ARTIGO

O francês que se inspirou em ETs para reinventar Deus

Por Cláudio Tsuyoshi Suenaga | Edição 76 | 01 de Fevereiro de 2014

Não é raro ver pessoas que alegam ter sido abduzidas ou contatadas por extraterrestres criarem seitas com as mais variadas pseudofilosofias em busca de fama, dinheiro e até sexo
Créditos: Hugo Schneider

O francês que se inspirou em ETs para reinventar Deus

Claude Vorillon nasceu em 30 de setembro de 1946 em Vichy, na França, e foi criado na mesma casa pela sua mãe, sua avó e por uma tia. Gostava de poesia, de música e principalmente de automobilismo, paixão que o fez virar piloto de corrida e depois jornalista esportivo. Editor de uma revista especializada, casado e pai de dois filhos, no dia 13 de dezembro de 1973 sua vida mudaria completamente. Enquanto caminhava no coração da cratera do vulcão Puy de Lassolas, próximo a Clermont Ferrand, centro-sul da França, notou a aproximação de um “engenho prateado no formato de um sino abaulado com aproximadamente sete metros de diâmetro”, como o descreveu.

Segundo ele, uma porta no estilo alçapão se abriu e um “homúnculo radiante” de 1,20 m de altura, pele verde pálida e olhos amendoados desceu por uma escadinha sem corrimão e aproximou-se. Tranquilizado pela atitude pacifista do visitante, Vorillon questionou-o em francês: “De onde você vem, forasteiro?” O pequeno ser respondeu-lhe: “De muito distante, de um outro planeta. Viemos de outro sistema estelar e criamos toda a vida na Terra cientificamente, inclusive o homem, à nossa imagem. Vocês nos confundiram com deuses. Nós vos amamos como nossas próprias crianças e mandamos sabedoria através dos profetas. Vocês deformaram o nosso ensino e o utilizaram para lutar. Agora que são capazes de compreender quem somos, gostaríamos de estabelecer um contato em uma embaixada oficial”.

O ser extraterrestre se identificou como sendo Elohim [Palavra hebraica que Vorillon traduziu arbitrariamente por “aqueles que vieram do céu”] e disse que viajara até ali especialmente para encontrá-lo e comunicar que ele, Claude Vorillon, havia sido “escolhido para uma missão difícil, para ser o profeta final que irá transmitir aos humanos o que eu vou lhe falar e, a partir das reações deles nós veremos se poderemos oficialmente revelarmo-nos a eles”. O suposto alien disse que sabia que Vorillon leu a Bíblia recentemente. “Venha para o interior de minha nave, lá nós estaremos mais confortáveis para conversar”. Lá dentro o ET revelou-lhe a verdadeira origem da humanidade e proclamou que daquele ponto em diante ele seria conhecido como Räel, que significava mensageiro.

Não existe Deus nem alma

Aceitando a incumbência de preparar o caminho para o retorno dos Elohim a Jerusalém em 2025, mudou em definitivo o nome para Räel e fundou o Movimento Raeliano Internacional, passando a divulgar a mensagem que lhe foi confiada, a de “desmistificar a origem da vida na Terra pela simples interpretação dos textos bíblicos à linguagem de nossos tempos”, além de explicar a estreita união que liga a humanidade desde os seus primórdios a essa civilização extraterrestre. Vorillon afirmou que em 1975 foi levado em um disco voador ao planeta dos Elohim, onde lhe foram apresentados terráqueos famosos como Jesus, Buda, Joseph Smith e Confúcio. Os Elohim ensinaram-lhe que não só a raça humana, mas toda a vida na Terra foi criada a partir do DNA de alienígenas há cerca de 25 mil anos — Räel também aprendeu que a clonagem é o caminho para a imortalidade e que não existe Deus nem alma. Segundo ele, nossos criadores alienígenas querem que sejamos belos e atraentes, e que vivamos uma vida sensual e hedonista, livre das interdições da moralidade tradicional judaico-cristã.

crédito: The raelians
Claude Vorillon se intitula “mensageiro” e alega que tem sabedoria para recriar a vida a partir de ensinamentos de supostos seres extraterrestres
Claude Vorillon se intitula “mensageiro” e alega que tem sabedoria para recriar a vida a partir de ensinamentos de supostos seres extraterrestres

