ARTIGO

ETs no Antigo Egito

Por Garcia Villanueva | Edição 238 | 01 de Setembro de 2016


Créditos: CAIRO MUSEUM

ETs no Antigo Egito

Se há uma figura imediatamente reconhecida como ligada ao mundo da arqueologia e egiptologia moderna, seu nome é Zahi Hawass. Nascido em 28 de maio de 1947, na cidade de Al-Ubaydiyah, Hawass foi secretário geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito de 01 de janeiro de 2002 até 31 de janeiro de 2011, data em que se tornou ministro de Antiguidades, um cargo então recém-criado. Em 2006, foi nomeado pela famosa revista norte-americana Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.

Conhecido pelo grande público devido aos inúmeros documentários dos quais participou, Hawass tornou-se uma lenda em seu país. Sob sua direção foram realizados projetos ambiciosos, como, por exemplo, a investigação nas galerias da Grande Pirâmide de Quéops e a identificação da múmia KV60, como sendo a da primeira mulher faraó da história, Hatshepsut. Mas suas contribuições para a egiptologia e para seu país foram muito além do mostrado pelas câmeras dos

documentários — e chegaram aos domínios da Ufologia, visto que a presença alienígena na Terra foi intensa no Egito em seus tempos áureos, com naves e seres andando entre a multidão e confraternizando com governantes. Controverso, enérgico e um ferrenho defensor das antiguidades egípcias, Hawass não poupou esforços para que relíquias do Antigo Egito, que se acham espalhadas por museus de todo o mundo, fossem devolvidas a seu país de origem. Sempre disposto a realçar a riqueza cultural que se esconde nos monumentos e areias de sua terra, chegou a ponto de arrastar-se por galerias estreitas carregando consigo uma equipe de reportagem para mostrar-lhes uma câmara recém-descoberta sob a Grande Pirâmide.

Ao Egito o que lhe pertence

Quando chegou à direção de Gizé, havia dois desafios diante de Zahi Hawass: o primeiro era organizar camelos, cavalos e pessoas que vendiam souvenires em um lugar onde não atrapalhassem as escavações nas três pirâmides de Gizé. Ele devia, também, retirar o pavimento da estrada para cessar a circulação de automóveis sob o templo funerário de Quéops. Isso o levou a descobrir uma nova pirâmide, a sudeste da Grande Pirâmide, e a procurar pelas tumbas de seus construtores. Ao fazê-lo, pôde parar com os falatórios ridículos daqueles que diziam que os egípcios não fizeram as pirâmides — Hawass foi capaz de descobrir as tumbas daqueles que as construíram, o que acabou sendo um de seus mais importantes achados, para dizer a todos que os egípcios foram seus construtores.

crédito: NATGEO
O arqueólogo Hawass quer que os países que saquearam o Egito e levaram suas relíquias as tragam de volta
O arqueólogo Hawass quer que os países que saquearam o Egito e levaram suas relíquias as tragam de volta

Infelizmente, houve muitos danos causados às antiguidades depois que Hawass deixou suas funções, após a Revolução da Praça Tahir. Pessoas de várias partes do país começaram a invadir os sítios arqueológicos onde estavam guardados muitos objetos valiosos. Isso sem falarmos dos ataques que ocorreram aos museus e sobre as escavações ilegais que foram feitas por pessoas mal-intencionadas que se aproveitaram do tumulto no país. Como tudo que havia no rico tesouro egípcio, evidências marcantes da ação no passado da Terra por outras inteligências cósmicas também se perderam para sempre.

Contabilizados os danos, descobriu-se que foram afetados cerca de 30% dos monumentos. Zahi Hawass chegou a pedir ao doutor Mamdouh Mohamed Gad Eldamnty, agora à frente das escavações, que possa consertar o estrago que foi feito e devolver a glória que um dia tiveram os arqueólogos egípcios — principalmente, que o projeto que iniciou quando introduziu uma câmara dentro das galerias da Grande Pirâmide possa continuar. Ele acreditava firmemente que as chamadas “três portas” encontradas na pirâmide podiam ocultar a tumba original de Quéops. “Encontrá-la seria um grande presente não só para o Egito, mas para a humanidade”, diz Hawass.

