ARTIGO

A verdade jamais revelada sobre a abdução de Rivalino Mafra

Por Pablo Villarrubia Mauso | Edição 257 | 01 de Abril de 2018

A história de Rivalino Mafra agora é conhecida graças à uma intensa pesquisa realizada em Minas Gerais
Créditos: EDITORIA DE ARTE

A verdade jamais revelada sobre a abdução de Rivalino Mafra

A Ufologia esconde muitas histórias fascinantes, estranhas e misteriosas que foram responsáveis por capturar a imaginação do público leigo quando o estudo e as tecnologias empregadas ainda eram insipientes. Procurar pelos misteriosos discos voadores, uma atividade que começara no final da década de 40, ganhava cada vez mais adeptos nos anos seguintes e as histórias que envolvia, reais ou fictícias, estavam nas manchetes de então.

No início da década de 60 começaram a circular as primeiras notícias sobre abduções de pessoas que eram “roubadas” por UFOs e jamais devolvidas. No imaginário do público, as abduções surgiam como um perigo contra o qual nada se podia fazer e cuja ação, quando ocorria, não se podia provar. O antropológico medo do escuro acabou por ganhar um inesperado reforço moderno, vindo do espaço sideral.

Em 1962, um camponês brasileiro desapareceu em meio a um redemoinho de poeira e areia, alegadamente causado por dois pequenos UFOs. A vítima, de nome Rivalino Mafra, nunca mais foi vista e seu caso tornou-se um clássico da Ufologia Mundial. O famoso semanário italiano La Domenica del Corriere dedicou a capa de 30 de setembro de 1962 ao evento, e Jacques Vallée incluiu-o em seu livro Passaporte para Magonia [Henry Regnery, 1969]. Mais tarde, o episódio passou a constar em quase todas as enciclopédias ufológicas. A verdade, porém, revelou-se muito mais profunda e sinistra do que um redemoinho causado por bolas de fogo, como veremos a seguir.

O desaparecimento

No domingo 19 de agosto de 1962, em um lugar remoto nas montanhas de Minas Gerais, perto da cidade de Diamantina, em uma fazenda no município de Duas Pontes, Rivalino Mafra da Silva e três de seus cinco filhos dormiam em sua casa de madeira. Eles eram Raimundo, de 12 anos, Dirceu, de 8, e Fátimo, de 6. Em certo momento, no meio da noite, o garoto Raimundo Aleluia Mafra ouviu o som de passos dentro da casa. Era como se algumas “pessoas caminhassem rapidamente”, disse ele. O menino também notou um vulto estranho, “uma sombra flutuando na sala, pois não pisava no chão”. O garoto relatou posteriormente à imprensa que “a sombra tinha pouco mais de um metro e meio de altura e não tinha a forma humana”.

Ainda de acordo com o relato publicado pela imprensa mineira, o garoto disse que a sombra olhou para ele e depois se moveu e olhou para seus irmãos, que dormiam. Em seguida, ela teria saído do quarto, na sala e saído rápido pela porta da frente, sem abri-la. Disse a testemunha: “Ouvimos passos de alguém correndo e dizendo: ‘Esse parece que é o Rivalino’. Então meu pai gritou: ‘Quem é?’ Não recebendo resposta, ele foi até a sala. Voltamos para a cama e ouvimos perfeitamente quando disseram que matariam meu pai. Ele começou a rezar em voz alta e os vultos, fora da casa, responderam que seria inútil rezar”.

FONTE: PABLO VILLARRUBIA MAUSO

O ufólogo paulista Cláudio Tsuyoshi Suenaga, hoje residindo no Japão, deu grande ajuda às investigações


Após esse acontecimento, pai e filho passaram o resto da noite acordados. Por volta das 06h00, enquanto os irmãos ainda dormiam, Raimundo pulou da cama e foi até o pasto, buscar um cavalo para o pai. De repente, ele observou duas bolas flutuando uma perto da outra — uma delas era de cor preta, com uma espécie de ponta ou cauda pequena, e a outra era nas cores branco e preto, com a mesma aparência da anterior, mas com uma espécie de antena, emitindo um ruído estranho. “As bolas pareciam irradiar fogo”.

Ainda segundo o menino, havia uma abertura nelas que piscava muito, como a luz dos vaga-lumes, acendendo e apagando rapidamente. “Chamei meu pai para ver aquilo. Ele saiu perguntando o que era, ficou a uma distância de dois metros dos objetos e recomendou que eu não me aproximasse. Nisso, as bolas se juntaram e formaram uma única esfera maior, enquanto levantava uma nuvem de fumaça e poeira chegando a escurecer o céu”, relatou aos jornalistas Fernando Remo e Adriano Filgueiras, do jornal Diário de Minas.