A se levar a sério as asserções de Räel, devemos acreditar que a vida surgiu na Terra por causa de um grupo de cientistas rebeldes que resolveu brincar de Deus. Pelo menos é isso que ele dá a entender. Senão vejamos um de seus textos:

“Há muito tempo, em um planeta distante, o desenvolvimento da tecnologia tornou cientificamente possível a criação da vida. Comissões de ética, nomeadas por esse governo distante, baniram a realização desse tipo de experimento naquele planeta. Às equipes científicas foram fornecidos o material e os meios tecnológicos para a exploração de outros planetas objetivando dar-se continuidade a esses projetos supostamente perigosos à sua população. Nosso planeta, a Terra, foi um dos lugares onde esse tipo de pesquisas foi realizado, particularmente a síntese da vida em laboratórios. O trabalho feito em engenharia genética permitiu-lhes a concepção de todas as formas de vida imagináveis para um planeta que podia oferecer toda uma magnificência de possibilidades, uma vez que era virgem”.

“Depois da criação das formas de vida elementares desde a síntese do DNA, eles criaram formas de vida mais complexas. Primeiro foi a vida vegetal. Então foram criados os animais aquáticos, os quais foram concebidos cuidadosamente de modo a obter-se o correto equilíbrio ecológico. Vieram em seguida os pássaros de todas as variedades. E finalmente o homem, criado à imagem e semelhança deles. Não obstante as estritas determinações provenientes de seu governo depois da criação dos animais terrestres, alguns cientistas estavam tentados a reproduzir um ser que tivesse conduta e forma humana. Esses trabalhos, desenvolvidos sob sigilo total, foram bem sucedidos depois de um longo período de tentativas e protótipos. A opinião pública no seu planeta ficou escandalizada quando tais fatos foram descobertos”.

Preceitos éticos

Os habitantes daquele planeta foram obrigados a aceitar a falta de ética de seus cientistas. “A opinião pública daquele planeta foi forçada a aceitar que os primeiros humanos eram uma realidade”, afirma o francês. Esses devaneios de Räel ao menos possuíam o mérito de explicar de onde nossos cientistas haviam herdado a tendência para infringir preceitos éticos. Räel sugeria que os Elohim o acharam especial e o escolheram devido ao seu código genético. “Lembrem-se que os Elohim possuem a carta de identidade genética de cada ser humano da Terra, e isso desde que foram criados os primeiros homens. Eles possuem 100% da carta genética de bilhões de indivíduos que povoaram a Terra. É, portanto, fácil para eles, possuindo meio código genético, encontrar um outro, que combinados, tenham certas qualidades que permitirão ao ser que nasça levar a cabo uma missão a um dado momento. Isso era válido há dois mil anos, ainda é válido hoje em dia, e é por isso que eu estou aqui”.

E é por isso que Räel pregava que a humanidade podia atingir a imortalidade por meio da clonagem e defendia a hierarquia entre as raças humanas — a eugenia ou o melhoramento pela manipulação genética. A seita raeliana não passava de mais uma entre tantas denominações sem maior expressão a disputar ferrenhamente fiéis no concorrido mercado pseudo-religioso até que, no início de junho de 1997, ganharia o mundo ao anunciar, inicialmente em sua página na internet, a absorção da empresa Valiant Venture pela Clonaid. A Valiant foi criada em março daquele ano e era alegadamente composta por cientistas franceses, suíços e canadenses que prometiam um clone humano por 200 mil dólares — desde que uma equipe britânica criara a ovelha Dolly, no começo daquele ano, a clonagem de seres humanos vinha sendo aventada apesar dos riscos inerentes e empecilhos éticos envolvidos. Para Roger Pedersen, especialista em técnicas de reprodução da Universidade da Califórnia (UCLA), o negócio da seita implicava em estelionato porque “a clonagem humana é uma tecnologia que não existe. Eles, simplesmente, estão vendendo algo que não podem entregar”.

