ENTREVISTA

Polônia, uma terra de incontáveis estranhezas e de seres extraterrestres

Por Thiago Luiz Ticchetti | Edição 236 | Julho de 2016

Durante muitos anos a Polônia fez parte do bloco conhecido como União Soviética. O país, brutalmente atacado pelos nazistas e posteriormente pelos comunistas, só ressurgiu como nação independente após a queda do comunismo, na década de 90. A Polônia, portanto, levou anos para se abrir ao mundo novamente e mostrar os mistérios que cercam os fenômenos ufológicos dentro de suas fronteiras. País com um rico e ainda muito pouco explorado histórico ufológico, a Polônia nos será apresentada por nosso entrevistado desta edição, o pesquisador Piotr Cielebias, que nos contará casos espetaculares que fazem parte do seu livro, recentemente publicado, UFOs Over Poland [UFOs sobre a Polônia, Flying Disk Press, 2015], que logo será publicado no Brasil pela Biblioteca UFO.

O país que teve quase 40% de sua população dizimada pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial é, também, segundo seu ufólogo mais proeminente, um local com grandes zonas anômalas e casos que desafiam a lógica e o entendimento humano. “Quando você começa a pesquisar os fenômenos ufológicos que ocorreram aqui, se depara com uma variedade enorme de casos que abrangem desde um simples avistamento até abduções, quedas de UFOs e confrontos entre militares e aeronaves desconhecidas”, declara Cielebias.

Não é segredo que os soviéticos, que por décadas mandavam na Polônia, guardavam suas ocorrências a sete chaves e que muitas vezes perseguiam aqueles que ousavam desafiar o estado, como é comum em regimes ditatoriais, sejam de que vertente forem. “A Polônia tornou-se a terra das estranhezas em seu aspecto político, social e cultural. Na minha opinião, nossos casos são muito impressionantes. São eventos espetaculares e muitos foram esquecidos pelo tempo, devido principalmente à grande censura que o país viveu por décadas”, afirmou o pesquisador.

Muitos casos e pouca publicidade

Nosso entrevistado está certo. Por exemplo, quem se lembra do caso ocorrido em 1956, quando milhares de pessoas viram objetos percorrendo centenas de quilômetros no céu em Varsóvia? Ou, então, de um incidente envolvendo pescadores que zarparam de Szomborgów e, após avistarem um UFO, apresentaram contaminação por radioatividade? E o que dizer sobre o chamado feito por uma ambulância que não pôde seguir caminho porque havia um UFO sobre a estrada? Os paramédicos ligaram para a polícia pedindo ajuda.

Nesta entrevista, Cielebias fala de suas pesquisas e nos brinda com casos históricos ocorridos na Polônia. Ele ainda afirma que, em sua maioria, os fenômenos aéreos anômalos foram registrados pela primeira vez lá no período medieval durante o reinado do último grande rei polonês, Jan Sobieski III — durante uma batalha contra os turcos, Sobieski III viu um artefato aéreo estranho sobre o local. “Imagine, em meio a uma batalha, milhares de soldados pararem tudo o que estavam fazendo e olharem para o céu para ver um disco voador”, admira-se o pesquisador. Outro caso relatado nesta entrevista foi o evento ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial, quando poloneses judeus defendiam suas cidades. “Em uma noite, objetos luminosos surgiram em um beco e foram recebidos à bala por soldados alemães. Além disso, dezenas de testemunhas em terra viram os foo fighters perseguirem aviões nazistas”.

crédito: UFO PHOTO ARCHIVES
O entrevistado informa que os misteriosos triângulos voadores que sacudiram a Bélgica, nos anos 80, também apareceram em seu país
O entrevistado informa que os misteriosos triângulos voadores que sacudiram a Bélgica, nos anos 80, também apareceram em seu país

Mas foi somente na década de 50 que a mídia polonesa, até então controlada pelos soviéticos, começou a realmente informar à população sobre os avistamentos de UFOs em seu território. “Vejam o contraponto: até hoje, nenhum político polonês veio a público falar sobre o assunto, e atualmente vivemos em uma democracia com meios de informação livres para publicar o que quiserem”. Talvez eles temam o ridículo, talvez ainda paire sobre o país a sombra da censura comunista. Como bem dizem os norte-americanos, “velhos hábitos demoram a morrer”.

Nesta entrevista, Piotr Cielebias também relata casos de quedas de naves alienígenas em território polonês. “Pelo menos três acontecimentos estão nos nossos registros. O mais bem estudado foi o ocorrido em Gdynia, no ano de 1959. Tropas do Exército foram ao local e diz-se que houve uma disputa entre as forças armadas soviéticas e polonesas pelos destroços de um UFO — além disso, corpos de alienígenas foram levados para Moscou”, explica ele.

Posição séria e equilibrada

Apesar de acreditar na origem extraterrestre de muitos eventos, Piotr não deixa de ser crítico e lança um olhar duro sobre alguns casos envolvendo humanoides. “Não se pode crer em tudo o que se ouve. É preciso ter maturidade até mesmo para afirmar para outros ufólogos que tal evento clássico não é verdadeiro. Isso já me causou muitos descontentamentos, mas encaro a Ufologia com um lado muito cético, como um cientista”. E o oposto, como ele mesmo deixa transparecer na entrevista, também é verdadeiro. “Um estudo feito por alguns cientistas poloneses, no final dos anos 60, concluiu que todos os avistamentos de UFOs nos céus da Polônia eram, na verdade, testes militares soviéticos. Há, naturalmente, um elemento de verdade nisso, mas certamente nem todos os avistamentos polacos são mísseis, aviões ou satélites russos”.

