ARTIGO

Deuses astronautas também na mitologia dos índios guarani

Por Gustavo Fernandez | Edição 80 | 01 de Outubro de 2014


Créditos: RAFAEL AMORIM

Deuses astronautas também na mitologia dos índios guarani

Os guaranis formam uma vasta etnia indígena que abarca boa parte do Brasil, oeste da Venezuela e do Equador, parte do Peru, todo o Paraguai e nordeste da Argentina. Nômades, subdivididos em inúmeras tribos, clãs e línguas, sua influência no mundo pós-hispânico é indubitável. Estimam-se suas mais remotas origens em até 12 mil anos antes de Cristo, e era óbvio esperar que em semelhante período de continuidade racial a presença extraterrestre — evidente em outras culturas do planeta — teria registro também entre tais índios. E de fato isso se verifica. Estudando as lendas e a linguagem do povo guarani, em especial na Argentina, é possível assinalar algumas analogias na forma como ele e outras etnias viam a presença alienígena na Terra.

O folclore guarani, em especial, é rico em elementos que remetem à imagem de objetos voadores não identificados, estruturas luminosas noturnas e seres extraterrestres. Por exemplo, os indígenas chamam de Yaciyareté um geniosinho que, segundo eles, habitava as selvas do nordeste argentino, nas províncias de Misiones, Chaco, Corrientes e Formosa. Descreviam-no como um ser pequeno, de não mais de um metro de altura, mas bem proporcional, com uma longa cabeleira loura que caía até a cintura. O Yaciyareté vestia uma ajustada tanga e empunhando uma vara ou bastão dourado de sua mesma altura, agarrado ao qual podia elevar-se a boa altura durante alguns minutos, flutuando no ar. Com um toque da mesma clava o ser podia incendiar o que estivesse à sua frente, inclusive pedras.

Esta criatura, aparentemente mítica — mas bastante real para os guaranis —, costumava sequestrar crianças com uma média de cinco anos, mantendo-as cativas durante três ou quatro dias. Ao serem devolvidas, elas relatavam aos pais que a entidade os havia alimentado com doces muito estranhos e gostosos, contado histórias insólitas a respeito das estrelas e de seus “irmãos” que viveriam nelas — os quais, afirmava o Yaciyareté, um dia voltariam para resgatá-lo. Os guaranis viam o serzinho com muito respeito e o consideravam um forasteiro em nosso mundo. Seria, talvez, um extraterrestre náufrago em nosso planeta, que, como um Robinson Crusoé interplanetário, passava suas horas com os nativos, aguardando o resgate por parte de seus companheiros? Sendo assim, alguma vez foi resgatado? Ou seus restos mortais descansam junto aos de sua nave, em algum ponto da ainda inexplorada selva do nordeste argentino?

Movimentos bruscos pelo céu

É interessante fazer algumas considerações etimológicas desta rica lenda. Primeiro, o idioma guarani — cujo nome correto é Avanheé — é uma língua de justaposição, que permite decompor os termos em outros individuais com significados distintos. Assim, Yaciyareté é uma deformação de iasi-ya-te-mbé, sendo que iasy costuma ser traduzida como “Lua” pelos indígenas, quando, na verdade, o termo correto seria i-asy, ou “coisa luminosa do céu”. Enquanto a ya ou i-á descreve uma “serpente” ou, melhor ainda, um “movimento de serpentear”, te se refere a algo brusco ou surpreendente. Re, entretanto, cumpre o papel de giro advocativo de mbé, quando se justapõe ao final de uma expressão. Por fim, mbé significa “saído de” ou “nascido de”. Assim, temos que Yaciyareté pode ser traduzido como “o ser saído de uma coisa luminosa que se move com movimentos bruscos pelo céu’.

Na província de Corrientes, ainda na Argentina, Yaciyareté é também conhecido desde tempos imemoriais como Pombero, sendo que pó significa “campana” e mbé, como já visto, quer dizer “saído de”. Por fim, ro pode ser traduzido como “chato” ou “baixo”. Com esta análise, temos que Pombero pode ser entendido como “o ser saído de uma campana achatada”, uma óbvia relação com uma das formas mais habituais do que conhecemos como UFO. Incidentalmente, é interessante acrescentar que a vara ou clava do Yaciyareté ou Pombero, chamada verá, significa “brilhante” no idioma guarani. Impossível não ver uma semelhança impressionante desta lenda com a de Bep Kororoti, presente até hoje entre os índios kayapó do Alto Xingu, na Amazônia. Também neste caso temos um ser que habitou entre os índios, usava uma clava elétrica e alegava vir das estrelas [Veja edição UFO 139, agora disponível na íntegra em ufo.com.br].

Há outras lendas fascinantes no repertório guarani. Os conquistadores hispânicos Solís e Gaboto, maravilhados com a presença de pedaços de metal brilhante e prateado, pendurados como amuletos do pescoço de alguns indígenas, perguntavam a seus intérpretes nativos qual era a procedência do mesmo. Solís e Gaboto suspeitavam que o estranho metal pudesse ser prata, embora não compreendessem a razão de sua leveza. Em crônicas escritas sobre várias expedições destes conquistadores assinala-se a aparente natureza artificial dos objetos, pelo seu aspecto trabalhado. Os indígenas, interrogados, respondiam com a expressão mbaé verá guasú, que tem uma curiosa tradução. Mba pode ser entendido como “recolhido de”, é significa “choça” ou “casa”, no sentido de algo manufaturado, não uma cova ou buraco, verá quer dizer
“brilhante” e guasú, “grande”.

TODO O CONTEÚDO DESTA EDIÇÃO ESTARÁ DISPONÍVEL NO SITE 60 DIAS APÓS A MESMA SER RECOLHIDA DAS BANCAS

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Gustavo Fernandez

É diretor da revista digital Al Filo de la Realidad

Comentários