Apostando na ignorância científica, na falta de raciocínio lógico e senso crítico do público, mormente na de casais milionários com problemas de fertilidade e homossexuais desejosos em encomendar um bebê clonado, os raelianos já tinham acumulado consideráveis fama, fortuna e seguidores — por volta de 50 mil em 85 países, a maioria no Canadá, nos Estados Unidos, na Suíça e na França — quando, em outubro de 2000, em um lance de golpe publicitário para atrair investidores, geraram celeuma e perplexidade ao alardearem que estavam prontos e prestes a clonar seres humanos.

Onda de clonagens

Decorridos pouco mais de um ano e seis meses, em meados de abril de 2002, uma semana depois de o controvertido médico italiano Severino Antinori ter anunciado que o clone que implantara em uma mulher já estava com oito semanas de gestação, a seita virou manchete novamente ao anunciar que já havia implantado embriões clonados de uma dezena de pessoas em mulheres, no que seria a primeira onda de experimentos. No final de abril, os raelianos soltaram uma nota dizendo-se propensos a clonar o nobre alemão Ottomar Rudolphe Vlad Drácula, herdeiro do conde romeno que inspirou o vampiro da literatura. Drácula não podia conceber filhos e queria gerar um fidalgo para continuar a linhagem da família.

O alienígena falou: ‘Viemos de outro sistema estelar e criamos toda a vida na Terra cientificamente à nossa imagem, inclusive o homem. Vocês nos confundiram com deuses. Nós vos amamos como nossas próprias crianças’

Em 27 de dezembro de 2002, a bioquímica francesa Brigitte Boisselier, “bispa” da seita que desde 2000 dirigia a empresa Clonaid, anunciou diante de dezenas de repórteres em Hollywood, Flórida, o nascimento, no dia anterior, de uma menina batizada de Eva, clonada a partir do material genético fornecido por uma norte-americana de 31 anos. Brigitte, no entanto, não informou o local de nascimento nem qualquer outro detalhe, tampouco forneceu provas do sucesso do experimento. Um segundo bebê clonado, este do material genético de uma homossexual holandesa, teria nascido de parto normal na noite de 03 de janeiro de 2003, em um país no norte da Europa, garantiu Boisselier, novamente sem fornecer provas.

A Clonaid apresentava um amplo histórico de anúncios espetaculares que nunca foram confirmados e que com o tempo se revelaram meros factoides, o que também parece ter sido o caso dos bebês clonados. O jornalista norte-americano Michael A. Guillen, incumbido de supervisionar os testes de DNA em Eva, desistiu da tarefa na última hora denunciando que tudo fora inventado. A bispa, por sua vez, anunciou que outros três bebês clonados deveriam nascer no final de janeiro ou começo de fevereiro. A Food and Drug Administration [Agência do governo norte-americano que regulamenta as atividades relativas a alimentos e medicamentos, FDA], proibiu a seita — fechada pelo órgão em 2001 — de realizar experiências de clonagem humana em território norte-americano, o que a teria levado a transferir seus laboratórios
para outros países.

Perplexidade

A comunidade científica internacional reagiu com um misto de perplexidade, preocupação e ceticismo, ratificando o soerguimento de barreiras éticas e legais em observância estrita às normas de biossegurança. A quase totalidade duvidava que algum laboratório, quanto mais a Clonaid, detivesse o conhecimento e a competência técnica necessária para produzir um clone humano e condenava a clonagem humana para fins reprodutivos devido a problemas que iam das altas taxas de ineficiência da técnica de fusão celular, à alta mortalidade dos fetos e abortos espontâneos em fases adiantadas da gestação até doenças congênitas como obesidade, envelhecimento precoce e artrite.

crédito: us medical society
Os raelianos pouco se importam com preceitos básicos que regem a sociedade e se aventuram em experimentos que buscam a clonagem de crianças a qualquer custo
Os raelianos pouco se importam com preceitos básicos que regem a sociedade e se aventuram em experimentos que buscam a clonagem de crianças a qualquer custo