A repercussão

O relato segue com Raimundo dizendo que o pai foi envolvido por uma estranha nuvem de poeira que tinha a cor do pôr-do-sol e um cheiro estranho, que desapareceu no redemoinho produzido pelos dois objetos. “E não vi mais nada. Gritei pelo meu pai, mas não tive resposta”, contou o garoto, soluçando. “Papai desapareceu como por magia e não deixou nenhum sinal no chão de terra batida. Parecia que uma vassoura limpara o lugar. Andei em círculos ao redor de nossa casa, mas não encontrei nenhum vestígio dos objetos e nem as pegadas de papai”, revelou o menino, desesperado.

A criança também contou que procurara o pai nas cavernas da região e que passara a observar a formação das aves de rapina que costumam procurar por sangue e corpos, mas que nada encontrara. “Será que meu pai morreu, carregado por aquelas bolas? Eu amo meu pai!” Apesar do evidente sofrimento da criança, as autoridades e a mídia da época carregaram o pobre garoto de um lugar para outro, usando-o e transformando, ainda que brevemente, em um objeto para atrair a curiosidade das pessoas.

O desaparecimento de Rivalino Mafra espalhou pânico na região. Assim que começava a escurecer, as mulheres de Diamantina e das aldeias vizinhas não deixavam mais suas casas, temendo ser sequestradas por UFOs que continuavam sendo observados

Em 26 de agosto, o jornalista enviado pelo jornal de Belo Horizonte O Dia para cobrir o caso acompanhou o comissário de polícia de Diamantina, tenente Wilson Lisboa Duarte, e vários de seus soldados às terras da Fazenda Duas Pontes, onde morava a vítima — o tenente ordenou novas pesquisas, mas não encontrou nenhum vestígio do pai de família. Porém, chamou a atenção do grupo o isolamento da casa, erguida em um ambiente selvagem e montanhoso, onde o vizinho mais próximo vivia a 8 km de distância.

O primeiro a realizar um exame clínico no menino Raimundo foi o médico João Antunes de Oliveira, que afirmou não ter encontrado nada fisicamente anormal e nem sintomas de que a criança tivesse uma mente perturbada ou doentia — ele lhe contara a mesma história quatro vezes, sem cair em contradições. Sua condição física era boa, apesar de estar um pouco desnutrido. Quanto ao evento em si, o médico preferiu não comentar sobre o assunto.

Manifestações de UFOs

Na época, o prestigiado ufólogo alemão naturalizado brasileiro Walter Bühler, da então Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV), viajou para Diamantina e para a vila histórica de Biribiri, onde colecionou relatos de imprensa e diversos testemunhos de manifestações de UFOs, como o avistamento de um objeto que teria voado sobre a cidade de Gouvêa, distante 42 km de Diamantina, durante dois minutos. Outros meios de comunicação anunciaram que até o comissário de polícia de Gouvêa, Walter Costa Coelho, e mais de 50 pessoas viram não um, mas dois artefatos voando sobre o céu por dois minutos.

A verdade é que o desaparecimento de Rivalino Mafra espalhou pânico na região. Assim que começava a escurecer, as mulheres de Diamantina e das aldeias vizinhas não deixavam mais suas casas, temendo ser sequestradas por discos voadores que continuavam sendo observados. Apenas os homens ficaram nas ruas até às 22h00, mas sempre acompanhados. Na vila de Biribiri, onde viviam um pouco mais de 600 pessoas, a maioria delas trabalhadores em uma fábrica têxtil, todos estavam em estado de pânico — o local está a pouco mais de 8 km da cidade de Duas Pontes, onde Rivalino Mafra viveu até o seu desaparecimento. Era um lugar próspero por causa de uma tecelagem que havia ali, pertencente a um grupo de proprietários da região.

Apesar da grande repercussão na época dos acontecimentos, a história de Rivalino ficou esquecida por quase 42 anos, até que em 2005 o historiador e ufólogo Cláudio Tsuyoshi Suenaga localizou os parentes da vítima. Suenaga, que falara por telefone com os familiares do camponês, ficou estupefato com aquilo que lhe disseram. O que veremos a partir de agora é o outro lado do caso de Rivalino Mafra da Silva, um lado até agora desconhecido do público e que foi revelado por nossas investigações.

Tudo por um diamante

Em 24 de junho de 2005 acompanhei Suenaga a Belo Horizonte para visitarmos Ilete da Conceição Silva do Carmo, uma das filhas de Rivalino Mafra, localizada pelo pesquisador. Ela era a menor dos cinco irmãos e tinha apenas dois anos quando o pai desapareceu. A mãe já havia falecido há algum tempo. A menina, agora já uma mulher, nos recebeu com extrema cortesia.

