ARTIGO

Discos voadores e deuses também na Grécia Antiga

Por Magdalini Knak | Edição 241 | 01 de Dezembro de 2016

A famosa Acrópole, em Atenas, construída pelo grande estadista, orador e general Péricles, que levou a democracia grega de uma forma limitada para outra mais ampla
Créditos: ENCYCLOPAEDIA BRITANNICA

Discos voadores e deuses também na Grécia Antiga

Relatos incríveis feitos bem antes da Bíblia falam de estranhos avistamentos no céu, no mar e também sobre entidades que acompanhavam e aconselhavam figuras históricas, hoje entendidas como mitológicas. Chama a atenção a forma como aqueles que a história conhece como gênios gregos cuidaram de legar à humanidade com princípios que até hoje seguimos e que regem boa parte de nossa ciência. A civilização ocidental, como a conhecemos, foi construída na Grécia Antiga e exportada para todo Império Romano. Sua influência nos dias atuais é semelhante à dos genes maternos, pela forma como está entranha em nossa linguagem e na percepção que temos do mundo. A antiga língua grega modificou-se, mas ainda coexiste com a moderna e subexiste nas designações científicas. Para se entender uma tradução do idioma, é preciso buscar não somente o léxico, mas também na história.

Em uma dessas traduções, a da Ilíada, de Homero, há um trecho em que um capitão de navio, função que em grego antigo chamava-se kuberneticós ou cibernético, relata a visão de fogueiras sobre o mar em um lugar onde não havia embarcação alguma. Imagina-se que para um grego, em aproximadamente 1.200 a.C., não havia parâmetros para entender luzes, a não ser aquele das fogueiras.

Gênios

O poeta Hesíodo, que viveu entre 800 a.C. e 700 a.C., escreveu Theogonia, poema também conhecido como A Genealogia dos Deuses, no qual descreve quem era filho de quem e quais as designações de cada deus — todos eles tinham natureza superior à humana e a fascinação grega pela perfeição, imortalizada nas esculturas, buscava assemelhar os homens aos deuses. Mas que deuses eram aqueles que interagiam com os humanos e até tinham filhos com eles?

crédito: NATIONAL HELLENIC MUSEUM

Um relato bastante conhecido e que não deixa nenhuma dúvida é mencionado pelo romano Titus Livius em sua história da fundação de Roma, desde o ano 753 a.C. até a Era Cristã. O livro XXIII da obra Desde a Fundação da Cidade descreve o cerco de Alexandre, o Grande, à cidade de Tiro, em 332 a.C., quando “escudos voadores” passavam sobre as fileiras de soldados causando pânico — Alexandre entendeu que os deuses estavam ao seu lado e tomou a cidade quase sem resistência.

O que mais assombra o homem moderno é pensar como tantos filósofos, matemáticos e pensadores brilhantes nasceram todos em uma mesma região e no curto espaço de tempo de umas poucas gerações. Em muitos de seus escritos são relatados contatos com deuses e musas que os inspiraram, orientaram e até ajudaram em batalhas. Um exemplo pouco lembrado é o do filósofo grego Parmênides, nascido em 530 a.C. Em fragmentos de sua obra Sobre a Natureza ele descreve uma viagem em um carro puxado por duas éguas e impulsionado por helíades, filhas de Hélio, o Sol. Ele é então recebido pela deusa Diké, da Justiça, que lhe expôs tudo sobre a natureza — esse tudo seria a unidade do ser e das coisas e a revelação de que o mundo dos sentidos é uma ilusão. Revelação muito similar aos estudos atuais sobre física quântica.

Terra redonda

Outro importante pensador, filósofo e famoso matemático foi Pitágoras, nascido em 580 a.C. Por meio de seus cálculos, Pitágoras não apenas demonstrou que a Terra era redonda como também calculou o seu raio, o mesmo processo utilizado hoje para realinhar os satélites em órbitas. O matemático dizia que os planetas navegam em círculos, forma considerada perfeita. Inspirado pelas tais musas, concebeu a harmonia das esferas, que funciona como o som nas cordas musicais. Para Pitágoras, o efeito produzido por cada corda depende da tensão dela. Suas teorias podem ser comparadas à Teoria das Cordas da física atual.

O grande estadista, orador e general Péricles, construtor da famosa Acrópole, em Atenas, foi também o homem que levou a democracia grega de uma forma limitada para outra mais ampla. Ele viveu no que é conhecido como a Era de Ouro de Atenas e foi a maior personalidade política do século V a.C. Péricles é sempre retratado com um elmo, devido ao tamanho desproporcional da sua cabeça estranhamente alongada para trás. Sua mãe, antes de seu nascimento, sonhou que estava dando à luz a um leão. Ele, ao servir ao exército, mandou fazer o elmo sob medida, o qual nunca mais o tirou até sua morte.

Sequer chegamos a mencionar os principais filósofos da época, Sócrates, Platão e Aristóteles, grandes gênios nascidos na mesma região, em tempo limitado entre 80 anos. Fabulosas personalidades, devotos dos deuses e orientados por eles, mudaram os rumos da ciência, da política, da filosofia e da vida humana. Uma concentração de gênios que nos faz pensar que os deuses gregos, afinal, cuidaram muito bem do futuro da civilização.

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Magdalini Knak

Comentários