ARTIGO

Casuística ufológica do Vale do Paraíba

Por Ricardo Varela Corrêa | Edição 24 | 01 de Maio de 1998

Alterações bruscas de luminosidade e formas esféricas são comuns no Vale
Créditos: Ricardo Varela

Casuística ufológica do Vale do Paraíba

As duas maiores cidades do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, são separadas por 429 km e interligadas pela Rodovia Presidente Dutra. Esse corredor entre os dois municípios é muito rico em relatos de avistamentos de UFOs interessantes, principalmente se levarmos em conta que as serras do Mar e da Mantiqueira acompanham uma boa parte dessa rodovia, uma das mais movimentadas do país. A região que estudamos o Fenômeno UFO compreende 120 km da Rodovia Dutra e é conhecida como Vale do Paraíba, onde está situada a cidade de São José dos Campos. A casuística da região é muito rica em relatos com fotos e vídeos desses objetos desconhecidos.

O caso mais importante e mais documentado pela Imprensa ocorreu em 1986, quando mais de 20 objetos foram observados sobrevoando a cidade, com o testemunho de diversas autoridades. Antes disso, em 1982, um jato da Vasp foi seguido por um UFO durante um bom tempo de seu trajeto. Muitas pessoas da região ainda se lembram desse fato, pois o vôo 169 da Vasp sobrevoou a região do Vale do Paraíba. Naquele ano, diversos casos de objetos estranhos sobrevoando as serras foram documentados. Em uma de nossas pesquisas, encontramos o senhor Geraldo, que nos relatou um avistamento testemunhado por ele, na cidade de Guaratinguetá (SP), onde está instalada a Escola de Especialistas da Aeronáutica.

Conta o senhor Geraldo que "quando trabalhava na Escola de Especialistas da Aeronáutica em 1982, por volta da meia-noite, estava indo trabalhar e deveria pegar a viatura aqui perto de casa. Estava andando para o local, quando ouvi um barulho. Olhei para cima e vi uma roda, um monstro se aproximando do alto. Era uma luzinha que foi crescendo e veio para cima de mim. Chegou bem perto, na altura das árvores. O bicho veio chiando, passou por mim e levantou vôo. Fazia um barulho como um chiado, e foi um festival de luzes. No dia seguinte, vi na televisão a história do avião que foi seguido por essa nave ".

O vôo Vasp 169 foi muito importante, pois além do testemunho impressionante do comandante, vários passageiros confirmaram e descreveram o objeto. Esse vôo trafegava na aerovia mais movimentada do país, onde, em determinados horários, uma aeronave sobrevoa a cada cinco minutos. O intenso tráfego aéreo da região traz uma grande vantagem para a identificação de UFOs, pois todos estão acostumados a observar aviões sobrevoando a Serra - na aerovia identificada pela sigla UA304.

OBJETOS DIURNOS E NOTURNOS - É comum nas investigações ouvirmos testemunhas descrevendo o local de vôo de objetos não identificados e compará-los ao movimento e local onde voam as aeronaves. Os objetos observados na região do Vale do Paraíba são comuns à casuística ufológica observada em toda a Presidente Dutra. São objetos diurnos e noturnos com características similares, com formato discóide, brancos, com velocidade variável e aparentando estar se movendo aos trancos. Os casos de UFOs planando ou flutuando são raros e sem nenhuma evidência em vídeo. Aqui, discutiremos cinco casos de objetos filmados na região que compreende o Vale do Paraíba, porém abrangendo também a capital do Estado, São Paulo.

O primeiro caso foi filmado no dia 20 de julho deste ano, às nove horas da manhã. O professor Jorge, ao observar o céu, viu um objeto redondo e de cor branca parado praticamente em cima de sua residência. Com sua filmadora, ele conseguiu algumas imagens muito boas, conforme podemos observar nas digitalizações de alguns quadros. Trata-se de um objeto de formato discóide, comum a muitos avistamentos, e podemos notar a cor branca com pouca definição das bordas do objeto. A aparente fumaça que sai por baixo do objeto já foi observada em outros avistamentos. O segundo UFO foi registrado no final de 1996, por um engenheiro do Instituto de Aeronáutica e Espaço do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos. Era um domingo, por volta das três horas da tarde, quando a testemunha viu o objeto deslocando-se sobre sua residência. O céu estava claro e sem nuvens. O objeto parecia voar em pequenos trancos. A característica ovóide ou discóide também é observada nesse caso.