Como na maioria dos países, os pilotos da Força Aérea Polonesa (FAP) são proibidos de discutir, em público, seus avistamentos de UFOs. Eles podem relatar seus encontros aos seus superiores, mas certamente não para a imprensa. “Eu consegui, após um árduo trabalho de convencimento e confiança mútua, relatos incríveis de pilotos que estiveram frente a frente com UFOs. Em um dos casos, um capitão aviador, Yuri Praszczalek, me afirmou que teve ordens para abater um desses objetos que tinha a forma de cilindro, mas que, quando armou seus mísseis, o artefato acelerou na direção sul e desapareceu de vista”.

Atualmente, a Ufologia Polonesa apresenta os mesmos problemas que em outros países — o trabalho é feito de forma independente pelos ufólogos, sem um grande grupo que agregue as informações. “Todas os grandes centros de Ufologia acabaram. Eu tenho meu próprio grupo, mas a maior parte do tempo desperdiçamos com assuntos organizacionais, e por isso decidi fazer as minhas investigações sozinho”, explica. Para Cielebias os arquivos poloneses estão cheios de casos ufológicos desconhecidos pela sociedade e pelos ufólogos, e que, com o tempo, se perderão fisicamente a não ser que uma ação junto ao governo seja feita imediatamente. “É de suma importância que tenhamos acesso a esse material, uma vez que eles devem estar recolhidos em locais inapropriados para o armazenamento e ainda estão em papel, que se deteriora com o tempo”. Realmente, é um problema sério.

O pesquisador acredita que a Ufologia, como um campo multidisciplinar, é um local de pessoas sérias, não apenas especialistas em aviação ou astronomia. “Infelizmente, a natureza do Fenômeno UFO é o que é, ou seja, de pura estranheza”. Nesta entrevista, Cielebias traz à luz fatos e casos de relevante importância da Ufologia Polonesa e Mundial. “Isso é apenas uma pequena parte dos anais dos estranhos fenômenos que ocorrem em terras polonesas há décadas. O que eu quero mostrar aos leitores da Revista UFO é a essência de tudo isso, uma caçada à fenomenologia ufológica nesse pequeno país encravado no coração da Europa, uma terra das estranhezas”.

A Polônia tornou-se a terra das estranhezas em seu aspecto político, social e cultural. Nossos casos são muito impressionantes. São eventos espetaculares esquecidos pelo tempo devido principalmente à grande censura que o país viveu por décadas.

Quando você começou a se interessar por Ufologia?
Por mais estranho que possa parecer, eu nunca falei sobre isso publicamente. Desde criança eu tenho interesse em fenômenos paranormais e anomalias. O escopo de meu interesse é muito amplo, mas a Ufologia é o que se destaca aqui na Polônia. Muita coisa está acontecendo neste instante, o que chama ainda mais a minha atenção. Comecei a pesquisar seriamente o fenômeno em 2004, mas nunca escondi que o que mais me atrai é escrever sobre isso.

O que exatamente sobre sua vida que você nunca disse publicamente?
É um fato que aconteceu comigo quando eu tinha entre cinco e seis anos. Acordei à noite para beber água e, de repente, ao olhar pela janela, vi um disco voador do tipo clássico, com luzes coloridas. Ele era idêntico ao do contatado suíço Eduard “Billy” Meier. Mas quando eu ia chamar a minha mãe, ele se foi. Esse avistamento ficou gravado na minha mente. Eu sei que não foi um sonho. O objeto, a julgar pela perspectiva que tenho hoje, não era muito grande, mas tinha a forma bem distinta e cores diversas. Desde então esse assunto me fascina.

Imagino que a Polônia deve ter interessantes casos ufológicos. Então, por que não temos muitas informações sobre eles?

Sim, a Polônia tem um longo histórico de eventos ufológicos. O que eu publiquei em meu livro UFOs Over Poland [UFOs sobre a Polônia, Flying Disk Press, 2015] é apenas uma fração do todo. São muitas as razões que impedem que ufólogos e entusiastas divulguem informações mais detalhadas. Eu diria que a primeira é a barreira linguística, porque a língua polonesa é uma das mais difíceis do mundo. E, segundo, o fato de que somente poucas pessoas publicam os casos poloneses na imprensa ufológica mundial.