Segundo nos contou, logo após os acontecimentos, “o responsável pela fábrica têxtil de Diamantina, Ricardo Moreira e sua esposa Teresinha, me levaram para a casa deles para me criar. Mas não fui criada como filha. Quando cresci, eles me tratavam mais como uma empregada sem pagamento. Eles me batiam muito, mas muito mesmo. Quem mais me bateu foi a esposa, ele não. Minha outra irmã, Maria de Jesus Mafra, foi recebida pelo engenheiro Romulo, que trabalhava na tecelagem de Biribiri”, disse ela, com muita sinceridade.

FONTE: REPRODUÇÃO

O caso de Rivalino Mafra saiu na capa do jornal italiano Domenica del Corriere de 30 de setembro de 1962, mas era somente o começo

Ilete disse que ficara muitos anos sem ver seu irmão Raimundo e que o reencontro dos dois fora emocionante. Segundo disse, quando se encontraram ele morava na Fundação Pestalozzi, uma instituição para crianças com deficiência mental. Nós, então, lhe perguntamos se o irmão tivera algum tipo de problema ou se algo havia lhe acontecido, mas Ilete nos disse que não, que a razão para sua internação havia sido outra. “Depois que meu pai desapareceu, nenhuma família quis cuidar de todos nós. As autoridades enviaram o Raimundo para o Instituto Pestalozzi como se ele fosse uma pessoa mentalmente retardada, mesmo sabendo que ele não era. Um dos trabalhadores da fundação se apegou a ele e o criou como se fosse seu filho”.

Antes de ir para o instituto, o pequeno Raimundo ficou um tempo no 15º Destacamento da Polícia Militar. “Disseram que ele estava sob proteção, mas proteção contra o que ou quem?”, nos indagou a irmã. Ao ser perguntada por Suenaga sobre qual havia sido a razão do desaparecimento de seu pai, Ilete nos contou uma história surpreendente, que nada tinha a ver com UFOs ou extraterrestres. Segundo a mulher, seu pai havia encontrado um diamante muito grande, tão grande que não passava pela boca de uma garrafa. “Raimundo me disse que viu a pedra e que meu pai lhe disse: ‘Oh, meu filho, agora vamos ter uma vida digna’. Meu irmão me disse que meu pai pegou o diamante, o levou a uma barraca [Misto de bar e armazém] em Biribiri, onde muita gente viu a pedra”, explicou ela.

Bolas voadoras?

O fato teria chegado ao conhecimento de um tal Joãozinho, que era, à época, quem comprava as pedras dos garimpeiros — e além de ser o dono da barraca, também comandava o território onde estava a tecelagem. Ilete nos explicou que Joãozinho, na verdade João Maria, também era responsável pelas terras de propriedade de uma família de Biribiri, na qual trabalhavam vários garimpeiros.

Quando Suenaga lhe perguntou se ela acreditava na história das bolas voadoras que teriam levado seu pai para o espaço, sua resposta foi direta: “Não, não acredito. Nem eu e nem os amigos de meu pai acreditamos. Raimundo foi forçado a contar coisas falsas, ele foi pressionado”. Eu então lhe perguntei quem poderia ter forçado seu irmão a mentir e mais uma vez Ilete foi direta na resposta: “Joãozinho e Elmano Mendes, o irmão de Ricardo, o homem que me acolheu em sua casa para me criar. Elmano era uma pessoa má e tinha uma terrível reputação na tecelagem de Biribiri, da qual era gerente. Todo mundo o odiava porque ele costumava entrar nas casas das pessoas e bater nelas. Do Joãozinho também falaram mal, disseram que ele era muito ruim”.

Apesar da grande repercussão na época dos acontecimentos, a história de Rivalino ficou esquecida por quase 42 anos, até que em 2005 o historiador e ufólogo paulista Cláudio Tsuyoshi Suenaga localizou finalmente os parentes da vítima

Sobre o aspecto legal do desaparecimento de Rivalino Mafra, Ilete nos disse que um processo fora aberto, mas que tudo ficara parado, “até que, em 1977, o então comissário de polícia de Diamantina nos chamou e nos mostrou um arquivo bem grosso, onde estavam as fotos de alguns ossos que alguns caçadores encontraram em uma caverna, em 1963, perto de onde meu pai vivia”. O arquivo fora enviado para a polícia da cidade de Contagem, que foi quem a chamou e onde ela compareceu. Depois que os relatórios retornaram a Diamantina, não houve mais novidades. O comissário de polícia de lá, que tinha realizado a investigação, se mudou e nunca mais se soube de nada. “As pessoas não estavam interessadas em saber a verdade”, concluiu ela com firmeza.