Em suma, os clones apresentavam anomalias severas o bastante — atrasos no desenvolvimento, defeitos cardíacos, pulmonares e nos sistemas de defesa — que faziam do procedimento algo demasiadamente arriscado e não recomendável. Foram necessários nada menos do que 277 embriões para que se obtivesse a ovelha Dolly, que ainda assim nasceu com uma estrutura celular ligada ao envelhecimento 20% menor que a de outras ovelhas da mesma idade. A diferença residia nas estruturas chamadas telômeros, cujo comprimento estava diretamente ligado à duração da vida de uma célula. O erro foi cometido e admitido, entre outros, por dois luminares da clonagem por transferência nuclear, Ian Wilmut, criador de Dolly no Instituto Roslin, da Escócia, e Rodolf Jaenisch, geneticista do renomado Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Cambridge, Estados Unidos. Ambos defenderam em um artigo na revista Science que os problemas eram tantos e de tal monta que não valia à pena a aplicação da técnica em seres humanos. A simples intenção de fazer isso naquele estágio incipiente de desenvolvimento soava como um crime hediondo, uma afronta à dignidade humana.

As objeções não se restringiam apenas ao aspecto reprodutivo. A clonagem terapêutica, destinada à produção de células-tronco — que podem dar origem a qualquer tipo de célula no organismo — a partir de embriões humanos, era vista com reservas até por especialistas em reprodução humana. Afinal, esse tipo de experimento abria caminho definitivo para a clonagem reprodutiva, uma espécie de dogma central para os raelianos, para quem a vida na Terra fora criada por ETs, de modo que os seres humanos não passariam de clones dessas criaturas.

Meditações e orgasmo cósmico

O autointitulado avatar e profeta do terceiro milênio Räel afiançava que Elohim ressuscitara Jesus Cristo por meio da clonagem — dessa forma, portanto, a vida eterna seria acessível a todos e facilmente alcançada —, prometia poderes ilimitados e riquezas aos seus seguidores e, enquanto tudo isso não vinha, oferecia uma área de lazer sem culpas para o hedonismo e a experimentação sexual desde que aderissem incondicionalmente à seita contribuindo com o dízimo, ou seja, 10% dos seus salários. Para entrar na seita a pessoa tinha de renegar outras religiões e submeter-se a uma espécie de batismo em que tocavam em sua testa com a mão direita, em um rito que eles chamavam de “transferência celular”.

Nas sessões de “meditações sensuais” na UFO Land, no Canadá, todos ficavam nus, meditando e fazendo outros exercícios, tocando o corpo etc, a fim de alcançarem o “orgasmo cósmico” em uma espécie de masturbação coletiva. Os parceiros sexuais para as experiências podiam ser livremente escolhidos, fossem homossexuais ou não — eles acreditavam que essa experiência sexual em grupo desenvolvia a capacidade telepática. A escolha de múltiplos parceiros sexuais era encorajada. O movimento raeliano até recrutava pessoas sexualmente disponíveis — sozinhas, solteiras ou divorciadas — para participarem dessa experiência sexual gratuitamente.

O grosso do dinheiro vinha do serviço de clonagem que qualquer cidadão poderia usufruir desde que depositasse nas contas da seita algo entre 200 mil a 500 mil dólares, como se só uma elite de milionários tivesse o direito de ser beneficiada por essa técnica, avalizando a satisfação de seus caprichos. Também arrecadavam dinheiro com a venda de máquinas que estimulariam a divisão celular e de investidores. A partir de 40 mil dólares. Qualquer um podia ser acionista da Clonaid, que valia perto de 100 milhões dólares e estava domiciliada no arquipélago das Bahamas, um paraíso fiscal. E ainda assim diziam ser uma organização sem fins lucrativos. A Clonaid dispunha de outros serviços, como a Clonapet. Para clonar animais de estimação falecidos. Em 2002, uma investigação do governo norte-americano descobriu um laboratório secreto da Clonaid instalado próximo de um estábulo, em Virgínia. O lugar estava infestado de moscas. Um jovem estudante de pós-graduação tentava extrair óvulos de um ovário de vaca obtido em um matadouro vizinho.

A Clonaid servia para nos alertar quanto ao que poderia advir no futuro próximo se não fossem estabelecidos rígidos controles sobre a engenharia genética de forma a impedir fanáticos religiosos e lunáticos de conquistarem mais controle sobre o planeta do que eles já tinham. Ao pretenderem controlar e colocar essa tecnologia a serviço de seus propósitos obscuros, com os quais a maior parte da sociedade certamente não estava de acordo, os raelianos incorriam nos mesmos crimes praticados pelos nazistas em sua sanha da seleção e depuração racial. Cabe lembrar ainda que a clonagem elimina um fator básico essencial que foi e continua sendo determinante para a extinção de várias espécies e para a sobrevivência e fortalecimento da espécie humana: a diversidade. A natureza é avessa à repetição, tanto que nunca gerou dois seres iguais — quanto maior a variedade de uma espécie, maiores são suas chances de sobreviver e evoluir.

