Análise de Imagens Ufológicas

Como analisar imagens?

Por Inajar Kurowski | 19 de Agosto de 2010

Créditos: Lorem Ispun

Por vezes me perguntam: “Como é que eu faço para analisar imagens ufológicas?”
Pois eu acredito que, primeiramente é importante uma boa base teórica e depois algum tempo de prática com imagens já analisadas e com resultado conhecido, para depois, junto a um grupo de aficionados pelo tema, ir progredindo nas análises.
Acho muito importante que se esteja filiado a algum grupo (diria mesmo que é fundamental), para que os membros possam discutir as análises entre si. Várias vezes já mudei de opinião sobre a identidade de um objeto em uma imagem após discutir em grupo.
A base teórica consiste em adquirir conhecimentos teórico/práticos sobre fotografia, ótica, fenômenos meteorológicos e astronomia. Também é importante estudar as fraudes e enganos já comprovados, para evitar que venhamos a cometer os mesmos erros de interpretação.
Para analise de fotos em película (convencionais), tendo o negativo, eu o examino com lupas de 3X, 5X, e 20X de aumento. Na sequência examino o negativo em microscópio com aumento de até 160X.
Examinar imagens em cópias fotográficas (fotografia impressa) é muito temerário, a menos que a cópia seja de muito boa qualidade de grande ampliação.
 Para as fotos digitais, é importante ter um leitor de dados EXIF. EXIF (Exchangeable Image File Format - Formato de Arquivo de Imagem Intercambiável) é um padrão de armazenamento de informações da (e na) imagem. Imagens com EXIF indexados permitem a gravação de informações da imagem desde a data e horário até as configurações da câmera para aquela foto, como abertura, exposição, modo do flash, etc. Além de servir oferecer uma base de dados para o usuário (que não precisa mais ficar anotando os dados de cada foto em uma caderneta para analisar os dados depois), o EXIF serve também para fornecer informações para serem usados nas configurações automáticas de uma impressora por exemplo, de forma a otimizar a impressão de acordo com as variáveis de cada imagem.
O EXIF pode ser exibido pelo Windows XP no resumo avançado das propriedades da imagem, pelo Photoshop 07 ou superior no FileBrowser, em visualizadores de Imagem como o ACDSeee e ThumbsPlus, ou com softwares específicos. Eu, particularmente, utilizo o IrfanView.
Para análise de pixels (comparação) eu uso o o Corel Photo Paint e o Adobe Photo Shop, que permitem ampliar, alterar brilho e contraste, bem como utilizar alguns filtros, que são comuns aos outros softwares. Portanto, ainda como conhecimento teórico é importante saber utilizar algum software de edição de imagens.
Após ter estudado toda a parte teórica, já dá para fazer análise seguras, com resultado confiáveis? Minha resposta: NÃO!
É preciso praticar muito, pois em ufologia, após se adquirir muita teoria, a gente descobre que é mais importante a prática do que a gramática. Ou melhor, a teoria sem prática é falha e, a prática sem teoria é manca!

Sobre o Autor

Inajar Kurowski

Este é o blog do Toni Inajar, consultor da UFO, para discutirmos análises de imagens nas quais hajam objetos não identificados relacionados à Ufologia. Já sabemos que 99% delas nada têm de extraterrestre, mas aquele 1% é sobre o que nos debruçaremos aqui.