Após sairmos da casa de Ilete, seguimos para a de Maria de Lourdes, a viúva de Raimundo Mafra. Esta sofria de câncer e sua saúde estava muito frágil quando nos recebeu, mas nos contou que o marido falecera em 3 1 de outubro de 200 1, aos 50 anos, vítima de doença renal, após 27 anos de casamento. A seguir está a entrevista que fizemos com a senhora, que mesmo cansada e doente não se furtou a responder nossas questões. Um mês após nosso encontro, Maria de Lourdes Mafra faleceu, vitimada pelo câncer.

O que seu marido pensava sobre o desaparecimento de seu pai?
Meu marido sempre me disse que sonhava em descobrir quem tinha feito aquilo com o pai. Ele tinha fé de que, mais cedo ou mais tarde, Deus revelaria tudo sobre o desaparecimento dele, mas não foi possível. No fundo, ele sabia que o pai havia desaparecido por causa do diamante que encontrara, mas meu marido não sabia quem eram os culpados.

Mas o que aconteceu realmente com seu sogro? Você pode dizer?
Meu marido me contou que cobriram sua cabeça com alguma coisa e que quando tiraram aquilo dele ele já não via mais o pai. Aí lhe disseram para ele que um disco voador tinha levado o pai.

Seu esposo suspeitou que os responsáveis fossem de Biribiri?
Sim, ele suspeitava muito que fossem pessoas de lá que mataram o pai.

FONTE: MEGA CURIOSO

Não são raros os casos em que pessoas, caminhando pelas áreas rurais, se sentem seguidas por objetos não identificados emitindo forte luminosidade

Qual foi o destino do diamante que Rivalino descobriu?
O que eu sei é que alguns encarregados da propriedade de Biribiri queriam pagar muito pouco pela pedra e ameaçaram meu sogro, porque ele não quis vendê-lo por uma bagatela — eles disseram que era o maior diamante já encontrado na região. Segundo meu marido, a pedra preciosa foi vendida para os Estados Unidos e estava em uma exposição naquele país. Rivalino havia ficado muito feliz quando descobriu o diamante e disse para meu marido que a vida deles estava resolvida e chegou a chorar de emoção. Ele estava planejando passar um bom tempo fora e começara a reunir os poucos pertences que tinham, mas antes de sair de casa a tragédia ocorreu.

Outras descobertas

Quando chegamos a Diamantina, no dia da entrevista com Ilete e Maria de Lourdes, fomos à Biblioteca Pública Antônio Torres e também aos arquivos municipais, onde fomos atendidos pela bibliotecária, a quem pedimos os jornais regionais dos anos 1962 e 1963. Depois de algum tempo, a mulher nos disse que os jornais daqueles anos, e de alguns subsequentes, haviam desaparecido e que havia encontrado apenas um volume daquelas datas.

Nós imediatamente trocamos um olhar e pensamos que os responsáveis ??pelo desaparecimento do garimpeiro haviam escondido ou destruído qualquer documento ou informação que pudesse incriminá-los no futuro. No jornal que a moça nos entregou, encontramos apenas uma notícia sem grande importância sobre o caso. Quando perguntamos à bibliotecária o que ela sabia sobre o acontecimento, ela nos informou que o assunto do desaparecimento do garimpeiro era ainda, mais de 40 anos depois, um tabu em Diamantina.

“Minha mãe me disse que aquele homem encontrou um grande diamante na região, e que pouco tempo depois os encarregados do Biribiri planejaram uma emboscada para roubá-lo. Aparentemente, os criminosos chegaram à casa do garimpeiro em seus veículos e envolveram sua cabana com luzes”, nos contou a moça. Ou seja, mais uma vez surgia a história sobre um diamante e nem uma palavra sobre UFOs ou qualquer outro fenômeno anômalo.

Nós, então, rumamos para o local do caso. Em nosso caminho para a antiga residência do garimpeiro, o motorista de taxi que nos ajudava na busca pela localização nos contou uma história envolvendo a lenda da mãe do ouro nas proximidades da residência de Rivalino Mafra. “Neste ponto em que passamos agora, a Reta do Coronel, costumava aparecer uma bola de fogo em baixa altitude atravessando a estrada e assustando os boiadeiros que viajam com o seu gado. Mas já não é mais vista há alguns anos”, informou o homem.