Brincando de Deus sem problemas

Um porta-voz da seita raeliana no Brasil pontificou, irresponsavelmente, que não era nem nunca foi perigoso o homem brincar de Deus. A história infelizmente demonstra o contrário, que, além de perigoso, essa brincadeira redunda em desastres. Demonstrando total desconhecimento da Legislação Brasileira, ou desafiando-a, Brigitte Boisselier disse que pretendia, com o apoio do reduzido séquito local, abrir um laboratório de clonagem humana em nosso país, onde a prática é proibida desde janeiro de 1995 pela Lei de Biossegurança 8.974 e pela instrução normativa 8, de 1997, da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

Nas sessões de ‘meditações sensuais’ na UFO Land, no Canadá, todos ficavam nus fazendo exercícios, tocando os corpos uns dos outros, a fim de alcançarem o ‘orgasmo cósmico’ em uma espécie de masturbação coletiva

Valendo-se dos argumentos propostos na década de 60 por mito-historiadores e astroarqueólogos da linha do realismo fantástico, tais como Jacques Bergier, Louis Pauwels, Robert Charroux, Peter Kolosimo, Erich von Däniken etc, os raelianos pregavam que os deuses do passado não eram seres divinos, e sim astronautas vindos de outros planetas. Ora, se estavam imbuídos dessa concepção materialista, por que ou para que motivos sustentavam uma religião que paradoxalmente se proclamava ateia? E se os objetivos eram unicamente científicos, como garantiam, por que ou para que motivos Räel fazia tanta questão de ser adulado e idolatrado, vestindo-se e comportando-se como um ser abençoado, um profeta, um guru, um messias, um avatar, e exigindo ser chamado de vossa santidade?

Os defensores da teoria dos antigos astronautas acreditam que entidades extraterrestres desembarcaram na Terra em tempos primordiais e criaram a vida humana segundo “a sua imagem e semelhança, mediante avançadas técnicas de engenharia genética, e jamais deixaram de acompanhar a evolução de seus “filhos”, manipulando-a sempre que necessário e de tempos em tempos enviando emissários cósmicos para guiá-los. A expectativa, sempre presente, é a de que intervenham assim que a história atingir determinado estágio ou patamar, trazendo a salvação a uns poucos escolhidos e instaurando uma nova ordem, utópica e ideal, longe das imperfeições mundanas. Essa noção pretende-se espiritualista, mas, no fundo, é puramente materialista — os fiéis não esperam mais do que a aterrissagem de discos voadores repletos de extraordinários produtos tecnológicos e bens de consumo dos quais possam usufruir as benesses.

Alienação e ignorância deliberada

Os exageros de um autor como Däniken e sua fixação pela teoria dos deuses astronautas, advém do equívoco primário de simplesmente encaixar determinadas lendas, mitologias e histórias de textos antigos em suas teorias preconcebidas, vendo e explicando o passado sob a ótica do presente, projetando no passado os valores e as concepções de suas próprias culturas. Como bem postulou Lobo Câmara: “Acreditar que já fomos visitados na Antiguidade por seres de outros planetas é uma coisa, mas tentar explicar tudo através dessa visão, como o fizeram Däniken e outros autores, é demais. É alimentar o gosto pelo fantástico até chegar à alienação e à ignorância deliberadas”.

