ARTIGO

Misteriosa queda de UFO na China

Por Eduardo Castor Borgonovi | Edição 61 | 01 de Dezembro de 1998

Corpos de estranhas criaturas aparentemente não humanas têm sido encontrados em vários lugares do planeta. Este foi descoberto por uma expedição científica no México, há 20 anos
Créditos: ovni reporter

Misteriosa queda de UFO na China

Talvez este seja um dos casos mais interessantes de toda a Ufologia Mundial - até mais que o Caso Roswell, ocorrido em 1947, nos Estados Unidos. A própria época do acontecimento - 12 mil anos atrás - é motivo de interesse e curiosidade. A história circulou há 35 anos, foi esquecida e agora está sendo levantada de novo pelo pesquisador alemão Hartwig Hausdorf, autor do livro Satelliten der Goetter [Satélites dos Deuses].

Diz a história que há doze mil anos, numa remota área montanhosa da China, houve a queda de um estranho objeto, interpretado hoje como um UFO. Na época, o caso foi relegado à ficção científica, porém estudos posteriores começaram a mostrar aspectos reais e interessantes a respeito do assunto. Esses primeiros indícios de que algo sério e estranho pode ter acontecido surgiram em 1938, quando uma expedição liderada pelo arqueólogo Chi-Pu-Tei explorava os desfiladeiros de Bayan-Kara-Ula, na atual província de Xangai.

O grupo descobriu algumas cavernas onde vários esqueletos estranhos estavam sepultados, todos eles de seres aparentemente humanos mas com cabeças muito grandes e corpos pequenos, magros e frágeis. Não havia epitáfios nas tumbas. No entanto, os exploradores encontraram 716 discos de pedras com gravações semelhantes a hieróglifos. No centro de cada um deles havia um pequeno buraco, de onde saía uma canaleta espiralada.

O professor Tsum Um Nui, da Academia de Ciências de Pequim, com a ajuda de quatro assessores, tentou decifrar os hieróglifos durante quase 25 anos, sem sucesso. No começo dos anos 60, Nui decidiu publicar um trabalho contando a descoberta e suas inúteis tentativas de decifrar as inscrições. A Academia de Ciências negou publicar o texto mas, depois de muitas discussões - como relembra o pesquisador alemão Hartwig Hausdorf -, o professor Nui conseguiu finalmente permissão para publicar seu relatório.

Nui fala de seres não terrenos que os antigos chineses chamavam de Dropa. Eles seriam viajantes espaciais que teriam caído nas montanhas de Bayan-Kara-Ula depois de um longo vôo pelo espaço. Conta o estudioso, baseado em suas análises do folclore local, que um grande número desses Dropa teria morrido naquele acidente e os sobreviventes não conseguiram consertar sua nave, acabando por morrer também.

Seres que vieram do céu? A comunidade científica considerou a história uma bobagem e o professor Tsum Um Nui passou a ser tratado como maluco. Hartwig, no entanto, realizou pesquisas na região e descobriu que na província de Xangai existe mesmo uma antiga tradição que fala de seres pequenos e feios, com grandes cabeças, que vieram do céu há muitos anos. Até hoje, os moradores locais têm medo de que pequenos seres possam surgir das nuvens para conquistar as cidades.

Discos - Algum tempo depois de publicar sua polêmica obra, Nui imigrou para o Japão, amargurado com as reações dos outros cientistas, morrendo pouco depois de ter terminado um manuscrito complementar sobre os misteriosos discos de pedra. Agora - conta Hartwig - ninguém sabe o que aconteceu com os 716 discos.

A última referência à existência deles aconteceu em 1974, quando o engenheiro austríaco Ernest Wegerer encontrou dois desses discos no Museu Banpo, na cidade de Xian. Os discos, segundo Wegerer, correspondiam exatamente à descrição feita pelo professor Tsum Um Nui, em 1962.

Excitado com a descoberta, Wegerer procurou a diretora do museu, que lhe informou que haviam outros discos em Bayan-Kara-Ula, mas que haviam sido confiscados pelo governo, pois eram considerados objetos de culto proibido. De 1966 a 1976, Hartwig tentou remontar a história e descobrir os discos de pedra desaparecidos, num trabalho muito difícil, segundo conta.

A China havia sofrido muito com a Revolução Cultural. Muitas pessoas perderam suas vidas e vários objetos preciosos foram destruídos ou confiscados pelo governo. Em 1994, o professor Wang Zhijun, diretor do Museu Banpo, revelou a Hartwig que realmente havia dois discos em exposição em 1962, mas eles desapareceram e ninguém sabia dizer como. O estudioso promete fazer novas revelações e comprovações em um livro a respeito desse misterioso Roswell chinês [O livro de Hartwig acabara de sair em agosto passado, intitulado The Chinese Roswell – UFO Encounters in Far East from Ancient Times to the Present].

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Eduardo Castor Borgonovi

É articulista da Agência Estado sobre UFOs

Comentários

UPDATED CACHE