desaparecendo na direção sudeste por volta das 19h10. Uma estrela candente passou um tempo depois, mas o comportamento dela é retilíneo e aparece e some rapidamente, diferente dos elementos vistos anteriormente.
Matheus Cerqueira,
Salvador (BA)

Experiência com ETs

Nasci em fevereiro de 1950 e, na época do que relato aqui, não tinha nem 20 anos mas já era bem adulta. Eu morava em uma casa grande e cheia de gente. Por isso e pela natureza da experiência, sempre me pergunto por que “eles” quiseram somente eu? Estava dormindo na sala, em um sofá em frente à entrada da casa, quando acordei com uma luz forte que vinha de baixo da porta. De repente vi seres descendo pelo teto e atravessando as paredes. Eles eram verdinhos e tinham luz própria, ou seja, estavam acesos como luzes fosforescentes. Tinham a altura de uma criança de três anos. Eu via e ouvia tudo, mas estava “colada” no sofá sem poder me mexer. Os seres me rodearam e me tocaram o corpo com uns dedinhos úmidos e macios, enquanto olhavam uns para os outros. Era um de cada vez e depois todos juntos. Parecia que faziam uma experiência comigo. Também havia um líder entre eles e todos obedeciam ao seu comando. Eu não me senti mal e os pequeninos pareciam amistosos. Eles se foram do mesmo jeito que chegaram, ou seja, atravessando as paredes, quando então voltei a me mexer.
Marilda Costa,
pelo Facebook

UFO acorda cachorro

Eu e meu namorado moramos no bairro Humaitá, no Rio de Janeiro, bem próximo do Cristo. Na quarta-feira, 02 de abril passado, recebemos em casa um casal de amigos, que ficou até aproximadamente 01h00, e depois fomos dormir. Certo tempo depois acordamos juntos com um susto. Ouvimos um barulho que não sabemos descrever, algo estranho e diferente do que já ouvíramos antes. Esse barulho veio seguido de luzes que podiam ser vistas pela janela. Eu olhei para o meu cachorro e ele também havia acordado e estava com o olhar fixo rosnando para a porta. O que pode ter sido aquilo que vi de minha janela?
Débora Andrade,
Rio de Janeiro (RJ)

Sushiman vê UFOs

Sou sushiman e, claro, não vejo peixes com asas voando no céu. Mas de uns quatro anos para cá tenho me interessado por UFOs, porque neste período tive pelo menos cinco avistamentos. Um deles foi há mais ou menos quatro anos. Era uma luz vermelha que se movimentava a uma velocidade anormal para meu conhecimento. Sem enganos ou incertezas, eu sabia que aquilo não era nada que eu podia identificar, como um avião ou outra coisa que voe. Aquilo sobrevoava a base da Polícia Civil que fica na região, no bairro paulistano de Jabaquara. Fiz uma filmagem do artefato, mas ela tem baixa qualidade. Mais recentemente, da janela de minha casa atual, em Perdizes, vi um conjunto de luzes em formação de delta com mais ou menos 10 ou 12 objetos passando a uma velocidade muito grande. A partir daí comecei a procurar na internet objetos que poderiam se assemelhar aos que vi, pois não tive tempo de filmar. Os artefatos passaram por cima de mim e eram brancos.
Welinton Tsumura,
São Paulo (SP)

Leitor faz revelação

Os discos voadores são mito ou realidade? Para termos certeza de que são a segunda opção, recordemos do Caso da Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande (SP), ocorrido em 04 de novembro de 1957. Eram duas horas da manhã e duas sentinelas faziam a ronda noturna perto de uma bateria de canhões de artilharia. Densas nuvens cobriam a Lua e uma brisa suave soprava do mar para a terra. De repente, os soldados observaram que uma pequena luz vinha do mar aberto e se aproximava. De súbito a luz se agigantou, transformando-se em um enorme objeto voador. Assustadas, as sentinelas atiraram na direção do artefato, do qual saiu uma luz alaranjada que as atingiu em cheio. Houve então um inesperado corte de energia elétrica em todo o forte e o objeto passou de um voo na horizontal para a vertical, subindo rumo ao zênite em velocidade inacreditável. As sentinelas sofreram queimaduras graves, embora suas fardas permanecessem intactas. O que gostaria de revelar sobre esse clássico da Ufologia Brasileira é que meu pai era, então, subtenente na Fortaleza de Itaipu e naquela mesma noite ele contou à família o ocorrido. Portanto, o caso é legítimo. Por motivos óbvios, pediu segredo absoluto, o que cumpri até o dia de sua morte, em 2005.
Gilberto Sidney Vieira,
Santos (SP)