Atribuiu-se aos deuses astronautas o mesmo papel dos conquistadores europeus. À humanidade primitiva e selvagem restava apenas ser colonizada. O eurocentrismo de Däniken fica patente ao justificar a intervenção de uma cultura pretensamente superior sobre uma em suposto estado de anomia e abulia, destituída de elaboração estrutural básica e de princípios morais e civilizatórios. Subestimando propositadamente a capacidade inventiva dos povos do passado, Däniken incorreu em uma nova forma de racismo, o racismo espacial, conforme denunciou o arqueólogo norte-americano W. Rathje. O jornalista e arqueólogo brasileiro Fernando G. Sampaio foi mais incisivo, acusando-o abertamente de ser apologista do nazismo:

crédito: CNN
Brigitte Boisselier, “bispa” da seita, anunciou o nascimento de uma menina batizada de Eva, a primeira criança clonada. Era mentira
Brigitte Boisselier, “bispa” da seita, anunciou o nascimento de uma menina batizada de Eva, a primeira criança clonada. Era mentira

“Däniken comprova que também não entende nada de antropologia, além de ter pouca consciência humana. Para ele, nossos astronautas tentariam ensinar aos nativos os mais simples rudimentos de civilização, a fim de tornar possível o estabelecimento e aceitação de certa ordem social. Algumas mulheres, especialmente selecionadas, seriam fertilizadas pelos astronautas. Assim surgiria uma nova raça capaz de saltar alguns degraus da evolução natural e desenvolver-se em um estágio superior, sem passar pelas fases intermediárias. Däniken, como se vê, estaria à vontade entre Alfred Rosemberg, Herman Gausch, Julius Streicher e Hans F. K. Günther, principais teóricos do racismo do Terceiro Reich, com suas afirmações de que o homem não nórdico toma uma posição intermediária entre o homem nórdico e o macaco. Em suma, o pensamento de Däniken é puramente fascista. E isso é extremamente perigoso, quando suas ideias vendem 200 mil exemplares e são assimiladas por número incalculável de pessoas”.

O antigo símbolo raeliano era a swastika nazi, uma cruz suástica no centro da estrela de David ou hexagrama, que figurou na capa do livro de Räel intitulado Accueillir les Extra-Terrestres [Acolhendo Extraterrestres, Räelian Press, 1979]. Em 1991, mudaram o símbolo colocando no centro uma galáxia. Dirigentes da Missão Interministerial de Vigilância e de Luta contra as Manipulações Sectárias, da França, qualificavam o movimento raeliano de “seita perigosa”, sobretudo pelo fato de que alguns membros da estrutura terem sido condenados por agressões sexuais e corrupção de menores. Para o sociólogo francês Frédéric Lenoir, “o movimento não é uma seita mortal, porque seu objetivo não é a destruição da pessoa, mas é perigosa por sua ideologia, principalmente por causa da eliminação, pelas manipulações genéticas, das raças consideradas inferiores”.


Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Cláudio Tsuyoshi Suenaga

Nascido na capital paulista, em 26 de abril de 1971, desde cedo Cláudio Suenaga se sentiu atraído por tudo o que se relacionasse à ciência, ao oculto, insólito, paranormal e ao sobrenatural. Acabou sendo apresentado, ainda na adolescência, às primeiras revistas de Ufologia, despertando para o assunto em que foi se aprofundando na mesma medida de outros interesses, tais como a história, arqueologia, sociologia, antropologia, mitologia, folclore, filosofia, psicologia, literatura e cinema. Aos 18 anos de idade já publicava seus primeiros artigos em jornais e ingressava na Faculdade de História, formando-se aos 21 anos com um projeto delineado em mente: trazer a questão ufológica ao âmbito acadêmico. Enfrentando todo tipo de preconceitos, logrou a proeza de convencer um grupo de professores da viabilidade de seus propósitos e da seriedade de suas intenções e, em 1994, ingressou no curso de pós-graduação de História da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Em 1996, tornou-se consultor e membro do Conselho Editorial da Revista UFO, produzida pelo Centro Brasileiro de Pesquisas de Discos Voadores (CBPDV), passando a escrever regularmente para a publicação. Contra a opinião dos bem-pensantes, antecipou, em meados da década de 90, o crescimento exponencial dessas seitas ufológicas e espiritualistas. Entre os inúmeros trabalhos que lançou, um dos que mais geraram celeuma resgata o caso do lavrador João Prestes Filho, que em um fatídico dia de Carnaval de 1946 morreu queimado com as carnes se soltando do corpo depois de ter sido atingido por uma luz misteriosa que veio do céu na cidade de Araçariguama, interior de São Paulo. Casos como este indicam que, ao contrário do que apregoam os adeptos das correntes angelicais, a humanidade não vem sendo protegida e assistida por garbosos comandantes intergalácticos.

Comentários

UPDATED CACHE