E como agem os pesquisadores em relação a esses fatos?
Bem, os primeiros ufólogos poloneses não acreditavam que os episódios que investigavam seriam tão importantes, principalmente os ocorridos durante a Segunda Guerra Mundial e até mesmo antes dela. A mesma coisa provavelmente ocorreu com países da mesma região. Para você ter uma ideia, somente poucos casos da Rússia são conhecidos pela mídia ocidental. Então, o que dizer de eventos ocorridos na Letônia, Eslováquia e Sérvia? Ninguém sabe o que está acontecendo por lá porque não há comunicação entre os pesquisadores. Quanto à questão do acobertamento, existe algo muito esquisito ocorrendo realmente. Depois que a Polônia passou a integrar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em 2000, os UFOs literalmente desapareceram da mídia. Até mesmo durante o período do comunismo, durante a Cortina de Ferro, havia relatos e até investigações oficiais de casos não convencionais. Hoje, a mídia está em silêncio...

crédito: SHALOM ORMSBY
Embora sejam pouco conhecidos, devido à falta de divulgação, os casos de abduções alienígenas são abundantes na Polônia
Embora sejam pouco conhecidos, devido à falta de divulgação, os casos de abduções alienígenas são abundantes na Polônia

É possível que a Polônia viva, hoje, um estado de censura ufológica, a mando da OTAN, por exemplo?
Por mais absurdo que isso possa parecer nos dias atuais, eu acredito que sim. Para que um país entre na OTAN, tem que assinar uma série de acordos, abrir mão de muita coisa e implementar outras mais. O que impede que haja uma cláusula onde seja determinado que todo e qualquer relato de UFOs ou casos envolvendo contatos com seres alienígenas sejam informados aos representantes da OTAN e não divulgados pelo governo? Ou ainda que exista uma forte pressão sobre os veículos de comunicação para que não deem destaque a esses incidentes? Posso afirmar também que essa situação é a mesma de muitos países que foram comunistas e hoje integram blocos capitalistas ou a OTAN.

E você acredita que há alguma esperança de que isso mude em um futuro próximo?
Eu acredito que isso vai mudar, mas não tão cedo — a não ser que haja uma reviravolta e a presença alienígena em nosso planeta seja confirmada oficialmente. Mas daí a mudança seria global e inevitável.

Você poderia nos contar um pouco sobre a história dos avistamentos ufológicos na Polônia?
Sim. Primeiro precisamos entender que os eventos que hoje chamamos de ufológicos estão incrustados no contexto cultural e mental da época em que ocorreram. Eles foram considerados, por muitos, como sendo apenas crônicas que mencionavam a aparição de gnomos, duendes, demônios, escudos flamejantes, rodas voadoras, ou seja, qualquer coisa sem explicação para a população daquela época. Os avistamentos mais antigos são divididos em várias categorias, como relatos medievais, da era moderna, dos séculos XVIII e XIX e casos do início do século XX.

Como se distinguem estas ocorrências?
Cada grupo tem a sua própria característica. Nos eventos ocorridos nos tempos medievais, por exemplo, podemos encontrar referências a avistamentos de estranhos fenômenos aéreos, como estrelas e cometas, que eram considerados arautos da destruição. “Milagres dos céus” também são mencionados nos séculos seguintes, mas com o surgimento doIluminismo, também conhecido como Século das Luzes — que teve como característica a centralidade da ciência e da racionalidade crítica no questionamento filosófico —, os relatos de estranhos eventos tornaram-se muito mais detalhados e investigados.

Depois que a Polônia passou a integrar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), em 2000, os UFOs literalmente desapareceram da mídia. Até mesmo durante o período do comunismo, durante a Cortina de Ferro, havia relatos e investigações oficiais.

Há relatos da época do Iluminismo?
Sim. Foi durante o Iluminismo, no século XVII — um período de grande agitação para a Polônia, conhecido como Rzeczpospolita, ou seja, Domínio Público —, que muitos casos inexplicáveis surgiram. Um deles ocorreu em 1618, em Szczecin, então dominada pela Alemanha, quando um jovem pastor alemão, Klaus Neumann, teve um encontro fantástico com um ser que saiu de um UFO. De acordo com Klaus, ele observou uma estranha luz no céu e de repente algo parecido com uma concha desceu e se transformou em um “menino” aparentemente de quatro anos de idade, vestindo uma camiseta branca, que conversou com a testemunha.

Interessante. O que ocorreu em seguida?
Logo após o visitante desaparecer, surgiu sobre o pastor um objeto em forma de estrela que disparou para o espaço. Há também um registro do último grande rei polonês, Jan Sobieski III, que escreveu em seu diário a experiência. Segundo o monarca, por volta das 07h00 de um dia de primavera de 1683, algo parecido com um arco-íris transformou-se em um objeto em forma da Lua cheia. “Aquela coisa era extraordinária. Estávamos indo para o oeste quando ela surgiu atrás de nós, mudou de direção e foi parar onde estava o Sol”, relatou o rei Sobieski III.

Realmente, são casos fantásticos que, com certeza, em seu livro estão mais detalhados. Mas, e na Era Moderna dos Discos Voadores, o que a Polônia pode nos contar?
Sim, mas para mim, os eventos mais interessantes são aqueles ocorridos antes da Era Moderna dos Discos Voadores. Por exemplo, em 1922, um objeto discoide foi visto em Targowek, bairro da cidade de Varsóvia. As testemunhas que relataram a história, décadas depois, afirmaram que o UFO ficou tão baixo que quase bateu no chão. Temos muitas outras ocorrências assim. Mais um exemplo foi o acontecido no final do século XIX, quando estranhos objetos com poderosas luzes foram vistos em diferentes lugares da região de Podkarpacie.

