ARTIGO

Geopolítica aplicada à pesquisa ufológica

Por Equipe UFO | Edição 70 | 01 de Março de 2000

Costuma-se definir Geopolítica como a parte da Geografia que se empenha em estudar as implicações da política no controle e administração do espaço geográfico. Esse espaço pode estar dimensionado pelas fronteiras de um estado, de um país ou de um continen
Créditos: ARQUIVO UFO

Geopolítica aplicada à pesquisa ufológica

Quando em 1.947 se esboçavam os primeiros estudos e teses a respeito dos intrigantes objetos voadores não identificados, não se poderia imaginar as dimensões que este fenômeno tomaria no decorrer dos anos. O fato de a Humanidade se deparar com uma nova realidade, sobretudo uma nova tecnologia (que já naquela época excedia em muitos anos as nossas invenções dos dias atuais), despertou o interesse das diversas nações, principalmente das superpotências surgidas com o final da Segunda Guerra Mundial. Para entendermos o que venha a ser “Geopolítica” e qual sua relação com a Ufologia, é necessário que se faça um retorno ao passado e se perceba como estas duas ciências, por assim dizer, podem estar intimamente ligadas ao futuro da espécie humana.

Costuma-se definir Geopolítica como a parte da Geografia que se empenha em estudar as implicações da política no controle e administração do espaço geográfico. Esse espaço pode estar dimensionado pelas fronteiras de um estado, de um país ou de um continente. Da mesma forma, pode estar dimensionado por todo o planeta, inclusive a sua atmosfera. Política e Geografia são duas ciências que, ao contrário do que muitos pensam, andam de mãos dadas. Napoleão Bonaparte já dizia: “A política de um estado está em sua geografia”. Idéias geopolíticas são encontradas nas obras de geógrafos e cientistas políticos de todas as épocas e das mais diversas nacionalidades. Alguns atos, como o Tratado de Tordesilhas, a construção do Canal do Panamá, a Guerra do Vietnã, o retalhamento do Oriente Médio ou da África em diversos países, etc, são geopolíticos. São ações nas quais as nações dominantes impõem ou tentam impor seus interesses em certas regiões, utilizando-se dos conhecimentos geográficos, políticos e até mesmo sociais sobre as diversas áreas de interesse.

A estratégia geopolítica consiste em se conseguir vantagens no cenário mundial que atendam aos interesses de um determinado povo ou nação. No entanto, uma nação somente consegue impor seus interesses geopolíticos quando se encontra devidamente amparada por um poderio militar e econômico que possa garantir sua influência e vontade. A Geopolítica também é aplicada internamente, como já foi dito, e assim podemos falar numa Geopolítica para a Amazônia, por exemplo. Entretanto, os conflitos e interesses internacionais são os que mais refletem no planeta como um todo, e são os que mais influenciam na vida das populações e na política interna dos países. Assim sendo, a detonação da primeira bomba atômica no deserto de Alamogordo, no Novo México, garantiria a Truman, então presidente dos EUA em 1.945, o endurecimento de sua posição na repartição do chamado mundo livre e no destino da Alemanha após sua rendição.

Os soviéticos acabaram tendo que ceder e se contentar com a parte oriental da Europa, ainda mais quando Hiroshima sucumbiu diante do poder da bomba atômica que foilançada sobre aquela cidade. Isso nada mais era do que uma estratégia geopolítica em que um dos componentes desse jogo do poder dava uma cartada decisiva baseado em segredos que este detinha e que poderiam ser utilizados como instrumentos de persuasão. Os Estados Unidos não necessitavam jogar a bomba atômica sobre o Japão para acabar com a guerra, se não fosse pelo fato de ter que demonstrar ao mundo, sobretudo à URSS, o seu poderio bélico. Todos sabemos que a guerra no Pacífico já estava praticamente decidida e que a rendição do Japão era questão de poucos dias. O ato em si do lançamento da bomba atômica sobre as duas cidades japonesas, em agosto de 1.945, hoje é considerado como o maior ato terrorista já praticado por uma nação. Embora, com vistas aos interesses geopolíticos norte-americanos, tenha servido para colocar o país como a mais poderosa nação na face da Terra.

