Edição 56
DESTAQUE

Os misteriosos fenômenos de cura

Por
01 de Nov de 2007
O engenheiro mecânico paulista Rubens Farias Júnior, um dos muitos médiuns brasileiros que alegam incorporar o Dr. Fritz
Créditos: Foto Ana Paula Oliveira/Revista Manchete

É certo que daqui a mil anos a nossa medicina será muito diferente da de hoje, sem comparação. O que agora nos parece invisível, as novas tecnologias poderão executar. Considerando-se o tempo de três bilhões e meio de anos que levou uma simples bactéria para se tornar homem, uma civilização com apenas alguns milhares de anos à nossa frente faria coisas que hoje não poderíamos entender. O estudo do mistério das cirurgias espirituais pode nos trazer muito conhecimento e a decifração de casos tidos atualmente como de procedência extraterrestre, talvez mostre algo em comum com esse fator oculto, magnífico e ao mesmo tempo tão misterioso.

Não podemos descartar a possibilidade de algumas dessas curas estarem vinculadas a civilizações muito adiantadas, as quais poderiam chegar aqui através de tecnologia avançada, sem que pudéssemos detectar a presença delas com os nossos recursos científicos de hoje. O nosso propósito é estudar esses fenômenos sem achar, a priori, que os místicos apenas supõem as coisas e os científicos já sabem de tudo. Assim, não haveria avanço. É preciso observar os fenômenos num sentido mais amplo, depois aprofundar estudos e levá-los a efeito com experimentos, para nesse roteiro tirar o aprendizado necessário. Isso é ciência! E alguns cientistas não o fazem.

Que curas são essas? — Quando o doutor Edson Queiroz, incorporado pelo espírito do doutor Adolph Fritz, fazia as suas cirurgias perante as câmeras de televisão, a prática era muito polêmica. Ainda que a entidade atuasse também no perispírito [Corpo espiritual] do paciente, sua intervenção era diretamente no corpo físico. E isso contrariava os preceitos espíritas de cura, cuja via deve ser a inversa, ou seja, do perispírito para o corpo físico. Quando observamos a codificação espírita, não encontramos referência doutrinária que possa nos dar indícios de que as cirurgias espirituais, aquelas que cortam a carne, sejam práticas espíritas de âmbito comum. Elas são realizadas por espíritos, disso não resta dúvida, mas quem estuda detidamente o Espiritismo não encontra suporte doutrinário para considerá-las como tal. Não obstante isso, essas cirurgias mostram que a vida espiritual se desenrola em outras esferas da existência, muito além dos limites da nossa ciência. Elas provam que o espírito existe. E o Espiritismo trata da comunicação dessas entidades com os homens, por isso não pode ficar fora das cirurgias, sem dar a sua interpretação.

No que diz respeito à cura estritamente espiritual, esta tem características diferentes. É praticada apenas no perispírito, sem intervenção direta na carne. O benefício é obtido na medida em que o corpo físico, em teoria uma espécie de mata-borrão, absorva os fluídos que lhe foram impregnados no molde espiritual. Aos poucos, por ação da mente, o indivíduo obtém a cura. Ela é vertida ao corpo por facilitação do espírito médico e pela ação receptiva da mente do paciente. Então se diz: “A fé remove montanhas”. Porque sem a fé, a mente não se torna receptiva e a cura se faz mais difícil. Qualquer que seja o agente espiritual, ele não é Deus. Para obter a cura, o paciente precisa querer com afinco e ter merecimento para consegui-la, por isso é que se diz: “É preciso ter fé”.

crédito: Arquivo UFO
Zé Arigó, o chamado “cirurgião da faca enferrujada”
Zé Arigó, o chamado “cirurgião da faca enferrujada”

Mundos habitados — A seu turno, a Ufologia também não é prática espírita, mas sua casuística poderia comprovar a teoria da pluralidade dos mundos habitados ensinada pelos espíritos da codificação. Foram estes que disseram a Allan Kardec que no universo há uma infinidade de mundos habitados. Nesses mundos, os espíritos encarnam para evoluir até atingirem a perfeição. Por lógica, os habitantes desses orbes poderiam vir a Terra usando de engenhos sofisticados e de uma física ainda desconhecida do homem. Também poderiam fazer contato – evento confirmado por testemunhas do Fenômeno UFO.

Se for assim, os aliens querem conhecer o nosso ambiente, os seres vivos e experimentar o que lhes for proveitoso. Nesse contexto, considerando-se a capacidade requerida para qualquer civilização externa chegar a Terra, por certo seu desenvolvido científico seria avançado, suficientemente capaz de realizar curas médicas que para nós seriam inexplicáveis. E certas curas, tidas hoje como espirituais, em razão de ser difícil a identificação do agente operador que nos está oculto, poderiam ser realizadas por seres alienígenas dessas supostas civilizações visitantes. Em teoria, negar isso seria refutar o Fenômeno UFO como evento extraterrestre.

A importância dos contatos com ?eles?

Já está no ar a Edição 56 da Revista UFO. Aproveite!

Nov de 2007

Fomos visitados