A mãe do ouro

Aparentemente, fenômenos estranhos ocorriam na área, o que possivelmente servira para ajudar a camuflar o desaparecimento de Mafra. A mãe do ouro, é um fenômeno muito conhecido não apenas no Brasil, mas em todo o planeta, e consiste em uma bola dourada ou de fogo que se desloca de um ponto a outro sobre montanhas e outros terrenos nos quais, dizem as pessoas, há ouro ou tesouros enterrados — são sondas ufológicas. Para alcançarmos a antiga residência do garimpeiro, paramos o veículo em um determinado ponto e seguimos a pé, passando por pequenas cachoeiras em um ambiente rochoso e estéril. Um pouco mais acima, de acordo com o motorista, havia morado Rivalino, mas nada restava de sua casa, supostamente destruída por seus inimigos para não deixar nenhum vestígio.

Passando por um desfiladeiro raso entre as montanhas vimos no fundo do vale a aldeia de Biribiri e a pequena loja onde Rivalino fazia suas compras, o armazém de João Maria. A vila, fundada em 1876, fora abandonada — ali só vivia um casal cuidando do pequeno bar. A tecelagem fechou em 1976, depois de quase 100 anos de funcionamento. O lugar é um verdadeiro refúgio natural, uma área atualmente protegida. Ao retornarmos, passamos pelo cartório de Diamantina, onde a certidão de óbito de Rivalino Mafra deveria estar. No entanto, os funcionários não encontraram nenhuma pista sobre o documento.

Voltamos então aos arquivos municipais para ver se a bibliotecária localizara arquivos sobre o caso do garimpeiro que, uma vez removidos dos jornais de Diamantina, deveriam ter sido arquivados lá, mas nada encontramos. Descobrimos que apenas um dos envolvidos no desaparecimento de Rivalino Mafra ainda estava vivo, e então com mais de 80 anos — o mencionado João Maria, que fora dono da loja em Biribiri. Nós o procuramos e nos apresentamos, dizendo que estávamos em busca de informações sobre a história de Diamantina e Biribiri. Porém, quando mencionamos o nome de Rivalino Mafra da Silva, o ancião ficou lívido.

“História é muito vaga”

E assim contou o octogenário: “A história é muito vaga. O que sei é que eu estava aqui, em Diamantina, no dia em que tudo aconteceu. Quando cheguei à Biribiri, encontrei seus três filhos, que falaram que o pai havia desaparecido, levado por umas bolas. O diretor da tecelagem estava lá e me disse para levar as crianças para falarem com a polícia e depois trazê-las de volta. Foi o que eu fiz. Tempos depois, os ossos dele foram encontrados em uma caverna pelos cachorros dos caçadores Paulo Duarte, Francisco Prata e Isidoro Martins”.

Perguntado sobre qual teria sido, em sua opinião, o motivo do desaparecimento do garimpeiro. João Maria nos respondeu que não sabia. “Um caçador e outras pessoas me envolveram, assim como eles envolveram José Tadeu e o engenheiro Romulo. Eu acho que ele [Rivalino Mafra] deve ter caído acidentalmente em um buraco, que foi onde encontraram os ossos. Eu fui lá para vê-lo. No dia em que ele desapareceu, esteve em Biribiri e comprou fígado e coração de boi e os levou para casa. Foi encontrado sangue de boi em uma rocha perto do córrego, a mesma que usavam para lavar roupas. Não havia sangue dentro da casa, onde tudo estava limpo. A polícia raspou o sangue da pedra para analisá-lo”, respondeu o homem, visivelmente nervoso.

Sobre o diamante desaparecido, o homem alegou não saber absolutamente nada. “Nunca tive nada a ver com essa história. A polícia me inqueriu e tudo isso para mim era muito chocante, muito embaraçoso”, lamentou-se. Nós saímos de lá pensando que João Maria era a única pessoa em Diamantina que não sabia nada sobre a pedra desaparecida — ele se eximira de qualquer responsabilidade sobre o desaparecimento do camponês, a quem, a propósito, jamais chamou pelo nome durante nosso encontro.

Irmãos Dirceu e Fátimo Mafra

No final de julho de 2007, este autor continuou por conta própria a investigação sobre o caso entrevistando duas testemunhas importantes, Dirceu das Graças Mafra e Fátimo do Rosário Mafra, os filhos do garimpeiro que estavam presentes na casa no dia de seu trágico desaparecimento. Na época dos acontecimentos, os meninos tinham, respectivamente, 8 e 6 anos de idade. Fátimo relatou que eles passavam fome e que às vezes dormiam sobre as espigas de milho que seu pai acumulava em um canto da casa. “Nós também amarrávamos a única porta da casa, pelo medo de que uma onça pudesse entrar. Podíamos ser devorados por aqueles animais selvagens. Era uma vida muito difícil”, desabafou.

Sobre o caso, o rapaz contou que amigos de seu pai lhe disseram que ele fora a Biribiri “para falar com Joãozinho, o chefe da operação de mineração e dono da única loja da cidade. Meu pai teria lhe mostrado o diamante e eles o pesaram em uma balança de pesar bolachas, de tão grande que era a pedra”. Quando pedimos ao irmão mais velho para nos contar o que exatamente havia acontecido na noite que precedeu o desaparecimento de seu pai, ele nos disse que ele e seus irmãos estavam todos no mesmo quarto e que seu pai dormia no que poderia ser considerado como a parte principal da casa de barro. “Lembro-me de que as paredes tinham muitos buracos. Através deles eu vi alguns vultos que se moviam pela casa — nós tínhamos colocado panos para cobrir os buracos maiores para que nenhum vento entrasse, mas eles os tiraram”.

Fenômenos estranhos ocorriam na área, o que possivelmente servira para ajudar a camuflar o desaparecimento de Mafra. A mãe do ouro é um fato muito conhecido não apenas no Brasil, mas em todo o planeta, e consiste em uma bola de fogo

Sobre quem seriam “eles” o rapaz nos relatou que havia três ou quatro pessoas no lado de fora da casa puxando os trapos que eles colocavam. “Então eu olhei e vi muitas luzes pequenas, como se fossem muitos vaga-lumes, que se moviam de um lugar para outro. Eu tinha muito medo, muito medo. Ouvimos nosso pai rezar e ele até trouxe água benta para jogar na casa. Por volta da meia-noite, meu irmão Raimundo preparou um mingau para nos acalmar”, relatou Dirceu, com seriedade.

Declarou Dirceu das Graças Mafra, enquanto o irmão assentia com a cabeça: “Nós saímos muito assustados para procurarmos nosso pai e nosso irmão mais velho, e só achamos Raimundo chorando e sentado em um tronco”. Sobre uma suposta criatura de quatro patas e com algo como um chifre na testa que teria sido vista no local, os irmãos de nada sabiam, mas se lembravam de ouvir vozes ameaçadoras, “mas não me lembro do que disseram”.

“Todos riam na nossa cara”

Eles também comentaram que as pessoas se divertiam às custas da família, dizendo que bolas haviam levado Rivalino Mafra para outro planeta. “Outros disseram que era o lobisomem. Todos riam na nossa cara. Sofremos muito com isso”, confessaram. Sobre a descoberta do cadáver, os irmãos informaram que fora feita por caçadores, alguns dos quais eram amigos do falecido — mas Dirceu alegou que não haveria como uma pessoa só ter levado o cadáver até aquele local. “Devia ter duas ou mais pessoas”, afirmou.

O ex-comissário de Diamantina, Getúlio Gonçalves Costa, apresentou um relatório em fevereiro de 1977 concluindo que a morte do garimpeiro fora homicídio, resultante de uma trama, embora reconhecesse que não havias provas suficientes para apontar, sem sombra de dúvidas, o assassino ou os assassinos e o mandante ou os mandantes do crime para a justiça. “A morte de um garimpeiro simples deixa uma história sinistra e complicada nas páginas dos crimes planejados e escondidos pelo poder monetário”. Com esta frase lapidar, o comissário Costa apontou, de seu ponto de vista, aos envolvidos na morte de Rivalino Mafra.

Para encerrar nossa conversa, perguntamos aos irmãos, quem eles achavam que havia assassinado seu pai. Dirceu respondeu que “o povo de Biribiri disse que um dos suspeitos era o João Maria, aquele do armazém. Quando a polícia me chamou para fazer uma declaração, em 1977, o nome dele apareceu no arquivo do tribunal. O de Elmano, gerente geral da tecelagem de Biribiri, também — ele era um homem grande, como um monstro. Quando criança, eu tinha muito medo dele porque escutei o que as pessoas me diziam: ‘Foi esse quem matou seu pai’”.

Sobre Raimundo Mafra

Em 05 de dezembro de 2007 entramos em contato por telefone com a Fundação Pestalozzi, localizada na Fazenda do Rosário, município de Ibirité, perto de Belo Horizonte, para pedir mais informações sobre Raimundo Aleluia Mafra. Quem conversou conosco foi Maria do Carmo de Morais, diretora da fundação, que nos informou que conhecera a criança e que se lembrava muito bem dela. “O engraçado é que veio aqui um policial para visitá-lo. Ele nos pediu as cartas que Raimundo escrevera para seus parentes e apagou algumas linhas, alegando que era para protegê-lo, para eles não saberem onde ele estava hospedado. Não me lembro de sua patente, mas ele era da polícia militar, talvez um tenente”, recordou-se Maria do Carmo.

Perguntada de que forma o garoto fora afetado pela morte do pai, a diretora da fundação disse que “ele estava muito traumatizado. Alguns pensaram que ele era mentalmente retardado, mas não era. O menino foi encontrado sujo de sangue e estava ‘bloqueado’ emocionalmente. As pessoas acreditavam que ele fora forçado a limpar o sangue de seu próprio pai”. O impacto psicológico sofrido pelo menino, caso isso realmente tenha acontecido, deve ter sido tão violento que bloquear ou mascarar os acontecimentos, ou parte deles, seria uma forma de autodefesa, para preservar sua saúde mental.

Finalmente, a verdade

Maria do Carmo informou que as pessoas da fundação evitavam perguntar sobre o assunto, porque o menino tivera, ao chegar, uma séria crise emocional e todos temiam que ao tentar abordar o assunto desencadeasse algum processo incontrolável na criança — mas ficou claro que o pai havia sido assassinado e o relatório que temos sobre a chegada do filho à fundação revela que ele estava em estado de choque.

Sobre a personalidade e comportamento de Raimundo, a diretora nos disse que ele era uma pessoa bastante estável, principalmente se considerarmos tudo o que ele viveu e sofreu. “Sua vida era muito coerente e não havia sinal de qualquer indignação em seu comportamento. Ele era uma pessoa justa, gostava muito de futebol e era um bom jogador. Ele conheceu Maria de Lourdes, que viria a se tornar sua esposa, estudou para fresador e saiu daqui já empregado, em dezembro de 1970. Raimundo era uma pessoa de bem e um cidadão muito honesto”, afirmou a mulher.

Aproximadamente cinco anos após tal telefonema, este autor foi pessoalmente à Ibirité acompanhado de um cinegrafista do programa espanhol Cuarto Milénio, veiculado pelo canal de televisão de Madri TV Cuatro, e do ufólogo Adirson Latini, ex-membro do Centro de Investigação Civil de Objetos Não Identificados (Cicoani), de Belo Horizonte, fundado pelo já falecido psicólogo Húlvio Brant Aleixo, para entrevistar Maria do Carmo pessoalmente.

A diretora, muito gentilmente, havia localizado um relatório sobre Raimundo Aleluia Mafra e tinha em mãos um arquivo com foto e informações pessoais do menino. Ela nos informou que o garoto nunca fora tratado como deficiente mental, uma vez que todos perceberam sua sanidade. “Nós cumprimos as ordens e o que fizemos foi enviá-lo para uma escola normal nas proximidades. Ele vinha aqui para dormir, ou seja, ele morava aqui no centro”, explicou Maria do Carmo.

O que parece é que as pessoas que enviaram a criança ao Instituto Pestalozzi o fizeram para protegê-la, talvez dos executores de seu pai — os assassinos, temendo que o menino os identificasse e denunciasse, poderiam querer matá-lo e, portanto, internar a criança ali provavelmente salvou-lhe a vida. O juiz de Diamantina e outras pessoas deviam saber o que realmente aconteceu, mas ficaram quietos.

Entre os papéis do arquivo havia outro relatório sobre Raimundo, feito pela médica doutora Aspásia de Oliveira Pires, que diz textualmente: “Ele teve o melhor desempenho escolar no quarto ano da escola primária, com excelente adaptação social e sem problemas de comportamento. A criança diz que o pai foi assassinado e que estava ameaçada de morte se contasse o caso. A morte do pai ocorreu na presença da criança”.

Finalmente nós havíamos encontrado o que estávamos procurando, o que pesquisáramos incansavelmente ao longo da investigação: uma afirmação por escrito de uma pessoa responsável de que a criança havia sido forçada a mentir. A verdade é que o menino vira os carrascos de seu infeliz pai. Na opinião de Maria do Carmo, “é possível que os assassinos usassem máscaras ou disfarces, mas se o crime foi cometido por amigos do pai ou por pessoas com quem o menino convivia, a criança poderia reconhecê-los por suas vozes. Deve ter sido terrível o que aconteceu, seu sofrimento, o trauma que as ameaças o causaram”.

Emoção e honestidade

Na mesma ocasião fomos à Diamantina e conseguimos localizar o ex-garimpeiro Francisco Neves, que fora colega de trabalho de Rivalino Mafra, em 1962. Neves confirmou que conseguira reconhecer o cadáver em 1963, graças a uma fivela de cinto feita com uma presa de um animal de caça — ele nunca acreditara na história de que Rivalino Mafra havia sido sequestrado por discos voadores. Também localizamos uma importante testemunha de nome Cecílio Silva, também garimpeiro, que em 1962 trabalhara lado a lado com Rivalino. Segundo se recordava Silva, “era uma terça-feira e nós aguardávamos a chegada dele ao trabalho. Mas quem apareceu foram seus três meninos. Eu perguntei ao mais velho onde estava seu pai e ele me disse que ‘que algumas bolas estranhas apareceram em sua casa e levaram o pai embora’”.