No entanto, logo a bomba atômica deixaria de ser um privilégio de uma única nação e os norte-americanos sabiam disso. Já em 1.947, tanto a URSS quanto a Inglaterra ou França já mantinham estudos avançados sobre a energia nuclear e a construção de um artefato usando tal energia seria o passo natural decorrente desses estudos, não importando se atos de espionagem possam ter interferido para a brevidade de tal processo ou não. De fato, tão logo a extinta União Soviética realizara seu primeiro teste nuclear, em 1.949, esta passou a endurecer a sua posição no cenário mundial e o Muro de Berlim talvez seja o ato mais representativo desse endurecimento. O surgimento da Organização do Atlântico Norte (OTAN), encabeçada pelos Estados Unidos, bem como do Pacto de Varsóvia, liderado pela então União Soviética, foi a conseqüência imediata desse crescente antagonismo que começava a tomar forma no mundo.

Ogivas Nucleares – Por outro lado, as pesquisas no campo espacial já estavam em pleno desenvolvimento e, para desespero dos norte-americanos, a URSS estava à frente nessa empreitada. O lançamento do Sputnik, primeiro satélite artificial lançado ao espaço pelos russos, em 1.957, teve um efeito muito mais destrutivo para os EUA do que a própria bomba atômica. Se um foguete podia ser enviado carregando um satélite, o que impediria esse foguete de estar transportando ogivas nucleares? Fazia-se necessário o surgimento de um novo instrumento que desequilibrasse a balança do poder que estava sendo dividido entre russos e norte-americanos. Este fato, por si só, poderia explicar toda a problemática causada pela queda de um UFO em Roswell, no Novo México [Não coincidentemente, próximo à única base que detinha bombardeiros nucleares e nas proximidades do local utilizado para os primeiros testes atômicos].

A queda desse objeto, em 02 de julho de 1.947, veio atender aos anseios mais íntimos dos generais e políticos dos EUA, que agora se viam diante da ameaça comunista. Este sim é o principal motivo de todo o processo de acobertamento que se iniciou naquela época e que persiste até os dias de hoje. Certamente, outros motivos ligados ao aspecto social também serviriam de embasamento para a manutenção do sigilo. Assim, foram levados em consideração a possibilidade de se haver um pânico generalizado que instalasse o caos sobre a ordem social vigente, a possível desestabilização dos fundamentos religiosos, a implosão do sistema financeiro norte-americano (que no momento financiava a reconstrução da Europa e do Japão), entre outras coisas mais. Porém, é necessário que se perceba que estes outros motivos só foram levantados muito após a decisão de se acobertar o incidente que acabara de ocorrer em Roswell. O motivo primordial foi unicamente o interesse geopolítico envolvido na questão – tal tecnologia é tudo o que uma nação precisaria para se impor totalmente no cenário mundial. Um UFO é o instrumento de persuasão ideal.

Obviamente, essa era a idéia primordial, mas o completo entendimento dessa tecnologia se mostraria muito mais complicado do que se podia esperar. Os norte-americanos, na verdade, encontravam-se diante de um sistema altamente complexo que mais parecia com magia do que com tecnologia. Um UFO verdadeiro consegue desafiar todas as leis conhecidas da Física: velocidades instantâneas, curvas em ângulos de 90°, mudança de formas, materialização e desmaterialização, estruturas sem rebites ou encaixes aparentes, etc. Estes eram alguns dos pontos que desafiavam e ainda desafiam nossos cientistas. Assim, a tecnologia ufológica, ao contrário do que pensavam os generais responsáveis pelo acobertamento desse e de outros incidentes que viriam a acontecer, não pôde ser usada de imediato no jogo geopolítico e, com isso, crescia cada vez mais a chamada Guerra Fria, que persistiu por 46 anos.

O principal motivo para o ocultamento do Caso Roswell foi o interesse geopolítico em questão. A nação que tivesse a tecnologia dos ETs poderia impor-se totalmente no cenário mundial. Um UFO é um instrumento de persuasão ideal

Desequilíbrio – Tal estado bélico, sem que se usasse armas de fato, se caracterizou pelo chamado “equilíbrio do terror”, pois se baseava justamente na capacidade de um adversário aniquilar o outro em conseqüência dos seus fabulosos arsenais nucleares. Estados Unidos e URSS eram os adversários que se sentavam em lados opostos do tabuleiro de xadrez representado pelo planeta Terra. A grande controvérsia existente em torno dessa situação era o fato de que nenhum dos lados poderia aplicar um xeque-mate no outro lado, pois isto representaria também o seu próprio fim. Por isso, era necessário se descobrir algo que pudesse desequilibrar essa balança para que tal xeque-mate fosse aplicado. Daí o grande investimento feito por russos e norte-americanos em pesquisas e desenvolvimento de armas e arsenais nucleares, assim como na pesquisa e utilização de paranormais e da questão ufológica.

Apesar de tudo, a pesquisa do Fenômeno UFO, tanto pelo lado norte-americano quanto pelo lado soviético, não estava dando os resultados esperados. Não era possível a utilização da tecnologia destas naves sem maiores investimentos e estudos – e o que era pior: sem que se tivesse o objeto de estudo em mãos. Passou a ser questão de sobrevivência a aquisição de um desses UFOs. Os norte-americanos levavam uma pequena vantagem por já terem em seu poder um ou mais discos voadores, que teriam caído no Novo México. Porém, ainda necessitariam de muito tempo para obterem o completo entendimento de tecnologia que continham – fato improvável ainda nos dias atuais. Os russos, por seu lado, tentavam de todas as formas abater uma nave e diversos foram os encontros entre estes e caças soviéticos, sempre com imensa desvantagem para os últimos [Sabe-se que vários caças soviéticos foram abatidos por UFOs].

A Guerra Fria acabou sendo vencida pelos norte-americanos. Mas essa vitória não se deu pelo uso da força militar, mas sim pela força do sistema econômico mundial. A URSS não conseguiu manter sua economia estável diante das imensas mudanças ocorridas no planeta e veio a sucumbir diante do fenômeno da globalização da economia mundial. Apesar de tudo, os norte-americanos também saíram castigados desse longo período de incertezas no qual se constituiu o chamado período da Guerra Fria, pois foram enormes os investimentos feitos na área militar, em espionagem, em programas secretos espaciais superavançados e em acordos internacionais que visavam impedir o crescimento do sistema socialista. Além disso, a constante presença dos EUA em diversas áreas de conflito pelo mundo afora acabou dando espaço para o crescimento econômico e comercial do Japão e da Europa Ocidental. Apesar de tudo, o país saiu da Guerra do Golfo, que coincidiu com a época do desmoronamento da URSS, em 1.991, como a maior potência militar e econômica do planeta.

Engenharia Reversa –
Porém, voltando à questão ufológica, é necessário que se perceba que o fato da tecnologia dos UFOs ainda ser um mistério pode facilmente explicar o motivo pelo qual, apesar de todas as evidências, ainda se nega e se acoberta a realidade de sua existência. Por outro lado, é justamente diante dessas numerosas evidências que fica cada vez mais difícil manter-se essa política de acobertamento. São milhares de fotografias, filmagens, documentos oficiais e relatos de agentes do governo e militares que atrapalham o processo. E ultimamente começaram ainda a surgir relatos de estudos realizados através de “engenharia reversa”, que permitiram que pilotos de testes dos EUA pudessem pilotar tais naves extraplanetárias – apesar da enorme polêmica que existe em torno desse fato. Algumas evidências a esse respeito puderam ser obtidas através de relatos de cientistas, militares e agentes que trabalham ou trabalhavam dentro da ultra-secreta Área 51, localizada no Estado de Nevada. Da mesma forma, diversas filmagens do sobrevôo de UFOs autênticos sobre a Área 51 já puderam ser obtidas.

Esta área, criada durante o período da Segunda Guerra Mundial para o desenvolvimento de armas e aeronaves secretas, manteve sua operacionalidade com o advento da Guerra Fria e, cer certamente, com o fato de vários UFOs terem sido recuperados em quedas pelo mundo afora. Especula-se que dentro dela foram construídos diversos laboratórios, hangares e todo um complexo administrativo para se lidar com o assunto. Porém, tudo, ou quase tudo, foi construído no subsolo. Tal fato, além de garantir a estrutura contra possíveis ataques, assegura o sigilo da área pois a torna invisível ante as lentes das câmeras de curiosos ou dos satélites espiões de outras nações. Especula-se que é exatamente dentro dos limites da Área 51 que estejam guardados os restos de pelo menos nove objetos não identificados, ou seja, autênticos UFOs. Este talvez seja o principal motivo para os excessos que são cometidos em nome da segurança que se promove nesse local. A Área 51 ainda se constitui numa importante peça do jogo geopolítico, pois é de lá que saem as novíssimas tecnologias que servirão de instrumentos de persuasão a outras nações, como por exemplo o bombardeiro invisível B-2 ou o caça F-117, usados com grande desenvoltura na Guerra do Golfo.

O fato de os Estados Unidos aceitarem o papel de “protetores do mundo” é interessante à Ufologia. Em seu plano para exploração espacial está implícita a vigilância de UFOs em nosso planeta, caso sejam uma ameaça à Terra

Apesar de tudo, a chamada nova ordem mundial, com o advento da globalização da economia e com o fim da Guerra Fria, após a desestruturação da URSS, está forçando os norte-americanos a tomarem novas posições no cenário mundial. Os Estados Unidos começam a deixar de lado seu papel de ‘juízes do planeta’ e passam a assumir sua nova função, a de ‘protetores do planeta’. Assim, questões de ordem ambiental, social ou econômica passam a ser de primeiro plano. Como exemplo podemos citar o discurso do general Tony Zinni: “Antes de tudo é necessário que o governo decida qual vai ser o papel dos Estados Unidos no mundo de hoje, pois precisamos definir o que o ameaça...” O aparato militar norte-americano, bem como o poder de intervir em qualquer região do planeta, custa muito aos cofres da nação – por isso, é necessário se saber em qual campo atuar para se definir qual tipo de estrutura militar será mantida no futuro. A proteção ao meio ambiente, o combate ao narcotráfico, a ajuda política aos países desestruturados, a proteção à liberdade e à democracia, ou simplesmente a defesa da pátria são alguns dos itens em questão e para os quais se deve optar. Cada um irá requerer um tipo de equipamento específico, pois, por exemplo, não se utiliza um caça Stealth para se ajudar a reconstruir uma nação africana, como não se utiliza armas antiguerrilha em uma operação na Guerra do Golfo.

Ameaça Alienígena –
O fato de os EUA aceitarem o papel de protetores do mundo é bem interessante no que diz respeito à Geopolítica aplicada à Ufologia, pois baseado nesse argumento, em abril de 1.998, o governo norte-americano divulgou o Plano de Longo Prazo do Comando Espacial [U.S. Space Command Long Range Plan, ou LRP], elaborado pelo seu Comando Espacial. O Plano está disponível no endereço www. spacecom.af.mil/usspace e prevê que até 2.020 o país possa rotineiramente acessar o espaço orbital terrestre, proteger seus artefatos espaciais, impedir quaisquer ameaças a seus aliados, promover efetiva vigilância espacial do globo terrestre, prevenir ameaças naturais e humanas e ainda negar o acesso espacial aos inimigos. O mais interessante é que em todas essas cláusulas propostas pelo Comando Espacial, não se deixou de lado em momento algum a questão extraterrestre. Pode-se entender nas entrelinhas como ameaça ou inimigos também seres vindos de outros rincões do Universo.

Este seria um dos principais motivos para a insistência do ex-presidente Ronald Reagan ao ter defendido, durante seu mandato, o programa Guerra nas Estrelas, aparentemente arquivado devido ao exuberante custo que representava. Reagan, numa extraordinária demonstração de preocupação e revelação da verdade, discursou na ONU a respeito desse programa aventando a hipótese de um ataque extraterrestre para o qual a raça humana estaria totalmente despreparada. Ele falou como hipótese mas, para bons entendedores, sabia-se que falava de uma realidade – sobretudo quando disse que “... e eu me pergunto se essa ameaça já não se faz presente”. O governo norte-americano, mais do que qualquer outro, sabe de toda verdade a respeito dos UFOs e seus tripulantes, e sabe das possíveis ameaças que provavelmente devem existir por trás do tão esperado contato final. Apesar de tudo, o Plano elaborado pelo Comando Espacial gerou alguns protestos de outras nações, que acreditavam que o espaço não deveria ser privilégio de ninguém.

Numa excelente matéria publicada pelo engenheiro e diplomata em missão na ONU L. Subramanyan, em UFO 62, são mostradas as preocupações advindas de um possível contato com alienígenas e das mensagens, normalmente transmitidas aos contatados, nas quais podemos facilmente perceber uma ameaça velada de destruição da espécie humana, caso não haja uma modificação em nossos conceitos morais e fraternos. O mundo vive conturbado por guerras e injustiças sociais de toda espécie, e agora que o homem começa a dominar totalmente a tecnologia espacial existiria ainda uma preocupação por parte dos seres extraterrestres em levarmos nossas atitudes belicosas para o Cosmos. Na verdade, não podemos avaliar ao certo a profundidade de tais alegações, pois realmente não conhecemos a ética dos extraterrestres. Até que ponto a preocupação deles seria apenas para com nossas atitudes morais?

Se formos analisar a questão por esse lado, ou seja, o da dúvida, seria certo adotarmos uma posição de apoio às preocupações do governo norte-americano para com as questões espaciais, pois neste caso valeria o popular ditado, bem terrestre por sinal: “É melhor prevenir do que remediar”. Da mesma maneira, podemos questionar de que forma os governos que se utilizam do espaço atualmente (inclusive o brasileiro) podem garantir a mudança de filosofia humana no que diz respeito às questões de fraternidade e cooperação mundial. Esperávamos que, com o final da Guerra Fria, a maioria dos conflitos humanos pudessem estar resolvidos, pelo menos no que diz respeito a tolerância e a fraternidade universais, já que esse também era o sentimento após a Segunda Guerra Mundial. Ledo engano! O que vimos com o final da Guerra Fria e com o advento da globalização da economia foi exatamente o contrário.