Foi uma onda ufológica, como as que temos hoje em dia?
Semelhante. Só para termos uma ideia de quanto o fenômeno ufológico marcou a vida dos poloneses, cito o exemplo de um outro caso ocorrido entre 1926 e 1927, em Ujazd. Em 1989, uma das últimas testemunhas dos acontecimentos, Zofia Lautama, já com seus 92 anos de idade, relatou de forma detalhada que por volta das 15h00, quando estava pastorando as vacas de sua propriedade, de repente os animais simplesmente pararam de se mover. Ela olhou em direção à cidade de Ujazd e viu, a cerca de 200 m de distância, três objetos esféricos pairando sobre o terreno e um ser humanoide em frente a uma das naves — os aparelhos voadores tinham cor de cimento. Por alguns minutos eles se entreolharam, até que o extraterrestre desapareceu e os UFOs partiram lentamente na direção das montanhas da região.

crédito: EDITORIA DE ARTE
Vistos durante os combates da Segunda Guerra Mundial, estas sondas ufológicas também fazem incursões em cidades polonesas
Vistos durante os combates da Segunda Guerra Mundial, estas sondas ufológicas também fazem incursões em cidades polonesas

Está nos registros ufológicos que durante conflitos bélicos há uma grande incidência de avistamentos. Dois episódios marcaram a história da Ufologia Polonesa durante a Segunda Guerra Mundial, uma aterrissagem em Nowiny e o avistamento dos foo fighters sobre seu país. Conte-nos mais, por favor.
A Segunda Guerra Mundial começou com o ataque alemão à Polônia, e meu país perdeu cerca de 22% de sua população durante o conflito. Os soldados de Hitler provocaram massacres entre a população civil. Varsóvia quase foi riscada do mapa, o castelo do rei foi queimado e milhões de pessoas morreram pelas mãos dos nazistas. Isso é difícil de esquecer. Mas entre todas essas atrocidades tivemos, sim, estranhos incidentes ufológicos. Um dos mais interessantes está ligado aos foo fighters, que realmente perseguiam aeronaves de combate, mas em várias ocasiões esses objetos também foram observados por pessoas em solo.

Você tem algum caso para nos narrar?
Sim. Uma das histórias mais conhecidas é a de Zenon Sergisz, que em 1944, durante a ofensiva contra Varsóvia, viu três desses UFOs manobrando debaixo de um bombardeiro alemão. Por volta das 11h00, em meados de agosto, durante um dos raros momentos sem explosões no país, Sergisz observava o lindo céu azul sem nuvens quando sua atenção foi atraída por um bombardeiro alemão e três pequenos pontos refletindo a luz do Sol. Quando a aeronave partiu, ele teve a impressão de que os artefatos começaram a descer e ficaram na altura dos prédios, os poucos ainda intactos. Mas creio que um caso ocorrido um ano antes vai impressionar ainda mais os leitores da Revista UFO. Kazimierz Bzowski foi um dos maiores ufólogos poloneses e em um determinado momento de sua vida teve uma experiência que mudaria os rumos de sua existência — ele viu uma estranha esfera colorida sobre o gueto judeu em Varsóvia sendo atacado pelas forças alemãs.

Quer dizer que as tropas nazistas abriram fogo contra um UFO?
Isso mesmo. Em 09 de abril de 1943, uma semana antes da eclosão do contra-ataque dos judeus aos nazistas, Bzowski e seus companheiros vigiavam as forças nazistas que se encontravam no gueto em chamas. Por volta das 15h00, eles notaram a presença de um objeto aéreo aproximando-se da área e pegaram seus binóculos para ter uma melhor visão daquilo. Segundo seus relatos, era uma esfera completamente lisa e redonda, com 7 m de diâmetro e duas faixas ao seu redor, nas cores roxo e verde-escuro. O artefato se movia erraticamente no ar, subindo e descendo, a uma velocidade de 100 km/h — parecia estar observando as ações dos nazistas no gueto. Os alemães e lituanos que atiravam nas pessoas que apareciam nas janelas de seus apartamentos em chamas para tentarem escapar da morte, pararam quando a esfera emergiu da fumaça e foi em sua direção na Rua Bonifraterska. Foi aí que eles começaram a disparar contra o UFO e assim o fizeram por vários minutos.

Isso é incrível. O que houve depois?
Bzowski disse que viu as balas passarem através da esfera sem lhe causar qualquer dano. Quando o objeto ficou sobre suas cabeças, ainda sob a intensa rajada de balas, mudou seu curso e foi em direção à cidade antiga. Segundos depois, acelerou e desapareceu. Esse episódio marcou para sempre a vida de Kazimierz Bzowski, que acabou se tornando um dos maiores ufólogos da Polônia.

As balas disparadas pelos soldados simplesmente passaram a esfera sem lhe causar qualquer dano. Quando o objeto ficou sobre suas cabeças, ainda sob a intensa rajada de balas, mudou seu curso e foi em direção à cidade antiga, para não ser mais visto.

E o Caso Nowiny, como foi?
Quanto ao Caso Nowiny, confesso que é um dos mais fantásticos que pesquisei. Segundo o relato de uma testemunha aos pesquisadores poloneses Krzyszof Piechota e Bronislaw Rzepecki, em 1943, quando ela tinha 16 anos de idade um estranho objeto em forma de chapéu pousou a menos de 300 m de sua casa. Ela e outro jovem decidiram aproximar-se daquele estranho aparelho que desceu do céu. Seus relatos, muito detalhados, dizem que o UFO tinha cerca de 5 m de altura e 7 m de comprimento. Ainda de acordo com suas descrições, havia entre 8 e 9 seres humanoides próximo ao objeto voador não identificado.

Como eram os tripulantes do veículo?
Eles teriam cerca de 1,3 m de altura e eram muito parecidos com seres humanos. Sua pele tinha um tom rosado, mas, quando sorriam, sua boca ficava em forma de meia Lua, de cabeça para baixo. Eles pareciam humanos, porém usavam capacetes e uma roupa que brilhava. Os seres gesticularam e tentaram fazer com que as testemunhas se aproximassem deles ou se comunicassem em uma língua desconhecida. Quando um deles acenou na direção dos jovens, eles caíram como se tivessem sido empurrados. Com os seres a bordo, o objeto decolou, tremeu e disparou na direção do céu.

Muito interessante. Mas até agora falamos de casos antigos, ocorridos antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Muita gente poderia achar que, com o fim dos conflitos, a casuística polonesa desapareceria. Mas não foi isso que aconteceu, correto?
Claro que não. Embora o primeiro avistamento registrado de maneira moderna na Polônia tenha ocorrido em 1922, a mídia — totalmente controlada pelo Estado — só começou a dar destaque aos fenômenos anômalos nos anos 50. A década após a Segunda Guerra Mundial foi muito difícil para o país, com as enormes e profundas mudanças no sistema político, delimitação de novas fronteiras e influência do estado soviético. Mesmo assim, os casos que surgiram, cada vez mais impressionantes, eram publicados com destaque pelos jornais e investigados pelo governo.

Você poderia nos contar um caso ufológico marcante da época?
Claro. Um dos mais espetaculares ocorreu em 16 de agosto de 1949, quando a jovem Wola Drzewiecka voltava para casa e viu um estranho objeto verde-escuro, que ela descreveu como tendo a aparência de dois pratos invertidos sobrepostos, com cerca de 3 m de diâmetro. Sua superfície era lisa e parecia feita de metal polido. Como toda criança, ela ficou muito curiosa. “Estendi meu braço direito e delicadamente toquei na superfície metálica do objeto com meu dedo indicador. Eu conseguia sentir uma leve vibração que vinha dele, parecendo choques elétricos. Rapidamente recolhi meu braço e notei que meu dedo tinha ficado vermelho, como se estivesse queimado. Olhei para o objeto e ouvi um som metálico. Ele começou a rodar e levantar até desaparecer no céu”, contou Wola.

Esse caso é parecido com o ocorrido no Canadá, em 1967, com Stefan Michalak. Concorda?
Sim, realmente é. E Michalak era polonês. Mas esse não foi o único caso em que uma pessoa tocou em um UFO. Em Glinik, um vilarejo conhecido por ser palco de eventos muito incomuns envolvendo UFOs, um jovem garoto viu um estranho objeto pousado na fazenda da sua família. O fato ocorreu em 1963, em plena luz do dia. O garoto aproximou-se do artefato coberto de “adesivos” e que emitia uma leve vibração. Ao tocar na sua superfície, sentiu uma rápida elevação de sua temperatura corporal. A palma de sua mão ficou formigando por algum tempo. Ele correu para casa e chamou seus pais, mas quando voltaram ao local, o objeto já não estava mais lá.

crédito: PAULO BACH
Casos de objetos submarinos não identificados também são muito registrados pelos ufólogos poloneses nos mares ao redor
Casos de objetos submarinos não identificados também são muito registrados pelos ufólogos poloneses nos mares ao redor

Gostaria de abordar, agora, a famosa fotografia tirada pelo doutor Johann Kowalzcewski, em Muszyna, em dezembro de 1959, considerada como uma das melhores evidências ufológicas. Pode nos falar sobre esse caso?
A foto foi tirada em 22 de dezembro de 1959, em um resort nas montanhas de Muszyna. O dia estava nublado, mas em um dado momento Kowalzcewski viu um clarão que pensou ser o Sol. Mas o astro se movimenta pelo céu de um lado para o outro. Ele então tirou a foto. Em seu relato, escrito em uma carta endereçada a dois jornais de Varsóvia, Kowalzcewski contou que, logo após fotografar o UFO, chamou sua esposa, mas o objeto tinha desaparecido. Ele pensou que poderia ter se enganado, mas a estranheza do evento o incomodava. Em nenhum momento ele se referiu ao artefato como sendo um objeto voador extraterrestre — ele só queria uma explicação para o que tinha fotografado. Kazimierz Zalewski, um dos primeiros ufólogos poloneses, analisou seu relato e a foto e concluiu que se tratava de um UFO. Durante anos a imagem foi analisada por especialistas e nenhum concluiu que se tratava de uma fraude.

E onde está essa foto hoje?
Ela está sumida, mas é considerada uma das melhores fotos de UFOs já feita.

Uma pena. Vamos falar agora do caso considerado por muitos ufólogos a primeira abdução polonesa. Você investigou a ocorrência?
Sim. Este primeiro caso de abdução é anterior ao de Antônio Villas-Boas e do casal Betty e Barney Hill. Aconteceu no verão de 1954, em Wegierska Górka, um vilarejo nas montanhas da Polônia. O citado pesquisador Rzepecki escreveu sobre o episódio em 1986. A testemunha, de iniciais E. W., então com 11 anos de idade, foi com outras crianças colher cogumelos. Ela teria recebido uma ordem telepática para se separar do grupo e correr para uma clareira com 100 m de extensão. Ao chegar ao local, deparou-se com um enorme objeto cilíndrico pairando sobre o solo.