Possível UFO em parque do Rio Grande do Sul

crédito: Giovane Oliveira Cavalcante

Gostaria de relatar um fato ocorrido no Parque das Laranjeiras, em Três Coroas (RS), em 03 de maio passado. Eu estava fazendo um passeio no local e havia parado para fotografar com o celular a paisagem para mostrar à minha família. Quando voltei do passeio, mostrei as fotos a todos e notei que havia algo estranho em uma delas. No momento em que a fiz eu estava embaixo de uma laranjeira do parque e havia limpado a lente do celular para que nenhuma sujeira atrapalhasse a foto. Antes de fotografar a paisagem, olhei atentamente para ver se não haveria nada de estranho. Naquele instante eu não tinha visto o objeto que está situado acima do morro na foto, que aparece na imagem. Ao verificá-lo com o zoom no computador, o artefato parece estar em movimento, mas não consegui identificar o que é.
Giovane Oliveira Cavalcante,

Tramandaí (RS)

Leitores opinam

Já passou da hora de os seres humanos saberem da verdade até então escondida. Os UFOs estão aparecendo em todos os lugares de nosso planeta e os líderes das grandes nações ainda tentam esconder esta realidade. Eu mesmo já os vi por diversas vezes, como ainda hoje os vejo. E sei que muito em breve eles se apresentarão fisicamente a nós, aqui na Terra.
Eduardo S. Rodrigues,
Varginha (MG)

Acredito que a Ufologia, em particular a Brasileira, evoluiu muito nos últimos anos e credito isso à ação da Revista UFO no esclarecimento das pessoas. Sou leitor assíduo, assim como alguns amigos, e todos notamos que a publicação cresce a cada dia.
Vitório Telles Cunha,
por e-mail

Fogo no Céu

Desde que a Revista UFO lançou a publicidade de seu novo livro Fogo no Céu, de Travis Walton [Código LIV-026 da coleção Biblioteca UFO. Confira na seção Shopping UFO desta edição e no Portal UFO: ufo.com.br], eu adquiri a obra e a recebi em seguida, lendo-a em poucos dias. É impressionante a quantidade de informações passadas pelo abduzido norte-americano, que ficou cinco dias a bordo de um disco voador. A UFO está de parabéns por mais este lançamento, que mostra a que ponto devemos pensar a ação na Terra de outras espécies cósmicas. Parabéns ao Travis Walton por sua coragem.
Zélia Almerinda Bahia,
Rio de Janeiro (RJ)

Fogo no Céu, de Travis Walton, realmente não é uma obra comum. Eu tenho em minha biblioteca centenas de livros de Ufologia e muitos deles de abduzidos, mas nenhum chega perto da riqueza de detalhes contida no novo lançamento da Biblioteca UFO. Parabéns por mais esta conquista e obrigado por oferecer a nós, leitores, obras com tamanha qualidade.
Plínio Coutinho,
por e-mail

Fogo no Céu, de Travis Walton, é um livro para fortes. Apesar de o autor tratar de algumas amenidades na obra, sobre sua experiência de cinco dias dentro de um disco voador, o fato é que ele descreve de maneira contundente a forma pouco civilizada com que seus raptores o trataram. É uma obra excepcional que incita à reflexão sobre o objetivo de alguns de nossos visitantes.
Rui Carvalho Dias,
Cascavel (PR)


Travis Walton faz pela Ufologia o que poucos ufólogos fizeram: em Fogo no Céu ele não apenas apresenta sua abdução em detalhes, o que já algo notável, como esmiúça o fenômeno dos sequestros de maneira geral, tecendo opiniões sobre o objetivo de tais procedimentos por parte de seres extraterrestres. Creio se tratar da melhor obra da área escrita por alguém que viveu a experiência de estar dentro de um disco voador e diante de criaturas de outros locais do universo.
Ricardo A. Horácio,
São Paulo (SP)

Um dos pontos altos da obra de Travis Walton está em seu apêndice, bastante extenso, em que ele demole uma a uma as alegações dos céticos que colocaram em dúvida sua palavra e sua abdução. Seu alvo principal é o autor norte-americano Philip Klass, conhecido por sua arrogância contra o Fenômeno UFO, provavelmente a mando e pago pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos.
Darli C. C. Júnior,
por e-mail

Estranho objeto fotografo no interior de Minas

crédito: Lennon Lass

Envio à Revista UFO uma fotografia feita pela minha prima, obtida no começo de uma noite de maio de 2013 em um sítio próximo a Belo Horizonte. Um fato interessante relativo à imagem é que seu avô foi contatado por um ser, recebendo dele diversas revelações sobre sua vida pessoal, mas que deveria manter em segredo. Em minha família há muitos casos assim e somos testemunhas até de uma sonda ufológica que adentrou nossa casa. A região em que moramos é cheia de mistérios, acredito que devido às riquezas minerais do lugar.
Lennon Lass,

por e-mail