ARTIGO

Impressionantes registros ufológicos na era medieval

Por Paul Stonehill | Edição 254 | 01 de Janeiro de 2018

Bornholm, uma ilha do Mar Báltico onde um fenômeno inexplicado assustou moradores e autoridades em agosto de 1845
Créditos: THOUSAND WONDERS

Impressionantes registros ufológicos na era medieval

Com o aculturamento feito pelo comunismo durante os anos da Cortina de Ferro, muitas das histórias, mitos e antigas lendas da região se perderam de forma irreversível. As pessoas que as conheciam e que as transmitiriam a seus descendentes se calaram, pois as novas gerações, já imbuídas do espírito socialista, não queriam saber de coisas que julgavam ser superstições de pessoas incultas e atrasadas. Mesmo os registros históricos são raros.

Essa observação sobre a perda do conhecimento mitológico ocorrida no Leste Europeu é salientada por vários autores, mas é errôneo imaginar que ela se deu de forma igual em todos os lugares. Alguns países preservaram mais suas lendas e, portanto, sua identidade cultural do que outros, que tiveram sua história praticamente apagada. Ainda assim, alguns registros antigos sobreviveram e eles têm fascinantes histórias para nos contar.

Caso Bornholm

Uma delas ocorreu em 09 de agosto de 1845 próximo a Bornholm, uma ilha do Mar Báltico situada a oeste da Dinamarca, sul da Suécia e norte da Polônia. O jornalista soviético Oleg Dezyuba descobriu o caso em arquivos antigos e o divulgou na revista Anomalya [Anomalia], em março de 1991. Segundo explicou Dezyuba, os antigos mapas navais russos indicavam que a profundidade do Báltico, na área da ilha Burnholm, era de 57 m. Porém, de repente, isso pareceu mudar. O livro de apontamentos de um navegador suíço menciona a presença de águas rasas nas proximidades da ilha e há a história de um marinheiro que, sob juramento, afirmou que ele próprio observara quando um navio próximo colidira com um banco de areia, saído ninguém sabia de onde.

Finalmente, o almirante Mikhail Petrovich Lazarev, o comandante e explorador russo que descobrira a Antártica, decidiu colocar um fim na confusão. Para tanto, despachou o navio Agamemnon do Porto de Kronshtadt, o principal de São Petersburgo, para medir a profundidade do mar perto de Bornholm. O relatório a seguir foi enviado ao alto escalão de comando da Marinha pelo comandante do Agamemnon, tenente-capitão Iuri Borisov:

“À meia-noite, com vento fresco, observamos à curta distância da ponte uma poderosa chama irromper para fora da água, soltando muitas fagulhas. A área do fogo, com cerca de 9 m2, era irregular e atingia de 60 a 90 cm de altura, talvez mais. A cor da chama era avermelhada e nós não distinguimos nenhum odor. A chama não foi extinta pelas ondas e não conseguimos relacioná-la a uma embarcação em chamas, pois não havia nenhuma por ali”.

O tenente-capitão Borisov concluiu que um vulcão submarino havia causado o fenômeno. Já o almirante Lazarev pensou nas forças do universo para explicar o mistério. Ele questionou se “o fenômeno e o meteoro observado pelo navio Gangut, em 13 de agosto, próximo ao Farol Dagerort, não teriam algo em comum com os furacões que causaram grandes tragédias naquele verão às praias do norte da Europa, ou ainda com a incomum aurora boreal em Estocolmo e com o leito do mar na região de Libawa?” Mas do que estaria falando Lazarev?

TODO O CONTEÚDO DESTA EDIÇÃO ESTARÁ DISPONÍVEL NO SITE 60 DIAS APÓS A MESMA SER RECOLHIDA DAS BANCAS.

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Paul Stonehill

O autor é considerado, junto com Philip Mantle, os maiores especialistas em Ufologia Russa da atualidade. Mora em Los Angeles, mas nasceu na extinta União Soviética. É bacharel em ciência política, autor, conferencista e pesquisador de destaque internacional, tendo especial interesse nos fenômenos ufológicos e sua relação com a exploração espacial soviética. Stonehill passou a se interessar pelo Fenômeno UFO na juventude, quando morava na Ucrânia. Coletou uma quantidade enorme de informações sobre objetos submarinos não identificados (OSNIs) em várias partes do mundo. O autor também se dedica à parapsicologia e à pesquisa de fenômenos psíquicos, além de espionagem, guerra e história da Rússia. Seus trabalhos já foram publicados em várias partes do mundo. Desde 2005, Stonehill é consultor da Revista UFO.

Comentários