UFO CRUZA SÃO JOSÉ - A trajetória de vôo é perpendicular à Rodovia Presidente Dutra, ou seja, cruzando a aerovia que liga São Paulo ao Rio de Janeiro, longe de qualquer aeronave que atravesse o céu da cidade. Neste caso, podemos observar outra das características desse fenômeno: variações bruscas de velocidade e correspondente aumento de intensidade luminosa. Depois o objeto intensifica sua luminosidade com aumento de 30% em sua velocidade. No quadro seguinte aumenta sua velocidade em 50%, onde podemos observar o aumento correspondente de intensidade luminosa.

O terceiro caso pesquisado foi um dos mais interessantes. Durante as comemorações do aniversário da cidade de São José dos Campos, no dia 27 de julho de 1997, por volta das 16h00, a Esquadrilha da Fumaça da Força Aérea Brasileira (FAB) apresentou um show fantástico de acrobacias. O espetáculo foi realizado no aeroporto da cidade e, para nossa sorte, uma testemunha filmou tudo. A esquadrilha utiliza aeronaves Tucano, fabricadas pela EMBRAER. Em determinado momento após o agrupamento em formação dos aviões, um objeto esférico se aproxima da ala esquerda e passa em alta velocidade por cima do aeroporto. Vale a pena relembrar que nenhuma aeronave pode sobrevoar o aeroporto, pois está afastado da aerovia. O objeto está à grande altitude. Uma outra testemunha, a dois quilômetros do local, viu o objeto passar por cima dos Tucanos e comentou achar estranho o movimento "aos trancos" do objeto. A digitalização de alguns quadros, colocando o Tucano como referência, mostra mais uma vez a alteração de velocidade do objeto e o mais interessante, sua mudança de forma. O objeto chega a parar por alguns milésimos de segundo, quando passa por cima do Tucano à esquerda.

O quarto avistamento ufológico estudado mostra um objeto noturno, apresentando algumas das características similares às observadas nesses objetos diurnos. O UFO voava sobre a Serra da Mantiqueira seguindo a direção do sul de Minas Gerais. O objeto também alterava sua luminosidade, chegando a desaparecer. Mais uma vez podemos afirmar que o UFO estava longe da aerovia. O vídeo dura quase cinco minutos e o objeto, ao final, começa a piscar com flashes espaçados. Após alguns segundos, passa a piscar com flashes em intervalos mais curtos e, com o passar do tempo, pisca mais lentamente.

Por fim, em junho de 1997, outro objeto noturno foi filmado, apresentando características interessantes. O objeto foi observado na cidade de Jacareí, a 10 km de São José dos Campos. Esse é o quinto caso em que as características de pulsação luminosa são muito bem observadas. Os flashes são rápidos e muito intensos. Segundo testemunhas, o objeto alterava sua posição muito rapidamente.

O ufólogo Ricardo Varela Corrêa, 40, é engenheiro eletrônico e chefe do setor de lançamento de balões do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Varela desenvolve instrumentação científica para pesquisa espacial em plataformas suborbitais de balões estratosféricos. Em sua relação com a Ufologia, o engenheiro investiga a casuística no Vale do Paraíba, que abrange as serras do Mar e da Mantiqueira, há mais de dez anos. Varela é conhecido entre os pesquisadores por suas análises técnicas de fotos e vídeos de supostos UFOs, sempre amparando-se em dados científicos. Atualmente reside em São José dos Campos, interior de São Paulo, é consultor das revistas UFO e UFO Especial e membro do Centro Brasileiro de Pesquisas de Discos Voadores (CBPDV).

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Ricardo Varela Corrêa

Colaborador voluntário de UFO, é engenheiro do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários