Edição 139
DESTAQUE

A questão da credibilidade da testemunha

Por
01 de Feb de 2008
As testemunhas do Caso Riolândia demonstraram coerência em suas narrativas. Silva, por exemplo, foi objetivo e preciso em suas descrições
Créditos: Arquivo UFO

Participei da investigação de campo feita pelo Equipe UFO em Riolândia e, em especial, da entrevista feita com uma das testemunhas do caso, Maurício Pereira da Silva, para a tomada de seu depoimento a respeito da observação de um UFO sobre a Pousada Piapara e do amassamento do canavial na propriedade vizinha, ocorrido em circunstâncias especiais na noite de 19 para 20 de janeiro. Deve ser ressaltado que seu depoimento foi minucioso e detalhista, prestado com sinceridade e humildade. Silva é uma pessoa simples e usou palavras e expressões igualmente modestas para relatar algo que o impressionou demasiadamente. Ele deixou claro aos investigadores da UFO que está disposto a continuar sua busca por uma resposta para o fenômeno observado.

Silva foi naturalmente convincente e impressionou a todos que o ouviram descrever os fatos, inclusive este autor, principalmente pela forma objetiva como respondia às indagações – que, evidentemente, estavam sendo gravadas –, praticamente sem pensar ou refletir muito. Suas respostas eram rápidas e espontâneas. Por exemplo, questionado se o evento ocorrido teria prejudicado ou favorecido seu negócio, afirmou prontamente que não teve vantagem alguma com o fato, e que até várias reservas de hóspedes foram canceladas. O depoente ainda confessou que teve muito medo do que testemunhou, e disse que relutou em fazer qualquer divulgação do fato, características de quem está falando a verdade. A divulgação, aliás, partiu da senhora Solange Buosi, esposa de Durval Ambrizzi Júnior, a segunda testemunha do episódio. Solange foi a primeira pessoa a fotografar o canavial amassado, apenas algumas horas depois da observação do objeto e luzes sobre a pousada.

Elementos de credibilidade — Sabemos que o depoimento das testemunhas é um dos ingredientes mais importantes de uma pesquisa ufológica e, neste caso, demonstrações de sinceridade, espontaneidade, firmeza no olhar e entonação de voz são características que corroboram a autenticidade de uma experiência, agregando credibilidade e idoneidade. Com formação jurídica e experiência de 15 anos de audiências em foros judiciais, adquiri a sensibilidade necessária para detectar a mentira, a impostura e a falsidade. E posso afirmar com segurança que não encontrei no testemunho de Maurício Pereira da Silva nenhum destes elementos. Ou seja, seu testemunho é absolutamente crível.

Continua luta dos ufólogos pela liberdade de informações

Já está no ar a Edição 139 da Revista UFO. Aproveite!

Feb de 2008

Fomos visitados