Edição 207
DESTAQUE

Mas eles não acordam nunca?

Por
01 de Jan de 2014
Créditos: RAFAEL AMORIM

Pelo sexto ano consecutivo vemos a mesma coisa ocorrer: os agroglifos brotam em Santa Catarina cada vez mais exuberantes e em formatos a cada ano mais exóticos, e a Ufologia Brasileira permanece em sono profundo, alheia ao fenômeno e sem se interessar em pesquisá-lo. Neste ano não foi diferente. À exceção de um grupo de pesquisadores da Revista UFO, ninguém mais foi a Santa Catarina ver o que está acontecendo. E à exceção do site da UFO e de alguns poucos blogs ufológicos, que reproduzem seu conteúdo ou o da imprensa não especializada, nenhum outro de expressão tratou do assunto. Não se consegue compreender isso.

Em todos os países onde os agroglifos surgem, especialmente no início do fenômeno, os ufólogos comemoram a novidade, armam-se de equipamentos e com a maior energia vão até os campos, tanto para esperar novas figuras quanto para investigar as que já apareceram. Aqui no Brasil, não. Nossos ufólogos, que vivem reclamando da falta de novos fatos na área, tomados por um desinteresse monumental, mal se dão conta do que se passa no oeste catarinense, onde os agroglifos insistem em brotar todos os anos — e sempre na mesma época, tornando o fenômeno relativamente previsível.

Os olhos de nada servem para um cérebro que está cego para o mundo - Azlan Shah

E ainda por cima, aqueles mesmos segmentos retrógrados da Ufologia Brasileira, ainda que minúsculos e patéticos, que se especializaram em procurar defeito no trabalho alheio, se manifestam assim que as formações aparecem com as críticas levianas e vazias de sempre. “Os agroglifos são falsos”, dizem alguns, sem nem sequer se darem ao trabalho de irem a Santa Catarina visitar os campos, examinar as plantações, medir as figuras e conversar com testemunhas. É triste este cenário, que está longe de ser o que nossos pioneiros plantaram e esperavam que ocorreria.

Enfim, um dos mais fantásticos e desafiadores fenômenos de todos os tempos — e o nosso mais importante momento desde o Caso Varginha —, ocorre a céu aberto à espera de uma resposta, mas os integrantes da combalida Ufologia Brasileira nem sequer formulam as perguntas...

Um passado quase desconhecido

Já está no ar a Edição 207 da Revista UFO. Aproveite!

Jan de 2014

Fomos visitados