Silva nos contou que o cadáver apareceu meses depois. “Quando cheguei à delegacia de polícia, o comissário me contou que tinham encontrado um esqueleto e me mandou olhar para ver se eu conseguia reconhecer de quem eram aqueles ossos. Ele trouxe uma caixa e vi que o crânio tinha um maxilar fino e alguns dentes e eu disse ao policial que aquele era o Rivalino”. Silva disse ainda que o comissário sabia desde o início o que realmente havia acontecido, mas que ficara em silêncio.

Na mesma viagem voltamos a visitar os irmãos de Raimundo, em Belo Horizonte, o que ocasionou uma reunião muito emotiva — eles estavam felizes por alguém se importar com a família e tudo o que queriam era que a memória de seu pai e irmão fosse tratada com honestidade e que a verdade fosse mostarda. Não foram extraterrestres que deram fim à vida de Rivalino Mafra, mas a ambição e maldades humanas, que não conhecem limites.


Dona Zoca, a médium que desvendou o mistério

Em meio a um sumiço atribuído a um fenômeno ufológico, uma médium carioca desvenda o caso com o auxílio de um espírito supostamente de Marte, algo inédito na Ufologia Brasileira.

O universo da pesquisa ufológica é tão extenso e variado que há nele lugar para todo o tipo de histórias. Muitas delas são misteriosas, mas há algumas muito pitorescas e que acabam sendo esquecidas com o passar do tempo. A tecnologia muda, as opiniões também e as crônicas da Ufologia — se é que podemos usar essa expressão — acabam sendo esquecidas, o que é uma pena. Por outro lado, o que nunca muda é a maneira jocosa, beirando à ridicularização, com que a imprensa trata os assuntos que fogem do universo material, seja para falar sobre UFOs, paranormalidade ou espiritualidade. Um exemplo disso é a forma como o jornal O Dia, do Rio de Janeiro, recapitulou o desaparecimento de um garimpeiro por meio das visões de uma médium.

“Amigo marciano”

O caso em questão diz respeito ao desaparecimento de Rivalino Mafra, que, segundo o mais velho de seus filhos, então um menino de apenas 12 anos de nome Raimundo, havia sumido em um redemoinho de poeira provocado por dois UFOs esféricos. A polícia foi chamada, buscas foram feitas, mas nada foi encontrado. De olho no interesse que a história despertara nos leitores, O Dia decidiu explorar o assunto ao máximo. Em 29 de agosto de 1962, dez dias após o desaparecimento do garimpeiro, o jornal publicou a história de uma vidente do Rio de Janeiro conhecida como Dona Zoca, que alegava que se comunicava mentalmente com marcianos, especialmente com um deles, chamado Enrique, de quem ela se tornou amiga. O interessante aqui é que, quando os jornalistas lhe perguntaram se o garimpeiro estava em Marte, Enrique negou categoricamente essa possibilidade por meio da médium.

Segundo o relato dos jornalistas, extraído do jornal, Dona Zoca teria dito de imediato: “Ele foi assassinado!” Os repórteres, então, pediram à médium que se colocasse em comunicação telepática com a localidade de Biribiri e contasse o que via. “Ele não está em Marte. Ele foi morto e seu corpo está perto de um rio ou uma lagoa, em um lugar difícil de acessar. Do lugar onde o cadáver de Rivalino está, vejo as ruínas de um moinho. O cadáver tem quatro ou cinco feridas na barriga e uma perna quebrada”, declarou a médium. Seis meses depois veio a confirmação da morte do garimpeiro, divulgada nas manchetes de 06 de março de 1963 do mesmo jornal.

A matéria afirmava que no ano anterior os repórteres tinham ido procurar a médium Dona Zoca em seu apartamento, no bairro do Leme, no Rio de Janeiro, para consultá-la sobre o paradeiro do homem e que ela revelara um assassinato com tiros e facadas. Dona Zoca descobrira a verdade auxiliada por um suposto espírito do planeta Marte, conforme ela mesma dizia.

 

 

Para continuar lendo este artigo, você deve se cadastrar no Portal UFO. O cadastramento é gratuito e dá acesso a todo o conteúdo do site.

Login

Compartilhe esse artigo:

Sobre o Autor

Pablo Villarrubia Mauso

Jornalista, mestre em jornalismo arqueológico, ufólogo e consultor da Revista UFO.

Comentários