As riquezas dos faraós


Quando esteve à frente do Conselho Superior de Antiguidades, Hawass iniciou uma campanha pedindo a volta das obras de arte faraônicas para o Egito. Ele foi o primeiro a anunciar que havia seis importantes peças antigas que precisavam voltar ao seu país de origem: a Pedra de Roseta, que está no Reino Unido; o Zodíaco, que se encontra no Museu do Louvre, em Paris; o busto de Anjaf, que está em Boston, nos Estados Unidos; a estátua de Hemiunu e o busto de Nefertiti, que se encontram na Alemanha; e o Ramsés, que está em Turim, na Itália. Infelizmente, Hawass foi afastado de suas funções antes de conseguir trazê-los de volta ao Egito. Em alguns destes artefatos há impressionantes marcações da ação de ETs em conjunto com os antigos egípcios — eles eram muito bem conhecidos da monarquia do país, entre a qual tinham passagem livre.

“O Egito é rico em cultura e história. Em cada canto que se escave lá há o que descobrir e, infelizmente, há também o que vender”, lamenta Hawass. Essas relíquias pertencem ao povo egípcio e esse é um conceito que precisa ser incutido na mentalidade de todos. Mas não se quer dizer com isso que a população e os egiptólogos sejam contra as expedições estrangeiras que venham estudar e escavar seu território — elas são muito importantes para o país e muitos professores deram uma contribuição notável para o Egito.

Por outro lado, porque não se pode depender de professores e arqueólogos estrangeiros, Hawass e outros egiptólogos fizeram um programa de incentivo aos cientistas do país. Em seus anos como secretário geral do Conselho, ele treinou cerca de 1.000 jovens arqueólogos em técnicas e escavação, e também fez com que os profissionais que haviam trabalhado em missões estrangeiras no passado fossem ensinados e licenciados. “É essencial que os egípcios conheçam seu valor e que lutem para manter nossas riquezas arqueológicas conosco”, assegura. Para ele, as evidências da ação de ETs em conjunção com a construção das pirâmides e outros monumentos são tão importantes quanto todas as relíquias do passado egípcio.

Convívio aberto com ETs


Uma das maiores preocupações de Hawass, e que acabou por causar sua demissão, sempre foi o saque das relíquias. Ele garante que foram feitas muitas coisas importantes para conter os roubos, como, por exemplo, a construção de 50 armazéns para guardar peças arqueológicas ao longo do país. Neles foram mantidos muitos objetos a salvo durante a revolução. Também foram treinados guardas e mudou-se a Lei egípcia, tornando-a mais severa, com punições para os que roubam antiguidades. “E ainda elaboramos uma base de dados de todos os armazéns e museus do país, rica em detalhes de como conviviam abertamente nosso povo e os que vinham de fora”, afirma.

crédito: CAIRO MUSEUM
Era como se conhecia a dupla Akhenaton e Nefertiti, que sempre são representados abaixo de uma esfera no firmamento. Seria um disco voador?
Era como se conhecia a dupla Akhenaton e Nefertiti, que sempre são representados abaixo de uma esfera no firmamento. Seria um disco voador?

Hoje, com a revolução já passada e com outra pessoa responsável pelos tesouros e pela arqueologia do Egito, Hawass acredita que o futuro será positivo, desde que haja uma pessoa para dar continuidade aos projetos que iniciou — como a restauração de muitos monumentos, não apenas faraônicos, mas coptas, judeus e islâmicos que precisam ser propriamente finalizados. Acabaram de ser construídos no Egito 24 novos museus, alguns dos quais impressionariam os ufólogos e defensores da Teoria dos Antigos Astronautas.

Agora é necessário terminar o Museu Nacional do Cairo, o Museu Akhenaton e o Museu Sharm el-Sheij. “É imprescindível continuarmos protegendo os monumentos nacionais e seguir ensinando os egípcios a amarem e respeitarem suas antiguidades, além de treinar novas gerações para que sigam em frente com as escavações”. E, claro, é preciso conseguir fazer com que as peças roubadas retornem ao Egito, até mesmo para se tentar compreender o quebra-cabeças que é a ação de ETs em nosso passado.


Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Garcia Villanueva

Comentários