Diversos conflitos surgiram ou ressurgiram por todo o mundo: guerras étnicas, raciais, religiosas, territoriais, nacionalistas e destrutivas do meio ambiente. Além disso, houve um considerável aumento do narcotráfico, da criminalidade e das injustiças sociais, e significativo aumento dos atos terroristas. Chegamos ao ponto de ter pelo menos trinta focos de conflitos espalhados por todo planeta, acontecendo simultaneamente. Estes fatos demonstram o quanto a espécie humana ainda está longe da verdadeira paz, tão almejada pela maioria das pessoas. Enfim, são muitos os problemas, sem falarmos no fato de que a espécie humana passa atualmente por uma verdadeira decadência de valores. A pornografia, a violência urbana, as drogas e o desrespeito generalizado aos valores morais fazem parte da realidade de toda espécie humana. Diante disto tudo, pergunto: a raça humana está realmente pronta para o contato com outras civilizações?

À guisa de todos esses fatos, se não se consegue vislumbrar nenhuma possibilidade, pelo menos a curto prazo, da coexistência pacífica de toda espécie humana, quanto menos ainda da coexistência pacífica com povos de outros planetas. É fato que isto, ao menos agora, ainda é uma utopia. Mas ainda assim, de que forma poderíamos argumentar a favor da Humanidade diante de possíveis visitantes extraterrestres que fizessem um contato formal e definitivo com representantes de uma ou mais nações? Apesar de tudo, sabemos que a maior parte da desordem provocada no mundo se deu justamente pelo fato de que a verdade sempre foi acobertada em nome dos interesses geopolíticos, sobretudo os que visavam o lado econômico. Assim, podemos não vislumbrar nenhuma solução a curto prazo, mas pelo menos podemos iniciar um programa de conscientização da raça humana para as novas verdades. Então, muito provavelmente, a revelação de segredos ufológicos talvez pudessem servir como a ‘bofetada’ que a raça humana estaria precisando tomar para que começasse a refletir sobre os seus atos.

Talvez a consciência de sabermos que estamos sendo observados por diversas civilizações provenientes de outro planeta pudesse contribuir para que a nossa civilização agisse de forma diferente. O fato de também termos consciência de que não sabemos das reais intenções dos seres extraterrestres que nos visitam talvez colaborasse no sentimento coletivo de união em prol da sobrevivência da espécie. É necessário que todos saibam que um verdadeiro monitoramento em vários níveis está sendo levado a cabo pelas civilizações alienígenas que estão nos visitando. A questão das abduções, a mutilação de animais e pessoas, a presença de UFOs em todos os ambientes terrestres, etc, demonstram de forma clara a afirmação feita anteriormente.

Propostas de ETs – Em que devemos acreditar? Se por um lado a maioria dos ufólogos não considera os aliens como uma ameaça, por outro nenhum ufólogo afirma isso com 100% de certeza. Também é fato que muitos pesquisadores enxergam um lado ruim diante de diversos contatos que estão acontecendo. O sentimento quase que unânime no seio dos estudiosos da Ufologia de que há uma conspiração por detrás da realidade que envolve o Fenômeno UFO, demonstra que existe algo com o que se preocupar. Muitos acreditam na existência de um tipo de governo mundial secreto e numa suposta conspiração universal. Muitos também crêem na possibilidade de já ter ocorrido um contato entre o governo norte-americano e alienígenas do tipo grey [Cinzas]. Especula-se ainda que os EUA foram forçados a aceitar grande parte das proposições impostas pelos ETs porque simplesmente não podiam confrontá-los e, assim, estaríamos à sua mercê.

O desenvolvimento de projetos secretos – entre eles os armamentos altamente sofisticados à base de canhões laser, canhões de plasma, armas sônicas ou eletromagnéticas – talvez seja a única esperança de nos libertarmos desses acordos, um tanto quanto nefastos para a espécie humana. Da mesma forma, a política norte-americana para o espaço talvez fosse uma solução para a defesa do planeta. Mas, em que devemos acreditar? Serão os ufonautas bons ou maus? De certo que temos mais dúvidas do que respostas, mas de qualquer forma sabemos que somente com o apoio irrestrito de toda a Humanidade poderíamos chegar a solução dos problemas que envolvem a questão ufológica.

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Equipe UFO

Comentários

UPDATED CACHE