O que fez a jovem quando viu aquilo?
Bem, a aeronave tinha uma porta aberta e ela entrou. No caminho da entrada, ela viu um ser parado ali — ele media 1,6 m, tinha pele branca e olhos humanos. Vestia uma roupa colada ao corpo que o cobria até o pescoço e parecia ter uma “lâmpada” presa nas costas. O interior da nave parecia ser feito de alumínio polido e tinha quatro painéis presos nas paredes, com humanoides manipulando-os. Esses seres eram menores do que o da entrada e vestiam sobretudos cinzas. Um minuto depois ela recebeu outra mensagem telepática falando que deveria sentar-se a um metro de um pilar metálico cinza que estava no centro da sala. Essa foi sua última recordação. Entretanto, esse caso, mesmo sendo anterior ao de Villas-Boas e dos Hill, não pode ser comparado aos dois, uma vez que se passaram muitos anos entre o incidente e seu registro. Mas esse ainda é considerado o primeiro caso de abdução que se tem notícia na Polônia.

Ainda falando sobre encontros com aliens, talvez o mais famoso ocorrido na Polônia, e amplamente divulgado em todo o mundo, seja o Caso Emilcin. Correto?
Sim. A Polônia já tinha um histórico de casos ufológicos antes, mas que eram conhecidos apenas em nosso país ou no máximo em alguns países vizinhos. O Caso Emilcin mudou esse cenário, com a “abdução voluntária” do fazendeiro Jan Wolski, com 71 anos na época. O episódio tomou proporções mundiais. Tudo começou em 10 de maio de 1978, quando Wolski levantou cedo para ir até uma fazenda vizinha escolher uma égua para o seu cavalo. O céu estava nublado e fazia frio. No caminho até a fazenda, ele pegou um atalho e ao longe viu algumas silhuetas, que pensou ser de escoteiros ou caçadores. Com o barulho de sua aproximação, os seres se voltaram para o homem e foi então que ele notou que tinham pele esverdeada. Eles tentaram fugir e se separaram. O fazendeiro andou mais um pouco e, para sua surpresa, havia um “ônibus” voando. O que se seguiu foi o roteiro de um contato imediato, com Wolski entrando no UFO e depois sendo devolvido à Terra. Em meu livro eu dou mais detalhes sobre esse caso.

A Polônia tem um longo histórico de quedas de discos voadores. O mais famoso foi o ocorrido em Gdynia, quando um estranho objeto em forma de barril mergulhou nas águas do porto da cidade, em janeiro de 1959. Mas também há outros até mais recentes.

Ainda sobre este caso, em 2013 começaram a surgir especulações de que o evento teria sido uma fraude. Você concorda?
Foi lançada uma obra em 2013 na qual o autor, que eu prefiro não citar, tentou demonstrar que o caso era uma farsa. Entretanto, ele se baseia em fatos frágeis e dados da internet. São quase 200 páginas que vão do nada a lugar nenhum. O único argumento que ele utiliza para concluir que o caso é uma farsa é dizer que o caso é uma farsa. O autor provavelmente espera que os ufólogos poloneses corram para salvar a veracidade do Caso Emilcin, o que não vai acontecer, pois as evidências de que foi algo real são muito mais consistentes, ao contrário do que ele tentou fazer crer.

Em seu livro você escreve sobre quedas de UFOs na Polônia. Poderia revelar um caso para nossos leitores?
A Polônia tem um longo histórico de quedas de discos voadores. O mais famoso foi o ocorrido em Gdynia, quando um estranho objeto em forma de barril mergulhou nas águas do porto da cidade, em janeiro de 1959. O evento em si foi real, quero dizer, o acidente foi real — alguma coisa caiu mesmo do céu, mas o caso tornou-se uma lenda com o passar das décadas.

E o que ocorreu com o artefato?
Algumas fontes afirmam que o objeto foi resgatado, o que provavelmente é verdadeiro. Mas outros dizem que uma estranha entidade foi encontrada no Mar Báltico durante as buscas da guarda costeira. A “lenda” diz que o ser era idêntico a uma pessoa, a não ser pelo número de dedos — alguns diziam que tinha quatro dedos, enquanto outros que tinha seis. O humanoide teria sido transportado para o hospital em Gdynia e os médicos retiraram sua roupa metálica parcialmente queimada. Quando a entidade morreu, seu corpo foi levado para a União Soviética.

Por que você chama o caso de lenda?
Porque, provavelmente, a história surgiu no Ocidente. O caso aparece em alguns livros em inglês e só depois foi aceito na Polônia. Além disso, a hipótese mais provável é que tenha sido um satélite russo ou norte-americano o que caiu ali, sendo testemunhado por muitos trabalhadores no porto naquela noite. Mas Gdynia não foi o primeiro caso de queda de um UFO na Polônia. O ufólogo francês Jean Spider escreveu sobre um prisioneiro de guerra que, em 1943, viu uma pequena aeronave prateada submergir em uma duna de areia. Ao seu lado havia uma elegante mulher, de cabelos loiros, vestindo uma roupa justa ao corpo, tentando escavar a nave. O prisioneiro pensou se tratar de uma aeronave alemã e se aproximou da mulher para ajudá-la. Quando conseguiram retirar o objeto da areia, ela entrou nele e ele decolou. Só aí que o homem percebeu que esteve diante de algo de outro mundo.

Para você esse caso é real?
Para ser honesto, sou muito cético quanto à essa história. Não somente porque acho muito difícil um prisioneiro de guerra poder andar tranquilamente por aí sem segurança, como também pelo simples fato de que não se sabe onde fica o local do encontro. Outro evento muito controverso ocorreu em Wegorzewo, em uma área de floresta muito densa. O caso foi divulgado pela primeira vez pela imprensa em Osztyn. O relato, vindo de uma fonte militar anônima, contava que durante um treinamento na floresta um grupo de militares das forças especiais encontraram um UFO com 5 m de diâmetro — o objeto estava fincado em um lago lamacento. Os militares cercaram a aeronave e aguardaram por reforços. Quando eles chegaram, o objeto, que se parecia com um ovo sobre um braço de metal, mudou sua cor repentinamente e explodiu. Alguns soldados foram feridos. Eu não encontrei nenhuma evidência sólida sobre este caso.

crédito: OTAN
O entrevistado afirma que, depois de a Polônia ter ingressado a OTAN, a divulgação de relatos ufológicos diminuiu muito
O entrevistado afirma que, depois de a Polônia ter ingressado a OTAN, a divulgação de relatos ufológicos diminuiu muito

Em seu livro, você diz que os anos 90 foram tempos de casos controversos. Por quê?
Na década de 90 muitas coisas mudaram. O sistema político mudou, o Exército Vermelho abandonou suas bases na Polônia e a democracia recomeçava. Mas os tempos eram difíceis e foi o momento de uma enorme abertura para o Ocidente e sua cultura. Foi também um período espetacular de registros ufológicos, como o Caso Wegorzewo. Dois dos acontecimentos mais interessantes são o Caso Saint Ann Hill e o Incidente em Nadarzyce.

Você poderia comentar esses dois fatos para os nossos leitores?
Claro. O primeiro caso envolveu um grupo de jovens que afirmaram ter testemunhado várias manifestações ufológicas em Saint Ann Hill, na região de Opole, no verão de 1997. Tudo começou quando eles foram ao local pela primeira vez e viram estranhas luzes realizando algumas manobras no céu. Decidiram voltar outro dia para ver se viam a mesma coisa, e viram. Durante o encontro, observaram a manifestação de uma aeronave cilíndrica. Uma porta se abriu no objeto e luzes esféricas saíram de dentro dele. As aterrorizadas testemunhas disseram que as esferas se tornaram humanoides durante o voo e que o rádio de seu carro começou a tocar uma estranha música. O caso ganhou mais notoriedade na mídia local e a testemunha principal, Grzegorz Nowak, afirmou ter sofrido efeitos após o encontro. Ele chegou a levar alguns jornalistas para visitar o local e esperou pelos alienígenas. Entretanto, eles não viram nada e isso foi sua ruína. Até hoje ainda não tenho uma conclusão sobre o caso.

E o outro caso?
O outro incidente aconteceu em uma base militar em Nadarzyce. Alguns soldados disseram que em outubro de 1994 luzes surgiram sobre a instalação e vários relatos foram feitos. Alguns diziam que as luzes estavam em formação de enormes círculos, outros viram uma forma triangular ou retangular ao redor dos objetos. Supostamente, dois aviões decolaram a fim de interceptar o UFO, mas ele teria acelerado e desaparecido na noite. Em meio às explicações, uma hipótese surgiu sugerindo que o avistamento teria sido causado por um potente holofote de um circo que estava na cidade — a luz do holofote foi realmente vista pelos moradores, mas acontece que o objeto observado pelos militares estava em outra posição. Alguns soldados afirmaram, inclusive, que o UFO teria tentado pousar. Como eu disse, os anos 90 foram agitados e cheios de controvérsias na Polônia...

Nós já falamos sobre a região de Glinik como sendo local de fenômenos anômalos, mas em seu livro você cita outras duas, Czestochowa e Rzeszów. O que há de estranho nelas?
Rzeszów tem um histórico muito rico em avistamentos de UFOs. O local é chamado de “ponto polonês de UFOs” devido à grande atividade de UFOs na cidade e arredores. Artefatos são observados em muitas partes da cidade, de dia ou de noite, e alguns casos são espetaculares. Entre eles, destaco o caso de uma jovem e seu pequeno filho que foram surpreendidos por um disco voador esverdeado no parque onde brincavam. A zona anômala de Czestochowa é um pouco diferente. Lá os UFOs tendem a aparecer nos arredores de Osson Hill. A outra parte dessa região fica a vários quilômetros de distância, na Reserva Natural de Falcons Hill. Nas duas áreas, testemunhas relatam o aparecimento de pequenas sondas e esferas luminosas. Não foram encontradas explicações convencionais para elas. O melhor exemplo de um encontro desse tipo ocorreu com meu amigo Grzegorz Tarczynski, em 2002.

Como foi esse acontecimento?
No final do verão daquele ano, Tarczynski recebeu um telefonema de seu irmão, que trabalhava em uma empresa de gás, em Osson Hill. Ele deixou seus amigos e junto com o pai foi de carro até o encontro com o irmão. Com um par de binóculos ambos viram algo extraordinário — era um objeto que dançava para cima e para baixo com luzes multicoloridas. Tarczynski relatou que dava para ver que o UFO era composto de alguma forma de energia. Em determinado momento, o objeto tornou-se vermelho e soltou uma fumaça azulada. Com quase 30 minutos de avistamento, um ponto de luz saiu do artefato maior. Ele começou a circular o outro e emitir descargas elétricas entre si. Minutos depois voltaram a se fundir e dispararam rapidamente para o norte.

Observando o desenvolvimento da tecnologia militar, acredito que alguns dos avistamentos podem ser de aeronaves secretas

Muito interessante. Há também registro de observações de triângulos voadores sobre a Polônia? Você acredita que sejam armas secretas, como se diz?
Observando o desenvolvimento da tecnologia militar, acredito que alguns dos avistamentos podem, sim, ser de aeronaves terrestres secretas. Mas o que dizer de eventos ocorridos há 30 anos? Ou, então, sobre o Incidente de Ramillies, quando a Força Aérea Belga (FAB) perseguiu tais objetos e o governo daquele país enviou uma carta ao dos Estados Unidos afirmando que as aeronaves não eram terrestres?

O que você pensa sobre estes fatos?
As observações de triângulos, e na verdade de toda a gama de UFOs, já foram objeto de estudos em dois relatórios patrocinados pelo milionário norte-americano Robert Bigelow. O primeiro mostrava que esses veículos podem ser militares, essencialmente uma variação moderna da aeronave usada para transportar pessoas e equipamentos. A segunda conclusão é a de que a análise do comportamento desses aparelhos e suas particularidades deixa em dúvida a explicação terrena da sua origem. O doutor Colm Kelleher, assessor de Bigelow que publicou essas conclusões, também levantou um aspecto interessante ao afirmar que, sem razão conhecida, e diferentemente de outros tipos de UFOs, os objetos triangulares se mostram para o público, aparecem sobre rodovias, carros e grandes centros urbanos. Seria algo realmente estúpido para um governo ficar exibindo suas armas secretas para todo mundo ver. São, portanto, duas conclusões, segundo Kelleher. A primeira, puramente paranormal, baseada na hipótese de John Keel, que diz que esse fenômeno é ufológico e segue uma escala de desenvolvimento tecnológico.

Você está dizendo que os triângulos seriam “novos” discos voadores?
Sim, e por que não? Nós começamos com escudos voadores na Antiguidade, alguns até parecidos com os discos voadores clássicos. Passamos para os foo fighters, discos voadores clássicos, foguetes espectrais, UFOs translúcidos etc. Assim como nós, eles também devem desenvolver constantemente sua tecnologia. Pouca gente pensa nisso, mas o objeto que caiu em Roswell era triangular. Muito parecido com os nossos aviões invisíveis, que surgiram anos depois.

E quanto à segunda conclusão que você menciona?
Voltando a ela, creio que esses objetos têm pouca diferença entre si. Para viajar em órbita, são de um tipo. Para viagens interplanetárias, seriam de outro, mas sempre tendo origem extraterrestre. Outra questão é a camuflagem dos objetos — eles mudariam a sua forma para a de bumerangue, diferente dos triângulos, mas da mesma família. Suas manifestações ocorrem há muito tempo, pelo menos há várias décadas. E o mistério sobre essa parte do fenômeno ufológico ainda está longe de ser decifrado...

Alguns ufólogos o consideram cético em relação à origem extraterrestre dos UFOs. Afinal, você acredita que eles vêm de outros planetas?
Eu sou cético quanto ao modo de se pensar sobre o fenômeno. Sou cético quando um pesquisador que afirma que tudo o que não tem explicação e que voa é um disco voador pilotado por alienígenas. Nós temos que deixar bem claro que tudo o que voa, e não é enquadrado como sendo algo conhecido, é um objeto voador não identificado, mas isso não significa que seja de outro planeta. Temos nos ares, hoje em dia, muito mais aviões secretos do que se tinha há anos. Todas as pessoas têm telefones celulares com máquinas fotográficas. E o que isso significa? Muito mais gente tirando fotos de tudo o que voa. Com mais câmeras nas mãos das pessoas, qualquer reflexo na lente se torna um UFO. Então, sou cético quanto a isso.

Então, podemos dizer que você acredita que somos visitados por extraterrestres a bordo de espaçonaves?
É claro que acredito nisso, mas eu quero algo que vá além disso para acreditar, para provar e responder às minhas perguntas internas.

Para finalizarmos, quais são seus planos para o futuro da Ufologia?
Em meu país é difícil planejar qualquer coisa. Nesse campo, muito mudou ao longo dos anos e qualquer pesquisador tem que fazer uma escolha. Eu acredito que os UFOs são uma anomalia e que a descoberta de vida extraterrestre ou de sinais do universo não vai mudar isso. O que eu quero fazer é o que tenho feito, ou seja, mostrar os fatos aos leitores, fazê-los pensar e sugerir algumas soluções. Eu também gostaria de continuar a escrever livros sobre o fenômeno ufológico.